admin

Um estudo comparativo da aptidão física funcional e percepção da qualidade de vida entre idosos frequentadores e não-frequentadores de Universidade Sénior

Mar 3, 2015

A comparative study of the functional fitness and perception of quality of life among elderly participants and non-participants of Universities of third age

Un estudio comparativo de la condición física funcional y de la percepción de cualidad de vida entre los ancianos frecuentadores y no-frecuentadores de Universidad de la tercera edad

Authors

Biehl-Printes, Clarissa 1; Teixeira, Diogo 1; Costa, Armando 1; Pinheiro, Valter1; Sousa, Paulo 1; Cruz, Joana2; Tomas-Carus, Pablo 3

1 Departamento de Ciências do Desporto. Instituto Superior de Ciências Educativas – ISCE. Lisboa. Portugal

2 Departamento Social e Cultural.  Instituto Superior de Ciências Educativas – ISCE. Lisboa. Portugal

3  Departamento de Ciências do Desporto e Saúde, Universidade de Évora. Évora. Portugal

Corresponding Author:

Clarissa Biehl Printes, cbprintes.isce@gmail.com

Departamento de Ciências do Desporto.

Instituto Superior de Ciências Educativas – ISCE.

Odivelas, Lisboa

Author contributions

Biehl-Printes C. conceived of the study, participated in its design and coordination, analysed the data, contributed to the results discussion and wrote the manuscript; Teixeira D., analysed the data and contributed to the results discussion; Costa A., Pinheiro V., and Sousa P., contributed to the results discussion; Cruz J., participated in coordination and data collection. Tomas-Carus P., participated in the study design and coordination, and contributed to the results discussion. All authors read and approved the final manuscript.

Abstract

Objectives: To analyze the contributions of Universities of third age (U3A) through their proposed activities and effects in functional fitness and quality of life of elderly participants and non-participants.

Methods: The sample was composed of two groups: elderly participants in U3A (EPG; n=25) and elderly non-participants (ENPG; n=25). Data collection was obtained through questionnaires: one about sociodemografic characteristics and U3A attendance (General questionnaire) and another about quality of life (WHOQOL-BREF Portuguese version). Also, were applied two test of the Fullerton Tests battery (30-second chair stand and 8-food up and go).

Results: The results show statistically significant differences in attendance between women (76%) and men (24%). There is a predominance of married (68%) that attend the U3A. The educational level indicates that the EPG present more years of education (28%) and more people with higher education (24%). The main reason why the ENPG didn’t attend U3A was lack of time (44%). For lower body strength, the results showed differences between EPG and ENPG (p=0.022), in favor of EPG. No differences were observed between groups for agility/dynamic balance (p=0.977). In quality of life were observed differences between groups in the physical domain (p=0.026), with the EPG presenting higher scores that ENPG. For all the other domains, no differences were observed (all p>0.050).

Conclusions: This study showed a prevalence of attendance of women to U3A and that the enrolled elderlies have more previous years of schooling. The elderly participants in U3A showed better physical domain than non-participants. However, in other domains were not found differences between participants and non-participants. For future studies, it is proposed that the sample should encompass groups with higher age range that may produce results with new interpretations.

Keywords: active aging; university of third age, functional fitness, quality of life.

 

Resumo

Objetivos: Analisar as contribuições da Universidade da Terceira Idade (UTI) através de suas atividades propostas e os efeitos na aptidão funcional e qualidade de vida dos idosos participantes e não-participantes.

Métodos: A amostra foi composta por dois grupos: idosos participantes na UTI (GIP; n=25) e idosos não-participantes (GINP). A coleta de dados foi obtida por meio de questionários: um sobre as características sóciodemográficas e particpação na U3A (questionário geral) e outro sobre a qualidade de vida (WHOQOL-BREF versão Portuguesa). Além disso, foram aplicados dois testes da bateria Fullerton Tests (30-chair stand and 8-food up and go).

Resultados: Os resultados mostraram diferenças estatísticas significativas na participação entre as mulheres (76%) e homens (24%). Há um predomínio de casados (68%) dos idosos que participam na U3A. O nível de escolaridade indica que os idosos do GIP apresentam mais anos de escolaridade (28%), e mais idosos com ensino superior (24%). A principal razão pela qual o GINP não adere a U3A está associada à falta de tempo (44%). Para aptidão física funcional, os resultados mostraram diferenças entre o GIP e GINP (p=0.022) para uma menor força do corpo. Não foram observadas diferenças entre os grupos para a agilidade/equilíbrio dinámico (p=0.977). Na qualidade de vida foram obeservadas diferenças entre os grupos no domínio físico (p=0.026), valores mais elevados no GIP. Para todos os outros domínios não foram encontradas diferenças (todos p>0,050).

Conclusões: Este estudo mostrou uma prevalência de participação das mulheres na U3A, e que os idosos inscritos têm mais anos e nível de escolaridade. Os idosos participantes mostraram melhor domínio físico que os não-participantes. No entanto nos outros domínios não foram encontradas diferenças. Para estudos futuros, propõe-se  uma amostra  com uma faixa etária mais elevada, de modo a possibilitar outro tipo de resultados sujeitos a novas interpretações.

Palavras chaves: envelhecimento ativo, universidade sénior, aptidão física funcional, qualidade de vida.

 

Introduction

World population age has arisen in the last decades. Despite this, several conquests were made in modern societies as a mean to adjust to this new social paradigm. It is possible to observe that these populations are experiencing the challenge of an active aging. It is commonly accepted that a person with 65 or more years old is considered an elderly individual (3rd age), but new definitions arise in order to adjust to the prolonged life expectancy and to better distinguish among the vast amplitude previously existing. For this matter, a new stratification now seems to be consensual, ranging between 80-85 or more years (i.e. 4th age) ( Formosa, 2012; Stathi & Simey, 2007).

In Europe changes in this age group has been a matter of concern and interest for more than 40 years, in which France stood as one of the countries to boost successful aging trough higher education institutions (Cachioni, 2012; Lemieux, Boutin, Snachez & Riendeau, 2003). In the 70’s Portugal, alongside France, implemented the concept and practice of free time associations denominated Universities of 3rd Age (U3A) or Senior Universities (SU), but adopted an English structured model based in non-profit associations or self-organized groups, with non-formal education, differing from the French model associated with formal Universities (Jacob, Jesus & Sampaio, 2012; Lemieux et al., 2003; Pinto, 2003).

Gradually, the chronologic concept adopted by U3A and SU in the 60’ and 70’ decades that referred this association as a socio-educative response to individuals starting 50 years of age, has been weakened by the senescence age attributed in the 80’ decade by OMS of 60 and 65 years (Jacob et al., 2012; OMS, 1980; ONU, 1982). However, that socio-educative response, targeting the creation and dynamization of regular social, cultural, educational, physical and socializing activities reflect a perfect integration of the previously framework if the active aging concept previously proposed by OMS (1990), that envisions as a major objective to create opportunities to optimize conditions to health, participation and security, that may allow the quality of life as people become older (Jacob et al., 2012; WHO, 2002).

Data from Portuguese senses tends to show a crescent trend in the number of people with more than 65 years (19.1% of the population), surpassing that of young (15%), accentuating the verified trend in 2001 senses (Carrilho & Patrício, 2010). Due to the evidence that elderly people are increasing, it becomes even more relevant to stimulate programs and politics of healthy aging, assuring the continuities of a productive, healthy and quality life. Therefore, the concept of quality of life in the advanced age is considered as one of main indicators to evaluate the condition of life of the elderly, involving different dimensions that encompass the optimum level of physical, mental, social, performance functioning, and satisfaction with life and their well-being (Fleck et al., 2000; Fonseca, 2005). Corroborating the perspective of a comprehensive concept of quality of life that involve a wide array of multidisciplinary perspectives (e.g. sociologic, biomedical, psychological, economical and environmental) (Walker, 2005), interested investigate the contribution that the social support networks that allow organization of 3rd age activities (i.e. U3A/SU) brings to functional health, independent life, social relations and to psychological well-being of these people. As an example, previous studies show that adherence to these organizations influence physical and psychological well being. In this sense, an association between the participation in U3A and a lower intensity depression was found (Irigaray & Schneider, 2007). The interest in physical activities practices and the pursuance of well-being was demonstrated as a determinant indicator of the U3A  participants, as for a better perception of the factors related to the environmental and psychological domains and global perception of quality of life and health in middle age and elderly people (Castro et al., 2007; Fenalti & Swartz, 2000).

To the extent of our knowledge, it seems to exist a discrepancy between the high number of U3A/SU in Portugal (over 200 registered in 2012) and scientific work published within this approach (5). Several studies are unanimous to assume the influence of an active life style with some variability of physical and cognitive activities to the promotion of the quality of the lived years (Colombe & Krower, 2003; Chou, Hwang & Wu, 2012). In these sense, the multidisciplinary set offered by U3A in physical activities, such as physical education, walking, dancing, yoga and senior bocce are normally available to elderly students.

Thus, assuming U3A as a prepared organization with a wide array of multidisciplinary opportunities with continuous and regular formation, we ought to explore these contexts and develop scientific knowledge to ensure the promotion and valorization required to continue a healthy and active aging. Therefore, in this study we propose to analyze the contributions of U3A through their proposed activities and effects in physical fitness and quality of life elderly people.

 

Material and Methods

Sample selection

For this exploratory cross-sectional study were used posters and verbal communication to call for voluntary participants in Senior University of Odivelas (SUO), integrated in Superior Institute of Educational Sciences (ISCE). Selection criteria were: men and women >65 years, elderly participants of SUO (EPG; n=25) and elderly non- participants (ENPG; n=25 – elderly friends and family of the participants of SUO – we asked participants of U3A to bring to the evaluation day a friend or family member) without cognitive and locomotors problems (we allowed the participation of elderlies that used a canadian cane). Exclusion criteria: elderly that already attending another U3A or other social organization for 3rd age (i.e. sports club, social solidarity association, inhabitant association) or those that participate in entities or organizations directed to this population (i.e. day centers, recreational collectivities, municipal services). The participants were informed of study procedures and given the informed consent to voluntary participate in the research. All were approved by the Ethics Committee of Health and Welfare of the University of Évora (Document Nº 13020) and were in accordance with the 1975 Helsinki Declaration.

Procedures and instruments

Sociodemographic characteristics, cognitive problems and adherence to the U3A

All participants were asked about the age, civil status and education level. Immediately, the Watch Design Test (Freitas & Simões, 2010) was used as exclusion criteria for cognitive problems in the elderly. Each participant was asked to make a clock (no pre-defined time), making a circle and putting the numbers in the correct position, without looking in to his watch. When finished, it is asked to put the indicators marking 10 minutes to 2 o’clock. This test is used to evaluate: visual perception, construction praxis, right hemisphere dysfunction and left hemisphere negligence. For example: small watch indicates lack of planning and inadequate positioned numbers point to executive deficit. Additionally, was analyzed the characteristics of adherence to the U3A by the senior participants. Only the EPG were asked about years attends U3A, times per week, motivational factors, intent of leaving and number of disciplines attended. The ENPG were asked about the reasons why they didn’t attend U3A.

Quality of Life

The Portuguese version of World Health Organization Quality of Life Group (WHOQOL-Bref) (Fleck et al., 2000) was applied to assess quality of life. This instrument has 26 questions divided in four domains of quality of life: physical capacity, psychological well-being, social relations and the environment where the individual is inserted. Besides these four domains, WHOQOL-Bref it is also composed by a domain that assesses global quality of life. Each domain is composed by questions where higher scores (between 1 and 5) represent better quality of life. Some characteristics, designed as facets are not formulated in a positive sense. In these cases higher scores do not mean better quality of life. Scoring is calculated by a syntax that considers answers in each question composing the domain, resulting in final scores in a scale of 4 to 20, comparable to dose of WHOQOL-100, which can be transformed in a 0 to 100 scale.

Functional fitness

For assess lower body strength and agility/dynamic balance were applied two test of Fullerton Functional Fitness Test Battery (Rikli & Jones, 1999): 30-Second Chair Stand and 8-Foot Up and Go. The 30-Second Chair Stand Test assess lower body strength, needed for numerous tasks such as climbing stairs, walking and getting out of a chair, tub or car. The elderly people should perform the maximum number of full stands that can be completed in 30 seconds with arms folded across chest. The 8-Foot Up and Go Test assess agility/dynamic balance, which is important in tasks that require quick manoeuvring, such as getting off a bus in time or getting up to attend to something in the kitchen, to go to the bathroom or to answer the phone. The elderly people should to get up from a seated position, walk 2.44 metres (8 foot) and return to seated position.

 

Statistical analysis

Normality of data was initially tested using the Kolmogorov-Smirnov test. Differences between groups were tested using Kruskal-Wallis test for continuous variables (age, functional fitness and quality of life) and Chi-square test for categorical variables (sex, civil status, educational level). For all tests the significance level was set at p<0.05. These analyses were performed in SPSS 22.0 software.

Results

Sociodemographic characteristics

Were observed significant differences between EPG and ENPG in sex, civil status and educational level. The results showed that the women’s attend more U3A than men. Also was showed that there is a predominance of married elderly that attend the institution. The educational level indicates that the elderly in the EPG present more years of education and more people with higher education (Table 1).

Additionally, we have analyzed the characteristics of adherence to the U3A by the EPG. We observed that our sample attends U3A for 3,88 ± 1,76 years with a frequency of 3,48 ± 1,12 times per week; the three more motivational factors were 1) own will – 18 (72%), 2) refer of a friend – 4 (16%) and 3) refer of family – 2 (8%); the intent of leaving U3A 1) Yes – 1 (4%) and No – 24 (96%); number of disciplines attended was 4,44 ± 1,63; the five more attended disciplines were 1) Music – 13 (52%), 2) English – 12 (48%), 3) Painting – 11 (44%), 4) Informatics – 10 (40%) and 5) Spanish – 8 (32%). We also asked the ENPG the reasons why they didn’t attend U3A, being that the three main reasons were 1) lack of time – 11 (44%), 2) does not consider an adequate ambient for themselves – 8 (32%),3) financial limitations – 3 (12%) and 4) locomotors difficulties – 1 (4%).

 

Functional fitness and Quality of life

Were showed significant differences between EPG and ENPG in lower body strength. The EPG showed more strength in the lower body. No differences were observed between groups in agility/dynamic balance. In addition, were observed differences between groups in the physical domain (p=0.026), with the EPG presenting higher scores that the ENPG. For all the other domains, no differences were observed between groups. Nonetheless, the EPG presents marginally higher scores in three other of the five non-statistically significant variables (perception of overall quality of life, psychological domain and social relationships domain) (Table 2).


Discussion

This comparative study showed that the more women go to U3A and that elderly enrolled have more previous years of schooling. The frequency engage in activities was of 3 times/week and there is no report of intention the leave the U3A after enrolling. Non-enrolled elders consider the lack of time the main cause preventing them to start in U3A. The participants in U3A showed better strength and quality of life in physical domain that non-participants in U3A. However, in all domains they present a “good” classification in quality of life.

The data presented in the sociodemographic analysis supports previous findings. The age, sex and level of education distribution in our EPG is in accordance with studies done in other countries that have functioning U3As and have demographic similarities with Portugal (Alfageme, 2007; Formosa, 2012; Mindwinter, 1996). In our study, the mean age is clearly within the 3rd age group for elderly men and women, women are the highest percentage of members in U3A and the participants have higher levels of education. This is an expected trend repeatedly presented in previous studies. This generally represents the retirement age of this population, the absence of similar services in this age group, higher life expectancies for women, and a set of secondary and post-secondary education experiences that may have influenced the motivations and pleasure associated with learning in the past, contrasting with the heavy class baggage associated with the name “university” for the owners of lower education levels (Formosa, 2012).

The U3A provides a space that has multidimensional and multidisciplinary interactions with the elderly people. The range of disciplines provided promotes an interaction that allows the training and development of physical, social, cultural and psychological domains. The combination of disciplines attended by the elderly will ultimately define the benefits obtained (Pinto, 2003). As seen in ours results, the participants in U3A tend to enrolled in the institution by self-initiative, of the thirty disciplines they attend in average 4, were the most frequented are music, painting, informatics, English and Spanish, all promoters of sedentary or light physical activity during class time. However, these activities are promoters of a high cognitive and motor-cognitive function, marked today as important to this population. Several studies have indicated that cognitive training have advantages to retard the cognitive decline in the process of healthy aging, were new technologies like computers and video games present themselves as alternatives of intervention to be expanded (Kueide, Parisi, Gross, & Rebok, 2012). Additionally, it is suggested that cognitive domain practices may bring gains in the cognitive performance of healthy elderlies that may manifest 5 years after training (Willis et al., 2006). Moreover, previous studies support the efficacy of the practice of motor coordination activities, trough gross and fine motor abilities activation, that act positively in executive functions that may seem to be independent of gains obtain by cardiovascular and strength training (Voelcker-Rehage, Godde & Staudinger, 2011; Yan & Zhou, 2009). Physical activities are presented in several disciplines and by different modalities, where students presented their preference in boccia (20%), dance (20%) and physical activities (12%), which in general shows an adherence as significant as music, languages, painting and informatics. However, bearing in mind the several possible ways to promote a healthy and active aging, it is suggested and supported the pertinence of each filed of intervention, either by cognitive abilities, motor-cognitive associated with physical exercise, physical activities, social relation, nutrition, etc., all contributing to retard the cognitive decline associated to the loss of functional independence, autonomy and quality of life (Williams & Kemper, 2010).

The participants in U3A showed better quality of life in physical domain that non-participants. This domain explores pain and discomfort, energy and fatigue and stress and rest facets (Fleck et al., 2000). From the data collected it is not possible to clearly identify the reasons behind this result. One factor that may be influencing the higher results presented in physical domain by the EPG is the lower body strength score. It is possible to observe that there were differences between groups in this parameter, in favor of EPG. However, all domains quality of life showed a classification of “good” (score ≈75 in scale 0-100), this could be due to the age (years) of the attendees 66,6 (EPG) and 67,2 (ENPG), functional and mental conditions adequate to an independent and active life that may have a low interference in quality of life. This, associated with the concept that aging is a dynamic and progressive process that involve physical, functional, biochemical, psychological and social changes that, when associated with an active healthy life style, results in a bigger longevity, described in previous studies (Castro et al., 2007; Chodzko-Zajko & Schwingel, 2009; Ferreira, Maciel, Costa, Silva & Moreira, 2012). Several studies pointed out the importance of U3A in promoting health benefits for their members (Formosa, 2012; Ordonez, Lima-Silva & Cachioni, 2011; Sonati, Modeneze, Vilarta, Maciel & Boccalett, 2011), and that there is a positive relationship between psychological wellbeing and participating in U3A with extension to other areas of life (Maniecka-Bryłaemail, Gajewska, Burzyńska, & Bryla, 2013). Additionally, EPG shows a sustained connection to U3A with the duration of 4 years, assuming a frequency of 3 times per week, reflecting the capability for retaining for a long period elderlies in activities. Continuous adherence of elderly in health promoting activities is the question of interest in this research, considered as problematic for the shift in the healthy life style (Caetano & Raposo, 2005). For this matter, it seems interesting to point out that U3A is a promoter of this change.

The present study also included limitations, which require further discussion. First, the age in the group studied may have influenced the results, regarding that they already enjoy good functional, mental and physical health, associated with quality of life. Besides, ENPG considers that they do not attended U3A mainly because of lack of time (44%), maintaining themselves active and involved in other activities, being, this way, equally active to EPG, condition that influence directly in the evaluation of quality of life. Another possible analysis to be considered on sociodemographic variables is labor situation (i.e. working; retired). The association with work and health is well documented, where labor activities are seen as having a positive role in preservation some health variables, whereas unemployment is associated with higher rates of mortality, psychiatric symptoms and worst health conditions (Arber, 1987; Janlert, 1997). Few studies had addressed this theme with elderly. Findings described on the relation of the capacity of sustaining a healthy living associated with non-formal work, sociodemographic characteristics, higher levels of schooling, health condition, autonomy and independence (Giatti, & Barreto, 2003; Marmot & Shipley, 1986). However, and in U3A context, we consider this study as pioneer in elderly and quality of life characterization.

 

Conclusion

This study showed a higher adherence of women to U3A and that elderly enrolled have more previous years of schooling. Additionally, the participants in U3A engage in activities with a weekly frequency on average of 3 times and there is no report of intention the leave the U3A after enrolling. The ENPG considered the lack of time the main cause preventing them to start in U3A. Moreover, were observed higher levels in lower body strength and physical domain in participants of U3A. However, in all domains they present a good classification in quality of life. We propose the development of studies with higher age groups, mainly because they may possess different characteristics and present results worthy of new interpretations.

 

Acknowledgements

We would like to thank Direction of Senior University of Odivelas for allow us to develop this study, and to the elderly that collaborate voluntary in this study.

 

References

 

  1. Formosa, M. (2012). Four decades of Universities of the Third Age: past, present, future. Ageing and Society, 34(1), 42-66.
  2. Stathi, A & Simey, P. (2007). Quality of life in the Fourth Age: exercise experiences of nursing home residents. Journal of Aging and Physical Activity, 15 (3), 272-286.
  3. Lemieux, A. Boutin, G. Sanchez, M. & Riendeau, J. (2003). The faculties of education in the traditional universities and the third age universities: A model of partnership. Versão policopiada. 9: 2.
  4. Cachioni, M. (2012). Universidade da Terceira Idade: história e pesquisa. Revista Temática Kairós Gerontologia, 15 (7), 01-08.
  5. Jacob, L. Jesus, A. & Sampaio, J. (2012). Universidades Seniores: criar novos projetos de vida. Lisboa: Ed. Rutis.
  6. Pinto, M. (2003). As Universidades da Terceira Idade em Portugal: das origens aos novos desafios no futuro. Revista da Faculdade de Letras – Línguas e Literaturas, 20(2), 467-478.
  7. Organización Mundial de la Salud (1980). Informe de la conferencia preparatoria de la OMS para a asamblea mundial de las naciones unidas sobre el envejecimiento. México.
  8. Organização das Nações Unidas (1982). Asamblea mundial sobre el envejecimiento. Viena
  9. World Health Organization (2002). Active ageing: A policy framework. Geneva.
  10. Carrilho, M. J. & Patrício, L. (2010). The demographic Changes in Portugal. Lisboa: National Institute of Statistics.
  11. Fonseca, A. M. (2005). O envelhecimento bem sucedido. In Paúl & A. Fonseca (Eds.). Envelhecer em Portugal.(pp. 281-311).Lisboa: Climepsi Editores:
  12. Fleck, P. A., Louzada, S., Xavier, M., Chachamovich, E., Vieira, G., Santos, L. & Pinzon V. (2000). Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Revista Saúde Pública, 34 (2), 178-83.
  13. Walker, A. A. (2005). European perspective on quality of life in old age. European Journal of Ageing, (2), 2-12.
  14. Irigaray, T. Q. & Schneider, R. H. (2007). Prevalence of depression in elderly women attending the University of Third Age. Revista Psiquiatria Rio Sul, 29(1),19-27
  15. Fenalti, R. C. & Shwartz, G. M. (2000). Universidade Aberta à Terceira Idade e a perspectiva de ressignificação do Lazer. Revista Paulista de Educação Física, 17(2),131-41
  16. Castro, P. C., Tahara, N., Rebelatto, J. R., Driusso, P., Aveiro, M. C. & Oishi, J. (2007). Influência da universidade aberta da terceira Idade (UATI) e do programa de revitalização (Revt) sobre a qualidade de vida de adultos de meia-idade e idosos. Revista brasileira de Fisioterapia, 11(6), 461-7.
  17. Colombe, S. & Kramer, A. F. (2003). Fitness effects on the cognitive function of older adults: a meta-analytic study. Psychological Science, 14, 125-30.
  18. Chou, C. H., Hwang, C.L., & Wu, Y. T. (2012). Effect of exercise on physical function, daily living activities, and quality of life in the frail older adults: a meta-analysis. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 93(2), 237-44.
  19. Freitas, S. & Simões, M, R. (2010). Teste do desenho do relógio: utilidade e validade como instrumento de rastreio cognitivo. Psicologia, Educação e Cultura, 14(2), 319-37.
  20. Rikli, R. & Jones, J. (1999) Development and validation of a functional fitness test for community-residing older adults. Journal of Aging and Physical Activity, 7,129-161.
  21. Alfageme, A. (2007). The clients and functions of Spanish university programmes for older people: a sociological analysis. Ageing & Society, 27(03), 343-361.
  22. Mindwinter, E. (1996). Thriving people: The growth and prospects of the U3A in UK. London: Third Age Trust.
  23. Pinto, M. G. (2003). The current status and future prospects of university programmes for seniors in Southern and mediterranean Europe: the case of Portugal. Revista da Faculdade de Letras “Línguas e Literaturas”, Série II, vol. 20 (1), 71-90.
  24. Kueider, A. M., Parisi, J.M., Gross, A. L. & Rebok, G. W. (2012). Computerized Cognitive Training with Older Adults: A Systematic Review. PLoS one, 7, e40588.
  25. Willis, S. L., Tennstedt, S.L., Marsiske, M., Ball, K., Elias, J., Koepke, K.M., et al. Long-term effects of cognitive training on everyday functional outcomes in older adults. Jama. 296: 2805–2814.
  26. Yan, J. H. & Zhou, C, L. (2009). Effects of motor practice on cognitive disorders in older adults. European Review of Aging and Physical Activity, 6(2), 67–74.
  27. Voelcker-Rehage. C., Godde, B. & Staudinger, U. M. (2011). Cardiovascular and coordination training differentially improve cognitive perfor­mance and neural processing in older adults. Frontiers in Human Neuroscience, 17(5), 26.
  28. Williams, K. & Kemper, S. Exploring interventions to reduce cognitive decline in aging. Journal of Psychosocial Nursing and Mental Health Services. 2010; 48(5): 42–51.
  29. Ferreira, O.G.L., Maciel, S.C., Costa, S. M. G., Silva, A.O. Moreira, M. A. S. P. (2012). Envelhecimento ativo e sua relação com a independência funcional. Texto Contexto Enferm, Florianópolis. Jul-Set; 21(3): 513-8.
  30. Chodzko-Zajko, W., & Schwingel, A. (2009). Transnational Strategies for the Promotion of Physical Activity and Active Aging: The World Health Organization Model of Consensus Building in International Public Health. Quest, 61(1): 25-38.
  31. Sonati, J., Modeneze, D. M., Vilarta, R., Maciel, E. S. & Boccaletto, E. M. (2011). Body weight as an indicator of fat-free mass in active elderly women. Maturitas, 68(4), 378-81.
  32. Ordonez, T., Lima-Silva, T. & Cachioni, M. (2011). Subjective and Psychological well-being of students of University of the third age. Benefits of continuing education for psychological adjustment in the elderly, Dementia e Neuropsychologia, 5(3), 216-225.
  33. Maniecka-Bryłaemail, I., Gajewska, O., Burzyńska, M. & Bryla, M. (2013). Factors associated with self-rated health (SRH) of a University of the Third Age (U3A) class participants. Archives of Gerontology and Geriatrics, 57(2), 156-161.
  34. Caetano, L. M. & Raposo, J. V. (2005). Atitudes dos Idosos face à Actividade Física. Cuadernos de Psicología del Deporte, Vol. 5, núms. 1 y 2.
  35. Arber, S. (1987). Social class, non-employment, and chronic illness: Continuing the inequalities in health debate. British Medical Journal, 294, 1069-1073.
  36. Janlert, U. (1997). Unemployment as a disease and disease of the unemployed. Scandinavian Journal of Work, Environment & Health, 23, 79-83.
  37. Giatti, L. & Barreto, S. M (2003). Health, work, and aging in Brazil. Cadernos de Saúde Pública, 19(3), 759-771.
  38. Marmot, M. G. & Shipley, M. J., (1996). Do socioeconomic differences in mortality persist after retirement? 25 years follow up of civil servants from the Whitehall study. British Medical Journal, 313, 1177-1180.
Read More

FORÇA MUSCULAR E COMPORTAMENTO SEDENTÁRIO EM IDOSOS MORADORES DE INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

Mar 3, 2015

Comportamiento sedentario y la fuerza muscular en ancianos residentes en instituciones para personas de edad.

Sedentary Behavior and Muscle Strength in Elderly Residents of Institutions for the Aged.

1Josivaldo de Souza Lima

2Sandra Marcela Mahecha Matsudo e

1Timóteo Leandro Araújo

 

  1. Professor de Educação Física
  2. Médica do Esporte

 

 

1 e 2Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul – CELAFISCS

Endereço: Rua Heloisa Pamplona 269, Bairro Fundação – São Caetano do Sul

Tel: 11.4229-8980

Email: josivaldoesporte@gmail.com

Email: Sandra@celafiscs.org.br

Email: timoteo@celafiscs.org.br

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Resumo

 

As instituições de longa permanência para idosos possuem características de receber o idoso e cuida, conservando seu estado de saúde. Porém sabe-se que além desses, o idoso necessita de cuidados mais amplos de saúde, que deve abranger principalmente a prevenção de doenças e a promoção de saúde por intermédio de práticas de atividade física. O objetivo desta pesquisa foi associar o número de passos e tempo em comportamentos considerados sedentários na maioria dos nos dias de semana e finais de semana com a aptidão física e funcional de moradores de longa permanência para idosos (ILPI’s).A metodologia desse estudo transversal utilizou dados do projeto talentos da maturidade Santander Senior Fit de atividade físicas coordenado pelo CELAFISCS. Este estudo utilizou dados iniciais do projeto de intervenção em atividade física de 159 adultos fisicamente inativos. A amostra é composta por dois terço eram mulheres com idade de 75(11,39). Na avaliação do número de passos utilizamos o pedômetro digital Walk por 7 dias incluindo finais de semana. Na avaliação do comportamento sedentário foi utilizado duas questões do IPAQ versão curta, validado no Brasil. Na avaliação da aptidão física e funcional foi utilizado a tradicional bateria de testes do CELAFISCS tais como: Dinamometria, flexão de braço, sentar e levantar da cadeira em 30 segundos e em 1 minuto, sentar e alcançar, Timed Up and Go, equilíbrio dinâmico e estático e velocidade normal e máxima de andar. Os resultados apontam diferenças significantes entre os grupos de número de passos somente nas variáveis flexão de braço (p=0.0047), TUG (p= 0.0022), velocidade de andar (p=0.0127). Concluímos que adultos moradores de instituição de longa permanência para idosos que passam a maior parte do dia em comportamentos considerados sedentário apresentaram piores resultados na força muscular, sendo a força um importante componente responsável pela aptidão física e saúde física e funcional. Portanto dentro de instituições com esse público é importante adotar medidas de incentivo no sentido de evitar tais comportamentos.

 

 

 

 

Abstract

Institutions for the aged have characteristics of receiving and elderly care, preserving his health. But it is known that in addition, elderly patients need more extensive care, which mainly cover disease prevention and health promotion through physical activity practices. The objective of this research was to associate the number of steps and time behaviors considered sedentary in most weekdays and weekends with the physical and functional fitness of residents for the aged The methodology of this cross-sectional study used data talents project maturity Santander Senior Fit physical activity coordinated by CELAFISCS. This study used data from the early intervention project in physical activity of 159 physically inactive adults. The sample comprised two thirds were women aged 75 (11,39). In assessing the number of steps used digital pedometer Walk for 7 days including weekends. Evaluation of sedentary behavior in two issues of the IPAQ short version, validated in Brazil was used. In assessing the functional and physical fitness was used the traditional battery of tests such as the CELAFISCS: Dynamometry, arm flexion, sitting and rising from a chair in 30 seconds and 1 minute, sit and reach, Timed Up and Go, and dynamic balance static and normal and maximum walking speed. The results indicate significant differences between groups in the number of steps only variable arm flexion (p = 0.0047), TUG (p = 0.0022), walking speed (p = 0.0127). We conclude that adults living in long-stay institutions for the elderly who spend most of the day in sedentary behaviors considered fared worse in muscle strength, the force being an important component responsible for physical fitness and physical health and functioning. So within this public institutions is important to adopt incentive measures to avoid such behaviors.

Introdução

Durante o processo de envelhecimento é comum com o avançar da idade cronológica o ser humano se torna menos ativo fisicamente Gobbi Sebastião et al. (2013) e Matsudo Sandra et al (2002). A diminuição das atividades da vida diária comumente acontece em todos os indivíduos, independente do sexo, classe econômica, cor, etnia. Matsudo Sandra et al (2002). O impacto da diminuição de atividades físicas acomete o indivíduo como um todo e em diferentes variáveis, entre elas a aptidão física. Petroski Elio (2012). Esse processo acontece em pessoas que ainda convivem com seus familiares e com amigos na vizinhança de forma independente e com maior impacto em pessoas institucionalizadas. Oliveira Paulo e Inês Echenique (2012). O efeito da diminuição das atividades físicas “sedentarismo” pode ser ainda mais devastador neste grupo, sendo as principais causas de novas doenças, aumento no número de quedas e complicações por doenças crônicas já existentes. Santana Pereira e Ialuska Guerra (2010), Costa Jimena, Wagner Ricardo e Oliveira Lisangela (2012) e Benedetti Tânia (2010).  A manutenção das atividades da vida diária pode implicar na preservação da força muscular que em pessoas na condição de moradora de instituições de longa permanência para idosos as ILPI’s podem interferir positivamente nas capacidades físicas e funcionais que esse idoso necessita para continuar a ser independente funcional. Ribeiro Luciana, Neri Anita, (2012).

A participação em atividades físicas, podem ser capaz de manter ou em muitos casos minimizar os efeitos deletérios do envelhecimento como: a redução da musculatura por perda e fibras musculares e consequentemente perda da força muscular conhecida como sarcopenia e dinapenia. Zago, Anderson et al (2012), Mariano Eder et al (2013) e Oliveira Ana (2014).

Entretanto a características de funcionamento de instituições de longa permanência para idosos (ILPI’s) não levam consideração a prevenção de doença por intermédio da promoção de saúde pela manutenção de atividades físicas e sim de forma farmacológica.

Já é bem sabido na literatura que o sedentarismo é considerado a 2° causa de mortes por todas as causa.  Cem por cento dessas doenças poderiam ser evitadas se existisse programas específicos de combate ao sedentarismo, levando em consideração as características comuns de cada grupo, como é o caso das ILPI’s que poderiam criar estratégias simples de mudança de comportamento. Lee I-M, et al (2012). Sabe-se que historicamente as casas repouso para idosos conhecidas como asilos possuem características de fazer com que esse idoso repouse, entretanto esse suposto repouso não pode ser entendido como privação de movimento muito menos da realização de atividades da vida diária. Gestores de ILPI’s muitas vezes sem intenção, com um pensamento de super proteção, criam regras que obrigam os moradores a ficar a maior parte do dia em comportamentos sedentário como por exemplo alocar televisão em quartos, refeitórios e salas de estar com o objetivo de entreter o idoso. Porém o que esses gestores muitas vezes não percebem é que estão condenando essa pessoa ao sedentarismo.

Para compreender a situação física e funcional atual das pessoas que vivem em ILPI’s é necessária a realização de testes e medidas específicas para pessoas nessa idade. Assim o objetivo no nosso trabalho foi associar uma medidas de nível de atividade física utilizando um contador de passos (pedômetro) com as questões 4a e 4b do International Physical Activity Questionnaire IPAq, sobre comportamento sedentário e variáveis de aptidão física e funcional de idosos moradores de ILPI’s.

 

Método

Amostra

Este trabalho trata-se de um estudo transversal com amostra por conveniência. A amostra deste estudo transversal foi composta por 159 adultos, sendo 60 homens com média de idade de 71,3±12,4 e 99 mulheres com média de idade de 75,8±12,3 fisicamente inativos. A seleção da amostra foi por conveniência, todos os idosos fazem parte do programa de intervenção em atividades físicas Senior Fit® programa tal criado pelo Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul (CELAFISCS) A amostra selecionada provém de 6 ILPI’s filantrópicos da cidade de São Paulo no município de São Caetano do Sul. Foram incluídos na amostra todos os idosos que realizaram a avaliação física e funcional e utilizaram o pedômetro (medidor de passos) Foram excluídos na amostra os idosos que perderam o pedômetros ou utilizaram por menos de 3 dias. Todos os participantes assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido e os que não conseguiam ler nem escrever a instituição assinou o termo como corresponsável. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade Municipal de São Caetano do Sul, sob n° 310.381. Na avaliação do número de passos foi utilizado o pedômetro Digital Walk 700. O avaliado foi orientado a utilizar o pedômetro durante 7 dias. Na avaliação do comportamento sedentário foram utilizadas duas questões do IPAQ versão curta que permite estimar o tempo despendido em atividades mais passivas (realizadas na posição sentada).

 

Procedimentos

A avaliação da aptidão física e funcional foi realizada utilizando a bateria de testes do CELAFISCS. Matsudo Sandra (2010). Tais como:

Dinamometria de preensão manual tem como objetivo medir a força de membros superiores de ambas as mãos, foi utilizado neste estudo a melhor medida de força da mão dominante.

Flexão de cotovelo e tem como objetivo medir a força e fadiga muscular de membros superiores da mão dominante, neste teste é utilizado o maior número de repetições de extensão e flexão do cotovelo em 30 segundos.

Sentar e levantar da cadeira em 30 segundos tem como objetivo medir a força e fadiga muscular de membros inferiores, neste teste é utilizado o maior número de repetições de levantar e sentar em 30 segundos de uma cadeira que geralmente medi trinta centímetros de altura.

Levantar da cadeira uma vez tem como objetivo medir a mobilidade geral realizado no menor tempo possível utiliza-se o tempo médio de três tentativas.

Equilíbrio unipodal tem como objetivo medir o equilíbrio estático realizado em 30 segundos na posição em pé e flexionando uma das pernas na posição de 45° graus. Utiliza-se o tempo médio de três tentativas sendo 30 segundos o máximo.

Flexibilidade tem como objetivo medir a flexibilidade de tronco, realizado em posição sentada com as pernas estendidas tenta-se alcançar a maior distância no banco de Wells.

Análise estatística

As variáveis de interesse do estudo foram descritas por meio da frequência absoluta e percentual, média e desvio padrão. A distribuição dos dados foi avaliada pelo teste de Kolmogorov Smirnov. As variáveis de aptidão física e capacidade funcional foram comparadas entre os estratos de adiposidade através do Wilcoxon. A regressão linear foi realizada para avaliar a associação entre a variável independente (número de passos) e dependentes (aptidão física e capacidade funcional). Na regressão linear múltipla as associações foram avaliadas independente da idade, sexo e escolaridade dos indivíduos. Para todas as análises foi utilizado o programa Stata 12.1 (StataCorpo LP, College Station, TX, USA) e considerado um nível de significância de 5%.

Resultados

Mais de dois terços dos idosos asilados eram do sexo feminino e metade tinha excesso de peso. A média de idade era de 75 anos (11,39) e tinham aproximadamente 4 anos de escolaridade (dp 3,46). Em relação às variáveis de aptidão física, a média de força de preensão (kg), flexibilidade (cm), e flexão de braço (rep) foi de 19 (dp 7,53), 16 (dp 8,26) e 13 (dp 6,26), respectivamente. Nos testes de capacidade funcional, a média foi de 20seg no TUG, 4seg no equilíbrio unipodal, 7,8seg na velocidade de andar, 1,5seg para levantar da cadeira e 9 repetições no teste de sentar e levantar da cadeira em 30 segundos. Foram encontradas diferenças significantes entre os grupos de número de passos somente nas variáveis flexão de braço (p=0.0047), TUG (p= 0.0022), velocidade de andar (p=0.0127). (Tabela 1).

Na tabela 2 estão apresentadas as associações do número de passos com as variáveis de aptidão física e capacidade funcional. Na análise bivariada, o número de passos esteve associado com força muscular de braço (β 4,28; IC 95% 0,97 – 7,58), além de melhor desempenho nos testes TUG (β -6,87; IC 95% -12,00 – -1,75) e velocidade de andar (β -2,47; IC 95% -4,78 – -0,17). No modelo múltiplo, o número de passos manteve-se associado somente com o desempenho no teste de velocidade de andar (β -3,19; IC 95% -5,87 – -0,50), independente do sexo, idade e nível socioeconômico dos idosos.

