Um estudo comparativo da aptidão física funcional e percepção da qualidade de vida entre idosos frequentadores e não-frequentadores de Universidade Sénior

Mar 3, 2015

A comparative study of the functional fitness and perception of quality of life among elderly participants and non-participants of Universities of third age

Un estudio comparativo de la condición física funcional y de la percepción de cualidad de vida entre los ancianos frecuentadores y no-frecuentadores de Universidad de la tercera edad

Authors

Biehl-Printes, Clarissa 1; Teixeira, Diogo 1; Costa, Armando 1; Pinheiro, Valter1; Sousa, Paulo 1; Cruz, Joana2; Tomas-Carus, Pablo 3

1 Departamento de Ciências do Desporto. Instituto Superior de Ciências Educativas – ISCE. Lisboa. Portugal

2 Departamento Social e Cultural.  Instituto Superior de Ciências Educativas – ISCE. Lisboa. Portugal

3  Departamento de Ciências do Desporto e Saúde, Universidade de Évora. Évora. Portugal

Corresponding Author:

Clarissa Biehl Printes, cbprintes.isce@gmail.com

Departamento de Ciências do Desporto.

Instituto Superior de Ciências Educativas – ISCE.

Odivelas, Lisboa

Author contributions

Biehl-Printes C. conceived of the study, participated in its design and coordination, analysed the data, contributed to the results discussion and wrote the manuscript; Teixeira D., analysed the data and contributed to the results discussion; Costa A., Pinheiro V., and Sousa P., contributed to the results discussion; Cruz J., participated in coordination and data collection. Tomas-Carus P., participated in the study design and coordination, and contributed to the results discussion. All authors read and approved the final manuscript.

Abstract

Objectives: To analyze the contributions of Universities of third age (U3A) through their proposed activities and effects in functional fitness and quality of life of elderly participants and non-participants.

Methods: The sample was composed of two groups: elderly participants in U3A (EPG; n=25) and elderly non-participants (ENPG; n=25). Data collection was obtained through questionnaires: one about sociodemografic characteristics and U3A attendance (General questionnaire) and another about quality of life (WHOQOL-BREF Portuguese version). Also, were applied two test of the Fullerton Tests battery (30-second chair stand and 8-food up and go).

Results: The results show statistically significant differences in attendance between women (76%) and men (24%). There is a predominance of married (68%) that attend the U3A. The educational level indicates that the EPG present more years of education (28%) and more people with higher education (24%). The main reason why the ENPG didn’t attend U3A was lack of time (44%). For lower body strength, the results showed differences between EPG and ENPG (p=0.022), in favor of EPG. No differences were observed between groups for agility/dynamic balance (p=0.977). In quality of life were observed differences between groups in the physical domain (p=0.026), with the EPG presenting higher scores that ENPG. For all the other domains, no differences were observed (all p>0.050).

Conclusions: This study showed a prevalence of attendance of women to U3A and that the enrolled elderlies have more previous years of schooling. The elderly participants in U3A showed better physical domain than non-participants. However, in other domains were not found differences between participants and non-participants. For future studies, it is proposed that the sample should encompass groups with higher age range that may produce results with new interpretations.

Keywords: active aging; university of third age, functional fitness, quality of life.

 

Resumo

Objetivos: Analisar as contribuições da Universidade da Terceira Idade (UTI) através de suas atividades propostas e os efeitos na aptidão funcional e qualidade de vida dos idosos participantes e não-participantes.

Métodos: A amostra foi composta por dois grupos: idosos participantes na UTI (GIP; n=25) e idosos não-participantes (GINP). A coleta de dados foi obtida por meio de questionários: um sobre as características sóciodemográficas e particpação na U3A (questionário geral) e outro sobre a qualidade de vida (WHOQOL-BREF versão Portuguesa). Além disso, foram aplicados dois testes da bateria Fullerton Tests (30-chair stand and 8-food up and go).

Resultados: Os resultados mostraram diferenças estatísticas significativas na participação entre as mulheres (76%) e homens (24%). Há um predomínio de casados (68%) dos idosos que participam na U3A. O nível de escolaridade indica que os idosos do GIP apresentam mais anos de escolaridade (28%), e mais idosos com ensino superior (24%). A principal razão pela qual o GINP não adere a U3A está associada à falta de tempo (44%). Para aptidão física funcional, os resultados mostraram diferenças entre o GIP e GINP (p=0.022) para uma menor força do corpo. Não foram observadas diferenças entre os grupos para a agilidade/equilíbrio dinámico (p=0.977). Na qualidade de vida foram obeservadas diferenças entre os grupos no domínio físico (p=0.026), valores mais elevados no GIP. Para todos os outros domínios não foram encontradas diferenças (todos p>0,050).

Conclusões: Este estudo mostrou uma prevalência de participação das mulheres na U3A, e que os idosos inscritos têm mais anos e nível de escolaridade. Os idosos participantes mostraram melhor domínio físico que os não-participantes. No entanto nos outros domínios não foram encontradas diferenças. Para estudos futuros, propõe-se  uma amostra  com uma faixa etária mais elevada, de modo a possibilitar outro tipo de resultados sujeitos a novas interpretações.

Palavras chaves: envelhecimento ativo, universidade sénior, aptidão física funcional, qualidade de vida.

 

Introduction

World population age has arisen in the last decades. Despite this, several conquests were made in modern societies as a mean to adjust to this new social paradigm. It is possible to observe that these populations are experiencing the challenge of an active aging. It is commonly accepted that a person with 65 or more years old is considered an elderly individual (3rd age), but new definitions arise in order to adjust to the prolonged life expectancy and to better distinguish among the vast amplitude previously existing. For this matter, a new stratification now seems to be consensual, ranging between 80-85 or more years (i.e. 4th age) ( Formosa, 2012; Stathi & Simey, 2007).

In Europe changes in this age group has been a matter of concern and interest for more than 40 years, in which France stood as one of the countries to boost successful aging trough higher education institutions (Cachioni, 2012; Lemieux, Boutin, Snachez & Riendeau, 2003). In the 70’s Portugal, alongside France, implemented the concept and practice of free time associations denominated Universities of 3rd Age (U3A) or Senior Universities (SU), but adopted an English structured model based in non-profit associations or self-organized groups, with non-formal education, differing from the French model associated with formal Universities (Jacob, Jesus & Sampaio, 2012; Lemieux et al., 2003; Pinto, 2003).