Tabela 1: Características sociodemográficas, aptidão física e capacidade funcional de idosos residentes em asilos, segundo número de passos. São Caetano do Sul, 2014
Passos <2765 Passos >2765
Variável N Media (dp)   N Media (dp)
Idade 28 75,57 (10,95) 28 73,96 (11,78)
Sexo
Masculino 11 50 11 50
Feminino 17 50 17 50
Peso (kg) 28 63,41 (12,95) 28 63,11 (11,37)
Altura (cm) 28 152,25 (8,87) 28 150,36 (28,17)
IMC:
Eutrófico 13 52 12 48
Excesso de peso/ obeso 12 48 16 52
Escolaridade (anos) 21 2,81 (3,60) 26 4,85 (4,94)
Número de Medicamentos 28 3,07 (3,28) 28 2,75 (2,94)
Aptidão Física:
Preensão Manual (kg) 28 17,37 (7,28) 28 20,59 (7,57)
Flexibilidade 28 15,30 (6,77) 28 17,14 (9,55)
Flexão de Braço (rep) 25 10,72 (6,13) 27 15 (5,74)
Capacidade Funcional:
Up and Go test (seg) 28 23,10 (10,53) 28 16,22 (8,49)
Equilíbrio (seg) 28 2,97 (5,66) 28 5,09 (7,05)
Velocidade de Andar (seg) 28 9,06 (4,90) 28 6,59 (3,62)
Velocidade Máxima de Andar (seg) 28 6,88 (4,86) 28 5,13 (2,49)
 Levantar da Cadeira 1 vez (média) 26 5,49 (14,9) 28 1,64 (1,35)
Levantar da Cadeira 1vez (melhor) 26 1,81 (1,47) 28 1,28 (1,01)
Levantar da Cadeira 30 seg (rep) 25 8,88 (5,13) 27 10,04 (3,19)

 

Tabela 2: Análise de regressão linear bruta e ajustada da associação entre número de passos e aptidão física e capacidade funcional de idosos residentes em asilos. São Caetano do Sul, 2013
Bruto

 

    Ajustado*

 

   
Número de Passos Passos <2765 Passos >2765 p Passos <2765 Passos >2765 p
      β (IC 95%)   β (IC 95%)
Aptidão Física:      
Preensão Manual 1 3,21 (-0,76 – 7,19) 0,111 1 2,17 (-1,96 – 6,30) 0,296
Flexibilidade 1 1,84 (-2,59 – 6,28) 0,408 1 0,72 (-4,81 – 6,26) 0,793
Flexão de Braço 1 4,28 (0,97 – 7,58) 0,012 1 3,40 (-0,32 – 7,12) 0,072
Capacidade Functional:
Up and Go test (seg) 1 -6,87 (-12,00 – -1,75) 0,010 1 -6,05 (-12,27 – 0,17) 0,056
Equilíbrio (seg) 1 2,12 (-1,31 – 5,55) 0,220 1 -0,80 (-3,90 – 3,73) 0,966
Velocidade de Andar (seg) 1 -2,47 (-4,78 – -0,17) 0,036 1 -3,19 (-5,87 – -0,50) 0,021
Velocidade Máxima de Andar (seg) 1 -1,75 (-3,82 – 0,32) 0,096 1 -2,18 (-4,68 – 0,31) 0,085
Levantar Cad.1 vez (média) 1 -3,85 (-9,53 – 1,83) 0,180 1 -1,01 (-2,09 – 0,07) 0,067
Levantar Cad. 1vez (melhor) 1 -0,53 (-1,21 – 0,16) 0,129 1 -0,50 (-1,24 – 0,24) 0,182
Levantar da Cadeira 30 seg (rep) 1 1,16 (-1,20 – 3,52) 0,330 1 0,20 (-2,72 – 3,12) 0,892

Discussão

Em relação às instituições de longa permanência ILPI’s a cidades de São Caetano do Sul possui 15 sendo apenas 6 com característica de instituição filantrópicas, essas seis instituições filantrópicas foram escolhidas para fazer parte do projeto Senior Fit que ofereceu desde de 2012 a 2014 atividades físicas de 2 à 3 vezes na semana com duração de 40 a 60 minutos. A pesquisa foi realizada no início do projeto onde o grupo ainda não realizava atividades físicas sistematizadas. Na pesquisa os achados mostram que a capacidade física e funcional deste grupo é muito menor que outros grupos de idosos que não moram em ILPI’s e não fazem exercícios e são independentes. de Oliveira Eliane et al (2013) e Penha José Carlos (2012). A possível explicação para tal achado pode ser pelo simples fato simples de, mesmo tendo condições para realizar caminhadas e auxiliar nas atividades da casa, de certa forma os idosos são impedidos ou não são incentivados a fazê-las. Ao contrário de pessoas da mesma idade que moram sozinhas, elas precisam realizar atividades básicas como cuidar da casa, no asseio, na ida ao mercado, essas simples atividades diárias já são capazes de manter a capacidade funcional. Borges Grasiely, Benedetti Tânia, Farias Sidney (2011). Estudos realizados em São Caetano do Sul com idosos independentes que realizavam caminhadas diárias na locomoção até os centros da terceira idade onde realizavam atividades físicas, foram mais eficiente no gasto calórico que a própria aula aeróbica, mostrando que a caminhada por si só já pode ser indicada como um componente de preservação do peso corporal. Cruciani Fernanda et al (2012).  Sabe se que no processo de envelhecimento a massa muscular diminui e a massa de gordura aumenta fazendo com que o idoso diminua as atividades cotidianas devido a perda da função muscular de contração eficiente. Silva Junior e Ferrari Gerson (2011).

A força muscular do grupo que realizou mais horas em comportamento sedentário apresentou piores resultados nos testes, em contra posição o grupo que tinha maiores valores de passos na semana apresentaram melhores resultados de força muscular de membros superiores, isso não significa que possuíam valores de força adequados para a idade. O comportamento sedentário tem sido estudado por muito pesquisadores que tem mostrado efeitos negativos surpreendentes independentes do nível de atividade física.

Pesquisa realizadas no Norte do Brasil sobre os aspectos construídos em ILPI’s apontou semelhanças em seis instituições pesquisadas, apenas uma possuía espaço físico construído para práticas de atividades físicas. Apesar disto nenhuma delas tinha planejamento para atividades, nem mesmo profissional capacitado para realizar tal atividade. Pereira Besse, (2011).

Pode ser uma possível explicação para esse achado de mulheres que caminham mais, dentro dessas instituições geralmente são as responsáveis pela organização da instituição, como voluntárias que participam da limpeza do ambiente, lavam, passam roupas, costuram, ajudam na cozinha lavando e secando as louças e arrumam as suas camas e das demais de seu quarto. Com essas atividades diárias pode ocorre a manutenção da força de membros superiores como foi demonstrado na tabela 2 a força de membros superiores com total de passos na semana. Já a, menor força de membros inferiores relacionadas ao tempo gasto em atividades sedentárias, podemos citar que, boa parte desse tempo é gasto assistindo televisão, sentado ou deitado, já que essas instituições não possuem espaços para outras tarefas.

A literatura já tem apresentado que durante o processo de envelhecimento a força de membros inferiores sofre mais perdas, aproximadamente 53,1% e nos membros superiores 26,7%. Andrade Erinaldo (2012). Essa perda durante o processo pode ser minimizada ser o indivíduo que envelhece se preocupa em adotar estilos de vida ativo, e tiver um envelhecimento com hábitos saudáveis. World Health Organization (2011). Um estilo de vida ativo pode ser pequenas mudanças na rotina ou criação de estratégias para se atingir o nível de atividade física recomendado pela OMS.

A mudança negativa da força muscular já demonstrou em estudos anteriores que aumentar o tempo de internação independente da causa de internação, e aqueles pacientes que caminhavam durante a internação, foram mais propícios a receber alta mais em menos dias de internados quando comparados com os que não faziam nada. Shadmi E e  Zisberg, A (2011).

A força de membros inferiores é também uma das responsáveis pelo aumento de quedas em idosos, principalmente em idosos inativos. Aikawa Adriana (2012), Dias Roberta (2010) e Álvares Liege (2010).

Idosos que não tem força muscular suficiente para realizar caminhadas, estão sujeitos a desenvolver outras alterações como por exemplos às psicológicas, devido a privação em ambientes externos e exclusão social. Minghelli Beatriz (2010). Idosos que tinham uma vida mais ativa, mais social e passam a experimentar a solidão principalmente por entes queridos, tem mais chance de desenvolver a depressão, sendo esta a quinta maior causa de mortes em idosos. de Melo Neu (2010) e Sousa-Muñoz et al (2013).

Quando se vive livre na comunidade ou de forma independente na sociedade, essas mudanças de comportamento podem ser mais fáceis de ser cumpridas, porém quando se vive em instituições de acesso restrito é necessário seguir regras específicas seguindo a cultura da instituição, tornando a mudança de comportamento mais comprometida por limitação de espaço físico e também por as instituições não terem uma visão mais ampla de que manter um morador o tempo todo ocioso sentando e até mesmo privando-os de determinadas tarefas, estão condenando-os ao sedentarismo, ou seja, privando-os de ter uma saúde física favorável.

Porém o que poucos sabem é que adotar um estilo de vida ativo não necessita de muito custo, nem para a instituição nem para o próprio individuo que estar ali muitas vezes sendo custeado pelo estado ou pela própria instituição. de Souza Freire (2012). As adoções de comportamento saudáveis, leva em consideração alguns fatores que são; desde o incentivo por parte das pessoas que convivem com este idoso até mesmo na mudança da rotina diária deste individuo. Gobbi Sebastião (2012). Levando em consideração que essas pessoas moram em uma instituição, pode-se criar estratégia de mudanças de hábitos saudáveis como, por exemplo, leva-los a realizar as refeições na cozinha ao invés de leva-las até a cama, criar horários para realizar caminhadas matinais, a cada 30 minutos sentado, ficar 5 minutos em pé, como preconiza o Programa Agita Paulo, com o objetivo de combater o sedentarismo por meio de ações específicas para os idosos, reconhecido em 2002 pela OMS como importante modelo de promoção da saúde. Matsudo Sandra (2012). Todas essas estratégias entrariam na promoção de saúde por intermédio da atividade física.

 

Conclusão

Adultos moradores de instituição de longa permanência para idosos que passam a maior parte do dia em comportamentos considerados sedentário apresentaram piores resultados na força muscular, sendo a força um importante componente responsável pela aptidão física e saúde física e funcional. Portanto dentro de instituições com esse público é importante adotar medidas de incentivo no sentido de evitar tais comportamentos.

Referências

Andrade, Erinaldo Luiz, Matsudo, Sandra Mahecha Marcela, and Matsudo Victor Keihan Rodrigues. “Performance neuromotora em mulheres ativas.” Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde 1.2 (2012): 5-14.

Álvares, Liege Mata, Lima, Rosângela da Costa and Da Silva, Ricardo Azevedo. Ocorrência de quedas em idosos residentes em instituições de longa permanência em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil Falls by elderly people living in long-term care institutions in Pelotas, Rio Grande do Sul State.” Cad. Saúde Pública 26.1 (2010): 31-40.

Aikawa, Adriana Correia, Braccialli, Ligia Maria Presumido, and Padula, Rosimeire Simprini. Efeitos das alterações posturais e de equilíbrio estático nas quedas de idosos institucionalizados. Revista de Ciências Médicas 15.3 (2012).

Benedetti, Tânia R. Bertoldo, et al. O idoso institucionalizado: avaliação da capacidade funcional e aptidão física Institutionalized elderly: functional capacity and physical fitness. Cad. Saúde Pública 26.9 (2010): 1738-1746.

Borges, Grasiely Faccin, Benedetti , Tânia Rosane Bertoldo, and Farias, Sidney Ferreira. Atividade Física Habitual e Capacidade Funcional Percebida de Idosas do Sul do Brasil. Pensar a Prática 14.1 (2011).

Costa, Jimena Ferreira da, Ricardo Wagner, and De Oliveira, Lisangela Cristina. Avaliação do Risco Cardiovascular em idosos residentes em asilos da grande Curitiba-PR. Cadernos das Escolas de Saúde 2.8 (2012).

Cruciani, Fernanda, et al. “Gasto energético estimado de mulheres idosas em aulas de ginástica e durante a caminhada.” Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde 7.3 (2012): 30-38.

Dias, Roberta Bolzani de Miranda, and Wibelinger, Lia Mara. Correlação entre força muscular (torque muscular) de flexores e extensores de joelho e risco de quedas em idosos. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano 7.supl. 1 (2012).

De Oliveira, Eliane Araújo, et al. Capacidade Funcional de Idosas de Instituição de Longa Permanência no Município de João Pessoa, Paraíba, Brasil: Estudo Piloto. Revista Brasileira de Ciências da Saúde 16 (2013): 83-88.

De Melo Neu, Dâmarys Kohlbeck, et al. Indicadores de depressão em idosos institucionalizados. Cogitare Enfermagem 16.3 (2011).

De Oliveira, Ana Carolina Kovaleski. (2013). Efeito do envelhecimento e da prática regular de exercícios físicos sobre componentes neuromusculares em mulheres idosas. (Tese). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Paraná, Curitiba, Brasil.

De Souza Freire, Fátima, De Mendonça, Luiz Henrique, and Costa, Abimael de Jesus Barros. Sustentabilidade econômica das instituições de longa permanência para idosos. Saúde em Debate 36.95 (2012): 533-543.

Gobbi, Sebastião. Atividade física para pessoas idosas e recomendações da Organização Mundial de Saúde de 1996. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde 2.2 (2012): 41-49

Gobbi, Sebastião, et al. Atividade física e saúde no envelhecimento: a experiência do Programa de Atividade Física para a Terceira Idade (PROFIT).Velhices: experiências e desafios nas políticas do envelhecimento ativo(2013): 283.

Lee I-M, Shiroma EJ, Lobelo F, Puska P, Blair SN, Katzmarzyk PT, for the Lancet Physical Activity Series Working Group. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. Lancet 2012; published online July 18. http:// dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(12)61031-9.

Matsudo S, Andrade D, Matsudo V, Aaraújo T, Andrade E, Oliveira L, Braggion G. Nível de atividade física da população do Estado de São Paulo: análise de acordo com o gênero, idade, nível socioeconômico, distribuição geográfica e de conhecimento. Rev. Bras. Cien. Mov. 2002(10):4. 41-50.

Mariano, Eder Rodrigo, et al. “Muscular strength and quality of life in elderly women.” Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia 16.4 (2013): 805-811.

Matsudo, Sandra, et al. Do diagnóstico à ação: a experiência do Programa Agita São Paulo na promoção do estilo de vida ativo. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde 13.3 (2012): 178-184.

Minghelli, Beatriz, et al. “Comparação dos níveis de ansiedade e depressão entre idosos ativos e sedentários.” Revista de Psiquiatria Clínica 40.2 (2013): 71-76.

Oliveira, Paulo Henrique de, and Mattos, Inês Echenique. Prevalência e fatores associados à incapacidade funcional em idosos institucionalizados no município de Cuiabá, Estado de Mato Grosso, Brasil, 2009–2010. Epidemiol Serv Saúde 21.3 (2012): 395-406.

Penha, José Carlos Lopes, Piçarro, Ivan da Cruz, and Turibio Leite de Barros Neto. Evolução da aptidão física e capacidade funcional de mulheres ativas acima de 50 anos de idade de acordo com a idade cronológica, na cidade de Santos. Ciênc. saúde coletiva 17.1 (2012): 245-53.

Pereira FM, Besse M. Fatores associados à independência funcional de idosos residentes em instituição de longa permanência. Acta Fisiátr. 2011;18(2):66-70

Petroski, Elio Carlos. “Efeitos de um programa de atividades físicas na terceira idade.” Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde 2.2 (2012): 34-40.

Ribeiro, Luciana Helena Martins, and Neri, Anita Liberalesso. Exercícios físicos, força muscular e atividades de vida diária em mulheres idosas Physical exercise, muscle strength and the day-to-day activities of elderly women. Ciênc. saúde coletiva 17.8 (2012): 2169-2180.

Santana Pereira, Déborah, and Guerra, Laluska. Análise do Nível De Atividade Física nos Asilos e Instituições de Apoio aos Idosos na Cidade de Juazeiro do Norte/CE. Conexões-Ciência e Tecnologia4.2 (2010): 9-16.

Sousa-Muñoz, Rilva Lopes de, et al. Association between depressive symptomatology and hospital death in elderly. Jornal Brasileiro de Psiquiatria 62.3 (2013): 177-182.

Silva Junior, J. P., L. J. Silva, and Gerson Ferrari. Estabilidade das variáveis de aptidão física e capacidade funcional de mulheres fisicamente ativas de 50 a 89 anos. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 13.1 (2011): 08-14.

Shadmi, E. and Zisberg, A. Walking around the ward during hospitalization reduces the length of geriatric patients’ stay in internal wards. Archives of Internal Medicine. In press 2011.

World Health Organization – OMS.  Global Strategy on Diet, Physical Activity and Health. 2011.

Zago, Anderson Saranz, et al. “Efeito de um programa geral de atividade física de intensidade moderada sobre os níveis de resistência de força em pessoas da terceira idade.” Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde5.3 (2012): 42-51.

Read More

Editorial: A GERONTOPSICOMOTRICIDADE COMO PRÁXIS TERAPÊUTICA DE MEDIAÇÃO CORPORAL

Mar 3, 2015

A pessoa idosa está sujeita a uma diminuição progressiva das capacidades gnosopráxicas, da capacidade em reagir a situações emocionais ou físicas, e dos processos mnésicos ou atencionais. O desenvolvimento psicossomático que o ser humano adquire ao longo dos primeiros anos de vida sofre uma involução com o avançar da idade. Desta forma, o idoso pode expressar lentidão psicomotora, perda de força, fadiga, aumento do tempo de reação, problemas práxicos, problemas espaçotemporais, problemas de marcha, fobia da queda, dificuldades de comunicação em grupo, abulia, problemas de regulação emocional, angústias, ou desvalorização da imagem corporal.

Com o envelhecimento acontecem várias metamorfoses sobre as quais os profissionais de saúde devem ter um olhar atento. Do ponto de vista psicomotor esta escuta deve centrar-se sobre a forma como o idoso investe, sente, e vive o seu próprio corpo, tanto na dimensão real como imaginária. O corpo de qualquer sujeito constitui um espaço corporal, que permite situar o sujeito em relação ao envolvimento, e o envolvimento em relação ao sujeito. Esta dicotomia entre espaço interno e externo cuja fronteira é a pele, torna-se fundamental na estruturação da identidade corporal e do sentimento de si. No entanto, o idoso tem afetada e comprometida a sua identidade, na medida em que esta se operacionaliza a partir de um corpo real fragilizado. Este corpo que traduz um espaço vazio e o luto inerente às respetivas faltas no corpo, provoca insegurança e consequentemente reativa as angústias arcaicas associadas às perdas no corpo (angústia da queda, da separação, da fragmentação, da liquefação, … da morte).

As alterações corporais que vão acontecendo ao longo do tempo, influenciam negativamente a organização da personalidade e as relações que o idoso estabelece com os outros e o mundo. No entanto, a consciência de envelhecer aparece num curto espaço de tempo, como que de um dia para o outro, através de um espelhamento que é precedido por um acontecimento traumático, como por exemplo vivenciar uma queda, um luto, ou uma doença.

Desta forma, a pessoa reconhece-se como idosa e assume essa identidade exteriorizando comportamentos associados à dor, revolta, resignação, submissão, ou autorecriminação. Podemos então dizer que a vida psíquica e a vida somática estão sujeitas a formas diferentes e particulares de (dis)funcionalidade, mas que existe uma interdependência funcional entre elas, o que fundamenta a importância da prática psicomotora para as pessoas idosas, ou seja da gerontopsicomotricidade.

Se o termo (gerontopsico)motricidade envolve a importância do corpo e do movimento como mediadores da própria intervenção através de técnicas de estimulação sensorial e de relaxação, do toque terapêutico, da expressão artística e emocional, ou dinâmicas de grupo que permitem trabalhar, para além das estruturas gnoso-práxicas, o envelope corporal que constitui os fundamentos da identidade e reconstrução egóica do sujeito idoso.

O termo(geronto)psico(motricidade) está associado ao objetivo global da intervenção, que envolve (i) em termos reeducativos a melhoria do equilíbrio, da regulação do movimento, da memória e outras capacidades cognitivas; e (ii) em termos terapêuticos objetiva a aquisição de processos que permite ao idoso renarcisar o seu corpo, ajudando-o a ultrapassar o luto de uma determina imagem de si próprio, e ter a possibilidade de desenvolver uma nova identificação especular.

O terapeuta, o psicomotricista deve permitir que o idoso construa uma imagem corporal, que contrarie ou minimize a existência real de um corpo fragilizado que sofreu perdas sucessivas, de forma a adquirir uma continuidade na razão da sua existência. Desta forma substituirá o sofrimento, o medo ou a angústia pelo prazer em viver.

No meu entender, a gerontopsicomotricidade apresenta quatro características específicas que a delimita como práxis terapêutica de mediação corporal. A primeira é a grande diversidade de patologias em que o psicomotricista pode
intervir como terapeuta. Estas podem envolver as (i) patologias somáticas que influenciam as
funções relacionais associadas à sensorialidade, locomoção e comunicação, os (ii) problemas psiquiátricos, como a deterioração mental, a demência senil, a depressão, a psicose, a neurose, ou (iii) os problemas neurológicos como a doença de Parkinson, a epilepsia, o acidente vascular cerebral.

A segunda característica centra-se num objetivo específico desta intervenção, que tem como propósito aprimorar o corpo envelhecido, de forma a ajudar a pessoa idosa a adquirir novas percepções e representações do seu corpo real e imaginário. Desta forma o idoso vivencia e ressente a sua unidade corporal, o seu envelope corporal, o seu continente psíquico, e consequentemente (re)valoriza a sua imagem corporal. A estratégia inerente à consecução deste objetivo passa por não considerarmos o corpo do sujeito como meio p r i v i l e g i a d o de intervenção, mas, e fundamentalmente, considerarmos que existe um sujeito que possui um corpo em relação.

A terceira característica está centrada na especificidade da relação psicomotricista/idoso, que envolve o estabelecimento de uma ressonância tónico-emocional empática, onde o psicomotricista desempenha a função de continente corporal de forma a colmatar as fragilidades do Eu-pele do idoso. Coloca-se a tónica no encontro entre terapeuta e idoso, na utilização da linguagem corporal, no corpo a corpo, no infra-verbal e no verbal. É com base nesta relação e respetivos processos transferenciais que se vai construir toda a relação terapêutica.

A quarta e última característica, de âmbito mais conceptual, reflete a importância de entendermos que por detrás de um problema físico e dos seus sintomas pode esconder-se um fenómeno psicológico. Por exemplo, as alterações no equilíbrio ou na marcha são muitas vezes a expressão de fenómenos ansiosos, depressivos, ou neuróticos, cuja origem é sempre uma falha narcísica que altera a imagem do corpo. Portanto, não devemos cair na tentação de centrarmos as causas dos comportamentos observados apenas em síndromes neurológicos ou disfunções neuromotoras e, assim, realizarmos uma intervenção motora por repetição funcional do défice.

Para terminar, gostaria de referir que o conjunto destas características e especificidades permitem diferenciar a gerontopsicomotricidade de qualquer outra intervenção que utilize o corpo e o movimento como mediadores. Gostaria também de reforçar que o foco de qualquer terapia de mediação corporal não está no corpo isolado ou na prática de exercício, mas no corpo em relação, numa motricidade em relação, e neste caso especifico no idoso que habita o seu corpo em relação. Quando falamos de relação estamos a referirnos à empatia estabelecida entre o sujeito
cuidador e o sujeito cuidado, entre o psicomotricista e o idoso. A transferência que o idoso projeta no psicomotricista, e a contratransferência e respetiva resposta realizada por este, acima denominada de ressonância tónico-emocional empática, é fundamental para se criarem as condições n e c e s s á r i a s p a r a a r e n a r c i s a ç ã o e reestruturação egóica da pessoa idosa. Estas serão as características fundamentais que caracterizam a intervenção gerontopsicomotora como terapia de mediação corporal.

Jorge Fernandes

Professor Auxiliar no Departamento de Desporto e Saúde da Universidade de Évora, Coordenador do Curso de Reabilitação Psicomotora

Read More
Aug 23, 2014

O envelhecimento começa a incomodar.

Muito sorrateiramente, sem grandes títulos mediáticos e sem protagonismo dos mais importantes líderes de opinião, vamos sendo surpreendidos com algumas capas de jornais e algumas intervenções públicas dos mais variados sectores. Agora numa abordagem séria e não na velha abordagem modelo telejornal com as desgraças, os crimes e o sangue de pessoas idosas.

Recentemente o diário Económico ocupava um terço da primeira página anunciando uma entrevista de Maria João Valente Rosa, demografa e diretora da Pordata. “Não faz qualquer sentido aumentar a idade da reforma” era o título principal mas sugeria que a informação não era apenas sobre números, uma das áreas que a questão do envelhecimento mais desenvolve e que raramente contribuem para qualquer reflexão pragmática sobre o assunto. Há dezenas de anos que conhecemos os números sobre o fenómeno do envelhecimento e nada mudou.

O incomodativo é que toda a gente fala de coisas óbvias da concordância de todos. É um fenómeno extraordinário: quando se trata de envelhecimento as opiniões são unânimes, todos reconhecem as dificuldades se não intervirmos, se não alterarmos modelos, de não revolucionarmos os nossos comportamentos e atitudes, se não mudarmos as soluções, se não inovarmos, etc. Todos são da mesma opinião. Mas ninguém, mesmo ninguém tem coragem de apresentar novas soluções, utilizar uma nova linguagem. Toda a gente tem dificuldades em emitir o que realmente pensa que deve ser alterado por que isso é chocante e politicamente incorreto.

Um exemplo: todos reconhecemos que um filho que agride durante anos um pai não deve ter direito a herança, pelo menos da parte do pai. Alguém assume estre assunto como uma batalha frontal de justiça elementar? Todos reconhecemos que se podem trocar cuidados de instituições pelo valor de bens pessoais. Alguém confronta as instituições sociais pelo facto de ficarem com bens de pessoas que ficam dependentes dessas instituições? Todos concordam que os lares não podem ser normalizados para um único critério: idade da pessoa, estando esse critério ligado a dependência, carência social e doença. Quem altera a legislação de oferta e cuidados a pessoas idosas? Todos entendem que o dinheiro dos nossos impostos deve ser controlado e não servir para financiar da mesma forma entidades que prestam bons cuidados e entidades que prestam maus cuidados. Mas quem, assume a fiscalização rigorosa de instituições sociais que apregoam a caridade e o assistencialismo? Todos concordam com a desadequação e negligência das práticas dos serviços de segurança social, permitindo a existência de maus cuidados, maus tratos em famílias e passando ao lado das situações mais criticas que se passam no país. Mas existe algum técnico penalizado por ter errado uma observação, vezes sem conta, do ponto de vista social? Todos conhecem os lares ilegais mas alguém se preocupa em saber quem são os médicos e os enfermeiros e as assistentes sociais que ai prestam serviço e são coniventes com essas situações?

Os exemplos são imensos e completamente visíveis.

Portugal nesta, como noutras áreas continua a viver uma vida que não tem nada a ver com a realidade. Os investigadores e académicos na área do envelhecimento continuam a desenvolver os seus profundos estudos sobre a deterioração cognitiva, a importância da vida ativa, as causas e consequências do Alzheimer. Completamente de costas voltadas para as agressões aos idosos e a falta de condições das respostas para implementarem qualquer um dos seus estudos ou utilizarem no trabalho de tereno qualquer uma das suas conclusões. Os que trabalham no terreno perdem a vida e a motivação a resolverem questões conjunturais de recursos humanos, de acontecimentos críticos particulares, de relações institucionais hierárquicas.

Algumas perguntas: como queremos que os cuidados e os serviços destinados a pessoas idosas sejam garantidamente razoáveis se qualquer pessoa, desde que tenha o registo criminal limpo, pode ser dono, presidente, provedor, coordenador, gerente, desses serviços? Como queremos que a situação mude se a legislação se mantem igual há mais de cinquenta anos quando se refere a cuidados e serviços a pessoas idosas? Como pretendemos contribuir para o nosso envelhecimento mais digno se os acontecimentos diários nesta área são, para nós, invisíveis?

Maria João Valente Rosa fala da necessidade de “organizar a sociedade de outra maneira”. Todos concordamos. Mas de que maneira?

Eu também digo: É preciso envelhecer melhor. Mas como?

Esperamos há anos que a investigação, o conhecimento nos venha ensinar algo que não descobrimos por nós próprios como aliás acontece noutras áreas. Mas o conhecimento no fenómeno do envelhecimento e da transformação que o mesmo está a implicar na sociedade não é preocupação dos investigadores. Nada de novo surgiu nos últimos anos que não tenha a ver com as necessidades eu os próprios idosos vão descobrindo, exigindo resposta para elas. Por que estão a construir automóveis inteligentes que limpam os vidros quando começa a chover e abrem as luzes quando escurece automaticamente? Porque a investigação assim o determinou, aconselhando isso há anos atrás ou porque são os velhos que cada vez compram mais carros e conduzem mais anos, mesmo com as suas capacidades diminuídas?

São os baby Bommers mais uma vez que estão a fazer a revolução, a criar condições para eles próprios envelhecerem melhor. Não é nenhum cientista, não é nenhum investigador. Porquê? Porque aparentemente a investigação e a ciência ainda não deu conta da necessidade que existe de trabalhar na área do envelhecimento. O único trabalho científico que se desenvolve nesta área continua a ter a ver com a doença e a incapacidade e nunca com a felicidade e a qualidade de vida.

Read More
Jun 26, 2014

SUPPORT SURFACE NON-MOTORIZED VS. WOUND DRESSING IN THE PREVENTION OF PRESSURE ULCERS

APOYO DE LA SUPERFICIE NO MOTORIZADO VS. VENDAJE PARA HERIDAS EN LA PREVENCIÓN DE ÚLCERAS DE PRESIÓN

Autores

Cátia Duarte1, Diana Almeida2

1Enfermeira, MsC, Hospital Beatriz Ângelo ; catiaduarte_enf@hotmail.com; 961826030

2Enfermeira, MsC, Associação Assistência Social Evangélica ; dana_carvalho@hotmail.com; 925293252

RESUMO

Objetivo: Orientar, com base na evidência científica atual existente, a prática de forma a reduzir o custo das intervenções na prevenção de úlceras por pressão e a tornar a atuação mais eficaz e uniforme. Metodologia: Efetuada pesquisa em motores de busca como: EBSCO (CINAHL Plus with full texto e MEDLINE with full text), Wounds International, NICE, EPUAP, Wiley Online Library, SciELO, BVS, Wounds UK e procurados artigos científicos em texto integral (20-21/12/2013), publicados entre 2000 e 2013, usando as palavras-chave. Foi utilizado o método PI[C]O e selecionados 22 artigos de total de 119 identificados. Resultados: Os artigos selecionados descrevem as principais caraterísticas, vantagens e desvantagens do uso de superfícies de apoio não motorizadas, bem como do uso de material de penso na prevenção de úlceras por pressão, salientando as caraterísticas mais importantes – material ideal. Conclusão: Em relação ao equipamento, não existe evidência científica que comprove o benefício do uso de superfícies de apoio não motorizadas em detrimento do uso de material de penso na prevenção de úlceras por pressão. Contudo, podemos identificar as algumas diretrizes que deverão incorporar um plano de cuidados de prevenção de úlceras por pressão.

Palavras-chave: Support surface*, mattresses, overlay, dressing*, prevent*, pressure ulcer*

 

ABSTRACT

Aims: To guide the existing practice, based on current scientific evidence, in order to re-duce the cost of the interventions in the prevention of pressure ulcers and to make it more efficient and uniform. Methodology:  Performed a survey on search engines such as: EBSCO (CINAHL Plus with full text and MEDLINE with full text), Wounds International, NICE, EPUAP, Wiley Online Library, SciELO, Wounds UK and chosen scientific articles in full text (20-21/12/2013), published between 2000 and 2013, using the keywords. It was used the method PI[C]O and selected 22 articles of total of 119 identified. Results: The selected articles describe the main characteristics, advantages and disadvantages of the use of support surfaces not motorized, as well as the use of dressings in prevention of pressure ulcers, stressing the most important characteristics – ideal material. Conclusion: In relation to the equipment, there is no scientific evidence proving that the benefits of the use of support surfaces not motorized at the expense of the use of dressings in prevention of pressure ulcers. However, we can identify some guidelines which should incorporate a plan of care for the prevention of pressure ulcers.

Keywords: Support surface*, mattresses, overlay, dressing*, prevent*, pressure ulcer*

 

 

 

INTRODUÇÃO

Úlcera por pressão é “uma lesão localizada da pele e/ou tecido subjacente, normalmente sobre uma proeminência óssea, em resultado da pressão ou de uma combinação entre esta e forças de torção” (EPUAP & NPUAP, 2009, p.7). Em 2007, o termo “grau” foi substituído por “categoria” e as úlceras por pressão passaram a ser classificadas em quatro categorias (de acordo com classificação portuguesa) (NPUAP, 2013).

As úlceras por pressão podem ser causadas por forças externas de pressão, tensão tangencial ou cisalhamento e fricção (Duque et al., 2009). Contudo, nenhum dos processos descritos irá ter qualquer significado a menos que o indivíduo exposto a forças mecânicas externas sustentadas tenha algum tipo de suscetibilidade individual. Os fatores determinantes podem ser intrínsecos ao doente. Entre estes, destaca-se i) o estado nutricional, ii) as situações que afetam a perfusão sanguínea e oxigenação dos tecidos, iii) determinadas condições físicas e/ou mentais, iv) medicação, v) o estado da pele, vi) a idade e vii) as alterações da mobilidade e/ou sensibilidade (desencadeadas, por exemplo, por Acidentes Vasculares Cerebrais, Esclerose Múltipla e/ou Diabetes Mellitus).

Mesmo nos dias de hoje, as úlceras por pressão constituem um importante problema de saúde pública e um indicador da qualidade dos cuidados prestados. Para além do sofrimento e diminuição da qualidade de vida dos doentes e seus cuidadores, as úlceras por pressão representam grandes encargos financeiros para o Serviço Nacional de Saúde, relacionados com i) aquisição de material preventivo, de tratamento, ii) de complicações associadas às úlceras por pressão, iii) maior número de dias de internamento e readmissões, e ainda iv) tempo gasto nos cuidados prestados (Duque et al., 2009). Dados epidemiológicos portugueses demonstram que, a nível hospitalar, a prevalência de úlceras por pressão seja de cerca de 11.5%, sendo que nos serviços de Medicina a prevalência sobe para 17.5%, apesar das medidas já implementadas, quer a nível de instituições do sistema de saúde, quer a nível assistencial (DGS, 2011a). Conforme defendido pela Direção Geral de Saúde (DGS) (2013), cerca de 95% das úlceras por pressão são evitáveis através da identificação precoce do grau de risco, visto ser um pilar estrutural do planeamento e implementação de medidas de prevenção.

O conhecimento em saúde está em constante mutação e a evolução tecnológica tem trazido tanto de benesses para a sociedade como de dúvidas aos profissionais desta área. Quando se trata de selecionar a política de intervenção para a prevenção de úlceras por pressão, existe muita controvérsia entre os profissionais de saúde e falta de enquadramento teórico. Para uma correta e precoce metodologia de prevenção de úlceras por pressão, é necessário i) identificar os indivíduos vulneráveis e respetivos fatores de risco, ii) efetuar uma inspeção da pele precoce e completa, iii) proceder à remoção e/ou proteção contra as forças de pressão, fricção e cisalhamento, e ainda iv) proceder à uniformização de procedimentos e educação dos profissionais de saúde.

O uso de uma superfície de apoio desempenha um papel importante na prevenção de úlceras por pressão, contudo isoladamente não possuem qualquer efeito, tendo que ser parte integrante de um programa global de prevenção. Ao longo dos anos, tornou-se evidente a necessidade de uniformização de termos e normas para a escolha das superfícies de apoio. Para tal, em 2001, o NPUAP criou uma Comissão de Investigação – a Support Surface Standards Initiative, que ainda se mantém nos dias de hoje e à qual outras instituições e grupos se filiaram. A Support Surface Standards Initiative (NPUAP, 2007, p.1) define superfície de apoio como: “um dispositivo especializado em redistribuição de pressão projetado para gestão de cargas, microclima e/ou outras funções terapêuticas (ou seja, qualquer colchão, sistema cama-colchão integrado, colchão de sobreposição, dispositivo de sobreposição, almofada de assento ou de sobreposição).” Sendo que, uma superfície de apoio não motorizada é qualquer superfície de apoio que não exija fontes externas de energia para operar. Estas incluem espumas, dispositivos com enchimento de ar ou em gel, de baixa perda de ar e de ar fluidificado (Wounds UK, 2012).

A decisão de escolha de dispositivos de alívio de pressão deve ter em conta i) o custo-eficácia, ii) níveis de risco identificados com base na pontuação de uma ferramenta de avaliação de risco e pela avaliação da pele, iii) conforto, iv) estado geral de saúde do indivíduo (estado neurológico e co-morbidades), v) estilo de vida e capacidade do doente reposicionar-se a si mesmo ou disponibilidade do profissional de saúde/cuidador de o reposicionar, vi) peso e estado nutricional, vii) manutenção, viii) facilidade de uso e aceitabilidade do equipamento de alívio de pressão proposto pelo indivíduo e/ou cuidador (NICE, 2004; Wounds UK, 2012; Wounds UK, 2013).

Segundo Clancy (2013) citado em Fletcher (2013), o uso de superfícies de apoio teve um impacto significativo sobre as taxas de incidência de úlceras por pressão, contudo as taxas estagnaram, tornando imperativo encontrar novas formas de prevenção e a realização de estudos de custo-eficácia.

Até aos dias de hoje a utilização de material de penso na prevenção tem sido desaprovada visto que a capacidade de redução de pressão é inexistente. Contudo, estudos recentes sugerem que algum material de penso poderá ter alguma capacidade de redistribuição de pressão, gestão de forças de fricção e cisalhamento, gestão do microclima local e de promoção do conforto do doente (Fletcher, 2013).

Face ao exposto, a presente revisão pretende discriminar as vantagens, as desvantagens e algumas indicações de utilização do uso de superfícies de apoio não monitorizado versus material de penso na prevenção de úlceras por pressão.

 

METODOLOGIA

De forma a delimitar o vasto campo de hipóteses inerentes à problemática em estudo e à prossecução do objetivo do estudo enunciou- se a seguinte questão de investigação, atendendo aos critérios do formato PICO: Quais as vantagens (Outcome) do uso de superfícies de apoio não monitorizadas versus material de penso (Comparation) na prevenção de úlceras por pressão (Intervention), no adulto (Population)?

Partindo da questão de Investigação foram definidos critérios para inclusão e exclusão de estudos/artigos na revisão sistemática da literatura presentes na Tabela 1.

 

 

Tabela 1 – Critérios para a inclusão e exclusão de estudos/artigos

Critérios de seleção

Critérios inclusão

Critérios de exclusão

Participantes

≥18 anos em risco de desenvolvimento de UPP

Exclusivamente de < 18 anos

Intervenções

Uso de superfícies de apoio não motorizadas e/ou material de penso na prevenção de UPP

Exclusivamente do uso de superfícies de apoio motorizadas e/ou que as comparem com superfícies de apoio não motorizadas

Desenho

RSL, RCT, estudos controlados sem randomização, estudos não-experimentais, relatórios de cuidados/avaliação de programas, revisões bibliográficas narrativas, artigos de opinião de autoridades respeitadas e/ou consenso de painéis de peritos. Escritos em inglês, português e espanhol. Publicados a partir de 2000. Acessíveis gratuitamente

Todos os resultados da pesquisa que não apresentem o tipo de estudos dos critérios de inclusão.

 

Para dar resposta à questão de investigação e atendendo aos critérios de inclusão/exclusão, foi levada a cabo uma pesquisa em motores de busca como: EBSCO (CINAHL Plus with full texto e MEDLINE with full text), Wounds International, NICE, EPUAP, Wiley Online Library, SciELO, BVS, Wounds UK e procurados artigos científicos em texto integral (20-21/12/2013), usando as palavras-chave, que foram previamente validadas pelos descritores da United States National Library of National Institutes of Health, com a respetiva orientação: [Support surface* AND prevent* AND (pressure ulcer* OR pressure sore* OR bedsore* OR bed sore* OR Decubitus Ulcer*)], [(mattresses OR Beds) AND prevent* AND (pressure ulcer* OR pressure sore* OR bedsore* OR bed sore* OR Decubitus Ulcer*)], [overlay AND prevent* AND (pressure ulcer* OR pressure sore* OR bedsore* OR bed sore* OR Decubitus Ulcer*)] e [(dressing* OR bandage* OR  protect* pad*) AND prevent* AND (pressure ulcer* OR pressure sore* OR bedsore* OR bed sore* OR Decubitus Ulcer*)], sendo que, num de total de 119 artigos identificados, foram selecionados 22.

 

 

RESULTADOS

Para conhecer e organizar os diferentes tipos de produção de conhecimento e metodologias científicas patentes nos artigos filtrados, utilizou-se a escala de seis níveis de evidência de Guyatt, Rennie, Meade & Cook (2008): Nível I: Revisões Sistemáticas de Literatura (Meta-análises integrativas / Guidelines para a prática clinica, baseadas em revisões sistemáticas de literatura); Nível II: Evidência obtida através de pelo menos RCT (Estudo controlado randomizado); Nível III: Estudos quasi-experimentais (estudo controlado sem randomização); Nível IV: Estudos não-experimentais; Nível V: Relatórios de Cuidados/Avaliação de programas, revisões bibliográficas narrativas; Nível VI: Evidência obtida através da opinião de autoridades respeitadas e/ou consenso de painéis de peritos.

 

 

 

 

 

 

 

 

DISCUSSÃO

A nível dos dispositivos de alívio de pressão não motorizados, é possível denotar que apenas foram encontrados estudos sobre colchões, almofadas para cadeiras de rodas e dispositivos de alívio de pressão de calcanhares.

Relativamente aos colchões, é possível destacar que, a todos os doentes de alto risco de desenvolvimento de úlcera por pressão, deve ser fornecido no mínimo um colchão de espuma de alta densidade, visto que não existe evidência científica que comprove a superioridade de um colchão de espuma de alta densidade em detrimento de outro com as mesmas caraterísticas [8,14,23,24]. Contudo, sempre que possível, a seleção do equipamento deverá ser individualizada visto que nenhuma superfície de apoio é ideal para todas as pessoas [32]. A escolha do colchão deverá ter em consideração a instituição, o nível de mobilidade do doente na cama, o microclima local, circunstâncias da prestação de cuidados, para além do nível de risco percebido [14]. O colchão de sobreposição cheio de ar (gama Repose®) demonstrou um custo-eficácia elevado [22]. Contudo, dever-se-ão efetuar mais estudos sobre a magnitude e duração da pressão (avaliação da pressão de interface) a fim de determinar qual o equipamento mais adequado [32].

No que diz respeito a almofadas para cadeiras de rodas, são aplicáveis os mesmos pressupostos anteriormente referidos. Excluindo uma postura e imersão incorretas, as almofadas de ar, espuma viscoelástica ou de gel demonstraram ser mais eficazes do que almofadas de espuma standard. Contudo, isso apenas é possível se se fornecer a cada doente uma cadeira ajustada individualmente, o que nem sempre é possível na maior parte das instituições apesar de ser o recomendado [3].