Gradually, the chronologic concept adopted by U3A and SU in the 60’ and 70’ decades that referred this association as a socio-educative response to individuals starting 50 years of age, has been weakened by the senescence age attributed in the 80’ decade by OMS of 60 and 65 years (Jacob et al., 2012; OMS, 1980; ONU, 1982). However, that socio-educative response, targeting the creation and dynamization of regular social, cultural, educational, physical and socializing activities reflect a perfect integration of the previously framework if the active aging concept previously proposed by OMS (1990), that envisions as a major objective to create opportunities to optimize conditions to health, participation and security, that may allow the quality of life as people become older (Jacob et al., 2012; WHO, 2002).

Data from Portuguese senses tends to show a crescent trend in the number of people with more than 65 years (19.1% of the population), surpassing that of young (15%), accentuating the verified trend in 2001 senses (Carrilho & Patrício, 2010). Due to the evidence that elderly people are increasing, it becomes even more relevant to stimulate programs and politics of healthy aging, assuring the continuities of a productive, healthy and quality life. Therefore, the concept of quality of life in the advanced age is considered as one of main indicators to evaluate the condition of life of the elderly, involving different dimensions that encompass the optimum level of physical, mental, social, performance functioning, and satisfaction with life and their well-being (Fleck et al., 2000; Fonseca, 2005). Corroborating the perspective of a comprehensive concept of quality of life that involve a wide array of multidisciplinary perspectives (e.g. sociologic, biomedical, psychological, economical and environmental) (Walker, 2005), interested investigate the contribution that the social support networks that allow organization of 3rd age activities (i.e. U3A/SU) brings to functional health, independent life, social relations and to psychological well-being of these people. As an example, previous studies show that adherence to these organizations influence physical and psychological well being. In this sense, an association between the participation in U3A and a lower intensity depression was found (Irigaray & Schneider, 2007). The interest in physical activities practices and the pursuance of well-being was demonstrated as a determinant indicator of the U3A  participants, as for a better perception of the factors related to the environmental and psychological domains and global perception of quality of life and health in middle age and elderly people (Castro et al., 2007; Fenalti & Swartz, 2000).

To the extent of our knowledge, it seems to exist a discrepancy between the high number of U3A/SU in Portugal (over 200 registered in 2012) and scientific work published within this approach (5). Several studies are unanimous to assume the influence of an active life style with some variability of physical and cognitive activities to the promotion of the quality of the lived years (Colombe & Krower, 2003; Chou, Hwang & Wu, 2012). In these sense, the multidisciplinary set offered by U3A in physical activities, such as physical education, walking, dancing, yoga and senior bocce are normally available to elderly students.

Thus, assuming U3A as a prepared organization with a wide array of multidisciplinary opportunities with continuous and regular formation, we ought to explore these contexts and develop scientific knowledge to ensure the promotion and valorization required to continue a healthy and active aging. Therefore, in this study we propose to analyze the contributions of U3A through their proposed activities and effects in physical fitness and quality of life elderly people.

 

Material and Methods

Sample selection

For this exploratory cross-sectional study were used posters and verbal communication to call for voluntary participants in Senior University of Odivelas (SUO), integrated in Superior Institute of Educational Sciences (ISCE). Selection criteria were: men and women >65 years, elderly participants of SUO (EPG; n=25) and elderly non- participants (ENPG; n=25 – elderly friends and family of the participants of SUO – we asked participants of U3A to bring to the evaluation day a friend or family member) without cognitive and locomotors problems (we allowed the participation of elderlies that used a canadian cane). Exclusion criteria: elderly that already attending another U3A or other social organization for 3rd age (i.e. sports club, social solidarity association, inhabitant association) or those that participate in entities or organizations directed to this population (i.e. day centers, recreational collectivities, municipal services). The participants were informed of study procedures and given the informed consent to voluntary participate in the research. All were approved by the Ethics Committee of Health and Welfare of the University of Évora (Document Nº 13020) and were in accordance with the 1975 Helsinki Declaration.

Procedures and instruments

Sociodemographic characteristics, cognitive problems and adherence to the U3A

All participants were asked about the age, civil status and education level. Immediately, the Watch Design Test (Freitas & Simões, 2010) was used as exclusion criteria for cognitive problems in the elderly. Each participant was asked to make a clock (no pre-defined time), making a circle and putting the numbers in the correct position, without looking in to his watch. When finished, it is asked to put the indicators marking 10 minutes to 2 o’clock. This test is used to evaluate: visual perception, construction praxis, right hemisphere dysfunction and left hemisphere negligence. For example: small watch indicates lack of planning and inadequate positioned numbers point to executive deficit. Additionally, was analyzed the characteristics of adherence to the U3A by the senior participants. Only the EPG were asked about years attends U3A, times per week, motivational factors, intent of leaving and number of disciplines attended. The ENPG were asked about the reasons why they didn’t attend U3A.

Quality of Life

The Portuguese version of World Health Organization Quality of Life Group (WHOQOL-Bref) (Fleck et al., 2000) was applied to assess quality of life. This instrument has 26 questions divided in four domains of quality of life: physical capacity, psychological well-being, social relations and the environment where the individual is inserted. Besides these four domains, WHOQOL-Bref it is also composed by a domain that assesses global quality of life. Each domain is composed by questions where higher scores (between 1 and 5) represent better quality of life. Some characteristics, designed as facets are not formulated in a positive sense. In these cases higher scores do not mean better quality of life. Scoring is calculated by a syntax that considers answers in each question composing the domain, resulting in final scores in a scale of 4 to 20, comparable to dose of WHOQOL-100, which can be transformed in a 0 to 100 scale.

Functional fitness

For assess lower body strength and agility/dynamic balance were applied two test of Fullerton Functional Fitness Test Battery (Rikli & Jones, 1999): 30-Second Chair Stand and 8-Foot Up and Go. The 30-Second Chair Stand Test assess lower body strength, needed for numerous tasks such as climbing stairs, walking and getting out of a chair, tub or car. The elderly people should perform the maximum number of full stands that can be completed in 30 seconds with arms folded across chest. The 8-Foot Up and Go Test assess agility/dynamic balance, which is important in tasks that require quick manoeuvring, such as getting off a bus in time or getting up to attend to something in the kitchen, to go to the bathroom or to answer the phone. The elderly people should to get up from a seated position, walk 2.44 metres (8 foot) and return to seated position.

 

Statistical analysis

Normality of data was initially tested using the Kolmogorov-Smirnov test. Differences between groups were tested using Kruskal-Wallis test for continuous variables (age, functional fitness and quality of life) and Chi-square test for categorical variables (sex, civil status, educational level). For all tests the significance level was set at p<0.05. These analyses were performed in SPSS 22.0 software.

Results

Sociodemographic characteristics

Were observed significant differences between EPG and ENPG in sex, civil status and educational level. The results showed that the women’s attend more U3A than men. Also was showed that there is a predominance of married elderly that attend the institution. The educational level indicates that the elderly in the EPG present more years of education and more people with higher education (Table 1).

Additionally, we have analyzed the characteristics of adherence to the U3A by the EPG. We observed that our sample attends U3A for 3,88 ± 1,76 years with a frequency of 3,48 ± 1,12 times per week; the three more motivational factors were 1) own will – 18 (72%), 2) refer of a friend – 4 (16%) and 3) refer of family – 2 (8%); the intent of leaving U3A 1) Yes – 1 (4%) and No – 24 (96%); number of disciplines attended was 4,44 ± 1,63; the five more attended disciplines were 1) Music – 13 (52%), 2) English – 12 (48%), 3) Painting – 11 (44%), 4) Informatics – 10 (40%) and 5) Spanish – 8 (32%). We also asked the ENPG the reasons why they didn’t attend U3A, being that the three main reasons were 1) lack of time – 11 (44%), 2) does not consider an adequate ambient for themselves – 8 (32%),3) financial limitations – 3 (12%) and 4) locomotors difficulties – 1 (4%).

 

Functional fitness and Quality of life

Were showed significant differences between EPG and ENPG in lower body strength. The EPG showed more strength in the lower body. No differences were observed between groups in agility/dynamic balance. In addition, were observed differences between groups in the physical domain (p=0.026), with the EPG presenting higher scores that the ENPG. For all the other domains, no differences were observed between groups. Nonetheless, the EPG presents marginally higher scores in three other of the five non-statistically significant variables (perception of overall quality of life, psychological domain and social relationships domain) (Table 2).


Discussion

This comparative study showed that the more women go to U3A and that elderly enrolled have more previous years of schooling. The frequency engage in activities was of 3 times/week and there is no report of intention the leave the U3A after enrolling. Non-enrolled elders consider the lack of time the main cause preventing them to start in U3A. The participants in U3A showed better strength and quality of life in physical domain that non-participants in U3A. However, in all domains they present a “good” classification in quality of life.

The data presented in the sociodemographic analysis supports previous findings. The age, sex and level of education distribution in our EPG is in accordance with studies done in other countries that have functioning U3As and have demographic similarities with Portugal (Alfageme, 2007; Formosa, 2012; Mindwinter, 1996). In our study, the mean age is clearly within the 3rd age group for elderly men and women, women are the highest percentage of members in U3A and the participants have higher levels of education. This is an expected trend repeatedly presented in previous studies. This generally represents the retirement age of this population, the absence of similar services in this age group, higher life expectancies for women, and a set of secondary and post-secondary education experiences that may have influenced the motivations and pleasure associated with learning in the past, contrasting with the heavy class baggage associated with the name “university” for the owners of lower education levels (Formosa, 2012).

The U3A provides a space that has multidimensional and multidisciplinary interactions with the elderly people. The range of disciplines provided promotes an interaction that allows the training and development of physical, social, cultural and psychological domains. The combination of disciplines attended by the elderly will ultimately define the benefits obtained (Pinto, 2003). As seen in ours results, the participants in U3A tend to enrolled in the institution by self-initiative, of the thirty disciplines they attend in average 4, were the most frequented are music, painting, informatics, English and Spanish, all promoters of sedentary or light physical activity during class time. However, these activities are promoters of a high cognitive and motor-cognitive function, marked today as important to this population. Several studies have indicated that cognitive training have advantages to retard the cognitive decline in the process of healthy aging, were new technologies like computers and video games present themselves as alternatives of intervention to be expanded (Kueide, Parisi, Gross, & Rebok, 2012). Additionally, it is suggested that cognitive domain practices may bring gains in the cognitive performance of healthy elderlies that may manifest 5 years after training (Willis et al., 2006). Moreover, previous studies support the efficacy of the practice of motor coordination activities, trough gross and fine motor abilities activation, that act positively in executive functions that may seem to be independent of gains obtain by cardiovascular and strength training (Voelcker-Rehage, Godde & Staudinger, 2011; Yan & Zhou, 2009). Physical activities are presented in several disciplines and by different modalities, where students presented their preference in boccia (20%), dance (20%) and physical activities (12%), which in general shows an adherence as significant as music, languages, painting and informatics. However, bearing in mind the several possible ways to promote a healthy and active aging, it is suggested and supported the pertinence of each filed of intervention, either by cognitive abilities, motor-cognitive associated with physical exercise, physical activities, social relation, nutrition, etc., all contributing to retard the cognitive decline associated to the loss of functional independence, autonomy and quality of life (Williams & Kemper, 2010).