Quanto aos dispositivos de alívio de pressão de calcanhar ou de off-loading, estes podem ser de plástico cheio de ar, espuma, fibra ou pele de carneiro sintética. No que concerne à utilização de pele de carneiro sintética, a opinião é unânime, estando o seu uso contraindicado [2,14,33,36]. Contudo, pode-se afirmar que os dispositivos em pele de cordeiro natural diminuem o desenvolvimento de úlceras por pressão [14,23]. As botas de ar (ex.: Repose®) são mais leves, permitem rotação do membro dentro da bota, protegem o maléolo e elevam o calcanhar, podendo reduzir a incidência de úlceras por pressão para 0%, sendo, porém, mais eficaz em doentes acamados e, de acordo com o fabricante possível de desinfeção [2,20,22,36]. As botas de espuma são quentes, aderem à roupa de cama e não têm capacidade de suportar o peso da perna. No entanto, o dispositivo Heel-lift® revelou ser adequado, visto possuir alças/laço ajustáveis e almofadas de elevação que reduzem o atrito e melhoram a mobilização na cama [2,36]. Assim sendo, poder-se-á dizer que o dispositivo para alívio de pressão para calcanhar ideal deve assegurar que os calcanhares se encontrem afastados da superfície da cama e elevar completamente o calcanhar (ausência de carga) de tal forma que o peso da perna seja distribuído ao longo da sua parte posterior sem colocar pressão sobre o tendão de Aquiles, ficando o joelho em ligeira flexão, bem como demonstrar eficácia de alívio de pressão, ser de baixo custo, fácil/preciso na aplicação e utilização, confortável para o cliente, de elevado nível de evidência científica [14,36].

Dentro do grupo de dispositivos de alívio de pressão, existe ainda, mais recentemente, as almofadas de gel polimérico. As almofadas de gel polimérico, visto terem composição semelhante ao tecido adiposo, distribuem a pressão, proporcionam almofadamento às proeminências ósseas e, uma vez que mudam de forma devido à elasticidade do material, reduzem do atrito [15,16,37]. São não-adesivas, tornando possível a sua remoção regular para a inspeção da pele [16,37]. O material hidrata a pele por oclusão, mas permite trocas gasosas a fim de evitar a maceração, é resistente e de longa duração, podendo ser usado várias vezes, todavia apenas no mesmo doente [15,16]. Este dispositivo pode ser usado para prevenir úlceras por pressão em caso de contraturas, visto que são suficientemente finas para ser inseridas sem a necessidade de forçar os membros, o qual pode ser doloroso para o doente [37]. Podem ser usadas para proteger a pele e auxiliar a fixação de dispositivos médicos (por ex.: máscaras de oxigénio, cânula de traqueostomia) [16,37]. Podem ser utilizadas em conjunto com outros dispositivos de alívio de pressão e/ou com cremes barreira e películas poliméricas [16]. A opinião dos profissionais é unânime, ou seja, o produto é de fácil utilização e está associado a reduções na incidência de úlceras por pressão significativas [37].

No que concerne à aplicação de apósitos para a prevenção de úlceras por pressão, embora a sua aplicação já tenha sido comprovada há alguns anos, só recentemente tem sido introduzida na prática. Contudo, não é qualquer apósito que pode ser na prevenção de úlceras por pressão. Este deve possuir certas caraterísticas de forma a ser bem-sucedido, ou seja, o apósito deve:

  • Ser capaz de dissipar as forças de fricção e cisalhamento aplicadas sobre a pele. Esta caraterística está associada à forma, tamanho e espessura/camadas do apósito, uma vez que permitem a redistribuição da pressão para fora da zona de risco e aumenta o conforto do doente. Uma camada externa escorregadia também tem um importante papel nesta caraterística [1,4,5,6,17];
  • Possuir uma boa adesividade, adaptabilidade e remoção atraumática. Isto é possível através de um penso disponível em várias formas anatómicas e/ou tamanhos e com interface de silicone. Esta caraterística permite a remoção do apósito para a inspeção regular da pele [1,4,5,6,17].
  • Ser de fácil aplicação [4,5];
  • Ter capacidade de recuperação da forma [5];
  • Possuir alta permeabilidade às trocas gasosas [5,17];
  • Ser resistente à humidade, ou seja, possuir capacidade de absorção [4,5,17,34];
  • Ser de baixo custo [5];
  • Possuir evidência científica da sua eficácia [5].

Vários estudos têm sido conduzidos a fim de comprovar a evidência científica de vários apósitos. As espumas multicamadas com interface de silicone, por exemplo da gama Mepilex® ou Allevyn®, são mais eficazes na redistribuição de pressão que as películas de poliuretano, possuindo todas as caraterísticas supracitadas, podendo permanecer in loco entre 3-16 dias [4,6,7,17,34].

O filme de poliuretano também se demonstrou eficaz, possuindo praticamente todas as caraterísticas de um penso ideal exceto o efeito de almofadamento e de redistribuição de pressão, capacidade de absorção de humidade e remoção atraumática [31,35]. Contudo, em doentes agitados e/ou com patologia mental o uso do filme de poliuretano representa a escolha mais segura e indicada, para além dos hidrocolóides extrafinos, pois é menos visível e volumoso, permite a inspeção da pele sem a remoção do apósito e é de difícil remoção através de fricção extrema por agitação [35].

Os hidrocolóides também são apontados como um apósito eficaz na prevenção de úlceras por pressão, de caraterísticas semelhantes ao filme de poliuretano, possuindo espessuras e indicações consoante as mesmas [33,35].

Dito isto, é importante sublinhar a evidência científica que o apósito deve fazer parte de uma política preventiva de úlceras por pressão, principalmente quando todas as outras intervenções se mostram ineficazes, nomeadamente na prevenção de úlceras por pressão por dispositivos médicos [1,4,6,7,17,31,33,34].

 

 

 

 

CONCLUSÃO

 

Tendo em conta o objetivo do trabalho e após a análise e discussão dos resultados, podemos aferir que em relação ao equipamento, não existe evidência científica que comprove o benefício do uso de superfícies de apoio não motorizadas em detrimento do uso de material de penso na prevenção de úlceras por pressão, sendo porém complementares e essenciais num protocolo de prevenção de úlceras por pressão. Dito isto, podemos identificar as seguintes diretrizes que deverão incorporar num plano de cuidados de prevenção de úlceras por pressão:

  • A escolha da superfície de apoio, quer seja colchão, de sobreposição ou almofada de cadeira, deverá ter em conta [3,8,14,22,23,24,32,]:
    • a instituição;
    • o nível de mobilidade do doente na cama – ser individualizada;
    • o microclima local;
    • as circunstâncias da prestação de cuidados;
    • o custo-eficácia;
    • o nível de evidência científica;
    • o nível de risco percebido – a todos os doentes de alto risco de desenvolvimento de úlcera por pressão deve ser fornecido no mínimo um colchão de espuma de alta densidade.
  • Em doentes com mobilidade reduzida ou nula, deve ser usado um dispositivo de alívio de pressão de calcanhar ou de off-loading [2,14,22,23,36], seguindo as regras anteriormente enumeradas, e que mantenha os calcanhares afastados da superfície (ausência de carga), sem pressão sobre o tendão de Aquiles, o joelho em ligeira flexão, confortável para o cliente e de fácil aplicação e utilização [14,36]. NÃO USAR pele de carneiro sintética [2,14,33,36].
  • Em caso de risco de úlcera por pressão e/ou por dispositivos, recomenda-se o uso de almofadas de gel polimérico (atendendo que só pode ser utilizado no mesmo doente, não passível de desinfeção) [15,16,37] ou de um apósito com as seguintes caraterísticas [1,4,5,6, 7,17,31,33,34, 35]:
    • Forma e tamanho adequado à zona anatómica – adaptabilidade;
    • Multicamadas, em que a camada externa é antiaderente;
    • Boa adesividade e remoção atraumática – interface de silicone;
    • Permitir a inspeção regular da pele;
    • Fácil aplicação;
    • Capacidade de recuperação da forma;
    • Alta permeabilidade às trocas gasosas;
    • Ser resistente à humidade/capacidade de absorção;
    • Baixo custo;
    • Evidência científica elevada.

Recomendamos um incremento nesta área de investigação e a formação sobre prevenção de úlceras por prevenção, nomeadamente, caraterísticas e modo de uso dos dispositivos de alívio de pressão existentes no serviço, bem como a criação de protocolos, visto que por vezes a causa de úlceras por pressão não é a inexistência de material, mas o seu uso inadequado.

 

REFERÊNCIAS

  1. Black, J, Clark, M., Alves, P., Brindle, T., Call, Evan., Dealey, C., Santamaria, N. (2012) Consensus statement. Global evidence based practice recommendations for the use of wound dressings to augment pressure ulcer prevention protocols. Mölnlycke Health Care. .  Retirado de <URL: http://www.molnlycke.com/Documents/GLOBAL%20-%20ENG/Wound%20Care/ConsesusStatement.pdf >
  2. Black, J. (2013). Preventing pressure ulcers occurring on the heel. Wounds International, 4, 4-7. Retirado de <URL: http://www.woundsinternational.com/pdf/content_10958.pdf >
  3. Brienza, D., Kelsey, S., Karg, P., Allegretti, A., Olson, M., Schmeler, M., Zanca, J., Geyer, M., Kusturiss, M., Holm, M. (2010). A Randomized Clinical Trial on Preventing Pressure Ulcers with Wheelchair Seat Cushions, Journal of the American Geriatrics Society, 58(12) 2308–2314, Retirado de <URL: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3065866/pdf/nihms236450.pdf >
  4. Brindle, C. (2010). Outliers to the Braden Scale: Identifying high-risk ICU patients and the results of prophylactic dressing use. WCET Journal, 30(1), 11-18.  Retirado de <URL: http://www.amerinet-gpo.com/Documents/Quality%20Toolkits/Outliars_to_the_Braden_Scale.pdf >
    1. Butcher, M., Thompson, G. (2009).  Pressure ulcer prevention: can dressings protect from pressure ulcer damage? An advertorial. Wounds International, 1(1). Retirado de <URL: http://www.woundsinternational.com/practice-development/pressure-ulcer-prevention-can-dressings-protect-from-pressure-ulcer-damage-an-advertorial/page-2 >
    2. Call, E., Pedersen, J., Bill1, B., Black, J., Alves, P., Brindle, C., Dealey, C., Santamaria, N., Clark, M. (2013) Enhancing pressure ulcer prevention using wound dressings:  what are the modes of action?, International Wound Journal. Retirado de <URL: http://www.google.pt/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=15&cad=rja&ved=0CFQQFjAEOAo&url=http%3A%2F%2Fwww.researchgate.net%2Fpublication%2F254263080_Enhancing_pressure_ulcer_prevention_using_wound_dressings_what_are_the_modes_of_action%2Ffile%2F60b7d5210cd010118d.pdf&ei=WJupUsKGONDG7Abck4HQBA&usg=AFQjCNGEsTfjdgYY0FvoaiGaYbhC7v_70A&sig2=oaKIu6gNNqMj1w3XKIIrAw&bvm=bv.57967247,d.Yms > doi: 10.1111/iwj.12123
    3. Chaiken, N. (2012). Reduction of sacral pressure ulcers in the intensive care unit using a silicone border foam dressing. J Wound Ostomy Continence Nurs, 39(2), 142. Retirado de <URL: http://stoppressureulcersnow.com/wp-content/uploads/2012/10/Chaiken-ePrint_041612.pdf >
    4. Chou, R., Dana, T., Bougatsos, C., Blazina, I., Starmer, A., Reitel, K., Buckley, D. (2013). Pressure ulcer risk assessment and prevention: a systematic comparative effectiveness review. Ann Intern Med, 159(1), 28-38. Retirado de <URL: http://annals.org/article.aspx?articleid=1700643 >
    5. Dealey, C. (2006). Tratamento de feridas: Guia para Enfermeiros. CLIMEPSI Editores.

10.DGS. (2011a). Envelhecimento. Retirado 20 novembro 2013 de http://www.dgs.pt/pagina.aspx?f=1&lws=1&mcna=0&lnc=&mid=5005&codigoms=0&codigono=683368347779AAAAAAAAAAAA

11.DGS. (2013). Úlceras de pressão. Retirado 5 novembro 2013 de: http://www.dgs.pt/ms/8/pagina.aspx?codigoms=5521&back=1&codigono=001100150176AAAAAAAAAAAA

12.DGS. (2011b). Escala de Braden: Versão Adulto e Pediátrica (Braden Q) – orientação da direcção-geral de saúde, nº 017/2011. Retirado 5 dezembro 2013, de http://www.dgs.pt/departamento-da-qualidade-na-saude/normas-orientacoes-e-informacoes/escala-de-braden-versao-adulto-e-pediatrica-braden-q-pdf.aspx

13.Duque, H., Menoita, E., Simões, A., Nunes, A., Mendanha, M., Matias, A., Sousa, L., Romba, R. (2009). Manual de Boas Práticas – Úlceras de Pressão: Uma abordagem estratégica. Coimbra: Formasau – Formação e Saúde, Lda. ISBN 978-972-8485-98-6

14.EPUAP, NPUAP. (2009). Prevention and treatment of pressure ulcers: quick reference guide. Quick Reference Guide. Retirado de <URL: http://www.epuap.org/guidelines/Final_Quick_Prevention.pdf >

15.Fletcher, J. (2009). Aderma™ range: a flexible way to prevent pressure ulcers – Product review, Wounds UK 5(4), 136-139. Retirado de <URL: http://www.wounds-uk.com/pdf/content_9324.pdf >

16.Fletcher, J. (2012). Device related pressure ulcers – Made Easy, Wounds UK, 8( 2 ), 1-4.  Retirado de <URL: http://www.wounds-uk.com/pdf/content_10472.pdf >

17.Fletcher, J. (2013). The use of dressings in pressure ulcer prevention: Unsafe practice or thinking differently? – review, Wounds UK, 9(4), 67-71 Retirado de <URL: http://www.wounds-uk.com/pdf/content_10988.pdf >

18.Guyatt, G., Rennie D., Meade, M., Cook, D. (2008). Users’ Guides to the Medical Literature: A Manual for Evidence-Based Clinical Practice.  American Medical Association. Retirado de <URL: http://jmvertiz.posgrado.unam.mx/pmdcmos02/convocatorias/Users_guide_medical_literature.pdf > doi: 10.1036/007159034X

19.Jaffe, S., Schub, T., (2013). Pressure Ulcers: Prevention. CINAHL Nursing Guide. Retirado de <URL: http://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&db=nrc&AN=T702546&site=nrc-live  >

20.JMV. (2010). Catálogo digital – Tecnologias da saúde. CAT.001FDP (Maio 2010). JMV produtos hospitalares. Retirado de <URL: http://www.youblisher.com/p/104477-Catalogo-Digital-Tecnologias-da-Saude/ >

21.Lourenço, O., Silva. V. (2008). Avaliação económica de programas de saúde: Essencial sobre conceitos, metodologia, dificuldades e oportunidades. Revista Portuguesa de Clínica Geral , 24, 729-752. Retirado de <URL: http://www.rpmgf.pt/ojs/index.php?journal=rpmgf&page=article&op=view&path%5B%5D=10572&path%5B%5D=10308 >

22.MacFarlane, A., Sayer, S.(2006).  Two clinical evaluations of the Repose system – Clinical research/audit, Wounds UK 2(3), 14-25. Retirado de <URL: http://www.wounds-uk.com/pdf/content_9077.pdf >

23.McInnes, E., Jammali-Blasi, A., Bell-Syer, S., Dumville, J., Cullum, N. (2011). Support surfaces for pressure ulcer prevention review. Volume 4. Cochrane Database Of Systematic Reviews, Retirado de <URL: http://exwwwsvh.stvincents.com.au/assets/files/pdf/NRI/NRI_Sem_2011_ulcerPreventionReview.pdf > doi: 10.1002/14651858.cd001735

24.NICE. (2003). The use of pressure-relieving devices (beds, mattresses and overlays) for the prevention of pressure ulcers in primary and secondary care. NICE. Retirado de <URL: http://www.nice.org.uk/nicemedia/live/10928/29180/29180.pdf >

25.NICE. (2004). Pressure ulcer prevention: Pressure ulcer risk assessment and prevention, including the use of pressure-relieving devices (beds, mattresses and overlays) for the prevention of pressure ulcers in primary and secondary care. Royal College of Nursing. Retirado de <URL: http://www.nice.org.uk/nicemedia/live/10928/29181/29181.pdf >

26.NPUAP. (2007). Terms and Definitions Related to Support Surfaces. NPUAP, pág 1-10. Retirado de <URL: http://www.npuap.org/resources/educational-and-clinical-resources/support-surface-standards-initiative-s3i  >

27.NPUAP. 2013. NPUAP Pressure Ulcer Stages/Categories. Retirado a 15 dezembro 2013, de http://www.npuap.org/resources/educational-and-clinical-resources/npuap-pressure-ulcer-stagescategories/

28.Ordem dos Enfermeiros. (2012). Repe e Estatuto da Ordem dos Enfermeiros. Ordem dos Enfermeiros. Retirado de <URL: http://www.ordemenfermeiros.pt/publicacoes/Documents/REPE_VF.pdf >

29.Pini, L. (2012). Prevalência, risco e prevenção de úlcera de pressão em unidades de cuidados de longa duração, mestrado em evidência e decisão em saúde. Universidade Católica Portuguesa Instituto Ciências da Saúde. Retirado de <URL: http://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/63858/2/DissertaoLuna%20PiniUP.pdf >

30.RNAO. (2005). Risk Assessment & Prevention of Pressure Ulcers. RNAO. Retirado de <URL: http://rnao.ca/sites/rnao-ca/files/Risk_Assessment_and_Prevention_of_Pressure_Ulcers.pdf  >

31.Souza, T., Dansky, M., Johann, D., Lazzari, L., Mingorance, P. (2013). Prevenção de úlceras por pressão no calcanhar com filme transparente de poliuretano, Acta Paul. Enferm, 26(4), 345-352. Retirado de <URL :http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002013000400008&lang=pt >

32.Sprigle, S., Sonenblum, S. (2011). Assessing evidence supporting redistribution of pressure for pressure ulcer prevention: A review. Journal of Rehabilitation Research & Development, 48(3), 203–214. Retirado de <URL: http://www.rehab.research.va.gov/jour/11/483/pdf/page203.pdf > doi:10.1682

33.Stechmiller, J., Cowan, L., Whitney, J., Phillips, L., Aslam, R., Barbul, A., Gottrup, F., Gould, L., Robson, M., Rodeheaver, G., Thomas, D., Stotts, N. (2008). Guidelines for the prevention of pressure ulcers, Wound Repair and Regeneration, 16(2), 151–168. Retirado de <URL: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1524-475X.2008.00356.x/pdf > doi: 10.1111/j.1524-475x.2008.00356.x

34.Walsh, N., Blanck, A., Smith, L., Cross, M., Andersson, L., Polito, C. (2012) Use of a sacral silicone border foam dressing as one component of a pressure ulcer prevention program in an intensive care unit setting, Wound Ostomy Continence Nurse, 39(2), 146-149,| http://www.amerinet-gpo.com/Documents/Quality%20Toolkits/Sacral_Silicon_Border_Foam_Dressing.pdf >

35.Whyte, S. (2010). Preventing pressure damage in patients with mental health problems – Case Reports, Wound Essentials, volume 5, 21-31. Retirado de <URL: http://www.wounds-uk.com/pdf/content_9487.pdf >

36.Wilson M. (2007). Heel pressure ulcers: an overview of pressure-relieving equipment, Wound Essential, 2, 115-120. Retirado de <URL: http://www.woundsinternational.com/pdf/content_192.pdf >

37.Wounds UK. (2013). Pressure ulcer prevention in the acute setting: Using AdermaTM in practice, Wounds UK, 9(4). Suplemento. Retirado de <URL: http://www.wounds-uk.com/pdf/content_10969.pdf >

Read More
Jun 26, 2014

Information Technologies in Management in Nursing – Systematic Review of the Literature

Tecnologías de la Información en la Gestión en Enfermería – Revisión Sistemática de la Literatura

Autores
Magda Narciso1; Renata Inácio2, Sónia Carvalho3
1 e 2Enfermeira, Serviço de Obstétrica/Ginecologia – CHO – Caldas da Rainha, 3Enfermeira, Serviço de Cirurgia – CHO – Caldas da Rainha

Corresponding author: magda_narciso@hotmail.com

Revisão sistemática da literatura apresentada no âmbito da Pós Graduação em Gestão e Administração de Serviços de Saúde para Enfermeiros administrada pela CESPU, nas1ºas Jornadas: “Reformas e Desafios da Gestão em Saúde”, realizadas no Auditório da Casa da Música em Óbidos, no dia 26 de Janeiro de 2013.

Resumo

A utilização das tecnologias da informação informatizadas é um recurso facilitador presente na prática diária da gestão dos cuidados de enfermagem.
Esta revisão sistemática tem como objetivos: sistematizar a evidência científica relativamente às tecnologias da informação na gestão em cuidados de enfermagem; perceber o contributo da tecnologia da informação na gestão em cuidados de enfermagem; compreender os fatores que influenciam positivamente a adesão às tecnologias da informação e perceber os fatores bloqueadores às tecnologias da informação nos cuidados de enfermagem.
Os estudos científicos publicados em bases de dados de referência entre 2006 e 2010 foram selecionados de acordo com os critérios inclusão/exclusão previamente definidos. Foram identificados 9 estudos que permitiram dar resposta aos objetivos propostos. O trabalho científico realizado por outros autores é, no entanto, reduzido havendo a necessidade de aprofundar e investigar sobre o impacto das tecnologias da informação na gestão dos cuidados de enfermagem.
As tecnologias da informação na gestão em cuidados de enfermagem possibilitam a eficiência organizacional, a otimização da utilização dos recursos e a promoção da melhoria dos cuidados de saúde.

Palavras-chave: tecnologia da informação; gestão em saúde; cuidados de enfermagem; informática em enfermagem.

Abstract

The use of computerized information technology is a resource which contributes to the successful management of nursing care on a daily pratice.
This systematic review aims to: systematize the scientific evidence in relation to information technology management in nursing; realize the contribution of information technology management in nursing; understand the factors that positively influence adherence to information technology and understand the factors blocking of information technology in nursing care.
Scientific studies published in reference databases between 2006 and 2010 were selected according to the criteria of inclusion / exclusion previously defined. We identified 9 studies that allowed to respond to the proposed objectives. The scientific work carried out by other authors is reduced and therefore the needs for further investigation on the impact of information technology on management in nursing care.
Information technology management in nursing enable organizational efficiency, optimizing the use of resources and the promotion of improved health care.

Keywords: information technology; health management; nursing care; nursing informatics.

Resumen

El uso de la tecnología de la información computarizada es un recurso facilitador presentar en la práctica diaria en la gestión de los cuidados de enfermería.
Esta revisión sistemática tiene como objetivos: sistematizar la evidencia científica en relación con la gestión de tecnología de información en enfermería; darse cuenta de la contribución de la gestión de tecnología de información en enfermería, comprender los factores que influyen positivamente en la adherencia a la tecnología de la información y comprender los factores de bloqueo de la tecnología de la información en los cuidados de enfermería.
Los estudios científicos publicados en bases de datos de referencia entre 2006 y 2010 fueron seleccionados según los criterios previamente de inclusión / exclusión definido. Se identificaron nueve estudios que permitieron dar respuesta a los objetivos propuestos. La labor científica llevada a cabo por otros autores es sin embargo reducido, requiriendo aún más e investigar el impacto de la tecnología de la información en la gestión de los cuidados de enfermería.
La tecnologías de la información en gestión en cuidados de enfermería permitir la eficacia organizativa y la optimización del uso de los recursos y la promoción de la mejora de la atención de la salud.

Palabras clave: tecnología de la información; gestión en salud; atención de enfermería; informática aplicada a la enfermería.

Introdução

As tecnologias da informação têm adquirido importância no âmbito da saúde, nas suas diferentes dimensões e níveis de ação, produzindo potenciais benefícios para os cidadãos e para os prestadores dos serviços. A sua utilização constitui-se como um elemento essencial para a promoção de formas de relacionamento mais seguras e cuidados de saúde mais acessíveis e eficientes economicamente (Portugal, 2010).
O desenvolvimento das tecnologias da informação em enfermagem tem permitido maximizar a gestão dos serviços, promovendo a melhoria da qualidade e da continuidade dos cuidados, dando visibilidade à tomada de decisão em enfermagem (Ordem dos Enfermeiros, 2007).
Contudo, não nos podemos esquecer que a utilização das tecnologias da informação, tal como qualquer inovação, gera alguma controvérsia, sucedendo que alguns enfermeiros se apresentam renitentes à adesão destas.
Assim, dada a curiosidade e a necessidade de saber mais sobre esta temática, foi crucial estabelecer os seguintes objetivos: sistematizar a evidência científica relativamente às tecnologias da informação na gestão em cuidados de enfermagem; perceber o contributo da tecnologia da informação na gestão em cuidados de enfermagem; compreender os fatores que influenciam a adesão às tecnologias da informação.

Quadro Teórico

Em pleno século XXI somos diariamente inundados com informação que percorre o mundo em frações de segundo. Segundo Amaral (2004), o avanço tecnológico e o desenvolvimento da ciência produziram complexas mudanças na economia, na sociedade e na cultura das organizações. Neste sentido, a enfermagem não passou indiferente a estes progressos. É considerada por isso, uma ciência em constante evolução que tem como objetivo garantir a prestação de cuidados de saúde de qualidade ao ser humano, saudável ou doente, ao longo da sua vida, na comunidade em que está inserido. Para que assim, mantenha, melhore ou recupere a saúde, e que adquira a máxima capacidade funcional tão rápida quanto possível (REPE, 2009).
De acordo com Aleixo (2010), para acompanhar o atual padrão de exigência de enfermagem, as tecnologias da informação da saúde surgem como um avanço desejável e irreversível em que os profissionais desempenham um papel fulcral na gestão de uma organização de saúde, pois possuem competências técnicas, cientificas, comunicacionais e relacionais para serem os principais agentes no processo de saúde e doença do doente, no decorrer do seu ciclo de vida.
Sousa (2001) descreve que as tecnologias da informação surgem como um conjunto de conhecimentos, refletidos quer em equipamentos e programas, quer na sua criação e utilização a nível pessoal e empresarial. Mendes e Lourenço (2007) referem que a utilização das tecnologias da informação constitui uma mais-valia, preconizam a modernização de infraestruturas informáticas da saúde e a adequação dos programas no contexto dos serviços. Salienta ainda Évora (2007), que estas podem contribuir para uma mudança na rotina do trabalho do enfermeiro, facilitando as suas tarefas, trazendo benefícios e novas oportunidades no processo de gestão da informação, em tempo real. Cunha (2008a) defende que as tecnologias da informação são parte integrante do quotidiano dos profissionais de saúde. A constituição de bases de dados de utentes e a sua utilização pelas redes informáticas vêm criar expetativas acrescidas de melhoria das comunicações e da eficiência dos serviços de saúde, nomeadamente pelas potencialidades de partilha de informação e pela continuidade de cuidados que possibilita aos diversos utilizadores. Para Carrasqueiro (2007) as tecnologias da informação associadas a um adequado sistema de informação permitem disponibilizar mais informação, no sentido de introduzir novas formas de prestar cuidados, mais acessíveis, eficazes e centrados nas necessidades dos clientes, e no desenvolvimento de novas práticas de colaboração de trabalho, flexíveis, contínuas, direcionadas às necessidades do dia-a-dia.
Cunha (2008a) acrescenta que o uso dos sistemas de informação, na instituição hospitalar tem sido cada vez mais valorizado na prática dos cuidados de enfermagem, sendo que: facilita a organização do trabalho a nível de registos e administração e a avaliação dos cuidados a doentes, permite uma maior disponibilidade no cuidado direto ao doente; rentabiliza recursos humanos e tecnológicos, com o objetivo de atingir resultados económicos positivos, tornando o sistema de saúde mais eficiente e eficaz na tomada de decisão certa e no momento oportuno.
Os enfermeiros compreendem como as tecnologias da informação podem mudar o seu trabalho diário, e sabem como usufruir dos seus benefícios para criar oportunidades e ocupar o seu espaço no processo de mudança. Surge, assim um novo paradigma, a informática em enfermagem.
American Nurses Association (2001) definiu a informática em enfermagem como uma especialidade que integra as diferentes ciências, a enfermagem, a computação e a informação. Permite padronizar a documentação, melhorar a comunicação, apoiar o processo de tomada de decisão, desenvolver e disseminar novos conhecimentos, aumentar a qualidade, a efetividade e a eficiência dos cuidados em saúde, fornecendo maior poder de escolha aos clientes e fomentar o progresso em enfermagem. A informática em enfermagem, segundo Staggers e Thompson (2002), possibilita igualmente melhorar a saúde dos indivíduos, famílias, comunidades e população, otimizando a gestão e a comunicação da informação. Logo, inclui a utilização da informação e da tecnologia na prestação direta do cuidado, estabelecendo sistemas administrativos efetivos, na organização e no ensino, auxiliando a aprendizagem contínua e apoiando a pesquisa de enfermagem.
Llapa Rodríguez et al. (2008, p.148) ressaltam que:
“(…) a enfermagem deve estar preparada para a utilização e domínio dos diversos e sofisticados tipos de tecnologias computacionais disponíveis e, em nenhum momento devem substituir o contato humano no cuidado de saúde, já que se poderia chegar a superestimação da máquina e ao distanciamento do doente”.
Reforçando esta ideia, Amaral (2004) menciona que os profissionais de saúde mais conservadores poderão dizer que a utilização do computador na enfermagem leva à desumanização dos cuidados e à perda de privacidade dos doentes.
Compete assim, a cada profissional de enfermagem promover o uso das tecnologias da informação informatizadas na gestão diária do seu trabalho, utilizando os recursos existentes e os conhecimentos técnicos da melhor forma, procurando atingir a excelência dos cuidados.
Neste âmbito, e segundo Thofehrn (2006), emerge o conceito da gestão em cuidados de enfermagem, consistindo num conjunto de atitudes do enfermeiro que visam manter a coerência entre o discurso e a ação, junto da equipa de enfermagem e cujo objetivo é o cuidado terapêutico às pessoas em sofrimento físico, psíquico e social que procuram e necessitam de atenção especializada.
Frederico e Leitão (1999, p.34) realçam a importância dos enfermeiros na gestão em saúde referindo que os “avanços tecnológicos e a especialização dos recursos humanos só são possíveis através de uma interação entre os membros que constituem a organização e para tal, é necessário que haja um sistema integrado que permita concentrar informações, possibilitando o planeamento para que se possa tomar decisões”.
No momento atual, as tecnologias da informação assumem-se como uma ferramenta essencial na gestão e monitorização dos cuidados, no entanto, os enfermeiros retiram um proveito mínimo das vantagens das tecnologias, no que diz respeito à valorização dos benefícios e impactos da prestação de cuidados.
Aleixo (2010) destaca a necessidade de existirem mais enfermeiros gestores em lugares estratégicos com influência a nível de decisões públicas de forma a mobilizar fundos e investimentos para uma crescente investigação na profissão.

Metodologia

A revisão sistemática da literatura é um método de pesquisa que permite a procura, a avaliação critica e a síntese das evidências disponíveis do tema investigado, a implementação de intervenções efetivas nos cuidados de saúde e a redução de custos, bem como a identificação de lacunas que direcionam para o desenvolvimento de futuras pesquisas. Vilelas (2009, p.203), refere que “as revisões sistemáticas da literatura, dão-nos uma visibilidade maior dos resultados, ao invés de limitarem as nossas conclusões à leitura somente de alguns artigos.”
De acordo com Pocinho (2008), a revisão sistemática é o tipo de estudo retrospetivo e secundário, que facilita a elaboração de diretrizes clinicas, sendo extremamente útil para os tomadores de decisão na área da saúde.
Na realização do artigo, pretende-se aceder à investigação científica publicada nos últimos anos, tendo como ponto de partida a questão de investigação: Qual o contributo das tecnologias da informação na gestão em cuidados de enfermagem?
A pesquisa bibliográfica foi operacionalizada, tendo por base as palavras-chave: tecnologia da informação; gestão em saúde; cuidados de enfermagem e informática em enfermagem, em três idiomas preferenciais, o português, o inglês e o espanhol.
Optou-se por uma pesquisa exaustiva em diversas bases de dados eletrónicas: SciELO Portugal; SciELO Scientific Electronic Library Online; Google Scholar; Pubmed; B-On – biblioteca online do conhecimento; IC-online serviços de documentação do Instituto Politécnico de Leiria; centro de documentação da Escola Superior de Saúde de Lisboa; SIIB/UC – Millennium via Escola Superior de Enfermagem de Coimbra; RCAAP – repositório científico de acesso aberto de Portugal; e base de dados da Revista de Enfermagem Referência.
Foram assim definidos os seguintes critérios de inclusão e exclusão presentes no quadro abaixo (1).
QUADRO 1 – Critérios de inclusão e exclusão dos artigos pesquisados

Critérios de Inclusão Critérios de Exclusão

– Artigos publicados a partir de 2006.
– Serem em português, inglês ou espanhol.
– Estudos centralizados na temática das tecnologias da informação na gestão em cuidados de enfermagem.
– Estudos com evidência científica, quantitativos ou qualitativos.
– Texto completo.

– Artigos com publicação anterior a 2006.
– Estudos em outras línguas que não o português, inglês, ou espanhol (por incapacidade/desconhecimento dos investigadores para traduzir outras línguas).
– Artigos de revisão bibliográfica.

Foram encontradas 110 publicações, das quais 101 foram excluídas por não apresentarem os critérios pertinentes para o estudo. Deste modo, como descrito no quadro acima, foi necessário estabelecer critérios de inclusão e exclusão, que permitiram selecionar os estudos mais relevantes. É importante mencionar a dificuldade em encontrar publicações representativas do “estado da arte” da problemática dos últimos cinco anos, por isso foi inevitável a utilização de artigos mais antigos, para ir de encontro aos objetivos definidos.

Apresentação dos Resultados/Discussão

Na discussão dos resultados dos artigos, foram identificados diversos fatores que influenciam o desempenho do enfermeiro na gestão de cuidados relacionado com o uso da tecnologia da informação. Deste modo, subdividimos a análise em três itens:
– Contributo da tecnologia da informação na gestão em cuidados de enfermagem;
– Fatores que influenciam positivamente a adesão às tecnologias da informação;
– Fatores bloqueadores à tecnologia da informação nos cuidados de enfermagem.

Contributo da tecnologia da informação na gestão em cuidados de enfermagem

A opinião dos enfermeiros, em termos gerais, enquanto utilizadores das tecnologias da informação a nível hospitalar, é bastante satisfatória.
Kuchler, Alvarez e Haertel (2006); Fonseca e Santos (2007); Ammenwerth et al. (2010) referem que o uso de tecnologias da informação possibilita que os dados se obtenham fácil e rapidamente, proporcionando uma maior orientação para estabelecer cientificamente diagnósticos.
Vários autores (Pinto, 2009; Peterlini e Zagonel, 2006; Lameirão, 2007; Cunha, Ferreira e Rodrigues, 2010; Ammenwerth et al., 2010) relatam que com as tecnologias da informação, a acessibilidade e atualização contínua dos registos e processo do doente estão mais facilitados, evita-se a duplicação da informação, de papel e custos inerentes e possibilita uma melhor e mais prática visualização do plano de cuidados e do próprio doente, promovendo a continuidade dos cuidados e consequentes alterações institucionais.
Cunha (2008b) partilha da mesma opinião dos autores supracitados e reforça que as tecnologias da informação contribuem para a planificação e intervenção em saúde e simplificam a tomada de decisão a gestores e profissionais de saúde. Este resultado vai de encontro à reflexão de Frederico e Leitão (1999) que defendem a importância da planificação através do uso da tecnologia para a tomada de decisão.
Tendo por base a sua investigação, Peterlini e Zagonel (2006) destacam no seu artigo, que as tecnologias da informação facilitam o registo diário das atividades realizadas, a sua consulta e a transmissão de dados intra e inter instituições e profissionais de saúde, impedem o extravio de informações e preservam a confidencialidade dos mesmos, originando mais-valias em saúde para os doentes e sociedade. Cunha (2008a) considera igualmente a tecnologia como um meio facilitador nas diversas atividades do enfermeiro.
As tecnologias da informação influenciam também a qualidade dos cuidados prestados, ao nível da execução das fases do processo de enfermagem, da prática tendo por base a evidência, da inclusão, continuidade e visibilidade dos cuidados de enfermagem (Cunha, Ferreira e Rodrigues, 2010). Ammenwerth et al.(2010) no seu estudo destacam ainda a uniformização da linguagem e de documentos como uma vantagem da implementação da tecnologia da informação.
Os autores Kuchler, Alvarez e Haertel (2006) alegam que a implementação de tecnologias promove a eficiência, resultando em menos tempo despendido para registos e por conseguinte, mais tempo disponível para cuidar.
De acordo com Peterlini e Zagonel (2006), o enfermeiro considera as tecnologias da informação fundamentais para o exercício profissional, uma vez que possibilitam estabelecer objetivos dentro da própria equipa de trabalho em que todos possuem conhecimento relativamente às mesmas, distinguir as ações de cada elemento, compartilhar pensamentos e perceções e gerar inter e intrarelações nas equipas, originando mais e melhores resultados, mais qualidade prática e humana, maior flexibilização e desburocratização dos procedimentos gestionários e consequentemente utentes mais satisfeitos.
Ainda segundo os mesmos autores supracitados, as informações adquiridas através das tecnologias são úteis quer para o enfermeiro gestor do serviço, quer para o enfermeiro na prestação de cuidados, sendo que o primeiro consegue ter uma representação acerca das ações planeadas, previstas e concretizadas, simplificando as atividades de acompanhamento e avaliação.
Em resultado da utilização das tecnologias da informação, os profissionais podem realizar melhor as suas funções, acolher os doentes de modo mais efetivo e produzir diferentes métodos de cumprir o trabalho (Perez e Zwicker, 2010). Já Cunha, Ferreira e Rodrigues (2010) referem que as tecnologias da informação evidenciam os cuidados de enfermagem e realçam a necessidade de estas tecnologias estarem ajustadas ao contexto característico da instituição e serviço.
Lameirão (2007) e Peterlini e Zagonel (2006) destacam que as tecnologias da informação influenciam claramente a motivação dos enfermeiros, a valorização da atividade profissional e as vantagens em saúde para os doentes.

Fatores que influenciam positivamente a adesão às tecnologias da informação

Cunha (2008b) e Pinto (2009) referem que a grande maioria dos participantes nos seus respetivos estudos indica que o facto de utilizarem frequentemente o computador fora do contexto hospitalar é benéfico para uma melhor adesão e adaptação das tecnologias da informação. Peterlini e Zagonel (2006) são da mesma opinião e acrescentam ainda que a formação em sala e a realização da mesma em horário laboral é tida como um agente marcante para auxiliar a adesão aos sistemas de informação e que contribui favoravelmente para o desempenho no uso deste instrumento de trabalho.
Outro estudo analisado destaca que nos profissionais de saúde a partir do momento em que começam a compreender as características e funcionamento dos sistemas, estes passam a ser usados seguindo uma rotina (Perez e Zwicker, 2010).
Cunha, Ferreira e Rodrigues (2010), concluíram no seu estudo que os fatores que intervêm na adesão às tecnologias da informação são os seguintes: o tempo de experiência, a formação de base e pós-graduada, a relação entre a compreensão dos procedimentos de mudança vividos nas instituições e a categoria profissional.
Em sinopse, estes autores destacam a importância da formação e da implicação ativa dos profissionais aquando a implementação de tecnologias da informação.

Fatores bloqueadores às tecnologias da informação nos cuidados de enfermagem

Na maioria dos estudos em questão, os enfermeiros mencionam que a falta de experiência no uso do computador afeta a sua adaptação à tecnologia. Refere ainda Pinto (2009), que numa fase inicial de implementação de um sistema, ocorre renitência pela incerteza, medo do desconhecido, insegurança e medo de falhar. Peterlini e Zagonel (2006) descrevem que os enfermeiros que raramente utilizaram ou nunca utilizaram um computador, especialmente na faixa etária de 51-60 anos sentem uma maior insatisfação com a utilização dos sistemas de informação.
Outro estudo, mostrou que os enfermeiros sentiram stress pela dificuldade no trabalho informatizado, principalmente na fase de introdução da informatização, descrevem-no como “complicado”, “difícil”, “treinamento insuficiente”, “falta de destreza”, “falta de estrutura” e o “afastar a enfermagem da enfermaria”. Preferindo deste modo a forma manuscrita, realçando que a tecnologia provoca uma falta de controlo sobre o trabalho (Fonseca e Santos, 2007).
Os enfermeiros, no estudo de Perez e Zwicker (2010), salientam que a inovação pode estar desalinhada com os processos de trabalho e objetivos dos seus utilizadores, optando pelos métodos antigos de trabalho, dificultando assim a adoção de novos procedimentos e métodos incorporados na inovação. Assim, da mesma opinião Amaral (2004), indica que os profissionais poderão considerar que a utilização do computador pode levar à desumanização dos cuidados.
Em relação à formação sobre os sistemas realizada durante o período laboral, Fonseca e Santos (2007) referem que alguns profissionais estavam, pela organização do serviço, impossibilitados de participarem. Os enfermeiros também relatam a formação como sendo rápida e insuficiente e alegam que aprenderam sozinhas ou com a ajuda do manual.
Noutro estudo, é evidenciado como aspeto negativo o período longo de tempo entre a formação e a aplicação prática do sistema de informação e a existência numa fase inicial de poucos terminais, bem como a falta de espaço para colocar os mesmos (Lameirão, 2007).
Segundo Cunha (2008b) e Ammenwerth et al. (2010), os enfermeiros referem a hipótese de mudar de sistemas de informação e a necessidade de recomeçar novamente, como um fator bloqueador.
É igualmente importante e demonstrado como limitação por Cunha (2008b), o “facto de o sistema informático ser falível e, portanto, pode acontecer que alguma informação fique indisponível para consulta durante um período de tempo ou mesmo perder-se definitivamente”, afetando a disponibilidade dos dados e, consequentemente, a continuidade e segurança dos cuidados.
Lameirão (2007) refere ainda outros inconvenientes, nomeadamente, as complexidades práticas, as atualizações dos sistemas realizadas em horários pouco conciliáveis e a ausência de outra opção como fonte de informação aquando avarias e falhas energéticas.
Fonseca e Santos (2007) acrescentam ainda que os enfermeiros relatam o tempo despendido ao rever o trabalho de outros profissionais, como por exemplo, a prescrição médica com mais erros.