The participants in U3A showed better quality of life in physical domain that non-participants. This domain explores pain and discomfort, energy and fatigue and stress and rest facets (Fleck et al., 2000). From the data collected it is not possible to clearly identify the reasons behind this result. One factor that may be influencing the higher results presented in physical domain by the EPG is the lower body strength score. It is possible to observe that there were differences between groups in this parameter, in favor of EPG. However, all domains quality of life showed a classification of “good” (score ≈75 in scale 0-100), this could be due to the age (years) of the attendees 66,6 (EPG) and 67,2 (ENPG), functional and mental conditions adequate to an independent and active life that may have a low interference in quality of life. This, associated with the concept that aging is a dynamic and progressive process that involve physical, functional, biochemical, psychological and social changes that, when associated with an active healthy life style, results in a bigger longevity, described in previous studies (Castro et al., 2007; Chodzko-Zajko & Schwingel, 2009; Ferreira, Maciel, Costa, Silva & Moreira, 2012). Several studies pointed out the importance of U3A in promoting health benefits for their members (Formosa, 2012; Ordonez, Lima-Silva & Cachioni, 2011; Sonati, Modeneze, Vilarta, Maciel & Boccalett, 2011), and that there is a positive relationship between psychological wellbeing and participating in U3A with extension to other areas of life (Maniecka-Bryłaemail, Gajewska, Burzyńska, & Bryla, 2013). Additionally, EPG shows a sustained connection to U3A with the duration of 4 years, assuming a frequency of 3 times per week, reflecting the capability for retaining for a long period elderlies in activities. Continuous adherence of elderly in health promoting activities is the question of interest in this research, considered as problematic for the shift in the healthy life style (Caetano & Raposo, 2005). For this matter, it seems interesting to point out that U3A is a promoter of this change.

The present study also included limitations, which require further discussion. First, the age in the group studied may have influenced the results, regarding that they already enjoy good functional, mental and physical health, associated with quality of life. Besides, ENPG considers that they do not attended U3A mainly because of lack of time (44%), maintaining themselves active and involved in other activities, being, this way, equally active to EPG, condition that influence directly in the evaluation of quality of life. Another possible analysis to be considered on sociodemographic variables is labor situation (i.e. working; retired). The association with work and health is well documented, where labor activities are seen as having a positive role in preservation some health variables, whereas unemployment is associated with higher rates of mortality, psychiatric symptoms and worst health conditions (Arber, 1987; Janlert, 1997). Few studies had addressed this theme with elderly. Findings described on the relation of the capacity of sustaining a healthy living associated with non-formal work, sociodemographic characteristics, higher levels of schooling, health condition, autonomy and independence (Giatti, & Barreto, 2003; Marmot & Shipley, 1986). However, and in U3A context, we consider this study as pioneer in elderly and quality of life characterization.

 

Conclusion

This study showed a higher adherence of women to U3A and that elderly enrolled have more previous years of schooling. Additionally, the participants in U3A engage in activities with a weekly frequency on average of 3 times and there is no report of intention the leave the U3A after enrolling. The ENPG considered the lack of time the main cause preventing them to start in U3A. Moreover, were observed higher levels in lower body strength and physical domain in participants of U3A. However, in all domains they present a good classification in quality of life. We propose the development of studies with higher age groups, mainly because they may possess different characteristics and present results worthy of new interpretations.

 

Acknowledgements

We would like to thank Direction of Senior University of Odivelas for allow us to develop this study, and to the elderly that collaborate voluntary in this study.

 

References

 