Conclusão

A enfermagem é uma arte complexa, subtil e enraizada num profissionalismo que não se manifesta apenas através dos atos praticados, mas também através da capacidade de ir ao encontro dos outros e de caminhar com eles para conseguirem uma saúde melhor (Hesbeen, 2001).
A missão da enfermagem relacionada com o estado atual da sociedade exige mudanças na saúde. Pinto (2009) acredita que um dos principais desafios da modernização do sistema de saúde passa pela aposta intensiva nas tecnologias da informação enquanto investimento estratégico, capaz de racionalizar a utilização dos recursos disponíveis e de incrementar a eficiência e a qualidade.
O contributo da tecnologia na gestão em cuidados de enfermagem tem vindo a assumir um papel relevante e interligado com a eficiência, eficácia e segurança dos cuidados. Facilita assim, a organização do serviço, permite o acesso mais rápido da informação do utente, simplificando a comunicação entre os profissionais de saúde e interligação com outras instituições.
Neste contexto, tornou-se evidente a importância do envolvimento dos líderes no processo de mudança, nomeadamente no empenho, na motivação e na consciencialização dos seus funcionários.
O enfermeiro depreende assim, a utilidade da tecnologia da informação na sua prática de cuidados, valorizando os benefícios evidentes, com disponibilidade para novas oportunidades e para acompanhar a mudança na instituição ou na sociedade. Porém, verificou-se ainda em alguns estudos, alguma renitência por parte dos enfermeiros na utilização do computador. Por outro lado, Aleixo (2010) salienta que atualmente os sistemas de informação informatizados disponíveis na maioria dos locais restringem-se ainda à classificação de doentes, sistema de assiduidade, escalas de serviço de enfermeiros e gestão de recursos.
Conclui-se que a formação acerca da tecnologia da informação na licenciatura de enfermagem e atualizações no serviço sobre os sistemas de informação revelam-se uma medida facilitadora da aceitação da implementação destes. De tal modo que, os enfermeiros dispondo desse conhecimento tão indispensável contribuem para um aumento da produtividade no serviço.
Esta revisão da literatura contribui para a compilação do conhecimento publicado acerca das tecnologias da informação. Devido à escassez de estudos nesta área em Portugal, sentiu-se a necessidade de alargar a outras realidades, nomeadamente Brasil e Áustria. No entanto, estamos cientes que o resultado desta revisão não esgota a pesquisa sobre a produção científica nesta temática, atendendo aos critérios de inclusão estabelecidos. Apesar de existir uma necessidade crescente de investigação nesta área.
A enfermagem atualmente enriquecida com o uso da tecnologia de informação, estimulou uma mudança na atitude dos prestadores, melhorando a monitorização dos cuidados e uma melhor gestão na tomada da decisão.

Referências Bibliográficas

ALEIXO, Telmo Jorge Feijó (2010) – Contributo de enfermagem para a gestão. Centro Português em História e Trabalho Social [em linha]. [Consult. 3 Jul. 2012]. Disponível em WWW: .

AMARAL, Tiago (2004) – Enfermática: mais tempo para cuidar. Revista Nursing. Ano 15, n. º 193, p. 22-25.

AMERICAN NURSES ASSOCIATION (2001) – Scope and Standards of Nursing Informatics Practice. Washington, D.C.: American Nurses Pub. ISBN 1558101667.

AMMENWERTH, Elske [et al.] (2010) – Effect of a nursing information system on the quality of information processing in nursing: An evaluation study using the HIS-monitor instrument [em linha]. International Journal of Medical informatics. 80 (2011), p. 25-38. [Consult.3 Jul. 2012]. Disponível em WWW: .

CARRASQUEIRO, Sara (2007) – O papel das tecnologias de informação / sociedade de informação na área da saúde [em linha]. [Consult. 3 Jul. 2012]. Disponível em WWW: .

CUNHA, Alice Paula da (2008a) – Classificação internacional para a prática de enfermagem (CIPE) enquanto estratégia no desenvolvimento dos cuidados prestados pelos enfermeiros. Covilhã: Universidade da Beira Interior. Dissertação de Mestrado.

CUNHA, Alice Paula; FERREIRA, João; RODRIGUES, Manuel (2010) – Atitude dos enfermeiros face ao sistema informatizado de informação em Enfermagem [em linha]. Revista Referência. III Série – n.º 1, p. 7-16. [Consult. 10 Set. 2012]. Disponível em WWW: .

CUNHA, Ana Patrícia (2008b) – Supervisão das práticas clínicas: o caso particular da utilização dos sistemas de informação em enfermagem [em linha]. Universidade de Aveiro. Dissertação de Mestrado. [Consult.10 Set. 2012]. Disponível em WWW: .

ÉVORA, Yolanda Dora Martinez (2007) – A enfermagem na era informática. Revista eletrónica de enfermagem [em linha]. Vol. 9, n.º 1, p. 14. [Consult.3 Jul. 2012]. Disponível em WWW: .

FONSECA, Cláudia Maria; SANTOS, Mônica Loureiro dos (2007) – Tecnologias da informação e cuidado hospitalar: reflexões sobre o sentido do trabalho [em linha]. Revista Ciência & Saúde coletiva. Vol.12, n.º 3, p. 699-708. ISSN 1413-8123. [Consult. 10 Set. 2012]. Disponível em WWW: .

FREDERICO, Manuela; LEITÃO, Maria dos Anjos (1999) – Princípios de administração para enfermeiros. 1ª ed. Coimbra: Formasau. ISBN 972-8485-09-3.

HESBEEN, Walter (2001) – Qualidade em Enfermagem: pensamento e acção na perspectiva do cuidar. 1ª ed. Loures: Lusociência. ISBN 972-8383-20-7.

KUCHLER, Fernanda; ALVAREZ, Ana; HAERTEL, Luiz (2006) – Impacto sobre o tempo de execução do processo de enfermagem auxiliado por ferramenta informatizada [em linha]. Anais do X Congresso Brasileiro de Informática em Saúde. [Consult. 5 Set. 2012]. Disponível em
WWW: .

LAMEIRÃO, Sónia Isaura (2007) – Gestão Hospitalar e o uso dos Sistemas de Informação: Aplicação ao CHVR-PR [em linha]. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Dissertação de Mestrado. [Consult. 5 Set. 2012]. Disponível em
WWW: .

LLAPA RODRÍGUEZ, Eliana Ofelia [et al.] (2008) – Informática em Enfermagem: facilitador na comunicação e apoio para a prática [em linha]. Revista Investigación y Educación en Enfermaría. Vol. XXVI, n.º 2, p. 144-149. [Consult. 21 Ag. 2012]. Disponível em
WWW: .

MENDES, Rosa Maria Neves; LOURENÇO, Carlos Alberto Machado (2007) – Tecnologias de informação e comunicação nas instituições de saúde: encontro inevitável. Revista Servir. ISSN 0871-2370. Vol. 55, n.º 4-5, p. 140-149.

ORDEM DOS ENFEMEIROS (2007) – Sistemas de Informação de Enfermagem (SIE): Princípios básicos de arquitetura e principais requisitos técnico-funcionais. Coimbra: Ordem dos Enfermeiros.

PEREZ, Gilberto; ZWICKER, Ronaldo (2010) – Fatores determinantes da adoção de Sistemas de Informação na área de Saúde: um estudo sobre o prontuário médico eletrônico [em linha]. RAM – Revista de Administração Mackenzie. ISSN 1678-6971. Vol. 11, n.º 1, p. 174-200. [Consult. 5 Set. 2012]. Disponível em
WWW: .

PETERLINI, Olga; ZAGONEL, Ivete (2006) – O sistema de informação utilizado pelo enfermeiro no gerenciamento do processo de cuidar [em linha]. Revista Texto & Contexto – Enfermagem. ISSN 0104-0707. Vol. 15, n. º 3, p. 418-426. [Consult. 5 Set. 2012]. Disponível em
WWW: .

PINTO, Liliana (2009) – Sistemas de Informação e profissionais de enfermagem [em linha]. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Dissertação de Mestrado. [Consult. 21 Ag. 2012]. Disponível em
WWW: .

POCINHO, Margarida (2008) – Lições de Metanálise: um trabalho de compilação efectuado por Margarida Pocinho [em linha]. [Consult. 21 Ag. 2012]. Disponível em
WWW: .

PORTUGAL. Ministério da Saúde. Direcção-Geral da Saúde (2010) – Plano Nacional de Saúde 2011-2016: “Tecnologias de Informação e Comunicação”. Lisboa: DGS.

REPE (2009) – Estatuto Ordem dos Enfermeiros [em linha]. [Consult. 10 Set. 2012]. Disponível em WWW: .

SOUSA, Sérgio (2001) – Tecnologias de Informação. O que são? Para que servem? Lisboa. FCA – Editora de Informática.

STAGGERS, Nancy; THOMPSON, Cheryl Bagley (2002) – The evolution of definitions for nursing informatics: a critical analysis and revised definition. Journal of the American Medical Informatics Association. N.º 9 Maio/Junho, p. 255-261.

THOFEHRN, Maira Buss; LEOPARDI, Maria Tereza (2006) – Teoria dos vínculos profissionais: um novo modo de gestão em enfermagem [em linha]. Revista Texto Contexto – Enfermagem. ISSN 0104-0707. Vol. 15, n.º 3, p. 409-417. [Consult. 5 Set. 2012]. Disponível em WWW: .

VILELAS, José (2009) – Investigação: o processo de construção do conhecimento. 1ª ed. Lisboa: Edições Sílabo. ISBN 978-972-618-557-4.

Read More
Jun 26, 2014

FUNÇÃO COGNITIVA E CAPACIDADE FUNCIONAL EM MULHERES ACIMA DE 50 ANOS DE IDADE

Rafael Benito Mancini
Sandra Mahecha Matsudo
Victor Matsudo

Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul
CELAFISCS

Endereço para Correspondência

Rafael Benito Mancini

Rua Heloísa Pamplona, 279
CEP – 09520-320
Bairro Fundação
São Caetano do Sul – SP – Brasil
55 11 4229-8980/4229-9643

e-mail: rafael@celafiscs.org.br

RESUMO

Durante o processo de envelhecimento ocorre diminuição da função cognitiva que pode estar associada com o declínio da capacidade funcional. O objetivo do estudo foi associar a função cognitiva com as variáveis antropométricas, força muscular e capacidade funcional e comparar às mesmas variáveis nas mulheres que apresentaram melhor desempenho cognitivo com aquelas que apresentaram déficit cognitivo. Foram avaliadas mulheres praticantes de atividade física. As variáveis antropométricas analisadas foram o IMC, a adiposidade e a relação cintura-quadril. A força muscular foi medida pelo teste de preensão manual e pelo teste de impulsão horizontal sem o auxilio dos braços e a capacidade funcional pelos testes de equilíbrio estático, velocidade de levantar da cadeira, velocidade de andar, velocidade máxima de andar e a agilidade. Análise estatística: Spearman rho, teste t de Student e o teste Mann-Whitney (p<0,05). Resultados: Foi encontrada associação da função cognitiva com o IMC, IVS, equilíbrio estático e velocidade de andar. Mulheres que apresentaram melhor desempenho cognitivo também mostraram melhores valores de IVS (16,09%) e equilíbrio estático (35,40%). Conclusão: Mulheres que apresentam uma preservação da força muscular de membros inferiores durante o processo de envelhecimento podem ter uma função cognitiva preservada, ressaltando a necessidade de um estilo de vida ativo.
Palavras chaves: Envelhecimento, Função Cognitiva, Força Muscular, Capacidade Funcional

ABSTRACT

During the aging process there is a decrease in cognitive function that may be associated with a decline in functional capacity. The purpose of this study was to measure the association cognitive function with the anthropometric variables, muscle strength and functional capacity and compare the same variables in women who had better cognitive performance with those who had cognitive impairment. We evaluated women who exercise. The anthropometric variables analyzed were BMI, body fat and waist-hip ratio. Muscle strength was measured by a handgrip test and the horizontal thrust without the help of arms and the functional capacity tests of static balance, speed of rising from a chair, walking speed, walking speed and agility. Statistical analysis: Spearman rho, Student’s t test and Mann-Whitney test (p <0.05). Results: We found an association of cognitive function with BMI, IVS, static balance and walking speed. Women who had better cognitive performance also showed higher values of IVS (16.09%) and static balance (35.40%). Conclusion: Women who have a preservation of muscle strength of lower limbs during the aging process may have a preserved cognitive function, emphasizing the need for an active lifestyle.
Keywords: Aging, Cognitive Function, Muscle Strength, Functional Capacity

INTRODUÇÃO
Podemos definir a função cognitiva ou sistema funcional cognitivo como as fases do processo de informação, que envolvem percepção, aprendizagem, memória, atenção, vigilância, raciocínio e solução de problemas, sendo que o funcionamento psicomotor (tempo de reação, tempo de movimento, velocidade de desempenho) poderia ser incluído também neste conceito (Antunes et al., 2006).

Nesse sentido, estudos mostram que o declínio cognitivo é influenciado pelo processo de envelhecimento. Entretanto, os motivos que levam ao prejuízo cognitivo ao longo dos anos ainda não estão bem claros na literatura. No entanto algumas hipóteses ganham destaque neste cenário, sendo que dentre elas estão o prejuízo na função do lobo frontal e na função neurotransmissora, além da diminuição da circulação sanguínea cerebral (Laurin et al., 2001). Outro achado importante foi o descrito por Colcombe et al. (2003), em que durante o envelhecimento ocorreria uma diminuição de densidade de tecido neural no córtex frontal, parietal e temporal, da mesma forma que ocorre na maiorias dos tecidos havendo um desequilíbrio entre a lesão e reparação neural, estabelecendo-se assim o envelhecimento cerebral.

Por outro lado, recentes estudos vêm mostrando que a atividade física pode atenuar o prejuízo causado pelo processo de envelhecimento na função cognitiva, tendo em vista que já é classificada como evidência categoria A/B (ACSM, 2009).
Dessa forma, atividade física com predomínio do metabolismo aeróbico vem sendo associada com uma melhora da função cognitiva em adultos idosos. Mulheres idosas com um maior nível de atividade física apresentam 50% menos riscos de apresentar demência e declínio cognitivo e 60% de desenvolver doença de Alzheimer quando comparadas com sedentárias (Laurin, 2001).

Em outro estudo, quando comparado o nível de atividade física em MET´s, as mulheres mais ativas tinham 20% menos risco de apresentar declínio cognitivo do que as menos ativas (Weuve, 2004). Nesse sentido, um estudo retrospectivo analisou a atividade física praticada por idosos de 65 anos durante a adolescência, aos 30 e aos 50 anos, sendo que quando a atividade física era praticada com regularidade em qualquer idade, havia um menor risco de desenvolver debilidades mentais durante a velhice e ainda a proteção era maior quando a atividade física era praticada na adolescência (Middleton, et al. 2010).

Mas o exercício de força muscular também vem sendo associado a uma melhora da performance cognitiva, sendo que após um período de treinamento com pesos de intensidade moderada a alta, idosos obtiveram impacto positivo nas funções cognitivas (Casilhas et al, 2007). Por outro lado, a função cognitiva vem sendo associada ao processo neuromuscular que pode afetar diretamente a força muscular (Clark e Manini, 2010) e indiretamente a capacidade funcional de pessoas mais velhas (Atkinson et al, 2010).

Assim, o presente estudo teve como objetivo associar a função cognitiva com as variáveis antropométricas, de força muscular e capacidade funcional de mulheres praticantes de atividade física, como também comparar as mesmas variáveis entre as mulheres que apresentaram um melhor desempenho cognitivo com aquelas com déficit cognitivo.

MATERIAIS E MÉTODOS

Amostra
A amostra do presente estudo foi composta por 154 mulheres de 50 a 88 anos de idade (68,44 +7,63 anos) que freqüentavam o centro social e recreacional para a terceira idade “Dr. Moacyr Rodrigues”, onde o Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul (CELAFISCS) realiza, desde 1997, o Projeto Longitudinal de Envelhecimento e Aptidão Física de São Caetano do Sul. Os critérios de inclusão adotados foram: ser do sexo feminino, fazer parte do programa de exercícios físicos oferecidos pelo centro há pelo menos seis meses e ter freqüência nas aulas igual ou superior a 75%. Todas as participantes assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido, previamente aprovado pelo comitê de ética em número 028/2010-A da Fundação Municipal de Saúde de São Caetano do Sul. As aulas eram realizadas duas vezes por semana, em dias alternados (terças e quintas-feiras ou quartas e sextas-feiras), no período matutino, com duração de 50 minutos por aula, com grupo de aproximadamente 30 mulheres e homens por turma. As atividades realizadas foram subdivididas em atividades de aquecimento, atividades aeróbicas, de alongamento e exercícios de fortalecimento muscular.

Estado Cognitivo
O estado cognitivo foi analisado através do questionário Mini exame de estado mental (MEEM), desenvolvido por Folstein (1975), mas adaptado por Bruck et al (2003) para utilização no Brasil,que foi aplicado individualmente a cada participante do estudo. O escore deste teste varia entre o mínimo de 0 e o máximo de 30 pontos. O MEEM é um teste composto por diversos quesitos, agrupados em sete categorias, cada um com o objetivo de avaliar funções cognitivas específicas como: orientação temporal (5 pontos), orientação espacial (5 pontos), memória imediata (3 pontos), atenção e cálculo (5 pontos), memória de evocação (3 pontos), linguagem geral (9 pontos). Para o presente estudo foi utilizado apenas a somatória dos pontos do instrumento e utilizando o escore geral para a análise dos dados.

Avaliação da Aptidão Física e Capacidade Funcional
Os dados de aptidão física e capacidade funcional foram coletados durante as avaliações realizadas pela equipe do CELAFISCS, que aconteciam periodicamente duas vezes ao ano, uma a cada semestre seguindo a padronização de baterias de testes e medidas propostos pelo CELAFISCS (Matsudo, S. 2010).

Variáveis Antropométricas, Força Muscular e Capacidade Funcional
As variáveis antropométricas analisadas foram a massa corporal total, a estatura, o índice de massa corporal (IMC), a adiposidade através da média de três dobras cutâneas (tríceps, subescapular e suprailíaca), a circunferência da cintura e do quadril e a relação cintura-quadril (Matsudo S, 2010).

Para medir a massa corporal total foi utilizada uma balança com capacidade de 200 quilogramas e com precisão de 100 gramas. As mulheres participantes do estudo foram orientadas a ficar descalças, em pé, sobre a plataforma da balança com o peso do corpo distribuído igualmente entre os pés, usando o mínimo de roupa possível.
A estatura foi medida com uma fita métrica graduada em centímetros fixada na parede e um cursor antropométrico. A participante foi orientada a ficar descalça na posição ortostática com o calcanhar, cintura pélvica, cintura escapular e região occipital encostados na parede. A medida foi realizada com o individuo em apnéia inspiratória e com a cabeça paralela ao solo orientada no plano de Frankfurt.

O IMC foi estimado a partir do cálculo dado pela divisão da massa corporal, em quilogramas, pelo quadrado da estatura em metros. A adiposidade foi determinada indiretamente com mensurações de três dobras cutâneas que representavam as regiões dos membros superiores (dobra cutânea tricipital – TR) e tronco (dobra cutânea subescapular – SE e dobra cutânea supraílica – SI); utilizando para calcular a média de três medidas de cada dobra cutânea.
As circunferências foram obtidas com uma fita métrica metálica, aplicada na parte mais estreita do tronco para circunferência da cintura (CC) e no maior volume dos glúteos para circunferência do quadril (CQ). A relação da cintura em relação ao quadril (RCQ) foi calculada dividindo a CC pela CQ, ambas medidas em cm.
A força muscular de membros superiores foi determinada pelo teste de preensão manual (dinamometria) do lado direito. Já a força muscular de membros inferiores foi medida pelo teste de impulsão vertical sem o auxílio dos braços (IVS).
A capacidade funcional foi analisada pelos testes de:
a. Equilíbrio estático: medido através do teste de 30 segundos com controle visual.
b. Velocidade de levantar da cadeira: dada pelo tempo do individuo se movimentar da posição sentada à posição em pé o mais rápido possível.
c. Velocidade normal de andar: dada pelo tempo do individuo percorrer 3,33 metros.
d. Velocidade máxima de andar: medida pela velocidade máxima do individuo percorrer 3,33 metros.
e. Agilidade: medida pelo teste de “shuttle run”.

ANÁLISE ESTATÍSTICA
Para testar a normalidade da distribuição dos dados foi utilizado o teste de Kolmogorov Smirnov. Para correlacionar a função cognitiva dado pelo escore geral do MEEM, com as variáveis antropométricas, força muscular e com a capacidade funcional foi usada a correlação de Spearman’rho.
Para fazer a comparação foi utilizado o seguinte critério – A amostra foi dividida em dois grupos: Grupo Melhor Desempenho Cognitivo: aquelas que obtiveram mais de 28 pontos no teste MEEM; e Grupo Déficit Cognitivo: aquelas que apresentaram menos que 24 pontos no teste de MEEM. Para comparar as variáveis antropométricas, força muscular e a capacidade funcional entre os grupos foi utilizado o teste t de Student para amostras independentes nos dados paramétricos e o teste de Mann-Whitney nos dados não paramétricos, sendo o nível de significância adotado de p<0,05.

RESULTADOS
Convencionando o valor máximo em 30 pontos, os resultados do MEEM obtidos foram expressivos, com uma média de 25,25 (+ 3,57). O nível de escolaridade apurou que 75% das mulheres tinham o ensino fundamental completo ou incompleto, 16% o ensino médio, 7% o ensino superior e apenas 2% eram analfabetas.
Quando se analisou o desempenho do MEEM (Tabela 1) com as variáveis antropométricas, encontrou-se associação negativa de baixa magnitude e estatisticamente significante apenas com o IMC, enquanto que nas variáveis adiposidade e RCQ foram encontradas associações não significantes.

Tabela 1: Associação entre o MEEM e as variáveis antropométricas
Variáveis x s rho p
IMC (kg/m2) 27,14 5,45 -0,14 0,04*
Adiposidade (mm) 19,33 7,68 0,01 0,49
RCQ 0,92 0,68 -0,10 0,11
Sperman rho
*p<0,05

A Tabela 2 mostra os valores da associação do MEEM entre as variáveis de força muscular. Ao analisar o MEEM com a dinamometria não foi encontrada associação estatisticamente significante, mas houve associação significante entre o MEEM e a impulsão vertical, que foi positiva, porém de baixa magnitude.

Tabela 2: Associação entre o MEEM e a força muscular
Variáveis x s rho p
Dinamometria (kg) 24,76 4,74 0,08 0,16
Impulsão Vertical (cm) 13,06 4,20 0,20 0,01*
Sperman rho
*p<0,05

Ao analisar o MEEM quanto ao desempenho nos testes da capacidade funcional (Tabela 3), foram encontradas associações significantes entre o MEEM e o equilíbrio estático e a velocidade de andar, porém a relação foi de baixa magnitude. Não foi encontrada associação significante entre o MEEM com a velocidade de levantar da cadeira, velocidade máxima de andar e agilidade.

Tabela 3: Associação entre o MEEM e a capacidade funcional
Variáveis x s rho P
Velocidade de Levantar da Cadeira (seg.) 0,69 0,28 -0,07 0,21
Equilíbrio Estático (seg.) 17,06 9,71 0,15 0,04*
Velocidade de Andar (seg.) 3,07 0,57 -0,14 0,04*
Velocidade Máxima de Andar (seg.) 2,40 0,45 -0,04 0,30
Agilidade (seg.) 20,37 3,12 -0,11 0,09
Sperman rho
*p<0,05
Considerando-se a comparação do grupo de melhor desempenho cognitivo e de déficit cognitivo, os dados paramétricos estão descritos na Tabela 4, enquanto que na Tabela 5 estão os dados não paramétricos. Não foram encontradas diferenças estatísticamente significantes no IMC, dinamometria, agilidade e velocidade máxima de andar (Tabela 4).
Tabela 4: Comparação do grupo melhor desempenho cognitivo entre o grupo déficit cognitivo
Variáveis Melhor Desempenho Cognitivo Déficit Cognitivo
média s média s Δ% p
IMC (kg/m2) 26,99 3,80 28,84 5,16 -6,41 0,07
Dinamometria 25,75 4,53 24,25 4,74 6,19 0,96
Agilidade 19,80 2,55 21,35 3,64 -7,26 0,24
Velocidade Máxima de Andar (seg.) 2,37 0,39 2,49 0,64 -4,82 0,09
teste t; *= p<0,05
Verificou-se que as participantes incluídas no grupo de melhor desempenho cognitivo a apresentaram melhor desempenho nos testes de impulsão vertical (16,09%) e equilíbrio (35,40%), ambas estatisticamente significantes (Tabela 5). Na comparação das variáveis adiposidade, RCQ, velocidade de levantar da cadeira e velocidade de andar, não se encontraram diferenças significantes.
Tabela 5: Comparação do grupo melhor desempenho cognitivo com o grupo com déficit cognitivo
Variáveis Melhor Desempenho Cognitivo Déficit Cognitivo
média s média s Δ% p
Adiposidade (mm) 19,61 5,93 19,94 9,88 -1,65 0,91
RCQ 0,89 0,09 0,89 0,09 -0,4 0,64
Impulsão Vertical (cm) 14,50 4,30 12,49 9,66 16,09 0,01*
Velocidade de Levantar da Cadeira (seg.) 0,72 0,33 0,71 0,27 1,41 0,84
Equilíbrio Estático (seg.) 19,20 8,76 14,18 9,81 35,40 0,03*
Velocidade de Andar (seg.) 3,26 1,89 3,24 0,71 0,62 0,14
Mann-Whitney; *= p<0,05

DISCUSSÃO
De um modo geral as variáveis antropométricas analisadas no presente estudo, não pareceram se associar com prejuízo à função cognitiva avaliada pelo MEEM, com exceção do IMC. O resultado apresentado foi inversamente associado com o desempenho cognitivo, onde mulheres com um IMC maior apresentaram menores resultados do escore geral do MEEM. Quando comparamos as variáveis antropométricas de acordo com a função cognitiva, o grupo que apresentou déficit cognitivo obteve piores resultados nas variáveis antropométricas (IMC, Adiposidade e RCQ). Resultados semelhantes foram encontrados por Romeira (2006), que ao analisar a relação entre função cognitiva e as variáveis antropométricas (IMC, % de gordura, RCQ e circunferência da cintura) não encontrou associações significantes. Outro estudo mais recente mostrou que mulheres acima de 50 anos de idade, com a RCQ abaixo de 0,78, apresentaram piores resultados da função cognitiva avaliada pelo MEEM em mulheres com altos valores de IMC; e quando a RCQ era maior que 0,90 o grupo que tinha maiores valores do IMC, teve melhores resultados do MEEM (Kervin et al, 2010)
A hipótese sobre o mecanismo envolvido na relação dessas variáveis está baseada em Gustafson et al.(2004), que postularam que o excesso de peso e obesidade durante a vida adulta poderiam contribuir para a atrofia do lobo temporal em mulheres após a menopausa e ainda Jagust et al. (2005) que relataram que a obesidade visceral estava associada a processos neurodegenerativos vasculares e metabólicos que afetam estruturas cerebrais, contribuindo para o declínio cognitivo e a demência.
No que se refere à força muscular relacionada com a função cognitiva, nesta amostra mulheres que apresentaram melhor função cognitiva tenderam a apresentar maior força muscular de membros inferiores. A comparação dos grupos revelou que o grupo com melhor desempenho cognitivo apresentou força muscular de membros inferiores 16,09% maior do que o grupo com déficit cognitivo. Já a força muscular de membros superiores não se associou com o MEEM, com o grupo de melhor desempenho cognitivo apresentando maiores valores (6,19%) de dinamometria, porém a diferença não foi significante.
Em um estudo realizado por Atkinson et al. (2010) encontrou-se fraca correlação entre a função cognitiva e o teste de preensão manual. A perda da força muscular decorrente da idade tem características importantes na diminuição da força muscular de membros superiores quando comparadas com membros inferiores. Matsudo, et al., (2003) mostraram que de acordo com a idade cronológica não houve diferença na força de preensão manual entre mulheres ativas de 70 à 79 anos comparadas com mulheres de 50 à 59 anos. Um estudo de “tracking” mostrou que após 4 anos houve a manutenção da força muscular de membros superiores e queda na força muscular de membros inferiores em idosas praticantes de atividade física (Matsudo, et al., 2004). Os resultados sugerem que a força exercida no teste pode ser explicada pela participação das mãos e dos punhos em outras atividades da vida diária e a diminuição de força exercida por membros inferiores foi explicado pelo estilo de vida inativo que acompanha o envelhecimento, fato que favorece as incapacidades e a dependência física (Mazo et al. 2005).
Mas ainda existe outro mecanismo que envolve as questões aqui citadas. Clark e Manini (2010) sugerem que a função cognitiva esteja relacionada com o processo neuromuscular sendo fatores como a excitabilidade espinhal, a taxa de descarga e o recrutamento de unidades motoras entre aqueles que poderiam comprometer assim a força muscular. Outro fator que poderia explicar tal fenômeno seria a diminuição do circuito espinhal que inerva um menor número de motoneurônios em membros inferiores quando comparado com os membros superiores a medida que se envelhece (Aagaard, et al. 2010).
Esse aspecto de diminuição da força muscular se relaciona com o desempenho nos testes de capacidade funcional, onde o melhor resultado no MEEM se relacionou com melhores resultados nos testes de equilíbrio estático e velocidade de andar (teste que tem característica de equilíbrio dinâmico), sendo que estes dois testes dependem da força muscular exercida. Reforçando a hipótese, cita-se o fato do grupo com melhor desempenho cognitivo foi 35,40% melhor no teste de equilíbrio estático do que o grupo com déficit cognitivo.
Atkinson, et al. (2010) encontraram fraca associação entre a velocidade de andar e a velocidade de levantar da cadeira. Por outro lado, Watson et al. (2010) demonstraram que quanto menor a velocidade de andar pior foi a função executiva e a memória, resultados semelhantes aos do presente estudo.

LIMITAÇÕES
O presente estudo apresentou algumas limitações, como o fato de serem utilizados testes indiretos, uma ampla faixa etária e não terem sido controladas algumas variáveis que pudessem interferir nos resultados, como a presença de doenças e o início do consumo de medicamentos.

CONCLUSÃO
Com base nos resultados obtidos no presente estudo podemos concluir que nesta amostra houve associação entre a função cognitiva com o IMC, com a força muscular de membros inferiores e com a capacidade funcional através dos testes de equilíbrio estático e velocidade de andar, porém associações de baixa e fraca magnitude. Por outro lado, mulheres que apresentaram melhor desempenho cognitivo também mostraram melhores valores de força muscular de membros inferiores e equilíbrio estático.
Assim sendo, mulheres que apresentam uma preservação da força muscular de membros inferiores durante o processo de envelhecimento também podem ter uma função cognitiva preservada ressaltando a necessidade de um estilo de vida ativo.

Agradecimentos
Parte deste artigo foi apresentada no 33º Simpósio Internacional de Ciências do Esporte em 2010, com o titulo de Associação entre Função Cognitiva e Capacidade Funcional em mulheres acima de 50 anos de idade praticantes de atividade física.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AAGAARD,P., SUETTA, C., CASEROTTI,P., MAGNUSSON, S.P., KJÆR, M., Role of the nervous system in sarcopenia and muscle atrophy with aging: strength training as a countermeasure, Scandinavan Journal of Medicine and Science in Sports, número 20, 49–64, 2010.

Antunes, H.K.M.,Santos, R.F., Cassilhas, R.,Santos, R.,Bueno, O.F., Mello, M.T., Exercício físico e função cognitiva: uma revisão, Revista Brasileira de Medicina do Esporte,12,nº 2, 2006.

Atkinson, H.H., Rapp, S.R., Williamson, J.D., Lovato, J., Absher, J.R., Gass, M., Henderson, V.W., Johnson, K.C., Kostis, J.B., Sink, K.M., Mouton, C.P., Ockene, J.K., Stefanick, M.L., Lane, D.S., Espeland, M.A.. The relationship between cognitive function and physical performance in older women: findings from the Women’s Health Initiative Memory Study Initiative. Journal Gerontology American Biology Science Medicine, 65(3):300-6, 2010.

Brucki, S., Nitrini,R., Caramelli, P., Bertolucci, P.H.,Okamoto, I.H., Sugestões para o uso do mini-exame do estado mental no Brasil, Arquivos de Neuropsiquiatria, 2003;61(3-B):777-781.

Cassilhas et al., Medicine and Scence of Sports Exercise. 39: 1401-1407, 2007

CLARK, B.C. E MANINI, T.M., Functional consequences of sarcopenia and dynapenia in the elderly, Current Opinion in Clinical Nutrition and Metabolic Care, 13, 000–000, 2010.

Chodzko-Zajko, W.J.Proctor, D.N., Fiatarone, M.A., Minson, C.T.,Nigg, George, C.R., James S. Skinner, J.S., ACSM Position Stand on Exercise and Physical Activity for Older Adults; medicine & science in sports & exercise, 2009.

Colcombe, S.J., Erickson, K.I., Kramer, A.F., Exercise, cognition, and the aging brain, Journal of Appleyed Physiology 101:1237-1242, 2003.

Gustafson, D., Rothenberg,E.,Blennow,K., Steen,B., Skoog,I.An 18-Year Follow-up of Overweight and Risk of Alzheimer Disease. Archives International Medicine, 2003;163:1524-1528.
Jagust, W., Harvey, D., Mungas, D., Haan, M., Central obesity and aging brain, Archives Neurology, 2005, 62: 1545-1548.
Kerwin, D.R., Zhang, Y., Kotchen, J.M., Espeland, M.A., Horn,L.V., McTigue, K.M., Robinson, J.G., Powell, L., Kooperberg, C., Coker, L.H., Hoffmann, R., The Cross-Sectional Relationship Between Body Mass Index, Waist–Hip Ratio, and Cognitive Performance in Postmenopausal Women Enrolled in the Women’s Health Initiative, Journal of the American Geriatrics Society, Volume 58, Issue 8, 1427–1432, 2010.
Laurin, D., Verreault, R., Lindsay,J., MacPherson, K., Rockwood, K., Physical Activity and Risk of Cognitive Impairment and Dementia in Elderly Persons; Archives Neurology; 2001;58:498-504.
MATSUDO, S., MATSUDO, V., BARROS NETO, T.L., E., ARAÚJO, T.L., Evolução do perfil neuromotor e capacidade funcional de mulheres fisicamente ativas de acordo com a idade cronológica, Revista Brasileira de Medicina do Esporte, volume 9, número 6, 2003.

MATSUDO, S., MARIN, R.V., FERREIRA, M.T., ARAUJO, T.L., MATSUDO, V., Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, volume 12, número 3, 47-52, 2004.

MATSUDO, S., Avaliação do Idoso: Física e Funcional, 3ª. edição, Santo Andre, 2010.

MAZO, G. Z. et al. Nível de atividade física, condições de saúde e características sócio-demográficas de mulheres idosas brasileiras. Rev. Port. Cien. Desp., v. 2, p. 202-212, 2005

Middleton L.E. et al, Physical Activity Over the Life Course and Its Association with Cognitive Performance and Impairment in Old Age. Journal of the American Geriatrics Society. 2010;58(7):1322-1326.

Romeira, H.P., Influência da obesidade sobre a função cognitiva de mulheres pós-menopáusicas, Dissertação de Mestrado, Universidade Católica de Brasilia, 2006.

Watson,N.L., Rosano,C.,R. M. Boudreau, R.M. Simonsick, E.M.,L. Ferrucci, Sutton-Tyrrell, K.,Hardy,S.E., Atkinson,H.H., Yaffe, K., Satterfield, S., T. B. Harris,T.B., Newman, S.B.,Executive Function, Memory, and Gait Speed Decline in Well-Functioning Older Adults, Journal of Gerontology and Biology Science (2010) 65A (10): 1093-1100.

Weuve, J., Hee Kang, Manson, J.H., Breteler,M.M., Ware, Grodstein, F.,J.H.Physical Activity, Including Walking, and Cognitive Function in Older Women; JAMA. 2004;292(12):1454-1461.

Read More
Jun 26, 2014

DIM+E: Uma Visão mais Abrangente do Leito da Ferida

DIM+E: A More Comprehensive View of Wound Bed Preparation

 

Vítor Santos – Enfermeiro Coordenador do au e das Pós-Graduações “Gestão de  crónicas”

Elsa Menoita – Enfermeira Coordenadora do au e das Pós-Graduações “Gestão de idas crónicas”

Ana Sofia Santos – Colaboradora do Feridasau

Cláudia Gomes – Colaboradora do Feridasau

 

 

Resumo

As feridas crónicas/complexas são muitas vezes recalcitrantes, de dificil cicatrização e muitas das vezes não seguem a trajetória esperada. São incapacitantes e constituem um encargo significativo para as atividades do sistema de saúde e de vida diária das pessoas. Com o envelhecimento da nossa sociedade, o problema das feridas crónicas é crescente.

Este artigo irá refletir uma análise crítica acerca de um novo modelo de preparação do leito da ferida. Central para este paradigma é a importância de tratar a causa e tratar pessoas e suas preocupações antes de otimizar o tratamento de local da ferida. Os três componentes importantes de cuidados locais são: desbridamento, controlo da infeção e inflamação, e o equilíbrio da humidade (DIM). Se a preparação do leito da ferida é otimizada de acordo com estes parâmetros e a ferida mantém-se estagnada, o “E” (Estimulo dos bordos epiteliais), que implica o recurso a terapias avançadas, deve ser considerado (ficamos perante uma abordagem DIME). No entanto a maioria das feridas cicatrizam com a correção das 3 primeiras barreiras à cicatrização referidas. Lembre-se deste pormenor: DIM antes de avançar para DIM+E.

Palavras-Chave: Preparação do Leito da Ferida, DIME, TIME

 

Abstract

Chronic wounds are often recalcitrant, difficult to heal and often they do not follow the expected path. They are disabling and constitute a significant burden for the activities of the health system and people’s daily lives. With the aging of our society, the problem of chronic wounds is increasing. To address this growing problem, this article will reflect on a critical analysis of a new model of wound bed preparation. Central to this paradigm is the importance of treating the cause and treat people and their concerns before otimize the treatment of the wound site. The three major components of local care are debridement, control of infection and inflammation, and balance of moisture (DIM). If the wound bed preparation is optimized according to these parameters and the wound remains stagnant, the “E” (Stimulation of the epithelial edges), which involves the use of advanced therapies should be considered (then we approach DIME). However most wounds heal with the correction of the first 3 mentioned barriers to healing. Remember this detail: DIM before advancing to DIM + E.

Key Words: Wound bed Preparation, DIME, TIME

 

Introdução

Com este artigo pretende-se efetuar uma análise à atualização da metodologia de preparação do leito da ferida, efetuada por uma equipa de peritos internacionais, encabeçada pelo Professor Doutor Gary Sibbald, publicada no artigo “Special Considerations in Wound Bed Preparation 2011: An Update”, no “Wound Care Journal”, em setembro de 2011. O trabalho efetuado por esta equipa expande o conceito de Preparação do leito da ferida introduzido por Sibbald et al., em 2000, associado ao acrónimo TIME (T= Tecido, não viável ou deficiente; I= Infeção ou Inflamação; M= Exsudado em desiquilibrio; E= Bordos da Ferida, não avançam ou parados), com atualizações por Sibbald et al em 2003. Mais tarde foi reproduzido numa guideline da EWMA (European Wound Management Association), por Falanga et al., em 2004 e com novas atualizações em 2006, novamente por Sibbald et al. Com esta atualização os autores pretendem aperfeiçoar a ferramenta tornando-a mais útil para a prática avançada da gestão de feridas complexas, no que concerne à avaliação, diagnóstico, e tratamento. Reforçam também a enfâse na prática baseada na evidência bem como a abordagem holística, que permita uma prestação de cuidados baseada na pessoa como um todo e não apenas no “buraco”/lesão a tratar. Este aspeto fortemente salientado pela equipa vem reforçar o papel do enfermeiro como o profissional de saúde com melhor perfil para a área de tratamento de feridas.

Os autores partem para esta atualização com a premissa de que a preparação e otimização do leito da ferida nem sempre culmina na cicatrização completa das feridas, apesar de todos os esforços das equipas de saúde. É reforçada a importância de reconhecer que algumas feridas podem permanecer estagnadas no processo de cicatrização. Os autores reconhecem que as trajetórias de cicatrização das feridas complexas podem não ser lineares, mesmo perante as melhores condições para a cicatrização. Neste documento são exploradas estratégias para a abordagem de “eridas não-cicatrizáveis” ou como os autores classificam numa nova categoria neste documento, “feridas em manutenção”, que são potencialmente cicatrizáveis, embora as atuais barreiras à cicatrização, apresentadas pela pessoa impeçam um tratamento eficaz. Estas novas estratégias incluem a adesão da pessoa ou a capacidade desta para participar em planos de tratamento e evitar aspetos do seu quotidiano que impedem a cicatrização completa (SIBBALD et al., 2011).

 

Categorização de  Crónicas: Não- e  em
Neste domínio denota-se uma preocupação dos autores em focar a  com Ferida e não somente a Preparação do Leito da Ferida. Percebeu-se a importância de uma abordagem holística para o tratamento de feridas cicatrizáveis (ver Figura 1) dando particular importância a um diagnóstico preciso e estratégias de tratamento otimizadas, que incluam sempre que possível uma abordagem em equipa. Já no que respeita a feridas de Pessoas sem  potencial para a cicatrização, os autores propõem uma abordagem diferente (Figura 2). A incapacidade de cicatrização pode ser devido a um fornecimento inadequado de sangue aos tecidos, bem como devido à incapacidade de corrigir a causa ou fatores que exacerbam a ferida. A outra categoria, a “ferida em manutenção”, verifica-se quando o paciente recusa o tratamento da causa da mesma (por exemplo, recusa a aplicação de terapia compressiva em contexto de ulceração venosa, com indicação para este tipo de tratamento) ou quando ocorrem problemas a nível do sistema de saúde ou dificuldades económicas (por exemplo, uma pessoa com pé diabético, que necessita de distribuição da pressão plantar com recurso a calçado adaptado, que não é fornecido pelo sistema de saúde e/ou a pessoa não consegue suportar os custos associados).