  1. Formosa, M. (2012). Four decades of Universities of the Third Age: past, present, future. Ageing and Society, 34(1), 42-66.
  2. Stathi, A & Simey, P. (2007). Quality of life in the Fourth Age: exercise experiences of nursing home residents. Journal of Aging and Physical Activity, 15 (3), 272-286.
  3. Lemieux, A. Boutin, G. Sanchez, M. & Riendeau, J. (2003). The faculties of education in the traditional universities and the third age universities: A model of partnership. Versão policopiada. 9: 2.
  4. Cachioni, M. (2012). Universidade da Terceira Idade: história e pesquisa. Revista Temática Kairós Gerontologia, 15 (7), 01-08.
  5. Jacob, L. Jesus, A. & Sampaio, J. (2012). Universidades Seniores: criar novos projetos de vida. Lisboa: Ed. Rutis.
  6. Pinto, M. (2003). As Universidades da Terceira Idade em Portugal: das origens aos novos desafios no futuro. Revista da Faculdade de Letras – Línguas e Literaturas, 20(2), 467-478.
  7. Organización Mundial de la Salud (1980). Informe de la conferencia preparatoria de la OMS para a asamblea mundial de las naciones unidas sobre el envejecimiento. México.
  8. Organização das Nações Unidas (1982). Asamblea mundial sobre el envejecimiento. Viena
  9. World Health Organization (2002). Active ageing: A policy framework. Geneva.
  10. Carrilho, M. J. & Patrício, L. (2010). The demographic Changes in Portugal. Lisboa: National Institute of Statistics.
  11. Fonseca, A. M. (2005). O envelhecimento bem sucedido. In Paúl & A. Fonseca (Eds.). Envelhecer em Portugal.(pp. 281-311).Lisboa: Climepsi Editores:
  12. Fleck, P. A., Louzada, S., Xavier, M., Chachamovich, E., Vieira, G., Santos, L. & Pinzon V. (2000). Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Revista Saúde Pública, 34 (2), 178-83.
  13. Walker, A. A. (2005). European perspective on quality of life in old age. European Journal of Ageing, (2), 2-12.
  14. Irigaray, T. Q. & Schneider, R. H. (2007). Prevalence of depression in elderly women attending the University of Third Age. Revista Psiquiatria Rio Sul, 29(1),19-27
  15. Fenalti, R. C. & Shwartz, G. M. (2000). Universidade Aberta à Terceira Idade e a perspectiva de ressignificação do Lazer. Revista Paulista de Educação Física, 17(2),131-41
  16. Castro, P. C., Tahara, N., Rebelatto, J. R., Driusso, P., Aveiro, M. C. & Oishi, J. (2007). Influência da universidade aberta da terceira Idade (UATI) e do programa de revitalização (Revt) sobre a qualidade de vida de adultos de meia-idade e idosos. Revista brasileira de Fisioterapia, 11(6), 461-7.
  17. Colombe, S. & Kramer, A. F. (2003). Fitness effects on the cognitive function of older adults: a meta-analytic study. Psychological Science, 14, 125-30.
  18. Chou, C. H., Hwang, C.L., & Wu, Y. T. (2012). Effect of exercise on physical function, daily living activities, and quality of life in the frail older adults: a meta-analysis. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 93(2), 237-44.
  19. Freitas, S. & Simões, M, R. (2010). Teste do desenho do relógio: utilidade e validade como instrumento de rastreio cognitivo. Psicologia, Educação e Cultura, 14(2), 319-37.
  20. Rikli, R. & Jones, J. (1999) Development and validation of a functional fitness test for community-residing older adults. Journal of Aging and Physical Activity, 7,129-161.
  21. Alfageme, A. (2007). The clients and functions of Spanish university programmes for older people: a sociological analysis. Ageing & Society, 27(03), 343-361.
  22. Mindwinter, E. (1996). Thriving people: The growth and prospects of the U3A in UK. London: Third Age Trust.
  23. Pinto, M. G. (2003). The current status and future prospects of university programmes for seniors in Southern and mediterranean Europe: the case of Portugal. Revista da Faculdade de Letras “Línguas e Literaturas”, Série II, vol. 20 (1), 71-90.
  24. Kueider, A. M., Parisi, J.M., Gross, A. L. & Rebok, G. W. (2012). Computerized Cognitive Training with Older Adults: A Systematic Review. PLoS one, 7, e40588.
  25. Willis, S. L., Tennstedt, S.L., Marsiske, M., Ball, K., Elias, J., Koepke, K.M., et al. Long-term effects of cognitive training on everyday functional outcomes in older adults. Jama. 296: 2805–2814.
  26. Yan, J. H. & Zhou, C, L. (2009). Effects of motor practice on cognitive disorders in older adults. European Review of Aging and Physical Activity, 6(2), 67–74.
  27. Voelcker-Rehage. C., Godde, B. & Staudinger, U. M. (2011). Cardiovascular and coordination training differentially improve cognitive perfor­mance and neural processing in older adults. Frontiers in Human Neuroscience, 17(5), 26.
  28. Williams, K. & Kemper, S. Exploring interventions to reduce cognitive decline in aging. Journal of Psychosocial Nursing and Mental Health Services. 2010; 48(5): 42–51.
  29. Ferreira, O.G.L., Maciel, S.C., Costa, S. M. G., Silva, A.O. Moreira, M. A. S. P. (2012). Envelhecimento ativo e sua relação com a independência funcional. Texto Contexto Enferm, Florianópolis. Jul-Set; 21(3): 513-8.
  30. Chodzko-Zajko, W., & Schwingel, A. (2009). Transnational Strategies for the Promotion of Physical Activity and Active Aging: The World Health Organization Model of Consensus Building in International Public Health. Quest, 61(1): 25-38.
  31. Sonati, J., Modeneze, D. M., Vilarta, R., Maciel, E. S. & Boccaletto, E. M. (2011). Body weight as an indicator of fat-free mass in active elderly women. Maturitas, 68(4), 378-81.
  32. Ordonez, T., Lima-Silva, T. & Cachioni, M. (2011). Subjective and Psychological well-being of students of University of the third age. Benefits of continuing education for psychological adjustment in the elderly, Dementia e Neuropsychologia, 5(3), 216-225.
  33. Maniecka-Bryłaemail, I., Gajewska, O., Burzyńska, M. & Bryla, M. (2013). Factors associated with self-rated health (SRH) of a University of the Third Age (U3A) class participants. Archives of Gerontology and Geriatrics, 57(2), 156-161.
  34. Caetano, L. M. & Raposo, J. V. (2005). Atitudes dos Idosos face à Actividade Física. Cuadernos de Psicología del Deporte, Vol. 5, núms. 1 y 2.
  35. Arber, S. (1987). Social class, non-employment, and chronic illness: Continuing the inequalities in health debate. British Medical Journal, 294, 1069-1073.
  36. Janlert, U. (1997). Unemployment as a disease and disease of the unemployed. Scandinavian Journal of Work, Environment & Health, 23, 79-83.
  37. Giatti, L. & Barreto, S. M (2003). Health, work, and aging in Brazil. Cadernos de Saúde Pública, 19(3), 759-771.
  38. Marmot, M. G. & Shipley, M. J., (1996). Do socioeconomic differences in mortality persist after retirement? 25 years follow up of civil servants from the Whitehall study. British Medical Journal, 313, 1177-1180.
Read More

FORÇA MUSCULAR E COMPORTAMENTO SEDENTÁRIO EM IDOSOS MORADORES DE INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

Mar 3, 2015

Comportamiento sedentario y la fuerza muscular en ancianos residentes en instituciones para personas de edad.

Sedentary Behavior and Muscle Strength in Elderly Residents of Institutions for the Aged.

1Josivaldo de Souza Lima

2Sandra Marcela Mahecha Matsudo e

1Timóteo Leandro Araújo

 

  1. Professor de Educação Física
  2. Médica do Esporte

 

 

1 e 2Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul – CELAFISCS

Endereço: Rua Heloisa Pamplona 269, Bairro Fundação – São Caetano do Sul

Tel: 11.4229-8980

Email: josivaldoesporte@gmail.com

Email: Sandra@celafiscs.org.br

Email: timoteo@celafiscs.org.br

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Resumo

 