Estes fatores podem no entanto  mudar, sendo necessária uma re-avaliação periódica. Tudo isto é ilustrativo do impacto das feridas crónicas no quotidiano da pessoa, bem como no sistema de saúde da mesma. Esta é de facto uma das principais novidades introduzidas pelos autores e visa dar uma nova perspetiva, que se pretende mais assertiva das gestão de feridas complexas, se assumir numa guideline de referência que existem feridas que provavelmente nunca vão cicatrizar ou cujo processo de cicatrização se encontra condicionado pelas resolução de fatores relacionados com a etiologia da ferida. Esta categorização da ferida em três níveis, vem permitir também uma melhor racionalização e otimização dos recursos em função do prognóstico da pessoa e sua ferida, permitindo gastos desnecessários, rentabilizando o tratamento, tornando-o mais eficiente.

Figura 1: Abordagem de Feridas Cicatrizáveis (SIBBALD et al., 2011)

 image001

            Todas estas feridas complexas necessitam de um diagnóstico adequado e tratamento otimizado, como parte da abordagem holistica (SIBBALD et al., 2011). Este é um aspeto que tem vindo a ser reforçado nas actualização anteriores, introduzidas pelos autores em 2003 e 2006. Em particular, no artigo em que é apresentada a actualização de 2006,  frisam que a preparação do leito da ferida deve ser o mais completa e holistica, alicerçando-se em dois pilares fundamentais: tratamento da causa e resolução de aspetos/preocupações centradas na pessoa.

            Figura 2: Abordagem de Feridas que não cicatrizam (SIBBALD et al., 2011)

image002

Por seu lado, a questão do tratamento local da ferida é extremamente sensível, sendo um tratamento muitas vezes difícil de otimizar, devido ao estado de estagnação no processo cicatricial que muitas destas feridas apresentam, o que as afasta da trajetória esperada em termos de cicatrização. Sibbald et al.  (2011), estimam que uma ferida complexa deve ter a sua área reduzida em 30% na 4ª semana de tratamento de modo a se poder alcançar a cicatrização completa num espaço temporal máximo de 12 semanas. Por outro lado, numa análise anterior, Sibbald et al. (2006), citam um estudo no qual é demonstrado que a redução da área da ferida em 50% é um bom indicador para a cicatrização da ferida.

Sibbald et al. (2011), reforçam que para se alcançar a cicatrização completa, é fundamental corrigir as 5 barreiras à cicatrização presentes no processo de preparação do leito da ferida: a etiologia, preocupações/aspetos relacionados com a pessoa, presença de tecido inviável na ferida, infeção ou inflamação na ferida, e controlo da humidade da ferida. Caso a ferida se mantenha estagnada, mas tenha viabilidade a nível de cicatrização, deve-se efetuar uma re-avaliação do diagnóstico e plano de tratamento, garantindo a sua otimização efetiva, antes de se partir para o uso de terapias avançadas locais, para estimulação dos bordos epiteliais.

 

 

Recomendações para a Identificação e Tratamento da(s) causa(s) da Ferida

Sibbald et al.  (2011), efetuaram portanto uma sistematização da abordagem da pessoa com ferida de modo a se abordar com eficácia os aspetos etiológicos da ferida. Este diagnóstico preciso vai permitir, para além de uma melhor otimização do tratamento, a aquisição de critérios para classificar as feridas de acordo com o seu potencial de cicatrização.

 

Recomendação 1A: Determinar se existe perfusão de sangue adequado para a Cicatrização.
Trata-se de um aspeto de vital importância, principalmente, no caso de úlceras das extremidades inferiores. É um aspeto que reforça a importância da  inspeção do membro inferior, com o objetivo de detetar eventuais sinais de compromisso arterial, (exemplo: rubor dependente, palidez em elevação e perda de pelos no membro inferior), bem como a pesquisa de pulsos no pé (exemplo: pedioso ou tibial posterior), se bem que a sua identificação é bastante mais fiável com recurso a doppler vascular portátil, pois uma percentagem significativa de pessoas apresentam variações anatómicas, que podem levar a ausência do pulso no local esperado. No entanto, um pulso palpável nem sempre é suficiente para excluir patologia arterial, sendo que embora um pulso no pé possa ser identificável, a ferida estagnada pode estar situada numa área diferente, associada a um território arterial distinto, que pode estar afetado, o que está de acordo com a teoria com “Angiosome Concept” enumerado em 1987 por Taylor e Palmer (OSAMU et al., 2010), no qual o pé é dividido em teritórios vasculares tri-dimensionais, que são por perfundidos por artérias específicas e drenados por veias específicas (Figura 3). O exame com recurso a doppler e o cálculo do Índice de pressão tornozelo-braquial (IPTB) é sempre indicado em especial se estiver indicada terapia compressiva como no caso das úlceras venosas.

 

Figura 3: Territórios irrigados pelas respetivas artérias, no pé (Angiosome Concept)

 image003

image004

image005

Se a perfusão arterial for insuficiente ou não puder ser determinada desde logo, os autores defendem que a seleção do material de penso deve ser baseada na abordagem de  uma ferida em manutenção, o que implica um controlo da humidade da ferida e da sua carga bacteriana até que se possam efetuar outras avaliações pertinentes.

Recomendação 1B: Identificar a(s) causa(s) da forma mais precisa possível ou fazer as referenciações adequadas

            Sibbald et al.  (2011), reforçam a necessidade de  uma avaliação da ferida completa e o mais abrangente possível para determinar a causa da ferida, sendo fundamental uma  abordagem multiprofissional, que permita rever todos os aspetos relacionados com a génese de feridas, incluindo fatores da pessoa, do ambiente circundante e  da própria ferida. De acordo com as problemáticas identificadas, devem ser chamados a intervir os elementos da equipa, que melhor perfil profissional possuam para intervir da maneira mais eficiente possível.

 

Recomendação 1C: Revisão de comorbilidades (doenças sistemicas, nutrição,
medicação)

            Sibbald et al.  (2011), dão mais destaque a este aspeto nesta atualização, reforçando ainda mais a importância de uma abordagem verdadeiramente holistica. Muitos doentes, em especial os mais idosos possuem inúmeras comorbilidades que podem atrasar ou inibir o processo de cicatrização. A cicatrização de feridas pode ser atrasado ou interrompido em pessoas com uma doença sistemica coexistente e/ou com variadas comorbilidades associada às feridas crónicas. Por seu lado vários medicamentos podem interferir no processo de cicatrização.
Recomendação 1D: Avaliar a capacidade da pessoa para a cicatrização: ferida cicatrizável, ferida em manutenção, ferida não-cicatrizável

A categorização das feridas de acordo com o seu potencial de cicatrização, ajuda o profissional na determinação de um diagnóstico preciso juntamente com uma abordagem de tratamento individualizado, objetivo e realista. Para ser classificado como um ferida cicatrizável, Sibbald et al.  (2011), referem que a ferida deve ter vários atributos incluindo um fornecimento de sangue adequado, correção da causa da ferida; comorbilidades existentes e/ou medicamentos que poderiam atrasar a cicatrização, devem ser otimizados ou, idealmente corrigidos.

Uma ferida em manutenção, por seu lado é descrita pelos autores como sendo uma ferida que pode ser curável, mas que tanto os fatores do sistema de saúde ou  problemas relacionados com a pessoa estão a impedir a cicatrização da ferida.           Uma ferida não-cicatrizável, por seu lado, é uma ferida que não tem fornecimento de sangue adequado para suportar o processo de cicatrização, ou cuja causa não pode de todo ser corrigida.

 

Recomendações para a Abordagem da Ferida

 

Recomendação 2A: Desenvolver um plano individualizado de Tratamento

Os autores, reforçam que as preferências da Pessoa deve ser honradas e refletidas no plano de tratamento de feridas. Foram portanto reconhecidas três dimensões de igual importância: a melhor evidência científica disponível, experiência clínica e preferência da pessoa.

 

Recomendação 2B: Tratar a(s) causa(s) relacionada(s) a etiologia / diagnóstico específicos da ferida

Uma vez que a ferida é classificada de um modo preciso e objetivo, o tratamento pode ser planeado e implementado. Por exemplo, numa pessoa com uma úlcera venosa, a terapia compressiva é contraindicada quando o IPTB é de 0,5 ou inferior, e é necessário referenciar à cirurgia vascular de modo a preservar o membro. Sibbald et al.  (2011), refere que sob a vigilância de um equipa especializada no tratamento de feridas complexas, pode-se aplicar terapia de compressiva modificada para pessoas com IPTB entre 0,5 e 0,8 com efeitos benéficos a nível da perfusão, diminuindo a hipertensão venosa e facilitando o gradiente artério-venoso.

 

Recomendação 2C: Modificar (se possível) fatores sistemicos / outros fatores que podem prejudicar a cicatrização: medicamentos, nutrição, hemoglobina, HgbA1c, pressão sanguínea, creatinina, Insuficiẽncia Cardíaca Congestiva, entre outros

Um bom exemplo de fatores sistémicos que afetam a cicatrização de feridas é o nível de hemoglobina. O transporte de oxigénio providenciado pela hemoglobina  é essencial para a construção da matriz extra-celular, pelo que os níveis de hemoglobina  devem ser otimizados. PessoasA insuficiência cardíaca está relacionada com a diminuição da perfusão dos tecidos a nível periférico, o que resulta na acumulação de edema na extremidades inferiores, criando maior risco de lesões ao nível da perna  ou atraso cicatricial de feridas existentes. Sob o ponto de vista nutricional, a pessoa com uma ferida crónica pode necessitar de uma profunda avaliação por parte de um nutricionista, de modo a corrigir eventuais défices  nutricionais. Neste campo os autores realçam o papel das proteínas durante todo o ciclo de cicatrização, influenciando mesmo a função dos leucócitos, fagócitos, monócitos, linfócitos e macrófagos, componentes de um processo de cicatrização normal. Sibbald et al.  (2011), mencionam um estudo controlado randomizado duplo cego efetuado a nível europeu, no qual se estudou os efeitos de um suplemento nutricional por via oral específica em pessoas bem nutridas, com úlceras por pressão. O aporte de um alto teor de proteína, micronutrientes enriquecidos e arginina resultou em taxas de cicatrização aumentadas e uma redução do número de pensos realizados.

 

Abordagem de Aspetos/Preocupações relacionados com a Pessoa

Recomendação 3A: Dor

Cada pessoa experiencia a dor de forma diferente. Devem ser mobilizadas todas as estratégias possíveis que possam minimizar este fenómeno. A dor deve ser avaliada antes da realização do penso, durante a realização deste e depois do penso estar aplicado. De um modo geral, Sibbald et al.  (2011), aconselham que na abordagem local da ferida se devam utilizar pensos atraumáticos, prevenir trauma em áreas mais suscetíveis, tratar a infeção, incentivar o “empowerment” e educação da pessoa e família, contribuindo assim para reduzir a ansiedade.

 

Recomendação 3B: Atividades de Vida Diária

São inúmeros os casos de pessoas que relatam diversas influências negativas das feridas sobre sua capacidade de realizar atividades de vida diária, incluindo, dor, odor, mobilidade, finanças.        A avaliação das preocupações do indivíduo pode ser demorada mas uma parte necessária no tratamento da pessoa, tendo em conta as suas necessidades holisticas.

 

Recomendação 3C: Bem-estar Psicossocial

Trata-se de uma dimensão da qualidade de vida que inclui a perspetivas psicológicas do indivíduo da sua ferida e vida em geral, refletindo a capacidade da pessoa para se socializar e interagir com os outros.

 

Recomendação 3D: Tabagismo

O tabagismo é um problema de saúde importante que causa danos na função endotelial em todo o corpo, contribuindo para o desenvolvimento de doença vascular de origem arterial e venosa. Rayner, citado por Sibbald et al.  (2011), refere que a nível cutâneo o ”Fluxo sanguíneo diminui cerca 40%, o que produz isquemia e prejudica a cicatrização. Fumar mesmo um único cigarro cria um efeito vasoconstritor que dura até 90 minuto cutânea, que dura cerca de um dia inteiro.”

Recomendação 3E: Acesso a cuidados de saúde e/ou limitações financeiras

Viver com uma ferida pode ser um desafio para várias pessoas que podem ter limitações financeiras ou ao acesso a cuidados de saúde. Uma correta classificação da  ferida da pessoa, de acordo com as categorias propostas pelos autores, permite individualizar o plano de cuidados tornando-o mais eficiente, tanto para esta como para o sistema.

 

Recomendação 4: Providenciar a educação necessária à pessoa e família

A educação para a saúde e apoio à pessoa e sua família/elementos de referência, é extremamente importante para estimular a adesão ao plano de tratamento, pois a participação ativa por parte da pessoa, faz com que esta se sinta mais tranquila, permitindo a obtenção de melhores resultados.

 

Tratamento local da ferida

Recomendação 5: Avaliar e analisar a história da ferida e exame físico da pessoa.

A documentação e avaliação detalhada da ferida de uma pessoa, é um requisito profissional e organizacional, muito valorizado pelos autores. Os detalhes específicos sobre a história da ferida física vão facilitar a comunicação dentro da equipa que cuida aquela pessoa. Isso inclui o tipo de ferida e sua história, de modo a definir um plano de cuidados centrado na pessoa e direcionado para os objetivos específicos desta em conjunto com o profissional. Existem várias novas tecnologias eletrónicas disponíveis para a avaliação ferida, mas podem ser caros para os sistemas de saúde, como é o caso da planimetria digital, sendo ainda assim aqueles que nos dão resultados mais objetivos e fidedignos acerca da evolução da ferida e/ou de determinado tratamento.

 

Recomendação 6: Limpar cuidadosamente as feridas com soluções de limpeza de baixa toxicidade: soro fisiológico, água, e ácido acético (0,5% -1,0%) entre outros.

De acordo com Sibbald et al.  (2011), o padrão  a seguir na limpeza de feridas passa por usar soluções de limpeza mais delicadas e o menos citotóxicas para a ferida possível: soro fisiológico, água, ácido acético (0,5% -1,0%), Polihexanida+Betaína e água super-oxidizada, por exemplo. Evitar soluções citotóxicas, tais como a solução de Dakin e Iodopovidona, para limpar feridas curáveis ​ou usá-los apenas durante períodos limitados é considerado pelos autores como uma prática razoavelmente prudente. Não se recomenda a irrigação de feridas em casos onde não se consiga ver o alcance da solução e não se possa recuperar (ou aspirar), a solução de irrigação.

 

Recomendação 7: Desbridamento

Se a ferida for cicatrizável, deve ter o seu leito livre de tecido não-viável, recorrendo-se a desbridamento regular de qualquer tipo de necrose, seca ou húmida. Sibbald et al.  (2011), reforçam que o tecido necrótico seco atua como estímulo pró-inflamatório inibindo a cicatrização, ao passo que o tecido necrosado húmido e depósitos de fibrina no leito da ferida, servem de meio de cultura para a proliferação de micro-organismos e devem ser removidos. Alguns tipos de desbridamento, contribuem também para a promoção da cicatrização através da remoção de células senescentes, que são deficientes no que respeita à atividade e funções celulares, bem como dos biofilmes que contêm colónias bacterianas organizadas.  O desbridamento mecânico com recurso a soro e compressas utilizando o método  húmido-seco (“wet-to-dry”), está associado a trauma e dor local, sendo que nos Estados Unidos, os próprios sistemas de saúde, advertem os seus colaboradores de que devem limitar ao mínimo o uso desta técnica devido ao grande número de contra indicações associadas.

Tabela 1: Feridas Cicatrizáveis: Seleção do Método de desbridamento (SIBBALD et al., 2011)

Cirúrgico Enzimático Autolítico Biológico Mecânico

Velocidade

1

3

5

2

4

Seletividade

3

1

4

2

4

Dor

5

2

1

3

4

Exsudado

1

4

3

5

2

Infeção

1

4

5

2

3

Custo

5

2

1

3

4

1=Cenário mais desejável; 5= Cenário menos desejável

 

Recomendação 8: Avaliar e tratar a colonização crítica superficial / infeção profunda , ou inflamação persistente:

– Os autores salientam que caso haja presença de pelo menos três indicadores “NERDS”, o tratamento deve ser tópico: Atraso cicatricial, exsudado aumentado, tecido de granulação vermelho e friável, presença de detritos, odor fétido;

– Se houver presença de pelo menos três indicadores “STONEES”, o tratamento deve ser sistémico e complementado também por tratamento tópico: Aumento das dimensões da ferida, aumento da temperatura, presença de osteomielite, novas lesões satélites, aumento do exsudado, aumento do eritema / edema (celulite), odor fétido;

Inflamação persistente (não-infeciosa): Anti-inflamatórios tópicos (corticosteroides), e/ou eventualmente em caso de necessidade, por via sistémica.

De acordo com Sibbald et al (2011), o uso de pensos antimicrobianos deve ser revisto em intervalos frequentes a cada 1 a 2 semanas e descontinuado se a colonização crítica estiver corrigida ou se não demonstram um efeito benéfico depois de 2 a 4 semanas. A grande tendência é o uso excessivo pensos antimicrobianos, o que origina uma utilização economicamente ineficiente deste material.

 

Recomendação 9: Seleção de um penso que adequado à ferida e características individuais da pessoa

Acerca deste aspeto os autores traçam duas linhas de tratamento distintas, de acordo com a classificação da ferida:

Feridas cicatrizáveis: desbridamento autolítico: alginatos, hidrogeles, hidrocolóides, acrílicos, entre outros; colonização crítica: prata, iodo, PHMB, mel; inflamação persistente: Pensos anti-inflamatórios (moduladores da atividade das proteases); equilíbrio da humidade: espumas, hidrofibras, alginatos, hidrocolóides, películas, acrílicos;

Feridas não cicatrizáveis e de manutenção: clorohexidina, iodopovidona, apósito secundário que faça gestão do ambiente húmido.

 

O caso da Inflamação persistente

A cicatrização encontra-se estagnada devido à degradação da matriz extracelular e ao facto dos fatores de crescimento estarem a ser consumidos mais rapidamente do que a sua própria síntese, o que dificulta a progressão da ferida no sentido da fase proliferativa e consequente epitelização. Existem hoje em dia pensos com colagénio celulose regenerada oxidada, cuja ação passa pela inativação das MMPs, sendo que estes pensos podem ser combinados com agentes antimicrobianos, tais como prata, que também um papel ativo na modulação das proteases interferindo na ação do ião zinco. Outros materiais como o poliacrilato/poliacramida super absorvente, podem neutralizar MMPs, sendo a atividade destas, também altamente condicionada pela redução do pH no leito da ferida, sendo útil para esse efeito a utilização de mel ou pomada moduladora do pH. É fundamental também um gradiente de humidade adequada, para facilitar a ação de fatores de crescimento, citoquinas, e da migração de células incluindo fibroblastos e queratinócitos, sendo que neste campo o uso de ácido hialurónico ocupa um lugar de destaque devido à forte ação higroscópica deste material, que promove a hidratação do leito da ferida e o pleno funcionamento das células e moléculas referidas. Visto o ácido hialurónico ser suscetível de ser inativado por um alto nível de carga bacteriana, a associação recente deste material com iodo em dose apenas profilática, no controlo dos níveis bacterianos, tem mostrado resultados promissores. Por outro lado, se a humidade for insuficiente, as atividades celulares ficam postas em causa e estão reunidas as condições para a formação de crosta/escara seca, resultando numa cicatrização ineficaz. O equilíbrio da humidade no microambiente da ferida é mantido principalmente pelos pensos semioclusivos, com capacidade de absorção, hidratação, dependente da drenagem de exsudado e outras propriedades da ferida.

 

Recomendação 10: Avaliar e monitorizar a taxa esperada de cicatrização de feridas:

Sibbald et al (2011), referem como indicador de avaliação da cicatrização, a observação clínica dos bordos da ferida. Se os bordos da ferida não migram após uma adequada preparação do leito da ferida (desbridamento, equilíbrio bacteriano, o equilíbrio da humidade) e o processo de cicatrização está estagnado, deve-se  considerar o uso de terapias avançadas, para gerir o estado inflamatório persistente (Figura 4). Antes de se partir para terapias avançadas que estimulem os bordos da ferida deve ser efetuada uma re-avaliação da pessoa de modo a descartar outras causas e o impacto de comorbilidades. É necessário ter presente que a cicatrização da ferida não é sempre o resultado primário. Outros resultados, tais como a redução da dor, da carga bacteriana, redução da mudança de pensos, ou uma melhor qualidade de vida, podem constituir aspetos mais prioritários.

 

Figura 4: Bordos da ferida ao longo do Processo de Cicatrização

image006    

Recomendação 11: Uso de terapias ativas (enxertos de pele, agentes biológicos, terapias adjuvantes, entre outros), quando outros fatores foram corrigidos e a cicatrização não progride (ferida estagnada)

Sibbald et al.  (2011), referem que uma ferida estagnada pode ter bordos elevados, com o epitélio num patamar superior e o tecido de granulação num patamar inferior, quando comparada com uma ferida em cicatrização, com os bordos alinhados. Algumas destas terapias implicam a adição de componentes em falta: fatores de crescimento, fibroblastos, células epiteliais ou componentes da matriz.

Considerações Finais

De um modo geral Sibbald et al (2011), propõem com esta atualização, uma preparação do leito da ferida mais abrangente e objetiva, que inclui o tratamento da pessoa como um todo (tratar a causa e as preocupações centradas na pessoa). A abordagem local do leito da ferida mantém as quatro componentes sendo introduzida uma nova mnemônica para o inicio do processo, o DIM: Desbridamento, Controlo da Infeção/inflamação prolongada e Equilíbrio da humidade (“Moisture”), seguindo-se eventualmente a mnemônica DIME, que implica o uso de terapias avançadas terapias para o estímulo dos bordos epiteliais (“Edge-effect therapies”), em feridas com potencial de cicatrização.

Além disso, este artigo introduziu o conceito de “ferida Cicatrizávelc, Feridaf não-cicatrizável e ferida em manutenção” juntamente com a integração de critérios clínicos para a colonização crítica superficial (Mnemônica NERDS) bem como para infeções dos tecidos profundos e circundantes (mnemônica STONEES), e respetivas abordagens terâpeuticas.

No fundo é dado grande enfâse à necessidade de um diagnóstico preciso, tendo em conta a pessoa como um todo e comorbilidades associadas, classificando a ferida de acordo com o seu potencial de cicatrização, permitindo assim um plano de cuidados bem estruturado e completo, dirigido para a etiologia e fatores agravantes da lesão, realista face às possibilidades da ferida poder vir a cicatrizar ou não, permitindo assim uma maior custo-efetividade e melhores resultados.

Com o destaque dado ao DIM, fica claro que a maioria das feridas cicatrizam com a remoção das barreiras à cicatrização TIM (tecido não viável, infeção, desequilíbrio da humidade), ficando as opções para o estímulo dos bordos epiteliais (que são geralmente mais dispendiosas), para segundo plano, caso as anteriores não sejam suficientes para concluir a epitelização da ferida.

 

Bibliografia

 

Ayello, Elisabeth et al.– Time Heals all Wounds [Em Linha], [consultado em 10 de Maio de 2013], Nursing Center, 2004 Apr.; Vol. 34 (4), pp. 36-41, Disponível em: www.nursingcenter.com

 

Canadá, Community Care Acess Centre of Ontário – Wound Care Best Practices And Outcomes: A Review of The Literature [Em Linha], [consultado em 12 de Maio de 2013], Disponível em: http://www.ccac-ont.ca/Upload/on/General/ICCP/ICCP-Wound_Care_Literature_Review.pdf

 

Dowsett, Caroline; Newton, Heather – Wound Bed Preparation: Time in Practice [Em Linha], [consultado em 10 de Maio de 2013], Disponível em: http://www.woundsinternational.com/pdf/content_86.pdf

 

Falanga V. et al. – Wound bed preparation in practice [Em Linha], Ewma, 2004 [consultado em 15 de Maio de 2013], Disponível em: http://ewma.org/fileadmin/user_upload/EWMA/pdf/Position_Documents/2004/pos_doc_English_final_04.pdf

 

Sibbald, R. Gary et al. – Preparing the wound bed–debridement, bacterial balance, and moisture balance. [Em Linha], Ostomy Wound Management, 2000 Nov; Vol. 46 (11), pp. 14-22, 24-8, 30-5,  [consultado em 12 de Maio de 2013], Disponível em: http://web.ebscohost.com/ehost/detail?vid=4&sid=8b8af705-9f89-424f-a401-0903ff6c07ed%40sessionmgr111&hid=127&bdata=JnNpdGU9ZWhvc3QtbGl2ZQ%3d%3d#db=mnh&AN=11889735

 

Sibbald, R.Gary et al. – Preparing The Wound Bed 2003: Focus on Infection and Inflamation [Em Linha], Ostomy Wound Management, 2003 Nov; Vol. 49 (11), 24–51  [consultado em 12 de Maio de 2013], Disponível em: http://cawc.net/images/uploads/resources/PWB.pdf

 

Sibbald, R. Gary et al. – Best Practice Recommendations for Preparing the Wound Bed: Update 2006 [Em Linha], Wound Care Canadá, 2006; Vol. 4 (1), 15–29  [consultado em 14 de Maio de 2013], Disponível em: http://cawc.net/images/uploads/wcc/4-1-vol4no1-BP-WBP.pdf

 

Sibbald, R. Gary et al. – Special Considerations in Wound Bed Preparation 2011: An Update [Em Linha], Wound Care Journal, 2011, Sep., [consultado em 12 de Maio de 2013], Disponível em: WWW.WOUNDCAREJOURNAL.COM

 

Osamu, Ilda et al. – The Angiosome Concept [Em Linha], Endovascular Today, 2010 Sep., [consultado em 14 de Maio de 2013], Disponível em: http://bmctoday.net/evtoday/pdfs/et0910_Feature_Iida.pdf

 

 

Texto convertido pelo conversor da Porto Editora, respeitando o Acordo Ortográfico de 1990.

Read More
Jun 26, 2014

O Journal of Aging and Innovation, criado há pouco mais de 2 anos, é um produto português de elevada qualidade, que difunde pelo mundo o melhor conhecimento na área do envelhecimento. Embebido de um espirito combativo e de grande relevo temos o reconhecimento cientifico internacional. Infelizmente em Portugal apenas a Biblioteca Nacional quis acolher este projeto, os restantes órgãos de indexação, manietados por um desenvolvimento pouco estruturado, com estereótipos, que levaram o país ao longo das últimas décadas para a quase ruina do ponto de vista científico e de desenvolvimento estrutural, ainda demoram a acolher este projeto de sucesso internacional.

Depois de pouco mais de 24 meses após a sua criação, este meio de divulgação cientifica está indexado na Biblioteca nacional, na latinindex onde cumpre 100% dos critérios de indexação, no Google académico, e agora vê a sua qualidade reconhecida no Brasil na WebQualis, onde foi cotada pela primeira vez, com a classificação de B5 (entrada direta).

É de relevar o grande desenvolvimento, a capacidade de revisão do seu corpo de revisores e o esforço financeiro que a Direção da Associação Amigos da Grande Idade tem levado a cabo ao longo de vários anos.

Lamentamos no entanto, algumas organizações estatais nacionais, nesta área pela burocracia excessiva, pelos recursos sumptuosos que consomem ao erário publico, que apenas se configuram muitas delas, como entraves ao desenvolvimento nacional.

Em cerca de 12 meses tivemos cerca de 51.000 visualizações de página, com centenas de milhares de Download’s. com uma média diária de 300 novas entradas no nosso Journal of Aging and Innovation, somos mesmo um caso de sucesso internacional (consulte a nossa estatística em: http://www.associacaoamigosdagrandeidade.com/wp-content/uploads/Estat%C3%ADstica-Revista.pdf).

César Fonseca – Diretor do Journal of Aging and Innovation

Read More
Feb 27, 2014

Lisboa, 2013

A (In)Capacidade dos Idosos para Gerir a Sua Medicação
ADVINHA, Ana Margarida1; LOPES, Manuel José2; OLIVEIRA-MARTINS Sofia1
1,2 Research Institute for Medicines and Pharmaceutical Sciences, Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa; 3 Escola Superior de Enfermagem de S. João de Deus, Universidade de Évora
Fundamento: Aproximadamente 45% dos idosos são incapazes de tomar os seus medicamentos tal como prescritos (1). Gerir o regime terapêutico constitui um comportamento complexo, que envolve tanto a intenção, como a capacidade para tomar medicamentos. Desta forma, importa distinguir a intenção de tomar a medicação e a capacidade para o fazer, a fim de promover a saúde do indivíduo e o seu envelhecimento ativo (2). A toma crónica de medicamentos representa um processo metódico, que conduz ao hábito quotidiano, e que pode ser afetada por diversos tipos de erros sistemáticos, associados não só ao desconhecimento e iliteracia do doente, mas também à progressiva perda de capacidade funcional (física, cognitiva e sensorial) para gerir a sua medicação (3,4). A diminuição das competências cognitivas (ex. aumento da dificuldade em processar novas informações, como a introdução de um novo medicamento no regime), a diminuição da acuidade visual (ex. dificuldade em ler os rótulos e folhetos informativos constantes nas embalagens) ou a diminuição da destreza manual (ex. dificuldade na abertura de embalagens e extração de medicamentos), repercutem-se significativamente em não adesão (não intencional) e/ou em problemas de saúde decorrentes da ausência ou incorreta administração de medicamentos (2,5,6).
Objetivo: Este estudo tem como principal objetivo avaliar a capacidade dos idosos para gerir a sua medicação, através da aplicação de instrumentos específicos, adaptados (linguística e culturalmente) e validados para a população Portuguesa.
Métodos: Revisões descritiva e sistemática da literatura para identificação dos instrumentos disponíveis a nível internacional e aferição dos resultados obtidos por outros autores; adaptação (linguística e cultural) e validação de três instrumentos de avaliação da capacidade funcional dos idosos para gerir a medicação; e futuramente, avaliação da capacidade da população idosa Portuguesa para gerir a sua medicação, com recurso à aplicação dos instrumentos adaptados e validados (método em delineamento).
Resultados Preliminares: De um total de quinze instrumentos específicos identificados na revisão descritiva da literatura, foram selecionados três, de acordo com as características psicométricas e de aplicação. Destes, um avalia com recurso à medicação real, outro com recurso a uma medicação fictícia e o terceiro engloba uma avaliação integrada recorrendo aos dois cenários. O declínio cognitivo e o aumento da idade surgem como fatores determinantes de incapacidade funcional na gestão da medicação, pelo que, diversos estudos revelam a importância da avaliação da capacidade funcional dos idosos para gerir a sua medicação, sobretudo por esta poder representar um indicador precoce da perda de independência e da necessidade de intervenção.
Considerações Finais e Perspetivas Futuras: O processo de gestão da medicação envolve várias fases, e embora as barreiras envolvidas não sejam facilmente modificáveis, existem estratégias facilitadoras, quer através da intervenção de um profissional de saúde, quer da introdução de dispositivos de apoio, que poderão promover a melhoria do desempenho do idoso nesta tarefa.
Atualmente encontra-se em fase de conclusão a adaptação linguística dos instrumentos a utilizar, à qual se seguirá a adaptação cultural e validação. Encontra-se também a ser delineada a fase de aplicação dos instrumentos para avaliação da capacidade funcional para gerir a medicação, a uma amostra de idosos Portugueses.
Referências Bibliográficas:
1. MacLaughlin EJ, Raehl CL, Treadway AK, Sterling TL, Zoller DP, Bond CA. Assessing medication adherence in the elderly – Which tools to use in clinical practice? Drugs Aging. 2005;22(3):231–55.
2. Lakey SL, Gray SL, Borson S. Assessment of Older Adults’ Knowledge of and Preferences for Medication Management Tools and Support Systems. Ann Pharmacother. 2009;43(6):1011–9.
3. Tordoff J, Simonsen K, Thomson WM, Norris PT. “It’s just routine.” A qualitative study of medicine-taking amongst older people in New Zealand. Pharm World Sci. 2010 Apr;32(2):154–61.
4. Hutchison LC, Jones SK, West DS, Wei JY. Assessment of medication management by community-living elderly persons with two standardized assessment tools: a cross-sectional study. Am J Geriatr Pharmacother. 2006/07/25 ed. 2006;4(2):144–53.
5. Beckman A, Bernsten C, Parker MG, Thorslund M, Fastbom J. The difficulty of opening medicine containers in old age: a population-based study. Pharm World Sci. 2005 Oct;27(5):393–8.
6. Windham BG, Griswold ME, Fried LP, Rubin GS, Xue Q-L, Carlson MC. Impaired vision and the ability to take medications. J Am Geriatr Soc. 2005 Jul;53(7):1179–90.

Acidente Vascular Cerebral e Doença Isquémica Cardíaca no contexto do Envelhecimento
Matilde Rosa; Paulo Nogueira; Andreia Costa
Introdução
O envelhecimento da população é já uma tendência de dimensão mundial, embora seja na Europa que se localiza a maior parte das populações mais envelhecidas do mundo. A este respeito, Portugal não é, assim, um país original, embora tenha envelhecido com uma rapidez assinalável. É certo que, pelo menos a médio prazo, a população de Portugal continuará a envelhecer, o que aliás por si, pode ser entendido como uma tendência desejável, pois os factores que estão na origem deste processo estão ligados, no essencial, a progressos significativos nas condições de vida e saúde da população. Contudo, socialmente, o envelhecimento lança também desafios novos. Entre estes está o aumento de patologias de algum modo associadas à idade, como as doenças cardiovasculares, muitas destas também agravadas por hábitos e estilos de vida das sociedades modernas, como o stresse, o tabagismo, sedentarismo ou até a poluição ambiental. As doenças cardiovasculares constituem a causa de morte mais relevante em toda a Europa, incluindo Portugal, e englobam um vasto conjunto de situações clinicas afetando o sistema circulatório. Apesar da elevada mortalidade associada às doenças cardiovasculares, tem-se verificado, nas últimas duas décadas, uma progressiva diminuição das taxas de mortalidade destas doenças. Inúmeros factores podem estar na causa desta diminuição mas podem realçar-se, por exemplo, a progressiva adoção de medidas preventivas, como a Lei de Cessação Tabágica, a Iniciativa legislativa de redução do conteúdo de sal no pão, ou as frequentes campanhas promovidas por sociedades científicas e outras organizações, visando a adoção hábitos de vida saudáveis.
São inúmeros os estudos que vão de encontro à temática envelhecimento e não menos os que referem as doenças cardiovasculares a ele associadas. Entre as doenças cardiovasculares mais preocupantes na temática envelhecimento, há-que destacar o Acidente Vascular Cerebral (AVC) e a Doença Isquémica Cardíaca (DIC).
Material e Métodos
Neste artigo, foram analisados tanto a mortalidade como os padrões de morbilidade associados a certas doenças cardiovasculares, dada a importância do estudo de ambos no contexto do envelhecimento. Relativamente à mortalidade, a informação é proveniente do Instituto Nacional de Estatística (INE). Relativamente à morbilidade, os apuramentos para estas estatísticas são obtidos a partir da base de dados dos Grupos de Diagnóstico Homogéneos (GDH). Esta base de dados é anualmente posta à disposição da Direcção-Geral da Saúde (DGS) pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS). Os GDH são um sistema de classificação de doentes, onde o conjunto de bens e serviços que cada doente recebe, em função da sua patologia, é registado. Esta base de dados agrupa as patologias de acordo com a definição da Organização Mundial de Saúde (OMS). Assim, a classificação dos diagnósticos é feita tanto com base nos Grande Grupos da Classificação Internacional de Doenças- 9a Revisão- Modificação Clínica (CID 9 MC) como com base nas Grandes Categorias de Diagnóstico (GCD). É importante notar que a base de dados usada é referente apenas a episódios ocorridos nos hospitais do Sistema Nacional de Saúde (SNS) de Portugal Continental, pelo que as conclusões tiradas não devem ser generalizadas a todos os doentes nacionais.
Neste trabalho, analisou-se retrospectivamente a morbilidade de certas doenças cardiovasculares, em Portugal Continental, entre 2007 e 2011. Em particular, foi dado ênfase ao Acidente Vascular Cerebral (AVC) e à Doença Isquémica Cardíaca (DIC), pela sua morbilidade e mortalidade associada, no sector idoso. Os indicadores considerados relevantes para este estudo foram a Taxa de Mortalidade Padronizada, o número de utentes saídos e o número de óbitos, por região e grupo etário, com especial foco no grupo etário dos 65 ou mais anos. As respectivas percentagens, de utentes saídos ou óbitos pertencentes ao grupo etário 65 ou mais anos no total dos grupos etários, também foram calculadas. Os indicadores acima referidos referem-se apenas a diagnósticos principais. Todos os cálculos presentes foram realizados utilizando o software estatístico R e a folha de cálculo do Microsoft Excel. No que diz respeito à codificação utilizada, as causas de morte são codificadas segundo a Classificação Internacional de Doenças CID10MC enquanto a morbilidade hospitalar é codificada com base na CID9MC. Em particular, os códigos utilizados para o AVC foram do I61 ao I64 (CID10MC) e do 430 ao 434 (CID9MC); para a DIC utilizaram-se os códigos do I20 ao I25 (CID10MC) e do 410 ao 414 (CID9MC).

Resultados
Relativamente ao Acidente Vascular Cerebral (AVC), no que diz respeito à sua morbilidade hospitalar, destaca-se um número de utentes saídos com AVC como diagnóstico principal, pertencente ao grupo etário dos 65 ou mais anos, que aumentou ligeiramente entre 2007 e 2011. Relativamente a este grupo etário, verificou-se um aumento de 20067, em 2007, para 20513 utentes saídos, em 2011, o que corresponde a 77,1% e 77,4% do total de utentes saídos por AVC, respectivamente. É interessante observar que, enquanto o número de utentes com AVC entre os 65 e os 79 anos diminuiu no intervalo temporal considerado (de 11544 para 10931 utentes), o número de utentes com 80 ou mais anos aumentou de 8523 para 9582. Os óbitos também acompanham esta evolução: o número de óbitos de utentes com AVC entre os 65 e os 79 anos diminuiu ligeiramente no intervalo temporal considerado (de 1538 para 1375 utentes), enquanto que o número de óbitos de utentes com 80 ou mais anos aumentou ligeiramente de 1836 para 1922. Entre 2007 e 2011, os óbitos de utentes mais idosos (65 ou mais anos) com AVC constituíram aproximadamente 85% do total de óbitos de utentes com AVC. É aqui notório o peso que o envelhecimento tem na morbilidade e mortalidade por AVC, pelo que a análise, relativamente ao grupo etário mais idoso, da sua evolução temporal assim como das suas desigualdades inerentes, não só mas também a nível regional, é de extrema importância. A nível regional, os utentes saídos com AVC com 65 ou mais anos são mais comuns na Região de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, seguindo-se a do Norte. No total dos 5 anos considerados neste trabalho, a região de Lisboa e Vale do Tejo apresenta aproximadamente 37% do total do Continente, no que se refere a utentes saídos com AVC com 65 ou mais anos. As correspondentes percentagens são 33% para o Norte, 23% para o Centro, sendo o restante distribuído pelas regiões Alentejo e Algarve.
Relativamente à Doença Isquémica Cardíaca (DIC), a sua Taxa de Mortalidade Padronizada (TMP) por 100 000 habitantes, para o grupo etário dos 65 e mais anos, diminuiu a cada ano tendo o seu valor mais elevado em 2007 (324 por 100 000 habitantes) e o mais baixo em 2011 (247,5 por 100 000 habitantes). Estes números merecem especial atenção sobretudo quando se olha para a Taxa de Mortalidade Padronizada total: entre os 45,0 (2007) e os 34,9 (2011) por 100 000 habitantes. Analisando a morbilidade hospitalar, destaca-se uma evolução com alguns traços idênticos aos manifestados pelo AVC, relativamente a utentes com 65 ou mais anos. Assim, a Doença Isquémica Cardíaca apresenta um número de utentes saídos, pertencente ao grupo etário mais idoso, que diminuiu ligeiramente entre 2007 e 2011. Relativamente a este grupo etário, verificou-se uma diminuição de 19508, em 2007, para 19228 utentes saídos, em 2011, o que corresponde a aproximadamente 60% do total dos utentes saídos cujo diagnóstico principal foi a DIC. É interessante observar, mais uma vez, que enquanto o número de utentes com DIC entre os 65 e os 79 anos diminuiu no intervalo temporal considerado (de 14805 para 13936 utentes), o contrário acontece com os utentes com 80 ou mais anos cujos valores aumentaram de 4703 para 5292. No que diz respeito aos óbitos, os traços evolutivos apresentam-se um tanto diferentes. O número de óbitos de utentes com DIC diminuiu no intervalo temporal considerado, tanto nos utentes entre os 65 e os 79 anos (de 652 para 475 óbitos) como nos utentes com 80 ou mais anos (de 774 para 666 óbitos). Entre 2007 e 2011, em Portugal Continental, os óbitos de utentes mais idosos (65 ou mais anos) com DIC constituíram aproximadamente 88% do total de óbitos de utentes com DIC. É aqui notório o peso que o envelhecimento tem na morbilidade hospitalar de DIC, o que revela um interesse na análise, relativamente ao grupo etário mais idoso, da sua evolução temporal assim como das suas desigualdades inerentes, não só mas também a nível regional. A nível regional, os utentes saídos com DIC com 65 ou mais anos são mais comuns na Região de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, seguindo-se a do Norte, tal como acontecera com os doentes cujo diagnóstico principal foi o AVC. No total dos 5 anos considerados neste trabalho, a região de Lisboa e Vale do Tejo apresenta aproximadamente 49% do total do Continente, no que se refere a utentes saídos com DIC com 65 ou mais anos. As correspondentes percentagens são 24% para o Norte, 18% para o Centro, sendo o restante distribuído pelas regiões Alentejo e Algarve.
Conclusões
As doenças cardiovasculares constituem a causa de morte mais relevante em toda a Europa, incluindo Portugal. E, atendendo a que um grande número de doenças cardiovasculares se relaciona com o envelhecimento da população, em particular quando falamos de AVC e DIC, é expectável que o número de pessoas com estas doenças venha a aumentar impondo ao sistema de saúde uma necessidade crescente de cuidados.
Relativamente ao Acidente Vascular Cerebral (AVC), analisando a sua morbilidade hospitalar, destaca-se um número de utentes saídos, pertencente ao grupo etário dos 65 ou mais anos, que aumentou de 20067, em 2007, para 20513, em 2011.Relativamente ao Acidente Vascular Cerebral (AVC), analisando a sua morbilidade hospitalar, destaca-se um número de utentes saídos, pertencente ao grupo etário dos 65 ou mais anos, que aumentou de 20067, em 2007, para 20513, em 2011. É interessante observar que, enquanto o número de utentes com AVC como diagnóstico principa,l entre os 65 e os 79 anos, diminuiu no intervalo temporal considerado, o número correspondente de utentes com 80 ou mais anos aumentou. O número de óbitos de utentes com AVC entre os 65 e os 79 anos diminuiu ligeiramente no intervalo temporal considerado enquanto que o número de óbitos de utentes com 80 ou mais anos aumentou ligeiramente. A nível regional, os utentes saídos com AVC com 65 ou mais anos são mais comuns na Região de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, seguindo-se a do Norte. Relativamente à Doença Isquémica Cardíaca (DIC), a sua Taxa de Mortalidade Padronizada (TMP) por 100 000 habitantes, para o grupo etário dos 65 e mais anos, diminuiu a cada ano atingindo o seu valor mais elevado em 2007 e o mais baixo em 2011. Analisando a morbilidade hospitalar, a Doença Isquémica Cardíaca apresenta um número de utentes saídos, pertencente ao grupo etário mais idoso, que diminuiu ligeiramente de 19508, em 2007, para 19228, em 2011. É ainda relevante referir, mais uma vez, que o número de utentes com DIC entre os 65 e os 79 anos diminuiu e o contrário acontece com os utentes com 80 ou mais anos. No que diz respeito aos óbitos, os traços evolutivos apresentam-se um tanto diferentes: o número de óbitos dos utentes mais idosos com DIC diminuiu no intervalo temporal considerado. A nível regional, os utentes saídos com DIC com 65 ou mais anos são mais comuns na Região de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, tal como acontecera com o AVC. É notório o peso que o envelhecimento tem na morbilidade hospitalar das referidas doenças, em particular no AVC e DIC, pelo que é crucial uma análise, relativamente ao grupo etário dos 65 ou mais anos, da sua evolução temporal assim como das suas desigualdades inerentes. Considera-se crucial adaptar-se o presente a fim de se ter um futuro que vai ao encontro da evolução das doenças cardiovasculares e ao crescente envelhecimento. Contudo, é também preciso olhar para o passado, sobretudo o mais recente, uma vez que, apesar da elevada mortalidade associada às doenças cardiovasculares, tem-se verificado, nas últimas duas décadas, uma progressiva diminuição das taxas de mortalidade destas doenças. Vários factores estão na causa desta diminuição destacando-se a progressiva adoção de estratégias organizativas do Sistema de Saúde para promover hábitos de vida mais saudáveis. Um possível desafio na temática das doenças cardiovasculares e do envelhecimento prende-se também com a existência de programas de incentivo à actividade física das pessoas idosas.
Referências
BARROS, Pedro Pita, 2013, Pela Sua Saúde, Ensaios da Fundação Francisco Manuel dos Santos ROSA, Maria João Valente, 1996, O Envelhecimento da População Portuguesa, Cadernos Público, no3, Lisboa, BPI
ROSA, Maria João Valente, 2012, O Envelhecimento da Sociedade Portuguesa, Ensaios da Fundação Francisco Manuel dos Santos
Direção-Geral da Saúde, Portugal – Doenças Cérebro-Cardiovasculares em números – 2013

VULNERABILIDADES PSICOSSOCIAIS EM COMBATENTES: CONTRIBUIÇÕES PARA A GERONTOLOGIA E ENVELHECIMENTO ATIVO.

António Correia; José Rodrigues. Email: acorreia.ceamps.lc@gmail.com

Resumo
Ao longo dos últimos anos, vários estudos têm sido efetuados em relação ao impacto das experiências traumáticas em combatentes de guerra. A Guerra do Ultramar Português estendeu-se por um período de 13 anos, entre 1961 e 1974, em Angola, Guiné e Moçambique, na qual combateram mais de 800.000 portugueses, dos quais cerca de 9.000 perderam a vida, 30.000 foram evacuadas por ferimentos e mais de 100.000 ficaram doentes e/ou feridos, (cerca de 14.000 deficientes físicos e um número bastante significativo com perturbações psicológicas em consequência dos acontecimentos traumáticos da guerra).
O presente estudo teve como objetivo avaliar as vulnerabilidades psicossociais, numa amostra de antigos combatentes portugueses dos Açores, Ilha Terceira, constituída por 255 veteranos, com idades compreendidas entre 55 e 73 anos (M=63;Dp=4,18).
Na metodologia foram utilizados os seguintes instrumentos de avaliação: Questionário sociodemográfico; PCL-M (acontecimento traumático); ETC (estratégias de coping); SCL-90-R (desajustamento emocional) e Escala de Avaliação da Situação Sociofamiliar de Gijón.
Os resultados mostram a presença de sintomatologia de PSPT, de nível de gravidade ligeiro (53,5%), moderado (41,2%) e grave (5,5%), com uma tendência para os sintomas ligeiros passarem a moderados com o aumento da idade. Ao nível da relação entre a PSPT e as variáveis psicossociais, verificam-se associações estatisticamente significativas entre todas as dimensões da PCL-M (reexperimentação intrusiva, evitamento e embotamento e excitabilidade aumentada) e as dimensões psicopatológicas da ansiedade, depressão, hostilidade, somatização e obsessão e compulsão e com as estratégias de coping de retraimento, adictividade e mudança. O estudo identificou também uma percentagem significativa de 5,8% (n=15) de pessoas mais vulneráveis e em risco social.
Em conclusão, o presente estudo contribuiu para melhorar o conhecimento e a compreensão das vulnerabilidades psicossociais dos combatentes da Ilha Terceira e, face aos resultados, pretende-se encontrar respostas mais adequadas a este tipo de população e às problemáticas apresentadas, nomeadamente a criação de um centro de apoio médico, psicológico e social com respostas específicas para ajudar os combatentes a terem um envelhecimento ativo e com melhor qualidade de vida.
Palavras-chave: Combatentes da Guerra do Ultramar, Vulnerabilidades Psicossociais, Gerontologia, Envelhecimento Ativo

A AVALIAÇÃO FUNCIONAL MULTIDIMENSIONAL NA POPULAÇÃO IDOSA: A UTILIDADE NA DEFINIÇÃO DE ÁREAS PRIORITÁRIAS DE INTERVENÇÃO.

Silva, Sílvia. Email: silviauccoaz@gmail.com. Otero, Gestal. Email: juan.gestal@usc.es. Rodrigues, Rogério. Email: rogerio@esenfc.pt

Objetivos: Identificar a(s) área(s) prioritária(s) para intervir na população idosa (idade igual ou superior a 65 anos) do concelho de São João da Madeira de modo a rentabilizar e coordenar serviços e respostas. Assim, recorreu-se à avaliação multidimensional (áreas funcionais de recursos sociais, recursos económicos, saúde física, saúde mental e actividades de vida diária (AVD)), da população com inscrita nos ficheiros clínicos do Centro de Saúde e residentes no concelho.

Metodologia: Num procedimento aprovado pela Comissão de Ética da Administração Regional de Saúde do Norte, recorreu-se a uma amostra de 269 idosos (N=3846 e n=7%), aleatória e estratificada por género e grupo etário, aos quais foi aplicado o questionário OARS (Older Americans Resources and Services) no domicílio do idosos por entrevistadores treinados. Os dados foram tratados segundo o modelo OARS.
Resultados: São pontuados com limitação grave ou total:
Área de saúde física – 43,1%; grupo etário pior pontuado: ≥ 85 (61,3%) – 50,0% dos homens e 66,7% das mulheres.
Área de saúde mental – 18,3% dos elementos da amostra; grupo etário pior pontuado: ≥ 85 (32,3%) – 38,1% dos homens e 20,0% das mulheres.
Área das AVD – 12,4% dos elementos da amostra; grupo etário pior pontuado: ≥ 85 (54,8%) – 50,0% dos homens e 57,1% das mulheres.
Área dos recursos sociais – 11,8% dos elementos da amostra; grupo etário pior pontuado: 75-84 anos (17,3%) – 20,9% dos homens e 14,5% das mulheres.
Área dos recursos económicos – 26,8% dos elementos da amostra; grupo etário pior pontuado: 75-84 anos (34,7%) – 32,6% dos homens e 36,4% das mulheres.

Conclusões: As áreas pior classificadas e com necessidade de intervenção prioritária são a saúde física e recursos económicos. Destaca-se o grupo etário como factor de distinção em que à medida que a idade aumenta, aumenta também a percentagem de idosos com maior dependência nestas áreas. Os muito idosos (≥ 85) apresentam pior classificação nas áreas de saúde física, saúde mental e AVD e os idosos de 75-84 anos apresentam pior classificação nas áreas de recursos sociais e económicos. Quanto ao género, são pior classificadas as mulheres nas áreas: saúde física, AVD e recursos económicos; estão piores os homens na área da saúde mental e recursos sociais. Definem-se assim as mulheres e as áreas de saúde física e económica como prioritárias para intervir.

A PREPARAÇÃO DO REGRESSO A CASA DA PESSOA IDOSA SUBMETIDA A GASTRECTOMIA E SUA FAMÍLIA – A PARCERIA COMO INTERVENÇÃO DE ENFERMAGEM

Lúcia Jerónimo. Idalina Gomes. Email: luciajeronimo@campus.esel.pt

Resumo
O regresso a casa do cliente hospitalizado requer um planeamento atempado para evitar complicações e readmissões. No cliente idoso submetido a gastrectomia, considerando a especificidade da sua situação, exige-se um envolvimento do próprio e seu cuidador familiar com as equipas de enfermagem, para uma atuação conjunta que permita identificar e responder às necessidades existentes. Baseado nas nas teorias das transições de Meleis e dos Cuidados em Parceria com a Pessoa Idosa de Gomes (2009), elaborou-se um projeto de intervenção com o objetivo de capacitar o cuidador familiar e o idoso gastrectomizado para a preparação do regresso a casa.
Este Projeto realizou-se num Hospital Central em Lisboa, entre Outubro/2012 e Fevereiro/2013. Envolveu 8 idosos submetidos a gastrectomia, e os seus respetivos cuidadores familiares e 39 enfermeiros da equipa de enfermagem. Desenvolveu-se em quatro fases distintas – Diagnóstico de Situação, Planificação, Execução e Avaliação. Os dados foram colhidos por análise documental, observação de práticas e entrevistas, e foram analisados por estatística descritiva e análise de conteúdo.
Como resultados destaca-se o conhecimento que a pessoa idosa e cuidador familiar adquiriram ao longo do internamento (adequação do plano alimentar, conhecimento do regime medicamentoso, conhecimento de sintomatologia associada, cuidados com a ferida operatória, e conhecimento dos possíveis recursos da comunidade). Salienta-se a introdução de novas práticas na equipa de enfermagem asseguradas a todos os clientes – avaliação nutricional, educação estruturada, inclusão do cuidador familiar nos cuidados, a articulação com a rede de cuidados domiciliares e registos de enfermagem individualizados, tendo favorecido a continuidade de intervenções ao longo deste processo.
Conclui-se que a intervenção em parceria é fundamental para um cuidar centrado no cliente, permitindo o conhecimento do cliente e o seu envolvimento na construção de uma ação conjunta que promove a continuidade de intervenções na preparação individualizada do regresso a casa da pessoa idosa e a capacitação do cuidador familiar, possibilitando a continuação do projeto de vida de cada idoso e cuidador familiar.
Sugere-se o desenvolvimento de intervenções de enfermagem pré e pós-operatórias centradas na pessoa idosa e seu cuidador familiar, bem como, a reavaliação nutricional periódica em articulação com o centro de saúde.
Palavras-chave: pessoa idosa/cuidador familiar; intervenções de enfermagem; parceria; regresso a casa.

A TRAJETÓRIA DOS ESTUDOS DA CIF NA ANCIANIDADE: UM ESTUDO BIBLIOMÉTRICO

Ana Taborda; Rosa Silva. Email: anataborda@portugalmail.com

OBJETIVO: Descrever e quantificar o que se tem estudado tendo como objeto de estudo o idoso e a CIF
METODOLOGIA: Estudo bibliométrico, realizado nas bases de dados eletrónicas MEDLINE, CINAHL Plus, Science Direct e Tripdatabase, com texto integral, em português e inglês. Os descritores utilizados foram: international classification of functioning & elderly.
Tendo por base o modelo conceptual da CIF, categorizamos os estudos de acordo com os seguintes componentes:
• Funcionalidade e Incapacidade
• Estrutura e Função corporal
• Atividades de participação
• Fatores contextuais
• Fatores ambientais
• Fatores pessoais

RESULTADOS/CONCLUSÕES
Da pesquisa realizada obtivemos 92 artigos, e destes, 39 apresentavam texto integral, sendo estes o nosso corpo de análise.
Após uma primeira leitura verificamos que todos os componentes da CIF têm sido explorados, havendo, contudo, um predomínio de estudos relacionados com a estrutura e função corporal, como é o caso das quedas, mobilidade e desempenho físico, por exemplo.

ACESSIBILIDADE AOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS E QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS

Alexandrina de Jesus Serra Lobo (PhD). Email: damiaolobo@gmail.com

A acessibilidade aos cuidados de saúde é uma área prioritária das atuais politicas, um verdadeiro determinante da saúde e, consequentemente, um potenciador de redução de desigualdades, apresentando-se como um aspeto essencial para a melhoria da QV dos indivíduos (Campos et al., 2008; Campinho, 2005). Segundo Furtado e Pereira (2010), o acesso não pode ser visto apenas no sentido da oferta/disponibilidade de cuidados, devem também ser considerados outros condicionantes, eventuais barreiras que possam limitar o cidadão ao seu potencial de saúde, nomeadamente: geográficos; demográficos; económicos; sociais ou culturais. Importa assim, analisar-se a relação entre o acesso aos cuidados de saúde e a qualidade de vida (QV), tendo em conta que o processo de envelhecimento encerra inúmeras alterações na vida das pessoas, afectando-lhes a funcionalidade e mobilidade (Rodrigues et al., 2007). Objetivos: caracterizar a acessibilidade e a perceção de QV dos idosos do ACES ATB; verificar se existe relação entre a acessibilidade e a QV.
Metodologia: realizou-se um estudo transversal, descritivo-correlacional, numa amostra de intencional de 359 idosos dos cuidados de saúde primários, do ACES Alto Tâmega e Barroso (ACeS ATB). Na recolha de dados aplicou-se um inquérito sob a forma de entrevista, com 3 partes: caracterização sociodemográfica; avaliação do nível de acessibilidade (através de indicadores, tais como o tipo de transporte utilizado, o tempo e as despesas necessários à deslocação, os recursos de estacionamento e transportes públicos) e perceção da QV através do SF-36 (Ferreira, 1999). Para o tratamento de dados recorreu-se ao SPSS.
Resultados: a maioria dos sujeitos em estudo apresenta o 1º ciclo do ensino básico, são casados, têm um rendimento mensal médio de 200 a 450 euros, tendo trabalhado no sector primário, durante a actividade profissional. Recorrem ao centro de saúde entre 3 a 6 vezes por ano, principalmente pelo motivo de doença. Em média, demoram entre 15 a 30 minutos e gastam entre 5 a 10 euros na deslocação ao centro de saúde. As mulheres usam mais os transportes públicos (27,5% versus 24,7%) e os homens o transporte próprio (39,1% versus 20,7%). Pela análise das correlações verifica-se que existe uma correlação negativa e significativa da QV, com o tempo e o dinheiro gasto na deslocação.
Conclusão: os nossos resultados sustentam que a QV relacionada com a saúde não se reduz a uma evidência orgânica, está em grande parte relacionada com a acessibilidade aos cuidados de sáude, para além das características de cada contexto sociocultural, aos significados que cada indivíduo atribui à sua condição e processo de vida.

“ANTES DE MORRER, EU QUERO…”: O ENVELHECIMENTO COMO UM PROCESSO ATIVO, ONDE OS SUJEITOS ESCOLHEM E PARTICIPAM NAS POLÍTICAS QUE AFETAM O SEU BEM ESTAR.

Alexandra Neves.
Email: neves.xana@gmail.com

Resumo: Nas sociedades atuais, a institucionalização dos adultos idosos é a opção mais recorrente, quando os filhos deste grupo etário não têm condições de cuidar a tempo inteiro dos seus pais. Esta institucionalização nem sempre é feita por forma a envolver a vontade e o desejo do idoso, revestindo-se esta mudança de uma perda de identidade e de pertença que lança o idoso num processo doloroso.
O presente estudo propôs identificar, compreender e conhecer os desejos de um grupo de 11 idosos, utilizadores do Centro Social e Paroquial dos Pousos, sobre o que pretendiam realizar antes de morrerem.
Tratou-se de um estudo qualitativo, realizado a partir das narrativas dos idosos entrevistados.
Os resultados (desejos) são muito semelhantes dentro do grupo analisado, refletindo uma homogeneidade cuja explicação pode estar relacionada com o facto de todos partilharem os mesmos contextos e trajetórias de vida. Os desejos mais expressos encontraram-se relacionados com a família e a algumas visitas a determinados locais, apontando estes para atividades de lazer e atividades com a família.
Com este estudo identificou-se e quantificou-se atividades com base nas motivações de cada sujeito, tanto através de um Plano de Atividades como através de um Plano Ocupacional.

OS MUITO IDOSOS: A METODOLOGIA OARS/QAFMI EM INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA

Rogério Manuel Clemente Rodrigues. Sílvia Manuela Dias Tavares da Silva. Sandrina Sofia da Silva Crespo. Cristiana Filipa Ribeiro da Silva. Email: rogerio@esenfc.pt

Objectivo:
Avaliar a funcionalidade e a utilização e necessidade sentida de serviços, de saúde e de apoio social, pelos muito idosos do concelho de Coimbra.
Metodologia:
Estudo quantitativo, descritivo-correlacional, com dimensão temporal do tipo transversal.
A população alvo (N≈16474) é constituída pelos indivíduos com idade ≥75 anos, residentes no Concelho de Coimbra (Sub-Região de Saúde de Coimbra).
A amostra, probabilística e estratificada (por idade e género), foi obtida a partir dos dados da população total fornecidos pelos Centros de Saúde/Extensões/Unidades de Saúde Familiar, procurando atingir 7% da população (n=1153).
O instrumento de recolha de dados é o Questionário de Avaliação Funcional Multidimensional para Idosos (QAFMI), versão portuguesa do Older Americans Resources and Services (OARS). É considerado um dos mais adequados instrumentos de avaliação multidimensional disponível para avaliar a capacidade funcional de idosos.
Resultados:
Esta metodologia foi desenvolvida para avaliar a capacidade funcional em cinco áreas centrais da qualidade de vida do idoso: recursos sociais, recursos económicos, saúde mental, saúde física e actividades de vida diária.
Centrando-nos no somatório das piores classificações (recursos fortemente e totalmente insatisfatórios), para o género, grupo etário e total da amostra, verificamos que:
– A pontuação segundo o modelo OARS/QAFMI para a área de recursos sociais revela quanto ao género, uma classificação de 6,4% para os homens e 16,1% para as mulheres. Por grupos etários encontramos 13,6% no grupo de 75-84 anos e 9,9% no grupo ≥85 anos. Para o total da amostra são 12,6%;
– Na área de recursos económicos, as mulheres são pior classificadas (16,6% contra 11,6% nos homens). No grupo ≥85 anos encontramos 22,0% e no de 75-84 anos 11,9%. No total são 14,8%;
– Na área de saúde mental as mulheres são pior classificadas com 19,6% (9,5% nos homens). O grupo ≥85 anos apresenta 23,7% e o de 75-84 anos 12,7%. No total são assim classificados 15,9%;
– A área de saúde física apresenta os valores percentuais mais elevados de incapacidade (40,5% nos homens e 48,4% nas mulheres). O grupo ≥85 anos 57,5% e o de 75-84 anos 40,7%. Globalmente são 45,5%.
– Quanto às atividades de vida diárias (AVD) são pior classificadas as mulheres (27,3% contra 17,1% dos homens). Os de ≥85 anos são pior classificados (46,1% contra 14,3% dos de 75-84 anos). Para o total da amostra encontramos 23,5% com esta classificação.
Conclusão:
Da aplicação desta metodologia emergem resultados que nos mostram a necessidade de intervenção, em todas as áreas, nomeadamente ao nível da saúde mental, saúde física e AVD. Particular atenção deve ser dirigida às mulheres. A informação recolhida e as possibilidades de cruzamento de dados poderão permitir o encontro, e a conjugação de esforços, de profissionais, e serviços, de saúde e sociais.

CICLOS DE RECUPERAÇÃO COMO PROPOSTA DE ATENÇÃO À POPULAÇÃO IDOSA ACOMETIDA POR AFEÇÕES NEUROLÓGICAS E FÍSICAS, NOMEADAMENTE, O AVC E FRATURAS/ARTROPLASTIAS.

Rafaela Almeida. Email: rafaela.almeida@geridade.com

OBJETIVO – Apresentar uma proposta de atendimento, definidos por ciclos de recuperação nas áreas neurológica e ortopédica, em residência especializada e direcionada à população idosa.
METODOLOGIA – A avaliação inicial do idoso é feita em conjunto pela equipa multidisciplinar, que depois de analisar cuidadosamente os dados recolhidos, propõe uma recuperação num horizonte temporal limitado. A alta dos nossos serviços será proposta quando a equipa considerar que se atingiu o limite máximo de recuperação.
A proposta centra-se no internamento durante um período mínimo de 30 dias, que visa, de maneira intensiva, a reabilitação das capacidades físicas e funcionais do idoso, num ambiente adaptado às suas necessidades.
Dispondo de uma equipa multidisciplinar composta por profissionais das áreas da Medicina, Fisioterapia, Terapia Ocupacional, Terapia da Fala, Enfermagem, Psicologia e Animação Sociocultural, pretende-se que cada utente tenha um plano específico e totalmente adaptado às suas necessidades físico-funcionais e ao seu potencial de recuperação.
Procuramos investir na aprendizagem e acreditamos que o esforço da equipa técnica poderá proporcionar um acompanhamento individualizado, com foco nas necessidades e especificidades de cada utente.
RESULTADOS – O ano de 2013 tem sido dedicado à realização de estudos que nos ajudem a comprovar a eficácia do projeto e que orientem as alterações necessárias de modo a irmos ao encontro das necessidades desta faixa etária.
CONCLUSÃO – O envelhecimento demográfico há muito que desperta nos profissionais e nas instituições a busca pelo desenvolvimento e o aprimoramento de iniciativas capazes de colmatar todas as necessidades da população que está a envelhecer. Tais necessidades são de naturezas variadas e exigem cada vez mais profissionais preparados e capazes de prestar serviços de qualidade e que estejam totalmente direcionados às especificidades desta faixa etária. A Casa Azul procura desenvolver de maneira individualizada um acompanhamento especializado à população em causa.
Prevê-se alcançar resultados que se revelem animadores, de modo a consolidarmos a proposta de oferta de um acompanhamento especializado e totalmente adaptado as necessidades e especificidades da população de mais idade.

DESENVOLVER COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO GERONTOLÓGICO DIRECCIONADA A AUXILIARES DE ACÇÃO MÉDICA: – UMA EXPERIÊNCIA DA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM S. FRANCISCO DAS MISERICÓRDIAS (ESESFM) E O LAR DR. VIRGÍLIO LOPES (LVL).
Maria de Jesus Costa. Email: marjecosta2010@gmail.com

Objetivo: Munir as auxiliares de acção médica deste Lar com competências que lhes permitam uma abordagem global na sua prática de cuidados à pessoa idosa.
Metodologia: A elaboração de um programa de formação deve sedimentar-se numa avaliação de diagnóstica prévia, com o objectivo de fazer o levantamento das necessidades, de forma a poder validar a importância da acção formativa para os destinatários. De acordo com as duas Instituições ESESFM e o LVL iniciou-se com um conjunto de reuniões devidamente planeadas que permitiram, ter um maior conhecimento da realidade vivida na instituição de idosos e realizar um diagnóstico da situação relativa à intervenção formativa a concretizar com o grupo profissional em causa, o que permitiu determinar as necessidades formativas das referidas auxiliares.
Deste encontro foi decidido:

• A formação seria realizada numa parceria entre as duas Instituições;
• Existiria uma docente da ESESFM com a responsabilidade da conceptualização e organização da intervenção formativa;
• As acções de formação seriam desenvolvidas por duas docentes da ESESFM e um elemento da direcção da instituição de idosos.

Após a administração dos conteúdos teóricos passamos aos aspetos relativos à avaliação da intervenção implementada.
Resultados: Através de uma grelha de observação ” avaliação de competências” e uma entrevista estruturada, previamente testadas que permitiu identificar se o conhecimento teórico tinha sido integrado e posto em prática, o que nos permitiu constatar uma mudança de comportamentos que se apoiava no conhecimento adquirido assim como a necessidade de colmatar algumas lacunas no que respeita à mobilização dos respectivos conhecimentos.
Conclusão: Enquanto profissionais e formadores na área da Saúde, é nossa preocupação conhecer as necessidades reais do país, no que respeita à formação destes cuidadores que prestam cuidados às pessoas idosas em particular, as que se encontram institucionalizadas e dotarmos este grupo de cuidadores com um corpo de conhecimentos específicos. Nesta sequência não podemos deixar de referir a nossa preocupação relativamente à iliteracia destes profissionais sobre o processo de envelhecimento e as principais dimensões da abordagem à pessoa idosa.
A formação contribui, ainda, para o desenvolvimento pessoal e profissional dos cuidadores, melhorando inevitavelmente o desempenho organizacional, o bem-estar da pessoa idosa que se espelha em qualidade de vida, em cuidados menos complexos e menor dispêndio económico para a instituição e para as próprias famílias.

EFEITOS DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIO MULTICOMPONENTE SOBRE AS FUNÇÕES FÍSICAS E COGNITIVAS DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS COM DOENÇA DE

ALZHEIMER

Arnaldina Sampaio. Elisa Marques. Joana Carvalho. Jorge Mota. Email: arnaldina@gmail.com

Resumo: À medida que a população mundial envelhece a uma velocidade quase exponencial e a prevalência de demências aumenta consequentemente, torna-se cada vez mais relevante encontrar estratégias e meios para atenuar o declínio das funções cognitivas e físicas dos idosos com Doença de Alzheimer (DA).
O objetivo deste estudo foi investigar o efeito de um programa de intervenção de exercício físico multicomponente na função cognitiva, variáveis antropométricas e de aptidão física, em idosos com DA.
A amostra foi constituída por 32 idosos institucionalizados com diagnóstico clínico de DA, com idades entre 84,34 ± 5,9 anos de idade, com demência leve e moderada, que foram divididos em dois grupos: o grupo experimental (GE, n=16) e o grupo controle (GC, n=16). O GE participou de um programa de exercício multicomponente supervisionado, (incluindo exercícios aeróbios, força e resistência muscular, flexibilidade e exercícios posturais) 1h/dia , duas vezes por semana, durante seis meses. Os participantes do GC mantiveram suas atividades diárias regulares durante o mesmo período. Função cognitiva (MMSE), variáveis antropométricas (IMC e perímetro de cintura) e de aptidão física (Fitness Senior Test), foram avaliadas antes (M1), após 3 meses (M2) e no final (M3) do programa de intervenção.
Não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas, nos testes de aptidão física, variáveis antropométricas e na função cognitiva, entre os grupos, na avaliação inicial. A ANOVA de duas entradas (grupo e tempo), com medições repetidas de um fator (tempo), revelou interações significativas entre grupo e tempo nas funções cognitivas, no perímetro de cintura, força dos membros inferiores e membros superiores, agilidade, resistência aeróbia, flexibilidade dos membros inferiores e membros superiores. Assim, a diferença na resposta, entre os grupos, foi evidente ao longo do tempo para estas variáveis. Observou-se ainda, uma diminuição estatisticamente significativa do perímetro de cintura, uma melhoria nos testes de aptidão física entre M1 e M3, e um aumento significativo no MMSE entre M1 e M2 no GE. A função cognitiva e força de membros superiores diminuíram significativamente ao longo do tempo (M1 vs M3) no GC. Não foram observadas alterações do IMC em ambos os grupos. Não ocorreu nenhum efeito adverso devido à aplicação do programa de intervenção.
Estes resultados permitiram verificar que o exercício multicomponente pode ser um elemento importante na promoção e manutenção da saúde, permitindo melhores resultados na aptidão física e cognitiva, por parte do GE em comparação com indivíduos inativos. Este estudo sugere que os programas de exercícios multicomponentes podem ser uma estratégia não-farmacológica importante para atenuar o declínio das funções físicas e cognitivas em pacientes com DA institucionalizados.

ENVELHECIMENTO ACTIVO

Silvia Noruegas; Carla Calça; Susete Manguinhas; Marisa Afonso; Carina de Jesus; Florinda Recto. Email: silcrisnor@gmail.com

Objetivos: Manter/Melhorar a funcionalidade dos idosos; Manter/Melhorar a capacidade cognitiva dos idosos; Prevenir a ocorrência de quedas; Sensibilizar para a aquisição de estilos de vida saudáveis e participação ativa dos idosos nos cuidados de saúde e na sociedade em geral.
Metodologia: O projeto decorreu de Maio a Dezembro de 2012, tendo como grupo alvo neste projeto 60 idosos institucionalizados, auxiliares/técnicos/responsáveis em Lares de Idosos e/ou Centro de Dia de IPSS da cidade de Estremoz ( X; Y e Z).
Os idosos foram avaliados ao inicio e no final do projeto com várias escalas: índice de Katz (avaliar a capacidade física e funcional); Mini Mental State; Time get up; Chair stand test (avaliar a funcionalidade); SF12v2 (avaliar a perceção do seu estado de saúde).
Pretendeu-se realizar várias atividades, nomeadamente:
– Aplicar e avaliar resultado de escalas utilizadas;
– Atividades e estratégias de prevenção de doenças e de fatores comportamentais;
– Atividades que promovam desenvolvimento cognitivo, a relação comunicacional e a promoção da relação interpessoal;
– Atividades e estratégias que promovam a atividade física, a promoção da saúde oral e prevenção de problemas relacionados;
– Atividades de promoção de atividades intergeracionais ;
– Atividades de formação aos auxiliares, que lhes permitam adquirir conhecimentos e competências para promover envelhecimento ativo.
Resultados: Foram alvo deste projeto 60 idosos, sendo para a análise dos dados apenas contabilizados 36.
Cerca de 15 idosos pertenciam ao Lar X, 12 ao Lar Y e 9 ao Lar Z. A grande maioria é do género feminino (27). O maior número de idosos encontra-se na faixa etária dos 80 aos 89 anos (21).
Quanto ao Índice de Katz podemos referir que 14 idosos melhoraram; 12 idosos mantiveram e 10 idosos pioraram. Relacionando os valores do Mini Mental State á entrada e á saída, 16 idosos pioraram, 15 idosos melhoraram e 5 idosos mantiveram os mesmos valores.
Comparativamente aos resultados do Time get up and go, podemos concluir que 86% dos idosos mantiveram ou melhoram a sua funcionalidade.
Comparativamente aos resultados do Chair Stand test , podemos concluir que 89% dos idosos mantiveram ou melhoram a sua funcionalidade.
Relativamente á perceção da qualidade de vida relacionada com a saúde, podemos verificar o valor médio 34,3, tendo estes valores aumentado um pouco sendo o valor o valor médio á saída de 36,2.
Relativamente ao MCS á entrada o valor medio é de 49,2, tendo o valor medio á saída diminuído (48,7).
Relativamente às atividades desenvolvidas, estas incidiram sobre a apresentação do projeto, á aplicação de escalas á entrada e á saída; classe de gerontomobilidade; atividades cognitivas; atividades de promoção do auto estima; saúde oral; prevenção de quedas e alimentação saudável.
Conclusões: Relativamente aos indicadores e metas de execução, todos os indicadores foram atingidos.

ENVELHECIMENTO COGNITIVO USUAL VS PATOLÓGICO – O PAPEL DA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA

Joana Barata Tavares, João Serras, Clara Loureiro, Joana Morgado, Carolina Maruta, Jorge Campos, Isabel Pavão Martins. Email: joanactavares@hotmail.com

Introdução: O envelhecimento cognitivo não é idêntico em todos os indivíduos e a distinção entre o envelhecimento considerado usual e aquele que é considerado patológico é bastante difícil de definir.
A neuroimagem é um campo da medicina que permite a avaliação estrutural do cérebro e o seu uso em projectos de investigação neuropsicológica tem assumido nos últimos anos cada vez mais importância.
Objectivo: Correlacionar performance cognitiva com a atrofia cerebral global e segmentar em imagens de ressonância magnética crânio-encefálica numa coorte de indivíduos idosos da comunidade.
Metodologia: Recrutamento prospetivo de 130 sujeitos dos Cuidados de Saúde Primários Portugueses com mais de 50 anos, sem história de patologia cerebral conhecida. A informação clínica foi obtida junto dos respectivos médicos e avaliações neuropsicológicas foram efectuadas.
Os sujeitos realizaram um estudo de ressonância magnética num aparelho 3Tesla, tendo posteriormente sido aplicadas escalas de avaliação neuroimagiológicas: atrofia global cortical (GCA), Koedam e atrofia mesial temporal (MTA).
Resultados: Mais de metade dos sujeitos avaliados (65%) apresentava algum grau de atrofia cerebral (avaliada por GCA), no entanto, esta apenas era severa (“knife-blade”) em 2,5%. Foi observada maior prevalência de atrofia parietal (20%), avaliada pela escala de Koedam, do que de atrofia mesial temporal (4%), avaliada por MTA, sendo maior a correlação da primeira com o resultado da avaliação de Mini Mental State Exam.
Conclusão: Classicamente a atrofia mesial temporal associa-se à doença de Alzheimer mas estudos recentes indicam a presença de atrofia do precuneus (parte do lobo parietal) em fases precoces de doentes de Alzheimer. O que este estudo vem demonstrar é que numa população comunitária, sem patologia cerebral conhecida, existe maior prevalência de atrofia parietal do que temporal e a primeira correlaciona-se mais com declínio cognitivo.
No futuro, a avaliação visual do cérebro, com focalização em áreas de atrofia segmentar, poderá tornar-se mais específica para predizer quais os sujeitos normais que irão evoluir para Alzheimer.

ENVELHECIMENTO, PSICOLOGIA POSITIVA E BOAS PRÁTICAS

Maria A. Veiga d’Araújo. Email: jardimmaria@gmail.com

O envelhecimento humano é um processo contínuo e comum a todo o indivíduo. Tem início na concepção e termina na morte (Vaillant, 2003). É um processo ao longo do qual perdas e ganhos decorrem e concorrem entre si (Baltes & Baltes, 1986). Em determinado momento, as primeiras tendem a superar os segundos. Baltes e Baltes (1986) propõem o Modelo da Selecção, Optimização e Compensação e sugerem que, até certo ponto, é possível compensar as perdas e manter bons níveis de satisfação com a vida. A Psicologia Positiva ajuda os indivíduos a manter o foco na superação das perdas, contribuindo para uma vida mais prazerosa. O contributo desta área do saber verifica-se através do estudo de conceitos como a Esperança, a Gratidão, o Flow, a Escuta Activa Construtiva, a Espiritualidade, as Emoções Positivas, as Relações Positivas, entre outros. Estes e outros modelos descritos nesta investigação apontam, assim, para factores diversos que poderão contribuir para um processo de envelhecimento positivo. Nessa linha, foi criado um programa de intervenção: o Chá das Quartas (CQ). Este programa tem vindo a decorrer nos últimos três anos, no Alentejo, para um grupo de mulheres com idades muito avançadas, em quem se fazia notar a solidão. O presente estudo sobre o CQ tem os seguintes objectivos: a) identificar factores de felicidade percebidos pelas participantes; e b) explicitar as boas práticas que parecem ter mais impacto na promoção do bem-estar das mulheres. Na presente comunicação procura-se partilhar os resultados referentes ao segundo objectivo. Nesta investigação, assente no método de estudo de caso, a recolha de dados foi feita através da aplicação de questionários e de cartas de gratidão redigidas pelas participantes. Para a análise dos dados, recorreu-se à análise de conteúdo e à estatística descritiva – usando, por isso, uma abordagem de métodos mistos. Os dados revelam um impacto positivo do CQ ao nível do bem-estar individual, relacional e colectivo, que se verifica no aumento dos índices de gratidão e felicidade das participantes ao longo do projecto, na valorização dos novos momentos de convívio por parte das idosas, e no maior envolvimento das mulheres na comunidade através da participação em eventos comunitários de relevo, entre outros resultados. Estes resultados foram possíveis de alcançar de forma continuada dadas as características estruturais e processuais deste projecto: as boas práticas que aqui se identificam e partilham.

ESTIMULACIÓN COGNITIVA Y CALIDAD DE VIDA: LOGROS EN EL ÁMBITO GERONTOLÓGICO DEL S.XXI

Sandra Fernández Prado, Mónica Antelo Martelo, Joaquim Parra Marujo, Manuel Gandoy Crego y J. Manuel Mayán Santos. Email: sandrafdezprado@gmail.com

Objetivos
Se pretende extraer resultados de un trabajo de estimulación cognitiva, que se desarrolla con personas mayores del entorno gallego. Además de poder recoger estas aportaciones de las funciones cognitivas, se ha querido observar la influencia en la percepción de la calidad de vida experimentada por los sujetos experimentales de este trabajo.
Metodología
Se ha llevado a cabo el diseño de un Programa de Estimulación Cognitiva, gracias al respaldo de Servicios Sociales del ayuntamiento de Caldas de Reis, en Pontevedra, que ha trabajado conjuntamente con el Programa de Doctorado en Gerontología de la Universidad de Santiago de Compostela.
Se ha procedido al conocimiento mediante administración de pruebas Pre-test de los sujetos experimentales con una batería de pruebas homologadas y estandarizadas (Mini Examen Cognoscitivo de Lobo, Test Conductual de Memoria de Rivermead (RBMT) y Escala CUBRECAVI de calidad de vida). Se ha implantado el citado programa y, a medida que ha evolucionado el mismo, se ha ido evaluando periódicamente a los sujetos. Este conocimiento longitudinal nos ha permitido conocer datos acerca de las aportaciones del trabajo cognitivo en el conjunto de las funcionalidades cognitivas y además, hemos podido conocer, cómo ha influido esta experiencia en la percepción expresada de su calidad de vida.
Resultados
Tras el análisis estadístico, mediante SPSS, hayamos aportaciones significativas de la estimulación cognitiva a las capacidades cognitivas de los sujetos, de la misma forma que la percepción de la calidad de vida se ha visto modificada en muchas de las variables que la componen.
Conclusiones
Los datos recogidos nos hacen pensar y afirmar que los programas de estimulación cognitiva no son solamente útiles herramientas de reforzamiento cognitivo para las personas mayores sino importantes mecanismos de refuerzo a tener en cuenta en la visión global de la calidad de vida en la fase de envejecimiento.
Mediante estas investigaciones esperamos responder a las necesidades de las personas mayores de ahora y del futuro, para conseguir mejoras en su funcionalidad cognitiva y mejorar también su calidad de vida, que es otro importante objetivo de las intervenciones gerontológicas: conseguir cantidad y calidad en el envejecimiento.

GRÃ-PARENTALIDADE E RELAÇÕES INTERGERACIONAIS NO CONTEXTO DAS SOCIEDADES OCIDENTAIS CONTEMPORÂNEAS: REVISÃO DA LITERATURA.

Isabel Margarida Marques Monteiro Dias Mendes. Rogério Manuel Clemente Rodrigues. Zaida de Aguiar Sá Azeredo. Email: isabelmendes@esenfc.pt

Resumo:
Introdução: Na actualidade a esfera familiar evidencia uma pluralidade de configurações, como as famílias de idosos e as famílias com idosos.
Outra característica marcante dessa diversidade é a família longeva, traduzindo-se como um fenómeno novo e apresentando a coexistência de várias gerações.
Face ao número cada vez maior de indivíduos a alcançar idades cada vez mais avançadas, origina-se por um lado, potencialmente, uma maior convivência intergeracional e acentua-se, por outro, a importância cada vez maior da solidariedade entre as gerações.
Nesse contexto, identificamos as relações intergeracionais como algo benéfico, que pode ser estimulado com a perspectiva de um enriquecimento mútuo, através da partilha de conhecimentos e da abertura para o diálogo entre as gerações.
Objectivo: Rever o conceito de grã-parentalidade nas sociedades ocidentais contemporâneas e o seu significado nas relações intergeracionais-
Método: Revisão da literatura com recurso a bases de dados B-On, Academic Google, e Pub-Med. A pesquisa foi limitada a artigos publicados entre 2000-2012 nas línguas Portuguesa, Espanhola, Inglesa e Francesa.
Resultados: 45 estudos foram selecionados a partir de 2710 artigos das bases de dados. Os principais temas comuns encontrados foram: o papel dos avós como um equilíbrio familiar entre gerações, com padrões de interação de proximidade, a proximidade emocional e apoio social; maior influência dos avós maternos no estabelecimento e manutenção dos laços intergeracionais. Por último, os avós trazem o sentido de identidade intergeracional no seio familiar, positivamente relacionada com o bem-estar de todos os membros.
Conclusão: Nas sociedades contemporâneas a grã-parentalidade surge como o elo de ligação sensível entre as diferentes gerações, sendo o relacionamento intergeracional uma oportunidade para a promoção de um envelhecimento saudável e um desenvolvimento saudável dos mais jovens, visando uma sociedade para todas as idades.