As instituições de longa permanência para idosos possuem características de receber o idoso e cuida, conservando seu estado de saúde. Porém sabe-se que além desses, o idoso necessita de cuidados mais amplos de saúde, que deve abranger principalmente a prevenção de doenças e a promoção de saúde por intermédio de práticas de atividade física. O objetivo desta pesquisa foi associar o número de passos e tempo em comportamentos considerados sedentários na maioria dos nos dias de semana e finais de semana com a aptidão física e funcional de moradores de longa permanência para idosos (ILPI’s).A metodologia desse estudo transversal utilizou dados do projeto talentos da maturidade Santander Senior Fit de atividade físicas coordenado pelo CELAFISCS. Este estudo utilizou dados iniciais do projeto de intervenção em atividade física de 159 adultos fisicamente inativos. A amostra é composta por dois terço eram mulheres com idade de 75(11,39). Na avaliação do número de passos utilizamos o pedômetro digital Walk por 7 dias incluindo finais de semana. Na avaliação do comportamento sedentário foi utilizado duas questões do IPAQ versão curta, validado no Brasil. Na avaliação da aptidão física e funcional foi utilizado a tradicional bateria de testes do CELAFISCS tais como: Dinamometria, flexão de braço, sentar e levantar da cadeira em 30 segundos e em 1 minuto, sentar e alcançar, Timed Up and Go, equilíbrio dinâmico e estático e velocidade normal e máxima de andar. Os resultados apontam diferenças significantes entre os grupos de número de passos somente nas variáveis flexão de braço (p=0.0047), TUG (p= 0.0022), velocidade de andar (p=0.0127). Concluímos que adultos moradores de instituição de longa permanência para idosos que passam a maior parte do dia em comportamentos considerados sedentário apresentaram piores resultados na força muscular, sendo a força um importante componente responsável pela aptidão física e saúde física e funcional. Portanto dentro de instituições com esse público é importante adotar medidas de incentivo no sentido de evitar tais comportamentos.

 

 

 

 

Abstract

Institutions for the aged have characteristics of receiving and elderly care, preserving his health. But it is known that in addition, elderly patients need more extensive care, which mainly cover disease prevention and health promotion through physical activity practices. The objective of this research was to associate the number of steps and time behaviors considered sedentary in most weekdays and weekends with the physical and functional fitness of residents for the aged The methodology of this cross-sectional study used data talents project maturity Santander Senior Fit physical activity coordinated by CELAFISCS. This study used data from the early intervention project in physical activity of 159 physically inactive adults. The sample comprised two thirds were women aged 75 (11,39). In assessing the number of steps used digital pedometer Walk for 7 days including weekends. Evaluation of sedentary behavior in two issues of the IPAQ short version, validated in Brazil was used. In assessing the functional and physical fitness was used the traditional battery of tests such as the CELAFISCS: Dynamometry, arm flexion, sitting and rising from a chair in 30 seconds and 1 minute, sit and reach, Timed Up and Go, and dynamic balance static and normal and maximum walking speed. The results indicate significant differences between groups in the number of steps only variable arm flexion (p = 0.0047), TUG (p = 0.0022), walking speed (p = 0.0127). We conclude that adults living in long-stay institutions for the elderly who spend most of the day in sedentary behaviors considered fared worse in muscle strength, the force being an important component responsible for physical fitness and physical health and functioning. So within this public institutions is important to adopt incentive measures to avoid such behaviors.

Introdução

Durante o processo de envelhecimento é comum com o avançar da idade cronológica o ser humano se torna menos ativo fisicamente Gobbi Sebastião et al. (2013) e Matsudo Sandra et al (2002). A diminuição das atividades da vida diária comumente acontece em todos os indivíduos, independente do sexo, classe econômica, cor, etnia. Matsudo Sandra et al (2002). O impacto da diminuição de atividades físicas acomete o indivíduo como um todo e em diferentes variáveis, entre elas a aptidão física. Petroski Elio (2012). Esse processo acontece em pessoas que ainda convivem com seus familiares e com amigos na vizinhança de forma independente e com maior impacto em pessoas institucionalizadas. Oliveira Paulo e Inês Echenique (2012). O efeito da diminuição das atividades físicas “sedentarismo” pode ser ainda mais devastador neste grupo, sendo as principais causas de novas doenças, aumento no número de quedas e complicações por doenças crônicas já existentes. Santana Pereira e Ialuska Guerra (2010), Costa Jimena, Wagner Ricardo e Oliveira Lisangela (2012) e Benedetti Tânia (2010).  A manutenção das atividades da vida diária pode implicar na preservação da força muscular que em pessoas na condição de moradora de instituições de longa permanência para idosos as ILPI’s podem interferir positivamente nas capacidades físicas e funcionais que esse idoso necessita para continuar a ser independente funcional. Ribeiro Luciana, Neri Anita, (2012).

A participação em atividades físicas, podem ser capaz de manter ou em muitos casos minimizar os efeitos deletérios do envelhecimento como: a redução da musculatura por perda e fibras musculares e consequentemente perda da força muscular conhecida como sarcopenia e dinapenia. Zago, Anderson et al (2012), Mariano Eder et al (2013) e Oliveira Ana (2014).

Entretanto a características de funcionamento de instituições de longa permanência para idosos (ILPI’s) não levam consideração a prevenção de doença por intermédio da promoção de saúde pela manutenção de atividades físicas e sim de forma farmacológica.

Já é bem sabido na literatura que o sedentarismo é considerado a 2° causa de mortes por todas as causa.  Cem por cento dessas doenças poderiam ser evitadas se existisse programas específicos de combate ao sedentarismo, levando em consideração as características comuns de cada grupo, como é o caso das ILPI’s que poderiam criar estratégias simples de mudança de comportamento. Lee I-M, et al (2012). Sabe-se que historicamente as casas repouso para idosos conhecidas como asilos possuem características de fazer com que esse idoso repouse, entretanto esse suposto repouso não pode ser entendido como privação de movimento muito menos da realização de atividades da vida diária. Gestores de ILPI’s muitas vezes sem intenção, com um pensamento de super proteção, criam regras que obrigam os moradores a ficar a maior parte do dia em comportamentos sedentário como por exemplo alocar televisão em quartos, refeitórios e salas de estar com o objetivo de entreter o idoso. Porém o que esses gestores muitas vezes não percebem é que estão condenando essa pessoa ao sedentarismo.

Para compreender a situação física e funcional atual das pessoas que vivem em ILPI’s é necessária a realização de testes e medidas específicas para pessoas nessa idade. Assim o objetivo no nosso trabalho foi associar uma medidas de nível de atividade física utilizando um contador de passos (pedômetro) com as questões 4a e 4b do International Physical Activity Questionnaire IPAq, sobre comportamento sedentário e variáveis de aptidão física e funcional de idosos moradores de ILPI’s.

 

Método

Amostra

Este trabalho trata-se de um estudo transversal com amostra por conveniência. A amostra deste estudo transversal foi composta por 159 adultos, sendo 60 homens com média de idade de 71,3±12,4 e 99 mulheres com média de idade de 75,8±12,3 fisicamente inativos. A seleção da amostra foi por conveniência, todos os idosos fazem parte do programa de intervenção em atividades físicas Senior Fit® programa tal criado pelo Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul (CELAFISCS) A amostra selecionada provém de 6 ILPI’s filantrópicos da cidade de São Paulo no município de São Caetano do Sul. Foram incluídos na amostra todos os idosos que realizaram a avaliação física e funcional e utilizaram o pedômetro (medidor de passos) Foram excluídos na amostra os idosos que perderam o pedômetros ou utilizaram por menos de 3 dias. Todos os participantes assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido e os que não conseguiam ler nem escrever a instituição assinou o termo como corresponsável. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade Municipal de São Caetano do Sul, sob n° 310.381. Na avaliação do número de passos foi utilizado o pedômetro Digital Walk 700. O avaliado foi orientado a utilizar o pedômetro durante 7 dias. Na avaliação do comportamento sedentário foram utilizadas duas questões do IPAQ versão curta que permite estimar o tempo despendido em atividades mais passivas (realizadas na posição sentada).

 

Procedimentos

A avaliação da aptidão física e funcional foi realizada utilizando a bateria de testes do CELAFISCS. Matsudo Sandra (2010). Tais como:

Dinamometria de preensão manual tem como objetivo medir a força de membros superiores de ambas as mãos, foi utilizado neste estudo a melhor medida de força da mão dominante.

Flexão de cotovelo e tem como objetivo medir a força e fadiga muscular de membros superiores da mão dominante, neste teste é utilizado o maior número de repetições de extensão e flexão do cotovelo em 30 segundos.

Sentar e levantar da cadeira em 30 segundos tem como objetivo medir a força e fadiga muscular de membros inferiores, neste teste é utilizado o maior número de repetições de levantar e sentar em 30 segundos de uma cadeira que geralmente medi trinta centímetros de altura.

Levantar da cadeira uma vez tem como objetivo medir a mobilidade geral realizado no menor tempo possível utiliza-se o tempo médio de três tentativas.

Equilíbrio unipodal tem como objetivo medir o equilíbrio estático realizado em 30 segundos na posição em pé e flexionando uma das pernas na posição de 45° graus. Utiliza-se o tempo médio de três tentativas sendo 30 segundos o máximo.

Flexibilidade tem como objetivo medir a flexibilidade de tronco, realizado em posição sentada com as pernas estendidas tenta-se alcançar a maior distância no banco de Wells.

Análise estatística

As variáveis de interesse do estudo foram descritas por meio da frequência absoluta e percentual, média e desvio padrão. A distribuição dos dados foi avaliada pelo teste de Kolmogorov Smirnov. As variáveis de aptidão física e capacidade funcional foram comparadas entre os estratos de adiposidade através do Wilcoxon. A regressão linear foi realizada para avaliar a associação entre a variável independente (número de passos) e dependentes (aptidão física e capacidade funcional). Na regressão linear múltipla as associações foram avaliadas independente da idade, sexo e escolaridade dos indivíduos. Para todas as análises foi utilizado o programa Stata 12.1 (StataCorpo LP, College Station, TX, USA) e considerado um nível de significância de 5%.

Resultados

Mais de dois terços dos idosos asilados eram do sexo feminino e metade tinha excesso de peso. A média de idade era de 75 anos (11,39) e tinham aproximadamente 4 anos de escolaridade (dp 3,46). Em relação às variáveis de aptidão física, a média de força de preensão (kg), flexibilidade (cm), e flexão de braço (rep) foi de 19 (dp 7,53), 16 (dp 8,26) e 13 (dp 6,26), respectivamente. Nos testes de capacidade funcional, a média foi de 20seg no TUG, 4seg no equilíbrio unipodal, 7,8seg na velocidade de andar, 1,5seg para levantar da cadeira e 9 repetições no teste de sentar e levantar da cadeira em 30 segundos. Foram encontradas diferenças significantes entre os grupos de número de passos somente nas variáveis flexão de braço (p=0.0047), TUG (p= 0.0022), velocidade de andar (p=0.0127). (Tabela 1).

Na tabela 2 estão apresentadas as associações do número de passos com as variáveis de aptidão física e capacidade funcional. Na análise bivariada, o número de passos esteve associado com força muscular de braço (β 4,28; IC 95% 0,97 – 7,58), além de melhor desempenho nos testes TUG (β -6,87; IC 95% -12,00 – -1,75) e velocidade de andar (β -2,47; IC 95% -4,78 – -0,17). No modelo múltiplo, o número de passos manteve-se associado somente com o desempenho no teste de velocidade de andar (β -3,19; IC 95% -5,87 – -0,50), independente do sexo, idade e nível socioeconômico dos idosos.

Tabela 1: Características sociodemográficas, aptidão física e capacidade funcional de idosos residentes em asilos, segundo número de passos. São Caetano do Sul, 2014
Passos <2765 Passos >2765
Variável N Media (dp)   N Media (dp)
Idade 28 75,57 (10,95) 28 73,96 (11,78)
Sexo
Masculino 11 50 11 50
Feminino 17 50 17 50
Peso (kg) 28 63,41 (12,95) 28 63,11 (11,37)
Altura (cm) 28 152,25 (8,87) 28 150,36 (28,17)
IMC:
Eutrófico 13 52 12 48
Excesso de peso/ obeso 12 48 16 52
Escolaridade (anos) 21 2,81 (3,60) 26 4,85 (4,94)
Número de Medicamentos 28 3,07 (3,28) 28 2,75 (2,94)
Aptidão Física:
Preensão Manual (kg) 28 17,37 (7,28) 28 20,59 (7,57)
Flexibilidade 28 15,30 (6,77) 28 17,14 (9,55)
Flexão de Braço (rep) 25 10,72 (6,13) 27 15 (5,74)
Capacidade Funcional:
Up and Go test (seg) 28 23,10 (10,53) 28 16,22 (8,49)
Equilíbrio (seg) 28 2,97 (5,66) 28 5,09 (7,05)
Velocidade de Andar (seg) 28 9,06 (4,90) 28 6,59 (3,62)
Velocidade Máxima de Andar (seg) 28 6,88 (4,86) 28 5,13 (2,49)
 Levantar da Cadeira 1 vez (média) 26 5,49 (14,9) 28 1,64 (1,35)
Levantar da Cadeira 1vez (melhor) 26 1,81 (1,47) 28 1,28 (1,01)
Levantar da Cadeira 30 seg (rep) 25 8,88 (5,13) 27 10,04 (3,19)