HABITAÇÃO PARA IDOSOS EM LISBOA: DE COLECTIVA A ASSISTIDA. O CASO DE ALVALADE

Antonio da Silva F. Carvalho. Email:a.carvalho@zonmail.pt

A população portuguesa (e mundial) está a envelhecer a um ritmo muito acelerado — Lisboa era já em 2001 a capital europeia da UE15 mais envelhecida, realidade que se agravou desde então.Esta tendência demográfica de quase inversão da pirâmide demográfica significa que é urgente encontrar uma solução habitacional para os idosos, que constituem o único grupo etário em crescimento. Significa também que as cidades serão progressivamente habitadas por mais idosos, pelo que o quotidiano urbano (em espaços públicos e privados, livres ou construídos) será cada vez mais condicionado pelas restrições dos mais velhos, em termos de acessibilidades ou outros aspectos funcionais.
Objectivo: Para evitar a panaceia da institucionalização em lares de idosos, é urgente propor um novo paradigma habitacional para as pessoas mais velhas: envelhecer em casa.
Metodologia: Sendo Lisboa maioritariamente constituída por edifícios de apartamentos, estudou-se o funcionamento e características das “residências assistidas” de diferentes iniciativas (privada, estatal, IPSS) e dimensões (grande, média e pequena).
Desse estudo retiraram-se ensinamentos que permitissem a sua aplicação aos edifícios normais de habitação colectiva, transformando-os desse modo em edifícios-residência, onde os moradores possam naturalmente envelhecer, em apartamento adaptados ou adaptáveis às diferentes etapas da vida.
Seguidamente estudaram-se edifícios de apartamentos cujas características permitissem encontrar soluções aplicáveis ou extrapoláveis para outros conjuntos habitacionais.
Para cada um dos edifícios existentes que foram seleccionados desenvolveu-se um projecto de adaptação do edifício e dos apartamentos de modo que, com intervenções e custos mínimos, permitisse a sua conversão em condomínio assistido.
Resultados: O Bairro de Alvalade, pela repetição sistemática dos seus edifícios-tipo, permitiu seleccionar seis casos concretos para aplicação de diferentes soluções, no sentido de que passem a funcionar como condomínios assistidos para os seus moradores envelhecidos, evitando (ou adiando) a sua institucionalização.
As soluções projectadas para estes seis edifícios têm a possibilidade inerente de replicação, podendo ser aplicadas a dezenas de edifícios, centenas de apartamentos e milhares de moradores, apenas no Bairro de Alvalade.
Conclusão: Com os modelos de intervenção propostos caso a caso, verificam-se vantagens habitacionais, humanas e urbanas: ganham-se apartamentos mais flexíveis, adaptáveis às diversas fases da vida; os moradores podem envelhecer em casa e no bairro, na companhia de vizinhos e comerciantes que conhecem e em quem confiam; torna-se mais fácil e cómodo para os familiares manterem as rotinas das visitas à casa de sempre; os espaços exteriores públicos tornam-se mais amigos dos idosos (e como tal amigos de todos), com acessibilidade universal; o convívio intergeracional é promovido, dentro de casa, no edifício e no bairro; a flexibilidade do novo modelo permite a renovação natural das gerações dos seus habitantes e novamente o seu envelhecimento em casa, sem segregação edificativa nem estigmatização social — a cidade envelhece e renova-se continuamente.

IDEAL SÉNIOR

Fernanda Oliveira: Email: fernanda.oliveira@misericordiagolega.pt

O projeto “Residencias Senior- Nossa Senhora das Misericórdias” foi criado tendo por base os objetivos/desenvolvimento da instituição, tanto a nível de infraestruturas como a nível de objetivos de intervenção que o Serviço Social sente a necessidade de intervir. O “Ideal Sénior”, foi projetado a fim de ser uma resposta social personalizada para uma população específica.
Há cerca de 13 anos, altura em que esta resposta foi criada, a realidade social em termos da problemática do envelhecimento ativo, nomeadamente no distrito de Santarém, mostra a necessidade sentida pela população em encontrar respostas de apoio alternativas às valências de internamento tradicionais. E, por isso, são procuradas por pessoas com idades menores (65 anos) com a motivação de querer poder assegurar segurança e conforto para um futuro próximo.
Esta resposta Social nasceu em 1999 designada por SENIOR RESIDENCE, inicialmente construídas apenas quatro moradias. Atualmente este complexo dispõe de 24 residências integradas numa ampla zona ajardinada e de lazer, sendo que as ultimas oito são de construção recente, em finais do ano 2012.
Para pessoas com idade igual ou superior a 65 anos, portadoras de características pessoais, culturais e socioeconómicas é por vezes muito difícil encontrar locais com grande privacidade e estimuladoras de autonomia.
A Misericórdia passou assim a ter esta valência, criou espaços “confortáveis e seguros” para fazer face ás necessidades/expectativas da população/comunidade em que os utentes podem usufruir de “cuidados de um lar” na privacidade de uma residência, em plena Vila da Golegã.
As moradias deste complexo são compostas por um quarto, uma instalação sanitária com apoios técnicos, uma sala e uma cozinha, cada utente tem direito a um lugar no parque de estacionamento. Todas estas residências são decoradas pelo residente (ou seus familiares), para que a pessoa se sinta num espaço “seu”, único e confortável, e que reflita as características da sua própria identidade, hábitos e costumes.
A resposta projetada pretende proporcionar um espaço “ideal” com serviços permanentes e adequados às necessidades das pessoas seniores, contribuir para a estimulação de um processo de envelhecimento ativo com autonomia, assim foram criadas condições que permitam preservar e incentivar a estabilidade do suporte familiar quando existente, bem como potenciar a integração social. Este apoio é sempre prestado em regime de apoio domiciliário, isto é todos os serviços são prestados nas residências, por uma equipa preparada e especializada.
Tem como Princípios subjacentes á intervenção desta resposta social a Qualidade, eficiência, humanização e respeito pela singularidade de cada um, Interdisciplinaridade, Avaliação “holística” integral das necessidades dos residentes, Promoção e Manutenção da funcionalidade e da autonomia, Participação e co-responsabilização do residente ou seu familiar, na elaboração do plano de cuidados.

INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM EM IDOSOS EM RISCO OU VÍTIMAS DE ABUSO E NEGLIGÊNCIA

Flávia Danielli Martins Lima. Email: fdmlima@gmail.com

Objetivo:
Identificar intervenções de enfermagem essenciais na prevenção e detecção do abuso e negligência contra idosos.
Com a finalidade de atingir o objetivo proposto por esta revisão da literatura, formulou-se a seguinte questão de investigação: Em relação aos idosos em risco ou vítimas de abuso e negligência, quais intervenções de enfermagem são essenciais na prevenção e detecção desses maus-tratos?
Metodologia:
Desenvolveu-se de acordo com o método PICO, cuja questão estruturada e adaptada foi: P(population)- Idosos; I(Interventions)- Intervenções de Enfermagem; O (outcomes)- Detecção e prevenção do abuso e negligência.
A pesquisa foi efetuada nas bases de dados MEDLINE e CINAHL através de palavras-chave e sinônimos com base na questão PICO. Os estudos foram selecionados obedecendo critérios de inclusão e exclusão previamente estabelecidos.
Os estudos foram selecionados de acordo com os critérios estabelecidos e, após o cruzamento das palavras-chave e obtenção dos registos nas bases de dados e eliminados os duplicados, triaram-se os mesmos por título e abstract, de forma a reduzir o número de artigos potencialmente elegíveis.
Resultados:
Utilizaram-se 8 artigos para análise dos dados. Todos foram realizados em países desenvolvidos e, relativamente aos níveis de evidência dos estudos obteve-se apenas níveis IV e V, impedindo que os resultados analisados e considerados atinjam o nível mais elevado de evidência científica, caracterizado pelos ensaios clínicos aleatorizados- randomized clinical trials (RCT). Os estudos focalizam principalmente na percepção dos enfermeiros relativamente ao abuso contra idosos. As intervenções de enfermagem são citadas como importantes, no entanto são limitadas pela falta de formação destes profissionais, dificultando, assim, a avaliação clínica dos idosos e possíveis intervenções.
Conclusão
As intervenções de enfermagem são citadas como importantes na prevenção e detecção do abuso e negligência dos idosos, no entanto, os estudos mostram que são pouco estruturadas e existe limitação destes profissionais devido à falta de formação na área.

MAIS MOVIMENTO, MAIS SAÚDE: PREVENÇÃO DE COMPORTAMENTOS SEDENTÁRIOS NA POPULAÇÃO IDOSA FRÁGIL – ESTUDO PILOTO

Roxo, S.; Araújo, N.; Nascimento, C. ; Gomes da Silva, M. Email: susanaroxo_570@hotmail.com

Introdução: Os estilos de vida sedentários representam um risco para a população idosa, pelo seu impacto no declínio funcional. Promover a atividade física parece ser uma estratégia efetiva na minimização dos efeitos negativos do sedentarismo, contudo a adesão a programas de exercícios estruturados é reduzida a longo prazo, particularmente neste grupo de pessoas. Objectivo: Prevenir estilos de vida sedentários e aumentar os níveis de atividade física de pessoas idosas frágeis, não institucionalizadas. Métodos: Cinco pessoas com idades compreendidas entre os 70 e os 80 anos participaram neste programa. Foram avaliadas a auto-percepção das barreiras à prática da atividade física, o conhecimento da importância da prática da atividade física, os padrões de atividade física e o conhecimento da família/cuidadores informais sobre a importância da atividade física. O programa teve a duração de 12 semanas e incluiu uma sessão educacional em grupo e outra sessão de acompanhamento individual no domicilio, semanalmente. Resultados: No final do programa, os participantes auto-percepcionavam menos barreiras à prática de atividade física, o seu conhecimento sobre a atividade e seus benefícios aumentou, assim como aumentou a frequência com que praticaram atividade física de intensidade moderada, nas suas rotinas diárias (numa base seminal). Discussão: Os resultados obtidos sugerem que o tempo despendido em atividades sedentárias diminuiu e aumentou o tempo utilizado em atividade física de intensidade moderada. Apesar das 12 semanas terem possibilitado o estabelecimento de uma relação de confiança entre o fisioterapeuta e os participantes, este tempo parece ter sido insuficiente para introduzir mudanças profundas nas rotinas diárias. Este grupo tem uma percepção singular das barreiras ao aumento da intensidade de determinadas atividades nas suas rotinas. Programas futuros devem ter em consideração o impacto sócio-cultural, social, económico assim como as características individuais.
Conclusão: Intervenções para prevenir comportamentos sedentários e promover a atividade física, baseadas nas rotinas das pessoas parecem ser benéficas. Contudo é necessário levar a cabo ouros projetos que permitam uma análise mais aprofundada das implicações e respectivos benefícios de saúde.
Este projeto foi implementado com o apoio do ”Centro Comunitário de São Sebastião – Setúbal.

MONTES ISOLADOS

Autores: Carla Calça. Email: carlamsrc@gmail.com

Objetivos: Caraterização de idosos frágeis e vulneráveis que vivem em montes isolados, no concelho de Estremoz, com dificuldade de acesso aos cuidados de saúde.
Metodologia: A amostra foi constituída por 158 indivíduos com idades superiores ou igual a 65 anos (dos quais 2 têm idades inferiores mas incluídos no estudo por necessidade de cuidados), que residem em lugares isolados no concelho de Estremoz.
A recolha de dados decorreu entre Setembro a Dezembro de 2011, sendo aplicado o Instrumento de Avaliação Integrada (IAI) da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados e Documento de Colheita de Dados elaborado pela equipa.
Estabelecidos protocolos entre a UCC Estremoz e diversos parceiros da comunidade, nomeadamente Câmara Municipal de Estremoz, Guarda Nacional Republicana Estremoz, Instituto Segurança Social, IP – Centro Distrital Segurança Social Évora e ONG Médicos do Mundo.
Atividades: Reunião entre os parceiros para definir protocolo e assinar. Recolha dados pessoais, como nome, profissão, documentos identificativos, agregado familiar, existência de cuidador principal, necessidade de cuidados de terceiros, tipo de apoios recebidos, avaliação social, antecedentes pessoais, alergias, medicação atual. Aplicado o Instrumento de Avaliação Integrada. Avaliado sistema tegumentar (pele e mucosas). Verificado estado vacinal através do Boletim de Vacinas. Executados cuidados de enfermagem após diagnóstico das necessidades (promoção e prevenção, encaminhamento, informativos, curativos). Programadas novas visitas domiciliarias quando o idoso é considerado frágil ou vulnerável. Estabelecido o roteiro do UMS semanalmente, de acordo com as zonas geográficas a visitar e com os idosos vulneráveis, programados para nova visita domiciliária. Reunião no final do dia para discutir avaliações e ajustar critérios de continuidade. Apresentado na reunião da Rede Social do Concelho de Estremoz o projeto a todos os parceiros. Divulgado o projeto às restantes Unidades funcionais de Saúde de Estremoz, população e meios comunicação.
Resultados:
Os resultados adquiridos revelam que o grupo etário é representado maioritariamente por indivíduos dos 71 aos 80 anos, 58%.
As queixas de saúde identificadas pela população como sentidas e valorizadas, a principal são a Tensão Arterial Elevada, 33%, seguido do grupo de idosos que referem Sem Problemas de Saúde, 20%, não valoriza qualquer problema de saúde. Quanto ao estado nutricional 76% da população apresenta peso Adequado, relativamente à capacidade física (Autonomia Física) 89% dos indivíduos são totalmente independentes e na escala da funcionalidade (Autonomia Instrumental) 68% mantêm totalmente independentes.
As queixas emocionais (ansiedade, nervoso, triste e deprimido) prevalecem os indivíduos sem queixas, 56% e 53%.
Conclusões:
Podemos concluir que os idosos que vivem em lugares isolados são maioritariamente independentes, continuam com atividade física, não valorizam os problemas de saúde e consideram as alterações que ocorrem como normais do processo de envelhecimento

NÚCLEO DE INTERVENÇÃO AOS IDOSOS E FAMÍLIAS EM RISCO

Patrícia Maria Menezes Pinto. Email: patriciapinto123@hotmail.com

O envelhecimento da população é um proeminente fenómeno mundial. A intensidade do crescimento da população “mais idosa”, considerada de 80 anos e mais, tem-se elevado progressivamente e o aumento da expectativa de vida pode elevar a incidência de enfermidades crónicas não transmissíveis e incapacitantes no idoso, com possíveis alterações na dependência física, cognitiva e emocional, que podem comprometer sua autonomia, o que gera maior demanda de cuidados permanentes por parte do grupo familiar cuidador.
A globalização e industrialização levaram nos paises mais desenvolvidos a transformação da familia tradicional (horizontal) noutros tipos novos de familia (com redução dos seus membros-vertical), o que diminui os cuidados informais e demanda a necessidade de cuidadores informais.
Esta limitação das familias verticais leva a que haja um aumento de pressões no sistema nacional de saúde para aprovisionamento de cuidadores formais de cuidado a longo termo ou suporte suplemantar ou treino para cuidadores informais em famílias verticais (WHO).
No ambiente familiar, a função de cuidador tende a ser assumida por uma única pessoa, denominada “cuidador principal”, que assume a responsabilidade pelo cuidado, sem contar, na maioria das vezes, com a ajuda de outro membro da família ou de profissionais capacitados. O cuidador informal expõe-se a uma série de situações stressantes, como o peso das tarefas e as doenças advindas das exigências do trabalho e das características do idoso. Além disso, faltam-lhe informações, além de apoio físico, psicológico e financeiro para enfrentar o quotidiano do cuidar ( Rodrigues e outros, 2012). No exercício de papéis, a mudança é angustiante, em virtude do envolvimento afetivo entre o idoso e a família, a diminuição do tempo de relacionamento com amigos e com a vizinhança, a solidão, a sobrecarga do processo de cuidar e a frustração por não conseguir colocar em prática seus próprios projetos de vida fazem parte das perturbações que, em determinado momento, podem causar stresse no cuidador. Avaliar e identificar a sobrecarga do cuidador é um aspecto importante para o cuidado com o idoso, porquanto, o excesso de sobrecarga pode comprometer a qualidade do cuidado e interferir nas relações familiares, nomeadamente podendo levar a situações de violência contra o idoso. A violência contra o idoso pode ser classificada em violência física, sexual, psicológica, economica, institucional, abandono/negligência e autonegligência. A violência intrafamiliar é caracterizada pela ação ou omissão que prejudique o bem-estar, a integridade física e psicológica, ou a liberdade e o direito ao pleno desenvolvimento de um integrante do núcleo familiar. Observa-se um aumento do número de idosos que vivenciam o processo de doença crónica e incapacitante, o que os torna mais vulneráveis a situação de maus-tratos.
Entretanto, muitas formas de violência não chegam oficialmente ao conhecimento institucional, o que configura a subnotificação e, consequentemente, prejudica a fidedignidade das informações a respeito dessa realidade. A escassez de informação quanto aos agredidos e agressores é uma situação delicada, principalmente porque os idosos, de modo geral, não denunciam abusos e agressões sofridas, em função do constrangimento e do medo de repressão por parte dos seus cuidadores, que são frequentemente os próprios agressores. Explicitar a violência intrafamiliar contra o idoso dentro ou fora do ambiente domiciliar suscita da atenção básica de saúde uma organização que permita identificar e propor ações que abarquem a resolução dessa problemática.

O IDOSO INSTITUCIONALIZADO NA COMUNIDADE

Zaida Azeredo. Email: zaida.azeredo@gmail.com

Com o envelhecimento da população e a diminuição do número de elementos por agregado, bem como o aumento das doenças cronico-degenerativas , nomeadamente das demências , as instituições na comunidade , como por exemplo lares, tornam-se indispensáveis á prestação de cuidados a idosos e grande idosos.
Reflectir sobre o idoso institucionalizado e oo ambiente social que o rodeia.
Um idoso institucionalizado vê, muitas vezes, o seu mundo restringido aos elementos da instituição, aos outros utentes e à rede social que mantém girando todas as suas emoções neste ambiente.
As autoras fazem uma reflexão sobre esta relação.

O PASSAR DOS ANOS NA PRISÃO: A RECLUSÃO VISTA POR MULHERES IDOSAS

Adriana Silva. Helena Machado. Email: rosa.adriana.dias.silva@gmail.com

Resumo: Portugal atravessa nos tempos de hoje um processo de envelhecimento da população. Os Censos realizados em 2011 vieram evidenciar essa mesma realidade, uma vez que 2 milhões dos portugueses contam com mais de 65 anos, representando já cerca de 19% do total da população. A população prisional não é imune a este fenómeno: nas últimas duas décadas, a literatura internacional no domínio dos estudos prisionais, mas também em áreas como a saúde pública e a administração da justiça, tem vindo a evidenciar questões específicas relacionadas com o progressivo aumento do encarceramento de reclusos mais velhos. Em Portugal, nos últimos tempos, algumas notícias veiculadas na Imprensa têm conferir alguma visibilidade a esta realidade. Contudo, são ainda escassos os estudos científicos sobre esta matéria e inexistentes as políticas institucionais direcionadas para as necessidades e características específicas deste grupo social.
Esta comunicação enquadra-se numa investigação realizada no âmbito do Doutoramento em Sociologia, da Universidade do Minho, que tem como principal finalidade perceber os impactos do envelhecimento durante o cumprimento de penas privativas de liberdade, a partir das narrativas construídas em contexto de entrevista, por mulheres com mais de 50 anos de idade.
Partindo de um conjunto de entrevistas realizadas com mulheres no Estabelecimento Prisional Especial de Santa Cruz do Bispo, nesta comunicação almeja-se compreender de que forma a idade pode condicionar a forma como vivem o tempo de reclusão assim como as suas expectativas futuras de reinserção na sociedade. Os resultados mostram-nos que o cumprimento da pena é encarado como um tempo perdido e irrecuperável. De igual forma, a idade condiciona a maneira como as reclusas veem o seu futuro, sendo este minado pelo medo de morrer na prisão e pelas incertezas projetadas para a vida no exterior.

QUALIDADE DE VIDA APÓS ARTROPLASTIAS EM DOENTE SÉNIOR

Carlos José Martinez Evangelista. Email: ce.cortopedica@gmail.com

Sumário Executivo: A qualidade de vida não deves estar dependente da idade, esta, por si só não deve ser limitante ou impeditiva.

O autor com a realização de artroplastia, anca ou joelho,permitiu a liberdade, independência, e a reintrudução social de pessoas que até aqui estavam condenadas pela sociedade, pelas suas artrose e pela sua limitação funcional.

Hoje são membros efectivos da família,e da sociedade, pela simples razão que alguém se preocupou com o seu bem estar.

QUALIDADE DE VIDA E UTILIZAÇÃO DA INTERNET PELA POPULAÇÃO IDOSA

Mafalda da Silva Oliveira & Jean Martin Rabot. Email: mafaldasilvoliveira@gmail.com

Resumo: O aumento exponencial do envelhecimento demográfico, em Portugal, é bem real. Este facto social tem evidenciado diversas consequências do processo de envelhecimento: desde casos de exclusão social, isolamento social até casos de estados depressivos e consequentemente de qualidade de vida em decréscimo. No entanto, temos assistido a algumas mudanças no estilo de vida dos idosos, bastante voltado para uma vida equilibrada e saudável. Uma aposta para este efeito é o recurso às novas tecnologias, particularmente à Internet, que permite que os idosos mantenham um elevado grau de independência e dignidade, para além de poderem manter contacto com amigos e familiares mais distantes.
Assim sendo, no âmbito do nosso doutoramento em Ciências da Comunicação, encontramo-nos a desenvolver uma investigação que pretende averiguar se a Internet pode ser um meio que beneficie o processo de envelhecimento, ao melhorar a qualidade de vida do idoso durante este mesmo processo.
Para tentar alcançar este mesmo objetivo, teremos duas grandes fases no que concerne à componente empírica: numa primeira fase, será aplicado um inquérito por questionário online, de caracter exploratório e descritivo, em que se tentará identificar características dos seniornautas, através dos seus usos e gratificações, bem como da sua qualidade de vida; e numa segunda fase, para perceber se a qualidade vida é afetada pelo uso da Internet ou não, irão ser inquiridos não utilizadores da Internet sobre a sua qualidade de vida, para assim se obter um estudo de carácter comparativo. Porque o nosso estudo se caracteriza por ser um estudo com uma metodologia mista, quantitativo e qualitativo, irão também ser realizadas entrevistas semi-estruturadas a idosos utilizadores da Internet, de forma a aprofundar algumas questões abordadas no inquérito por questionário.
No final da investigação, e como ainda está numa fase de aplicação dos instrumentos de recolha de dados, não tendo ainda resultados concretos, é expectável vir a mostrar a importância da utilização da Internet na melhoria da qualidade da população idosa, nomeadamente no que diz respeito ao incremento de relações sociais e à consequente diminuição do isolamento social; à luta contra a exclusão social; à adoção de uma vida mais saudável e ativa, com a aquisição e à atualização constante de conhecimentos, evitando uma vida rotineira. Para além destes mesmos resultados, será ainda expectável obter dados que possam levar a assumir que o número de “seniornautas” em Portugal se encontra em plena expansão. Por fim, é nosso intuito que os resultados desta investigação sejam benéficos para a implementação de boas práticas de qualidade de vida para a população idosa, e como tal, optaremos por apresentar, de forma dinâmica, os resultados da mesma em várias situações, tanto em lares de terceira idade, colóquios e workshops relacionados com a temática em estudo, bem como em Universidades de Terceira Idade.

REATIVA: UM PROJETO DE PROMOÇÃO DE UM ENVELHECIMENTO ATIVO

Helena Loureiro. Aida Mendes. Ana Fernandes. Ana Camarneiro. António Fonseca. Manuel Teixeira Veríssimo. Maria Madalena Carvalho. Margarida Silva. Rogério Rodrigues. Ana Pedreiro. Email: hloureiro@esenfc.pt

Introdução
O crescente envelhecimento populacional coloca um dos maiores desafios de sempre às sociedades contemporâneas: proporcionar aos cidadãos a oportunidade de vivência de um envelhecimento ativo (WHO, 2002). Este desafio é influenciado por diversos determinantes, bem como pela vivência de diferentes acontecimentos transicionais que ocorrem na meia-idade. A aposentação constitui um desses acontecimentos que, constituindo-se como um processo contínuo de adaptação à mudança (Fonseca, 2011), expõe os indivíduos e famílias a um particular estado de vulnerabilidade (Loureiro, Fonseca e Veríssimo; 2012). Na inexistência de um programa de intervenção especificamente construído para a minimização deste efeito, urge a sua construção num dos contextos de cuidados de saúde onde a sua implementação poderá ser maximizada: o contexto dos Cuidados de Saúde Primários.
Objetivos
O projeto ‘REATIVA’ tem como objetivo: a construção de um programa de intervenção em saúde, a ser implementado em contexto de cuidados de saúde primários, que vise preservar o mais elevado nível de saúde biopsicossocial em indivíduos e famílias que se encontram numa fase do ciclo vital da meia-idade e que vivenciam um processo de adaptação à reforma, com vista a promover um envelhecimento ativo.
Metodologia
O projeto terá a duração de 2 anos.
O primeiro ano envolverá quatro momentos complementares que visam aceder a um amplo conhecimento do fenómeno em estudo, por forma a construir um protótipo de um programa, promotor de um envelhecimento saudável, a ser aplicado em indivíduos e famílias de meia-idade: 1º) Realização de Focus Group, constituídos por indivíduos reformados há menos de 5 anos; 2º) Realização de Entrevistas semiestruturadas a indivíduos que percecionaram dificuldades na adaptação à reforma e aos seus cônjuges; 3º) Execução de um Painel de Peritos para discussão dos resultados (obtidos nos momentos anteriores); 4º) Elaboração do protótipo do programa.
O segundo ano corresponderá à implementação do programa, efetuada em três momentos: 1º) Ensaio do protótipo, 2º) Aferição da estrutura em grupo teste; 3º) Medição da eficiência do programa (GC1xGC2xGE).
Conclusões
Este projeto destaca-se pelo seu carácter inovador no contexto dos Cuidados de Saúde Primários, não apenas pela multidisciplinariedade da equipa que o integra (e.g. Medicina, Enfermagem, Psicologia, Sociologia) mas também por ter como objetivo central a construção de um programa de intervenção em saúde comunitária, assente numa filosofia de promoção da sistémica familiar, que até ao momento é inexistente. Preconiza-se que este programa venha a ser responsável por um incremento da qualidade de envelhecimento nas comunidades, onde venha a ser implementado.

HISTÓRIAS E MEMÓRIAS DE VIDA

Paula Cristina C. Marques de Azevedo; Claudia Ribeiro da Cunha. Email: paulacazevedo@gmail.com

Objetivo: Perceber se as abordagens narrativas têm um impacto positivo na qualidade de vida do sénior, nomeadamente no que diz respeito à estimulação cognitiva, autoestima, autoconhecimento, identidade (identidade para si, identidade para os outros), valores próprios e compreensão multifacetada sobre si próprio, bem como da sua relação com os diferentes contextos em que se insere.
Metodologia: Abordagens narrativas (centram a atenção na pessoa, na sua experiência e percurso de vida e, desta forma, esta toma consciência dos seus próprios projetos) com grupo experimental a decorrer na Universidade Sénior Contemporânea do Porto.
Resultados esperados:
– promover uma vida ativa e saudável na idade maior;
– potenciar o aumento da qualidade de vida na idade maior;
– potenciar a transmissão de conhecimentos em diferentes áreas do saber para as gerações mais novas e o aumento do seu sentido de responsabilização (intergeracionalidade);
– valorizar e fortalecer histórias de vida, laços, relações e referências que se vão constituindo como pilares essenciais no âmbito cultural;
– ao recordar a história de vida, o sénior estará a estimular, ativamente, a sua memória e as suas emoções e fica com um trabalho escrito que também pode partilhar e/ou oferecer a familiares e amigos;
Conclusão:
Uma vez que o trabalho no âmbito das histórias de vida ainda está a decorrer, não podemos avançar já com as conclusões.
No entanto, pelo tempo já decorrido, podemos adiantar que tem um impacto significativo na autoestima e autoconhecimento.

A PESSOA IDOSA HOSPITALIZADA: QUAL O CONHECIMENTO E ATITUDES DOS/AS ENFERMEIROS/AS PORTUGUESES?

João Tavares. Email: enf.joaotavares@hotmail.com

Introdução: Em Portugal as últimas décadas têm sido marcadas por um rápido envelhecimento demográfico. Este fenómeno implica uma maior procura de cuidados de saúde para satisfazer as necessidades das pessoas idosas (PI). As projecções demográficas prevêem um aumento significativo de PI que irão necessitar de internamento hospitalar. No entanto, a formação dos/as enfermeiros/as sobre o cuidado geriátrico tem-se mostrado insuficiente. Esta lacuna formativa tem um impacto considerável no conhecimento e atitudes destes profissionais, afetando a qualidade do cuidado às PI hospitalizadas.
Objectivos: Objectivou-se: i) explorar o conhecimento e as atitudes dos/as enfermeiros/as em relação a quatro síndromes geriátricas (úlceras de pressão, incontinência urinária, uso de contenções e distúrbios do sono) em hospitais portugueses, e ii) avaliar a influência das características sócio-demográficas, profissionais e dos hospitais no conhecimento e nas atitudes geriátricas dos/as enfermeiros/as.
Metodologia: Estudo de abordagem quantitativa, do tipo exploratória-descritiva, transversal, prospectivo e correlacional. A amostra foi constituída por 1068 enfermeiros/as de cinco hospitais (da região norte e centro do país). Na análise dos dados utilizou-se a ANOVA unilateral e o teste de Tukey HSD (nas comparações múltiplas). O nível de significância considerado foi de 5%.
Resultados: A média em relação ao conhecimento e às atitudes foi de 0,41 ± 0,15 e 0,40 ± 0,21, respectivamente (variando de 0 a 1). Considerando as síndromes geriáticas em estudo, os/as enfermeiros/as demonstraram conhecimento insuficiente e atitudes negativas em relação ao cuidado às PI hospitalizas. Os/as enfermeiros/as a trabalhar em hospitais universitários demonstraram um nível de conhecimento significativamente superior relativamente aos colegas dos centros hospitalares. Encontraram-se diferenças estatisticamente significativas entre as atitudes dos/as enfermeiros/as e o tipo de hospital e unidade, região do país, suporte formativo dos hospitais, auto-avaliação do conhecimento e percepção da sobrecarga no cuidado às pessoas idosas hospitalizadas. As atitudes mais positivas foram reportadas por enfermeiros/as: dos centros hospitalares, nos serviços de medicina e cirurgia, da região norte do país, em instituições que suportem a sua formação, que auto-avaliam o seu conhecimento como elevado e com menor percepção de sobrecarga no cuidado às PI hospitalizadas.
Conclusão: Os resultados deste estudo reforçam a necessidade de promover, aumentar e melhorar o conhecimento e as atitudes dos/as enfermeiros/as no cuidado às PI hospitalizadas e a implementação de guidelines baseadas nos dados na sua prática profissional.

Sexualidade na Terceira idade: Estudo de caso. O uso do biograma.

Ana Catarina dos Santos Gabadinho. Email: ana.catarinagabadinho@gmail.com

Resumo: Esta comunicação tem como principal objetivo partilhar um conjunto de reflexões sobre o envelhecimento e a temática da sexualidade, atribuindo especial enfoque à Terceira idade e, a partir daí, contribuir para alterar a visão de que a vida sexual ativa é uma prerrogativa dos jovens. Quem se encontra nesta fase da vida, Terceira idade, precisa viver a sua vida e a sua sexualidade livremente e com dignidade. Reconhecendo a necessidade de melhor conhecer e esclarecer as questões da sexualidade na Terceira idade desenvolveu-se o estudo aprofundado de dois casos, a Maria e o Manuel com 71 e 72 anos respetivamente. Neste âmbito tenta-se dar resposta às seguintes questões: (i) Como é que a Maria e o Manuel percecionam a sua sexualidade? (ii) Como a vivenciam? (iii) Quais os fatores que interferem na vivência da sua sexualidade?. Para aceder à informação recorreu-se a diversos instrumentos, tais como: entrevistas exploratórias, conversas informais e diário de campo. Relativamente à apresentação dos resultados e análise dos mesmos procedeu-se a uma análise de conteúdo das entrevistas, tendo em conta as 5 dimensões da sexualidade, biológica, psicológica, sensual, erótica e cultural, à elaboração de quadros cronológicos de eventos e respetivos biogramas, individuais e outro em que se apresentam uma simultaneidade de eventos entre os biogramas dos dois casos, e narrativas biográficas. Particularmente, neste estudo de investigação destacam-se os biogramas (Tinoco & Pinto, 2001; Sá & Almeida, 2004), por constituírem uma representação visual dos diversos eventos ocorridos ao longo da vida da Maria e do Manuel, e por se apresentarem como instrumentos de excelência para mapear as suas trajetórias de vida. Um dos eventos comum a ambos os casos corresponde à intimidade entre ambos. Independentemente dos dois possuírem condicionantes físicos e biológicos, fibromialgia, no caso da Maria, e disfunção erétil, no caso do Manuel, que lhes impedem de usufruírem de uma relação sexual, ambos reconstruiram a sua sexualidade. O facto de recorrem à masturbação mútua como forma de colmatar a ausência de relação coital é um sinal revelador não só de à-vontade um para com o outro, mas também de não quererem comprometer a realização e necessidade fisiológica de cada um. A Maria e o Manuel trazem até nós a visão que é possível repensar e redescobrir a sexualidade na “idade madura”, mesmo quando existem limitações como as decorrentes do aparecimento da fibromialgia e da disfunção erétil.

SOFRIMENTO NA DOENÇA CRÓNICA – REVISÃO DA LITERATURA

Susana Batista; Rosa Martins. Email: supais@hotmail.com

Introdução: De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde, estima-se que até ao ano de 2050, o número de idosos irá quadruplicar, tal como a necessidade de prestação de cuidados a longo prazo. Podemos prever assim uma maior afluência de população idosa aos hospitais portugueses portadores de doença crónica, o que nos traz novos desafios. No contexto de doença crónica, parece-nos consensual afirmar que o sofrimento é uma realidade vivida e compete ao enfermeiro facilitar a adaptação do doente e família à nova condição. Que formas de sofrimento são experienciadas pelas pessoas portadoras de patologia crónica?
Objetivo: Conhecer os resultados dos estudos que foram produzidos nos últimos 5 anos sobre a temática do sofrimento e a ajuda prestada pelos Enfermeiros.
Material e métodos: Para a concretização do nosso objetivo efetuámos uma revisão da literatura em bases dados referenciais. Os artigos foram analisados tendo em conta os objetivos, participantes, momentos de recolha de dados, instrumentos utilizados, resultados obtidos considerando as variáveis que possam integrar a vivência do sofrimento na doença crónica.
Resultados: Observou-se no que se reporta ao sofrimento na doença crónica, uma produção limitada, tendo sido analisados 11 artigos de periódicos e dissertações de mestrado em língua portuguesa 5 artigos de periódicos internacionais em língua inglesa. As metodologias utilizadas são do tipo qualitativo e quantitativo.
Conclusão: Os resultados dos estudos incluídos abordam a temática do sofrimento em várias perspetivas: sofrimento físico relacionado com a dimensão biológica da doença; sofrimento psicológico que se confronta com as possibilidades de cura; sofrimento sócio relacional manifestado essencialmente pela ausência de apoio familiar/social, problemas económicos e solidão; sofrimento existencial com a procura de sentido de vida, espiritualidade e prática religiosa; experiências positivas de sofrimento; estratégias de adaptação e expectativas futuras. Mostram ainda que a ajuda dos Enfermeiros é fundamental uma vez que a doença crónica implica mudança de estilo de vida que pode conduzir a uma luta interior silenciosa. É necessário que a intervenção de enfermagem vá ao encontro das necessidades espirituais de modo a facilitar a procura de equilíbrio e significado de experiências de vida, no entanto é identificada falta de investimento nesta área. É também salientada a necessidade de cuidar com compaixão e de integrar os cuidados paliativos no cuidado ao idoso com doença crónica com vista na melhoria da sua qualidade de vida. Em conclusão, torna-se fundamental para a prática de enfermagem a compreensão desta problemática uma vez que pode permitir potenciar ganhos em saúde, garantindo à pessoa com doença crónica um processo de transição saudável.

SOFRIMENTO NA DOENÇA CRÓNICA – REVISÃO DA LITERATURA

Susana Batista; Rosa Martins. Email: supais@hotmail.com

Introdução: De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde, estima-se que até ao ano de 2050, o número de idosos irá quadruplicar, tal como a necessidade de prestação de cuidados a longo prazo. Podemos prever assim uma maior afluência de população idosa aos hospitais portugueses portadores de doença crónica, o que nos traz novos desafios. No contexto de doença crónica, parece-nos consensual afirmar que o sofrimento é uma realidade vivida e compete ao enfermeiro facilitar a adaptação do doente e família à nova condição. Que formas de sofrimento são experienciadas pelas pessoas portadoras de patologia crónica?
Objetivo: Conhecer os resultados dos estudos que foram produzidos nos últimos 5 anos sobre a temática do sofrimento e a ajuda prestada pelos Enfermeiros.
Material e métodos: Para a concretização do nosso objetivo efetuámos uma revisão da literatura em bases dados referenciais. Os artigos foram analisados tendo em conta os objetivos, participantes, momentos de recolha de dados, instrumentos utilizados, resultados obtidos considerando as variáveis que possam integrar a vivência do sofrimento na doença crónica.
Resultados: Observou-se no que se reporta ao sofrimento na doença crónica, uma produção limitada, tendo sido analisados 11 artigos de periódicos e dissertações de mestrado em língua portuguesa 5 artigos de periódicos internacionais em língua inglesa. As metodologias utilizadas são do tipo qualitativo e quantitativo.
Conclusão: Os resultados dos estudos incluídos abordam a temática do sofrimento em várias perspetivas: sofrimento físico relacionado com a dimensão biológica da doença; sofrimento psicológico que se confronta com as possibilidades de cura; sofrimento sócio relacional manifestado essencialmente pela ausência de apoio familiar/social, problemas económicos e solidão; sofrimento existencial com a procura de sentido de vida, espiritualidade e prática religiosa; experiências positivas de sofrimento; estratégias de adaptação e expectativas futuras. Mostram ainda que a ajuda dos Enfermeiros é fundamental uma vez que a doença crónica implica mudança de estilo de vida que pode conduzir a uma luta interior silenciosa. É necessário que a intervenção de enfermagem vá ao encontro das necessidades espirituais de modo a facilitar a procura de equilíbrio e significado de experiências de vida, no entanto é identificada falta de investimento nesta área. É também salientada a necessidade de cuidar com compaixão e de integrar os cuidados paliativos no cuidado ao idoso com doença crónica com vista na melhoria da sua qualidade de vida. Em conclusão, torna-se fundamental para a prática de enfermagem a compreensão desta problemática uma vez que pode permitir potenciar ganhos em saúde, garantindo à pessoa com doença crónica um processo de transição saudável.

UMA VIDA, MUITAS VOLTAS, MUITAS HISTÓRIAS: OS SABERES DA PESSOA IDOSA NA PROMOÇÃO DO SEU BEM ESTAR E DA LITERACIA CIENTÍFICA DAS CRIANÇAS

Dolores Estrela Alveirinho, Helena Margarida Tomás, Margarida Afonso, Paula Esteves e Raquel Correia. Email: helenatomas@ipcb.pt

OBJETIVO: Defendendo-se a ideia de que “Nunca é tarde para aprender, nunca é tarde para ensinar” pretende-se com esta comunicação dar a conhecer e analisar o impacto de uma prática educativa desenvolvida a partir dos saberes de pessoas idosas no âmbito das atividades do Ciência, Tradição e Cultura – Centro de Recursos de Ideias e Materiais da Escola Superior de Educação de Castelo Branco (CT&C do IPCB/ESE).
METODOLOGIA: Predominantemente qualitativa, decorreu em duas fases: 1ª) Recolha de histórias de vida de pessoas idosas, por um estudante do curso de Serviço Social; 2ª) Planificação de ateliês com base na informação recolhida sobre tradições e sua implementação com crianças, por estudantes do curso de Educação Básica, para exploração científica dessas tradições.
Foram selecionadas 6 pessoas idosas do género feminino, institucionalizadas e provenientes do meio rural, cujas histórias de vida, recolhidas ao longo de 3 entrevistas, revelaram aspetos profissionais ligados a tradições que foram objeto de análise de conteúdo. A avaliação dos ateliês implementados foi realizada através de dados recolhidos da análise de conteúdo de desenhos e de grelhas de observação das crianças e das reflexões dos estudantes.
Participaram cerca de 120 crianças do pré-escolar e do 1º CEB, 1 futuro assistente social e 12 futuros educadores de infância/professores.
RESULTADOS: O trabalho de reminiscência permitiu às pessoas idosas reativar episódios do passado pessoal, relembrando conhecimentos e vivências ligados às tradições, e contribuiu para as ajudar a manter a sua própria identidade e aumentar a sua autoestima. Quanto às crianças, à futura assistente social e aos futuros educadores de infância/professores o ganho foi também muito positivo. Ficaram a conhecer mais e melhor sobre saberes ancestrais, os quais contribuem de forma muito determinante para a preservação e valorização da sua identidade cultural. Ao CT&C coube o papel de “movimentar a engrenagem” entre os saberes dos seniores, as práticas dos estudantes e o fazer ciência com crianças.
CONCLUSÃO: A prática, desenvolvida a partir do reconhecimento do importante papel educativo que as narrativas de pessoas idosas têm, permitiu a aproximação de gerações e o estabelecimento de um diálogo entre os saberes das pessoas idosas e os da escola, contribuindo para promover o bem-estar das pessoas idosas, a literacia científica das crianças e o desenvolvimento de boas práticas dos futuros profissionais, numa lógica de efetiva complementaridade.

UNIDADE ORTOPEDIA GERIÁTRICA

Carlos José Martinez evangelista. Email: ce.cortopedica@gmail.com

Sumário Executivo: O autor apresenta o seu trabalho nos últimos 4 anos relativo à 1 unidade de ortopedia geriatrica em Portugal no Hospital de Santana, onde se privilegia a qualidade de bem servir quem de nós precisa, falamos dos doentes de grande idade, seniores, que com um projecto multidisciplinar, lhes permite reintegrar a sociedade depois de um acidente , queda , do qual resultou uma fractura , e que a decisão terapêutica foi e é fundamental para a sua reinserção social. Plena de valores , plena de funcionalidade e de apoio ao grupo familiar. Assim uma fractura do colo fémur não implica , degradação, letargia,internamento num lar. Uma fractura pode ser o continuar de vida com mais querer, com mais bem estar. Tudo depende da decisão e da equipa ,que vocacionada para o efeito, presta cuidados muitidisciplinares e de primeira linha.
O projecto sendo inédito, merecia divulgação e alargamento a todas as unidades hospitalares.

O TOQUE

Maria Aucineia Ferreira. Email: mariaaucineia@gmail.com

Quero em primeiro lugar agradecer esta oportunidade para transmitir as minhas ideias e experiências de vida com os mais idosos.
Iniciei minha carreira profissional através da licenciatura em Educação Física e, posteriormente, a especialização em Gerontologia-Clínica, Saúde Mental, Aperfeiçoamento em Atividade Física para Pessoas Especiais e atualmente Cuidados Paliativos.
Ao longo deste percurso, a partir do meu trabalho de voluntariado e estágio com pessoas na faixa etária acima dos 75 anos, aprimorei meus conhecimentos e enriqueci minha condição humana, pois aprendi muito com os idosos.
Percebi nessas pessoas – que na sua maioria vivem sozinhas – que carregam consigo uma vida cheia de histórias, cheia de silêncio, onde o passado não é notado e a sua imagem é ignorada… Acabam por se tornar frios por querer ser ouvidos e não ter com quem falar…
Existe na sociedade um sentimento de incapacidade de resposta e simplesmente um não saber “estar” com eles, fazer-se presente por alguns instantes, por alguns momentos preciosos.
A minha resposta a este dilema é simples: AMAR! Simplesmente amar…
Ao longo dos anos estudei o Envelhecimento desde o nascer até o processo da Retrogénese, mas na maioria das vezes esta intervenção destinava-se a população da 3ª idade, esquecendo-se dos mais necessitados, aqueles que valentemente passaram dos 75, 80 anos.
A partir daí passei a dedicar o meu trabalho e coração a estas pessoas e espero poder passar um bom exemplo para que os mais jovens e adultos, nas suas diferentes áreas profissionais ou de interesse possam também contribuir com o que sabem, porque para fazer um idoso feliz, não é preciso palavras; basta um pequeno “TOQUE” que o fará sentir o calor do seu amor através da sua pele.
Certa vez, numa instituição na região de Oeiras, havia um idoso cadeirante que já não falava e não tinha mais vontade de viver. Estava constantemente de cabeça inclinada a pensar… em “nada”? Fui ao encontro dele e toquei o seu rosto com o dorso das minhas mãos. Ele levantou a cabeça muito lentamente, olhou para mim e sorriu com os olhos cheios de lágrimas…
O que importa é a nossa persistência em buscar dia melhor para aquele que esta distante. Aprendendo com a dor e com as lágrimas, aprendemos a felicidade, pois são elas que fortalecem nosso espírito e nos mostram o quanto sorrir e viver em paz é importante.
No fundo, toda a sociedade pode ajudar mais os idosos, com um simples “TOQUE”, é capaz de transmitir carinho, dedicação e amor pelo outro.

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E DOENÇA ISQUÉMICA CARDÍACA NO CONTEXTO DO ENVELHECIMENTO
Matilde Rosa; Paulo Nogueira; Andreia Costa matilderosa@dgs.pt; paulo.nogueira@dgs.pt; andreiasilva@dgs.pt

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS NO CONTEXTO DO ENVELHECIMENTO
Matilde Rosa; Andreia Costa; Cristina Bárbara; Elisabete Gomes; Paulo Nogueira. matilderosa@dgs.pt; paulo.nogueira@dgs.pt; andreiasilva@dgs.pt

TERAPIA VIRTUAL PARA TRATAMENTO DE NOMEAÇÃO DE PALAVRAS
Alberto Abad; AnnaPompili; Pedro Fialho; Isabel Trancoso. alberto.abad@l2f.inesc-id.pt

QUALIDADE DE VIDA E (IN)CAPACIDADE FUNCIONAL DE ADULTOS IDOSOS PORTUGUESES
Catarina Isabel Mendes Portela cimportela@gmail.com

ESTADO NUTRICIONAL E AVALIAÇÃO GERIÁTRICA GLOBAL INTEGRADA

Marisa Cebola; Amália Botelho marisa.cebola@estesl.ipl.pt

A (IN)CAPACIDADE DOS IDOSOS PARA GERIR A SUA MEDICAÇÃO
Ana Margarida Advinha; Manuel José Lopes; Sofia de Oliveira Martins ana.advinha@gmail.com

Terapia Virtual para Tratamento de Nomeação de Palavras

Alberto Abad, Anna Pompili, Pedro Fialho e Isabel Trancoso L2F – Laboratório de sistemas de Língua Falada, INESC-ID Lisboa Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa
José Fonseca, Gabriela Leal, Luisa Farrajota e Isabel Pavão Martins Laboratório de Estudos de Linguagem, Fac. de Medicina da Univ. Lisboa

A afasia é uma perturbação de linguagem resultante de uma lesão cerebral que compromete vários aspectos da comunicação, nomeadamente a expressão oral, a compreensão de linguagem, a leitura e a escrita. Uma das causas mais frequentes são os Acidentes Vasculares Cerebrais que atingem predominantemente idosos com mais de 65 anos, sendo que apenas um terço dos episódios ocorre antes dos 55 anos. De facto, o número de pessoas que sofrem acidentes vasculares cerebrais aumentou nas últimas décadas, estimando que em cada ano existam na EU 500.000 novos casos e 100.000 recorrências, das quais um terço apresentam alterações de linguagem. Um sintoma comum aos vários tipos de afasia é a dificuldade dos pacientes em se recordarem do nome dos objectos ou acções, apesar de saberem o que são e para que servem. Normalmente, a recuperação pode ser feita através de terapia da fala, fazendo exercícios de nomeação. No entanto, a frequência e a intensidade da terapia são factores chave na recuperação das funcionalidades de comunicação. O desenvolvimento de métodos automáticos de terapia surge assim como resposta a este problema, no qual as tecnologias da língua podem desempenhar um papel fundamental.
A VITHEA é uma plataforma on-line projectada para agir como um “terapeuta virtual” para o tratamento de pacientes afásicos. Concretamente, o sistema integra a tecnologia de reconhecimento automático de fala para proporcionar exercícios de nomeação para pacientes cuja capacidade de nomeação se perdeu ou ficou bastante reduzida. A solução adoptada é baseada numa abordagem que detecta a palavra-chave, de modo a validar a correcção do que foi dito pelo paciente. O programa fornece um feedback tanto escrito como oral, através de mensagens de voz produzidas por um agente animado usando um sintetizador de fala. A aplicação permite a fácil adição de novos exercícios de terapia, e fornece ferramentas para os terapeutas monitorizarem remotamente a recuperação dos pacientes. Esta flexibilidade permite a adaptação dos exercícios a vários perfis de pacientes, de forma a aumentar a sua motivação.
A plataforma VITHEA é o resultado do esforço conjunto do Laboratório de sistemas de Língua Falada do INESC-ID (L2F) e do Laboratório de Estudos de Linguagem da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (LEL), no contexto das actividades de um projecto financiado pela FCT, concluído no início de 2013. A expansão para plataformas móveis (Android) e para adaptar a outras doenças que afectam os idosos é um dos objectivos desta equipa multidisciplinar em futuros projectos. Mais informações estão disponíveis em http://www.vithea.org.

Qualidade de Vida e (In)Capacidade Funcional de Adultos Idosos Portugueses

Catarina Isabel Mendes Portela
Resumo: O presente estudo teve como principal objectivo a determinação das relações existentes entre a qualidade de vida (QdV) e a (in)capacidade funcional, numa amostra de adultos idosos portugueses (N = 51). Adicionalmente, pretendeu-se analisar o impacto de outras variáveis na QdV e na funcionalidade dos sujeitos idosos, tais como a situação de vida, o funcionamento cognitivo, a sintomatologia depressiva, a percepção subjectiva de saúde e a idade. Os resultados desta investigação confirmaram a relação entre QdV e funcionalidade, sendo estatisticamente significativa a relação entre a faceta Participação Social do WHOQOL-OLD e o resultado global do IAFAI; assim como na faceta Autonomia, a qual manifestou alguma relação com a capacidade funcional, apesar de não ser significativa. Deste modo, concluímos que uma capacidade funcional comprometida manifesta-se negativamente na QdV, através do impacto na capacidade dos sujeitos para participarem em actividades de vida diária (AVD), especialmente na comunidade (Participação Social) e, também, de viverem de forma autónoma e tomarem decisões (Autonomia). Ainda, o presente estudo permitiu constatar que: a situação de vida permite diferenciar os sujeitos, em termos de QdV e de capacidade funcional (com os sujeitos institucionalizados a apresentar menor qualidade de vida e maior comprometimento da funcionalidade, comparativamente aos da comunidade); a presença de sintomatologia depressiva, um funcionamento cognitivo empobrecido e a percepção subjectiva de saúde (dimensão Doente), estão associados a uma capacidade funcional comprometida; por fim, não se observou um maior comprometimento funcional significativo associado ao avançar da idade, ao contrário do que é observado na literatura.
Palavras – chave: Qualidade de vida, adultos idosos, (in)capacidade funcional.

Abstract: The main aim of this study was to determine the relation between quality of life (QoL) and functional (in)capacity in a sample of old adults (N = 51). Additionally, it was intended to define the impact of other variables in QoL and functionality of old adults, such as situation of life, cognitive functioning, depressive symptomatology, subjective perception of health and age. The results of this investigation confirm the relation between QoL and functionality, namely, with a statistically significative correlation between the WHOQOL-OLD’s Social Participation facet and the global result in IAFAI, with a statistically significant correlation; as well as on the facet Autonomy, which manifested some relation with functional capacity, even though it was not significant. Thus, we deduce that an impaired functional capacity manifests in a negative way in QoL, through the impact on the subjects’ capacity to participate in activities of daily living (ADL), especially in community (Social Participation) as well as through their capacity to live in a autonomous way and taking decisions (Autonomy). Further, this study enabled to explore that: the situation of life variable differentiated subjects in terms of QoL and functional capacity (with institutionalizated ones presenting lower QoL and lower functional capacity); depressive symptomatology, poor cognitive functioning and subjective perception of health (dimension Ill) are associated with disability; lastly, we perceived that functionality does not decrease significantly with aging, contrary to what is reported in the literature.
Key Words: Quality of life, elderly, functional (in)capacity.

Estado Nutricional e Avaliação Geriátrica Global Integrada – uma abordagem de deteção de vulnerabilidade na pessoa idosa

Marisa Baeta Cebola1, Amália Botelho2
1
2
– Faculdade de Ciências Médicas – Área de Ensino e Investigação de Medicina Clínica – Universidade Nova de Lisboa
Correspondência: Marisa Cebola –– Av. D. João II Lote 4.69.01, 1990-096 Lisboa –
marisa.cebola@estesl.ipl.pt
O processo de senescência, origina alterações a nível dos sistemas e órgãos, nomeadamente, sistema visual, sensorial,1 gastrointestinal2 e musculo esquelético que condicionam não só a selecção e preparação dos alimentos, bem como paladar, digestão e absorção, e aquisição dos alimentos, contribuindo para a prática de um padrão alimentar monótono e aporte desequilibrado de nutrientes fundamentais ao organismo.
O processo de senescência deve ser encarado como uma síndrome geriátrico, em que há diminuição da massa isenta de gordura – sarcopénia3 e aumento da massa gorda – sarcobesidade,4 nas quais o papel da dietética e nutrição é fundamental. A perda progressiva da massa magra corporal, da função muscular5 e redução da densidade óssea,6,7 é responsável, entre outras, pelo aumento de quedas8 enquanto que o aumento e redistribuição de massa gorda, predispõe para o aumento do risco de desenvolvimento ou agravamento de doenças crónicas, nomeadamente hipertensão arterial doença cardio e cerebrovascular, diabetes mellitus e hiperlipidémias.9
Os profissionais de saúde não estão ainda devidamente alertados para a deteção atempada de situações de risco nutricional/desnutrição na pessoa idosa e para o síndrome geriátrico, sendo imprescindível criar estratégias para a diminuição da prevalência da desnutrição a nível das instituições e promoção da avaliação geriátrica global integrada.
Desde 2005 que a European Nutrition for Health Alliance (ENHA)10 adverte que a desnutrição na pessoa idosa é considerada um problema de saúde pública, que permanece em grande parte por diagnosticar e por tratar. Está descrito que a sua
– Área Científica de Dietética – Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

prevalência ronda os 40% a nível de instituições hospitalares, 40% em unidades residenciais e cerca de 5 a 10% na pessoa idosa que reside no próprio domicílio ou com os familiares.11,12 A desnutrição, quando associada a situações de doença é frequentemente responsabilizada pelo aumento da morbilidade, aumento dos gastos em saúde, diminuição da qualidade de vida e aumento da mortalidade na população em geral e com maior relevância na população idosa.13 As situações de desnutrição na pessoa idosa, podem ser responsáveis por alterações a nível da composição corporal e da função, nomeadamente: 1) perda ponderal; 2) diminuição da massa magra com consequente deterioração da função respiratória e aumento do risco de desenvolvimento de infeções respiratórias, aumento de quedas; 3) alteração da função cardíaca; 4) diminuição da resposta imunitária, com aumento da prevalência de infeção; 5) diminuição do poder de cicatrização, com consequente aumento do risco de desenvolvimento de úlceras de pressão; 6) sensação de cansaço generalizado, com diminuição do apetite; alterações psicossociais, que podem conduzir a estados de depressão e de isolamento social.14-19 Podem também estar na origem do aumento da necessidade de cuidados de saúde e sociais, e pela diminuição dos resultados clínicos espetáveis, com consequente aumento do tempo de internamento e da mortalidade.20,21 Mundialmente, têm sido propostas guidelines para a identificação do risco/ avaliação nutricional, bem como medidas para a sua prevenção e tratamento. A nível europeu a ENHA, está a unir esforços para que sejam implementadas políticas a nível europeu em relação à desnutrição.22 Estas entidades acreditam que uma intervenção nutricional adequada e devidamente planeada deve ser parte integrante das políticas de saúde e da prestação de cuidados de saúde.23
Avaliação Geriátrica Global Integrada, surge como uma forma de responder à necessidade de definição de estratégias com foco na deteção de situações de doença aguda/ crónica mais prevalentes, e deve integrar um conjunto diverso de valências profissionais, com o objetivo de promover a saúde, autonomia, independência e qualidade de vida.24 Constitui desejavelmente uma prática multidimensional, sistemática, de caracterização do estado clínico, nutricional, funcional, qualidade de vida e aspetos sociais, na pessoa idosa.25
A nível internacional, Avaliação Geriátrica Global Integrada não é uma temática nova, ela já foi relatada por vários autores em diversos estudos científicos, reveladores da sua consistência como abordagem estruturada e aplicada, das quais ilustramos alguns dos que são marcantes.
Entre os pioneiros destaca-se Rubenstein e colaboradores, 26 1979, ao publicaram um estudo em que relataram a realidade de uma unidade de avaliação geriátrica de ambulatório, no Sepulveda VA Medical Center em Los Angeles USA. Ao utilizarem
uma abordagem multidisciplinar verificaram que conseguiam detetar atempadamente complicações da doença, administravam menos fármacos, e melhoravam a independência, diminuindo a exigência dos cuidados de saúde. Os autores concluíram sobre a importância da avaliação geriátrica global e apontaram a necessidade da elaboração de mais estudos desta natureza.26
Epstein e colaboradores,27 1987 os resultados de um estudo também pioneiro, efetuado em 104 unidades geriátricas, numa amostra de 542 doentes. Os autores consideraram a abordagem multiprofissional teve um benéfico para os doentes, no entanto, consideraram ser necessário a realização de mais estudos, em que fosse que avaliado o binómio custo-eficácia.28
Stuck e colaboradores,29 1993, publicaram uma meta-análise de 28 estudos com uma amostra total de 4.959 indivíduos. Os autores concluíram que a Avaliação Geriátrica Global Integrada teve um efeito positivo significativo na mortalidade, na autonomia e nas funções física e cognitiva dos indivíduos, realçando-se a sua importância e aplicabilidade.29
Ellis e colaboradores,30 2011 publicaram uma meta-análise de 20 estudos controlados randomizados com um n total de 10.427 idosos hospitalizados, em que ficou demonstrada a vantagem da sua utilização na prática clínica ou em outras unidades próprias para a pessoa idosa. Ficou também patente a noção do benefício em relação à mortalidade a curto prazo e à função física e cognitiva, e evidenciada a sobrevida de média duração e com residência no domicílio. Os autores concluem que, perante a evidência da utilidade destas equipas, o desafio para o futuro será a sua implementação e a publicação de mais estudos sobre a sua eficiência.30
Em Portugal, nas estruturas da Rede Nacional de Cuidados Continuados, é aplicado um instrumento padronizado de avaliação que contempla a Avaliação Geriátrica Global Integrada. A sua utilização na caracterização dos indivíduos em trabalhos de tese de mestrado e doutoramento é uma realidade.31-33 Aguardamos que esta sua aplicação sistemática a nível assistencial, seja alvo de uma análise de natureza investigacional.34 O Núcleo de Estudos de Geriatria da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna, desenvolveu um documento em que frisa a importância da Avaliação Geriátrica Global, qual a população alvo e quais os instrumentos a serem utilizados para a avaliação das dimensões em que as pessoas idosas tendem a ser deficitárias, nomeadamente a nível físico, mental, funcional e social.35 São eles: Estado Funcional: Actividades Básicas de Vida Diária36 (Escala de Katz) e Atividades Instrumentais de Vida Diária37 (Escala de Lawton & Brody); Marcha: Classificação Funcional da Marcha de Holden;38 Estado Afectivo: Escala de Depressão Geriátrica de Yesavage – versão 15 itens39;
Estado Cognitivo: Mini-Mental State Examination (MMSE) de Folstein;40 Estado Nutricinonal: Mini-Nutritional Assessment.41,42 A primeira Consulta de Geriatria portuguesa a utilizar a avaliação geriátrica global foi da responsabilidade do Professor Doutor Gorjão Clara, em que a sua equipa era constituída por um médico, enfermeiro, psicólogo, dietista/nutricionista, fisioterapeuta, farmacêutico e assistente social, na perspetiva de responder às necessidades dos utentes da área de influência do Centro Hospitalar Lisboa Norte, incluindo a eventualidade de apoio domiciliário.
Em 2013, a Professora Doutora Amália Botelho, introduziu uma unidade curricular opcional na licenciatura em medicina da Faculdade de Ciências Médicas de Universidade Nova de Lisboa, em que delineou o ensino e aprendizagem da Avaliação Geriátrica Global Integrada em pessoas idosas institucionalizadas em unidades hospitalares, cuidados continuados, e lares, bem como a sua aplicabilidade em centros de saúde.
A realidade relatada por todos os profissionais de saúde envolvidos na Avaliação Geriátrica Global Integrada traduz que a sua prática constitui um método eficaz na redução da morbilidade e mortalidade da pessoa idosa. A sua prática é formalmente recomendável, devendo ser aplicada por equipas multiprofissionais, de acordo com a diversidade de competências necessárias e disponíveis.
A nível das unidades hospitalares, cuidados continuados, lares e centros de saúde, recomenda-se que a Avaliação Geriátrica Global Integrada seja protocolada como rotina para a prática assistencial, sob registo único. Esta avaliação deveria ser realizada idealmente na admissão, ou o mais precoce possível (24 horas, 48 horas ou até às 72 horas) uma vez que a precocidade da avaliação e intervenção potencia os resultados favoráveis.10

Referências Bibliográficas
1Boyce JM, Shone GR. Effects of ageing on smell and taste. Postgrad Med J 2006;82:239–241.
2Schiffman SS. Intensification of Sensory Properties of Foods for the Elderly. J. Nutr. 2000; 130(suppl 4):927–30S.
3Cruz-Jentoft AJ, Baeyens JP, Bauer JM, Boirie Y, Cederholmt, Landif et al. Sarcopenia: European consensus on definition and diagnosis. Report of the European Working Group on Sarcopenia in Older People. Age and Ageing 2010; 39: 412–423.)
4Chung JY, Kang HT, Lee DC, Lee HR, Lee YJ. Body composition and its association with cardiometabolic risk factors in the elderly: A focus on sarcopenic obesity Archives of Gerontology and Geriatrics 56 (2013) 270–278.)
5Cederholm T, Cruz-Jentoft AJ, Maggi S. Sarcopenia and fragility fractures. Eur J Phys Rehabil Med. 2013 Feb;49(1):111-7.
6Baez-Franceschi D, Morley JE. Pathophysiology of catabolism in undernourished elderly patients. Gerontol Geriatr 1999;32:112-9.
7Boirie Y. Physiopathological machanism of sarcopenia. The Journal of Nutrition, Health & Aging. 2009; Volume 13, Number 8.
8Christopher S. Fry, Erin L. Glynn, Micah J. Drummond, Kyle L. Timmerman, Satoshi Fujita, Takashi Abe, Shaheen Dhanani, Elena Volpi, and Blake B. Rasmussen. Blood flow restriction exercise stimulates mTORC1 signaling and muscle protein synthesis in older men. J Appl Physiol 108: 1199–1209, 2010.
9Hughes VA. Malnutrition and ageing. Postgrad Med J 2006;82:2–8.
10http://www.european-nutrition.org/index.php/malnutrition – acedido a 10 de outubro de 2013.
11Visvanathan R. Under-Nutrition in Older People: A Serious and Growing Global Problem. J Postgrad Med 2003; 49: 352-60.

12Compan B, di Castri A, Plaze JM, Arnaud-Battandier F. Epidemiological study of malnutrition in elderly patients in acute, sub-acute and long-term care using the MNA. J Nutr Health Aging 1999;3:146-51.
13Beck AM, Balkna SUN, Fuerst P, Hasunen K, Jones L, Keller U, Melchior J-C, Mikkelsen BE, Schauder P, Sivonen L, Zinck O, ÒIEN H, Ovesen L. Food and nutritional care in hospitals: how to prevent undernutrition report and guidelines from the Council of Europe. Clinical Nutrition (2001) 20(5): 455±460.
14Kelly IE, Tessier S, Cahill A, Morris SE, Crumley A, MacLaughlin D, Mckee RF, Lean MEJ. Stil Hungry in hospital: Identifying malnutrition in acute hospital admissions. Q J Med 2000; 93:93-98.
15Hrnciarikova D, Juraskova B, Zadak Z, Hronek M. Present State of Evaluating Malnutrition in the Elderly – Analysing Indicators. Biomed Pap Med Fac Univ Palacky Olomouc Czech Repub. 2006, 150(2):217–221.
16Villareal DT, Apovian CM, Kushner RF, Klein S. Obesity in older adults: technical review and position statement of the American Society of Nutrition and NAASO, The Obesity Society. Am J Clin Nutr 2005 Nov; 82:923-34.
17Lammes E. Nutrition, energy metabolism and body composition in the frail elderly. Karolinska Institute Department of Laboratory Medicine 2007.
18Elia M. Obesity in the elderly. Obes Res 2001 Nov; 9 Suppl 4: 244S-8S.
19Hughes VA, Frontera WR, Roubeoff R, Evans WJ, Singh MAF. Longitudinal changes in body composition in older men and women: role of body weight change and physical activity. Am J Clin Nutr 2002 Aug; 76:473-81.
20Elia M. Guidelines for detection and manegement of Malnutrition. Malnutrition Advisory Group (MAG), Standing Committee of BAPEN, Maidenhead. 2000.
21Meijers MMJ, Hlfens JGR, Wilson L, Schols MGAJ. Estimating the costs associated with malnutrition in Dutch nursing homes. Am J Clin Nutr. 2012;31:65-68.
22http://www.european-nutrition.org/index.php/about – 24 de novembro de 2013.

23 http://www.european- nutrition.org/images/uploads/Nutrition_is_a_basic_need_flyer.pdf – acedido a 24 novembro de 2012.
24Stuck AE, Siu AL, Wieland GD, Adams J, Rubenstein LZ. Comprehensive geriatric assessment: a meta-analysis of controlled trials. Lancet 1993;342:1032-6.
25Stuck AE, Siu AL, Wieland GD, Adams J, Rubenstein LZ. Comprehensive geriatric assessment: a meta-analysis of controlled trials. Lancet 1993;342:1032-6.
26Rubenstein LZ, Abrass IB, Kane RL. Improved care for patients on a new geriatric evaluation unit. J Am Geriatric Soc 1981. 29(11):531-6.
27Epstein AM, Hall JA, Besdine R, et al. The emergence of geriatric assessment units. The “new technology of geriatrics”. Ann Intern Med 1987, 106:299-303.
28Epstein AM, Hall JA, Besdine R, et al. The emergence of geriatric assessment units. The “new technology of geriatrics”. Ann Intern Med 1987, 106:299-303.
29Stuck AE, Siu AL, Wieland GD, Adams J, Rubenstein LZ. Comprehensive geriatric assessment: a meta-analysis of controlled trials. Lancet 1993;342:1032-6.
30Ellis G, Whitehead MA, Robinson D, O’Neill D, Langhorne P. Comprehensive geriatric assessment for older adults admitted to hospital: meta-analysis of randomised controlled trials. BMJ 2011;343:d6553.
31Henriques A. Adesão ao regime medicamentoso em idosos na comunidade. Eficácia das intervenções de enfermagem. Curso doutoral de Enfermagem, Universidade de Lisboa, Julho 2011.
32Costa, A. A família cuidadora perante a dependência do seu familiar idoso. Mestrado em Saúde e Envelhecimento, Setembro de 2012.
33Fontes AP. A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde, um Modelo Multidimensional e Multideterminado da Funcionalidade em Idosos Assistidos na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados. Tese de doutoramento, no 3o ano de trabalhos, Faculdade de Ciências Médicas.
34Botelho A. (2011) Fernandes L, Pereira MG, Pinto LC, Firmino H, Leuschner A. (Eds.) Jornadas de Gerontopsiquiatria. “Método de Avaliação Biopsicossocial – um instrumento de deteção em saúde”. 1aEdição. Pp. 87-89. Águeda. Editora Associação de Psico Geriatria.
35 http://www.spmi.pt/docs_nucleos/GERMI_36.pdf – acedido 24 de novembro de 2013.
36Katz S, Ford AB, Moskowitz RW, et al. Studies of illness in the aged. The index of ADL A standardized measure of biological and psychosocial function. JAMA 1963, 185:914-9.
37Lawton MP, Brody EM. Assessment of older people: self-maintaining and instrumental activities of daily living. Gerontologist 1969, 9:179-86.
38Holden MK, Gill KM, Magliozzi MR. Gait assessment for neurologically impaired patients. Standards for outcome assessment. Phys Ther 1986, 66:1530-9.
39Yesavage JA, Sheikh JI. Geriatric Depression Scale (GDS): Recent evidence and development of a shorter version. Clinical Gerontologist 1986, 5:165-73.
40Folstein MF, Folstein SE, McHugh PR. Mini-mental state. A practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. Journal of psychiatric research. 1975, 12:189–98.
41Rubenstein LZ, Harker JO, Salva A, et al. Screening for Undernutrition in Geriatric Practice: Developing the Short-Form Mini Nutritional Assessment (MNA®-SF). J. Geront 2001, 56:M366-72.
42Kaiser MJ, Bauer JM, Ramsch C, et al. Validation of the Mini Nutritional Assessment Short-Form (MNA®-SF): A practical tool for identification of nutritional status. J Nutr Health Aging 2009, 13:782-8.

Doenças Respiratórias no contexto do Envelhecimento

Matilde Rosa; Andreia Costa; Cristina Bárbara; Elisabete Gomes; Paulo Nogueira

Introdução
Vivemos actualmente, em média, mais tempo que os nossos avós, mas também há cada vez menos nascimentos. Daqui resulta o envelhecimento da população. O envelhecimento da população é já uma tendência de dimensão mundial, embora seja na Europa que se localiza a maior parte das populações mais envelhecidas do mundo. A este respeito, Portugal não é, assim, um país original, embora tenha envelhecido com uma rapidez assinalável. É certo que, pelo menos a médio prazo, a população de Portugal continuará a envelhecer, o que aliás por si, pode ser entendido como uma tendência desejável, pois os factores que estão na origem deste processo estão ligados, no essencial, a progressos significativos nas condições de vida e saúde da população. Contudo, socialmente, o envelhecimento lança também desafios novos. Entre estes está o aumento de patologias de algum modo associadas à idade, como as doenças respiratórias, muitas destas também agravadas por hábitos e estilos de vida das sociedades modernas, como o stresse, o tabagismo, sedentarismo ou até a poluição ambiental.
São inúmeros os estudos que vão de encontro à temática envelhecimento. Mas são menos aqueles que focam o sector idoso na área das doenças respiratórias. O estudo das doenças respiratórias é essencial uma vez que Portugal está a confrontar-se, nos últimos anos, com um aumento do número destas doenças, situação que impõe uma necessidade crescente de cuidados. Não só o seu crescente número é preocupante como a respectiva mortalidade também o é, pois estas doenças constituem a terceira principal causa de morte em Portugal. No que diz respeito à mortalidade hospitalar, estas doenças ocupam o primeiro lugar.
Atendendo a que um grande número de doenças respiratórias se relaciona com o envelhecimento da população é expectável que o número de pessoas com doença respiratória venha a aumentar impondo ao sistema de saúde uma necessidade crescente de cuidados respiratórios. Uma análise geral da morbilidade hospitalar revela que as doenças Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC), pneumonias bacterianas e fibrose pulmonar merecem especial destaque para análise, sobretudo a nível do grupo etário idoso, devido ao seu número elevado de casos.

Material e Métodos

Neste artigo, foram analisados tanto a mortalidade como os padrões de morbilidade associados a certas doenças respiratórias, dada a importância do estudo de ambos no contexto do envelhecimento. Relativamente à mortalidade, a informação é proveniente do Instituto Nacional de Estatística (INE). Relativamente à morbilidade, os apuramentos para estas estatísticas são obtidos a partir da base de dados dos Grupos de Diagnóstico Homogéneos (GDH). Esta base de dados é anualmente posta à disposição da Direcção-Geral da Saúde (DGS) pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS). Os GDH são um sistema de classificação de doentes, onde o conjunto de bens e serviços que cada doente recebe, em função da sua patologia, é registado. Esta base de dados agrupa as patologias de acordo com a definição da Organização Mundial de Saúde (OMS). Assim, a classificação dos diagnósticos é feita tanto com base nos Grande Grupos da Classificação Internacional de Doenças- 9a Revisão-Modificação Clínica (CID 9 MC) como com base nas Grandes Categorias de Diagnóstico (GCD). É importante notar que a base de dados usada é referente apenas a episódios ocorridos nos hospitais do Sistema Nacional de Saúde (SNS) de Portugal Continental, pelo que as conclusões tiradas não devem ser generalizadas a todos os doentes nacionais. Refere-se, para este trabalho, a publicação da DGS “Portugal – Doenças Respiratórias em números – 2013”, de onde foram extraídos os dados e algumas reflexões. Neste trabalho, analisou-se retrospectivamente a morbilidade de certas doenças respiratórias, em Portugal Continental, entre 2007 e 2011. Em particular, foi dado ênfase às doenças DPOC, pneumonias bacterianas e fibrose pulmonar, devido ao seu número elevado de casos, sobretudo a nível do grupo etário idoso.
Os indicadores considerados relevantes para este estudo foram a Taxa de Mortalidade Padronizada, o número de utentes saídos e o número de óbitos, por região e grupo etário, com especial foco no grupo etário dos 65 ou mais anos. As respectivas percentagens, de utentes saídos ou óbitos pertencentes ao grupo etário 65 ou mais anos no total dos grupos etários, também foram calculadas. Os indicadores acima referidos referem-se apenas a diagnósticos principais.
Todos os cálculos presentes foram realizados utilizando o software estatístico R e a folha de cálculo do Microsoft Excel. No que diz respeito à codificação utilizada, as causas de morte são codificadas segundo a Classificação Internacional de Doenças CID10MC enquanto a morbilidade hospitalar é codificada com base na CID9MC. Em particular, os códigos utilizados para a DPOC foram 491.2 a 492.8 e 496 (CID9MC); para a fibrose pulmonar foram J60-J70; J84.1; J84.8; J84.9 (CID10MC) e 495, 500 a 508 e 515 a 516 (CID9MC); para a pneumonia foram J12-J18 (CID10MC); para as pneumonias bacterianas foram 481 a 486 e 513.0 (CID9MC).
Resultados
Relativamente à fibrose pulmonar, a sua Taxa de Mortalidade Padronizada (TMP) por 100 000 habitantes, para o grupo etário dos 65 e mais anos, aumentou consideravelmente de 25,9, em 2007, para 30,2, em 2010. Estes números merecem especial atenção sobretudo quando se olha para a Taxa de Mortalidade Padronizada total: que se situa nos 4 por 100 000 habitantes. Analisando a morbilidade hospitalar, destaca-se um número de utentes saídos por fibrose pulmonar, pertencente ao grupo etário dos 65 ou mais anos, a aumentar de 2007 para 2011. Relativamente a este grupo etário, verificou-se um aumento de 1492, em 2007, para 2465 utentes saídos, em 2011, o que corresponde a 72% e 77% do total de utentes saídos por fibrose pulmonar, respectivamente. O número de óbitos de utentes com 65 ou mais anos também aumentou consideravelmente neste intervalo temporal, de 499, em 2007, para 869, em 2011, correspondendo a 88% e 90% do total de óbitos por fibrose pulmonar. Estes valores, tanto relativamente aos utentes saídos como aos respectivos óbitos, são mais elevados no grupo etário dos 80 ou mais anos do que no dos 65 aos 79 anos. É aqui notório o peso que o envelhecimento tem na morbilidade hospitalar da fibrose pulmonar, pelo que a análise, relativamente ao grupo etário mais idoso, da sua evolução temporal assim como das suas desigualdades inerentes, não só mas também a nível regional, é de extrema importância. A nível regional, os utentes saídos por fibrose pulmonar com 65 ou mais anos são mais comuns na Região de Saúde do Norte, seguindo-se Lisboa e Vale do Tejo. No total dos 5 anos considerados neste trabalho, a região do Norte apresenta aproximadamente 35% do total do Continente, no que se refere a utentes saídos por fibrose pulmonar com 65 ou mais anos. As correspondentes percentagens são 34% para Lisboa e Vale do Tejo, 24% para o Centro, sendo o restante distribuído pelas regiões Alentejo e Algarve.
No que diz respeito à DPOC, observa-se um número de utentes saídos, pertencente ao grupo etário dos 65 ou mais anos, que diminuiu de 2007 para 2011. Relativamente a este grupo etário, verificou-se uma diminuição de 7112, em 2007, para 6687 utentes saídos, em 2011, o que corresponde a 80% e 78% do total de utentes saídos por DPOC, respectivamente. O número de óbitos dos utentes mais idosos aumentou de 2007 a 2009 (de 578 para 643, respectivamente) sendo que começou a diminuir a partir deste ano, atingindo os 549 óbitos em 2011. Comparando-se os sub-grupos etários dentro do grupo dos 65 ou mais anos, pode ver-se que o grupo dos 65 aos 79 anos apresenta mais utentes saídos por DPOC que o dos 80 ou mais anos. Este facto inverte-se quando se fala do indicador óbitos. A nível regional, tanto os utentes saídos por DPOC com 65 ou mais anos como os correspondentes óbitos são mais comuns na Região de Saúde Norte, seguindo-se Lisboa e Vale do Tejo. Entre 2007 e 2011, a região do Norte apresenta aproximadamente 38% do total do Continente, no que se refere a utentes saídos por DPOC com 65 ou mais anos. As correspondentes percentagens são 30% para Lisboa e Vale do Tejo, 26% para o Centro, sendo o restante distribuído pelas regiões Alentejo e Algarve. Relativamente à pneumonia, a sua Taxa de Mortalidade Padronizada (TMP) por 100 000 habitantes, para o grupo etário dos 65 e mais anos, é extremamente elevada apesar de ter diminuído entre 2009 e 2010 (de 202,4 para 192,9, respectivamente). Estes números revelam- se preocupantes sobretudo quando se olha para a Taxa de Mortalidade Padronizada total: entre os 23,5 e os 25,5 por 100 000 habitantes.
. Analisando a morbilidade hospitalar, verifica- se que as pneumonias bacterianas são mais comuns do que as virais no que diz respeito ao grupo etário mais idoso. Assim, só este tipo de pneumonias é merecedor de destaque no contexto da análise da morbilidade hospitalar, em particular no contexto do envelhecimento. Esta doença apresenta valores consideravelmente mais elevados que as outras consideradas neste trabalho. E, preocupantemente, estes valores, relativos a utentes com 65 ou mais anos, aumentaram consideravelmente de 2007 a 2011: passando 25140 utentes para 31935. Estes valores correspondem a aproximadamente 69% e 74% do total de utentes saídos por pneumonias bacterianas, respectivamente. Paralelamente, o número de óbitos relativos a utentes com 65 ou mais anos também aumentou neste intervalo temporal, de 6192, em 2007, para 7833, em 2011. Estes valores, tanto relativamente aos utentes saídos como aos respectivos óbitos, são mais elevados no grupo etário dos 80 ou mais anos do que no dos 65 aos 79 anos. Mais uma vez se nota o peso que o envelhecimento tem na morbilidade hospitalar das doenças respiratórias, em particular na de pneumonias bacterianas. A nível regional, ao contrário do verificado para as doenças anteriormente descritas, tanto os utentes saídos com 65 ou mais anos como os correspondentes óbitos são mais comuns na Região de Saúde Lisboa e Vale do Tejo, seguindo-se a Região de Saúde do Norte. Entre 2007 e 2011, a região Lisboa e Vale do Tejo apresenta uma percentagem de utentes saídos (com 65 ou mais anos por pneumonias bacterianas) em relação ao total do continente de 34%. As correspondentes percentagens são 30% para o Norte, 29% para o Centro, sendo o restante distribuído pelas regiões Alentejo e Algarve.

Conclusões
O trabalho apresentado permite caracterizar a patologia respiratória a par com o aumento do número de pessoas com 65 ou mais anos, em particular de 80 ou mais anos, que se tem verificado em Portugal. Paralelamente, no nosso país, a mortalidade por doenças respiratórias constitui a terceira principal causa de morte, não evidenciando uma tendência decrescente nos últimos anos. Atendendo a que um grande número de doenças respiratórias se relaciona com o envelhecimento da população é expectável que o número de pessoas com doença respiratória venha a aumentar impondo ao sistema de saúde uma necessidade crescente de cuidados respiratórios. Algumas doenças respiratórias merecem especial reflexão, sobretudo na área do envelhecimento, dado os seus elevados valores. Entre elas está a fibrose pulmonar, cuja Taxa de Mortalidade Padronizada (TMP) por 100 000 habitantes, para o grupo etário dos 65 e mais anos, aumentou consideravelmente de 25,9, em 2007, para 30,2, em 2010. Estes números merecem especial atenção sobretudo quando se olha para a Taxa de Mortalidade Padronizada total. No contexto da morbilidade hospitalar, deparamo-nos com um número de utentes saídos por fibrose pulmonar, pertencente ao grupo etário dos 65 ou mais anos, que aumentou de 2007 para 2011. Paralelamente, o número de óbitos também aumentou consideravelmente neste intervalo temporal.. A nível regional, os utentes saídos por fibrose pulmonar com 65 ou mais anos são mais comuns na Região de Saúde Norte, seguindo-se Lisboa e Vale do Tejo. O mesmo facto se verifica quando se analisa a distribuição geográfica dos casos de DPOC. Quando se analisa esta última doença, depara-se com um número de utentes saídos, pertencente ao grupo etário dos 65 ou mais anos, que diminuiu de 2007 para 2011. Por último, a pneumonia apresenta uma Taxa de Mortalidade Padronizada (TMP) por 100 000 habitantes, para o grupo etário dos 65 e mais anos, extremamente elevada apesar de ter diminuído entre 2009 e 2010. Estes números revelam-se preocupantes sobretudo quando se olha para a Taxa de Mortalidade Padronizada total. A nível da morbilidade hospitalar, verifica-se que as pneumonias bacterianas são mais comuns do que as virais no que diz respeito ao grupo etário mais idoso. Assim, só este tipo de pneumonias irá ser destacado no contexto da análise da morbilidade hospitalar, reforçado na temática envelhecimento. Esta doença apresenta valores consideravelmente mais elevados que as outras consideradas neste trabalho. E, preocupantemente, estes valores, relativos a utentes com 65 ou mais anos, aumentaram consideravelmente de 2007 a 2011. Paralelamente, o número de óbitos de utentes com 65 ou mais anos também aumentou notavelmente neste intervalo temporal. A
nível regional, ao contrário do verificado para as doenças anteriormente descritas, tanto os utentes saídos com 65 ou mais anos como os correspondentes óbitos são mais comuns na Região de Saúde Lisboa e Vale do Tejo, seguindo-se a Região de Saúde do Norte. É notório o peso que o envelhecimento tem na morbilidade hospitalar das referidas doenças, em particular nas pneumonias bacterianas, pelo que a análise, relativamente ao grupo etário dos 65 ou mais anos, da sua evolução temporal assim como das suas desigualdades inerentes, não só mas também a nível regional, é de extrema importância.
Em suma, é sabido que as pessoas vivem mais tempo, mas é importante que o façam com qualidade. Sabemos hoje muito mais que no passado em relação a comportamentos de risco, pelo que o nosso quotidiano deve passar por adoptar estilos de vida saudáveis. Mas seria importante irmos um pouco mais longe no nosso raciocínio crítico, nomeadamente poderá equacionar-se, perante novos desafios como o aumento de patologias respiratórias, outras respostas de organização menos centralizadas de oferta de cuidados orientadas para problemas de saúde que afectam de modo cada vez mais expressivo o quotidiano da vida de cada um.
Referências
BARROS, Pedro Pita, 2013, Pela Sua Saúde, Ensaios da Fundação Francisco Manuel dos Santos
ROSA, Maria João Valente, 1996, O Envelhecimento da População Portuguesa, Cadernos Público, no3, Lisboa, BPI
ROSA, Maria João Valente, 2012, O Envelhecimento da Sociedade Portuguesa, Ensaios da Fundação Francisco Manuel dos Santos
Direção-Geral da Saúde, Portugal – Doenças Respiratórias em números – 2013

Read More
EnglishFrenchPortuguese