 

Tabela 2: Análise de regressão linear bruta e ajustada da associação entre número de passos e aptidão física e capacidade funcional de idosos residentes em asilos. São Caetano do Sul, 2013
Bruto

 

    Ajustado*

 

   
Número de Passos Passos <2765 Passos >2765 p Passos <2765 Passos >2765 p
      β (IC 95%)   β (IC 95%)
Aptidão Física:      
Preensão Manual 1 3,21 (-0,76 – 7,19) 0,111 1 2,17 (-1,96 – 6,30) 0,296
Flexibilidade 1 1,84 (-2,59 – 6,28) 0,408 1 0,72 (-4,81 – 6,26) 0,793
Flexão de Braço 1 4,28 (0,97 – 7,58) 0,012 1 3,40 (-0,32 – 7,12) 0,072
Capacidade Functional:
Up and Go test (seg) 1 -6,87 (-12,00 – -1,75) 0,010 1 -6,05 (-12,27 – 0,17) 0,056
Equilíbrio (seg) 1 2,12 (-1,31 – 5,55) 0,220 1 -0,80 (-3,90 – 3,73) 0,966
Velocidade de Andar (seg) 1 -2,47 (-4,78 – -0,17) 0,036 1 -3,19 (-5,87 – -0,50) 0,021
Velocidade Máxima de Andar (seg) 1 -1,75 (-3,82 – 0,32) 0,096 1 -2,18 (-4,68 – 0,31) 0,085
Levantar Cad.1 vez (média) 1 -3,85 (-9,53 – 1,83) 0,180 1 -1,01 (-2,09 – 0,07) 0,067
Levantar Cad. 1vez (melhor) 1 -0,53 (-1,21 – 0,16) 0,129 1 -0,50 (-1,24 – 0,24) 0,182
Levantar da Cadeira 30 seg (rep) 1 1,16 (-1,20 – 3,52) 0,330 1 0,20 (-2,72 – 3,12) 0,892

Discussão

Em relação às instituições de longa permanência ILPI’s a cidades de São Caetano do Sul possui 15 sendo apenas 6 com característica de instituição filantrópicas, essas seis instituições filantrópicas foram escolhidas para fazer parte do projeto Senior Fit que ofereceu desde de 2012 a 2014 atividades físicas de 2 à 3 vezes na semana com duração de 40 a 60 minutos. A pesquisa foi realizada no início do projeto onde o grupo ainda não realizava atividades físicas sistematizadas. Na pesquisa os achados mostram que a capacidade física e funcional deste grupo é muito menor que outros grupos de idosos que não moram em ILPI’s e não fazem exercícios e são independentes. de Oliveira Eliane et al (2013) e Penha José Carlos (2012). A possível explicação para tal achado pode ser pelo simples fato simples de, mesmo tendo condições para realizar caminhadas e auxiliar nas atividades da casa, de certa forma os idosos são impedidos ou não são incentivados a fazê-las. Ao contrário de pessoas da mesma idade que moram sozinhas, elas precisam realizar atividades básicas como cuidar da casa, no asseio, na ida ao mercado, essas simples atividades diárias já são capazes de manter a capacidade funcional. Borges Grasiely, Benedetti Tânia, Farias Sidney (2011). Estudos realizados em São Caetano do Sul com idosos independentes que realizavam caminhadas diárias na locomoção até os centros da terceira idade onde realizavam atividades físicas, foram mais eficiente no gasto calórico que a própria aula aeróbica, mostrando que a caminhada por si só já pode ser indicada como um componente de preservação do peso corporal. Cruciani Fernanda et al (2012).  Sabe se que no processo de envelhecimento a massa muscular diminui e a massa de gordura aumenta fazendo com que o idoso diminua as atividades cotidianas devido a perda da função muscular de contração eficiente. Silva Junior e Ferrari Gerson (2011).

A força muscular do grupo que realizou mais horas em comportamento sedentário apresentou piores resultados nos testes, em contra posição o grupo que tinha maiores valores de passos na semana apresentaram melhores resultados de força muscular de membros superiores, isso não significa que possuíam valores de força adequados para a idade. O comportamento sedentário tem sido estudado por muito pesquisadores que tem mostrado efeitos negativos surpreendentes independentes do nível de atividade física.

Pesquisa realizadas no Norte do Brasil sobre os aspectos construídos em ILPI’s apontou semelhanças em seis instituições pesquisadas, apenas uma possuía espaço físico construído para práticas de atividades físicas. Apesar disto nenhuma delas tinha planejamento para atividades, nem mesmo profissional capacitado para realizar tal atividade. Pereira Besse, (2011).

Pode ser uma possível explicação para esse achado de mulheres que caminham mais, dentro dessas instituições geralmente são as responsáveis pela organização da instituição, como voluntárias que participam da limpeza do ambiente, lavam, passam roupas, costuram, ajudam na cozinha lavando e secando as louças e arrumam as suas camas e das demais de seu quarto. Com essas atividades diárias pode ocorre a manutenção da força de membros superiores como foi demonstrado na tabela 2 a força de membros superiores com total de passos na semana. Já a, menor força de membros inferiores relacionadas ao tempo gasto em atividades sedentárias, podemos citar que, boa parte desse tempo é gasto assistindo televisão, sentado ou deitado, já que essas instituições não possuem espaços para outras tarefas.

A literatura já tem apresentado que durante o processo de envelhecimento a força de membros inferiores sofre mais perdas, aproximadamente 53,1% e nos membros superiores 26,7%. Andrade Erinaldo (2012). Essa perda durante o processo pode ser minimizada ser o indivíduo que envelhece se preocupa em adotar estilos de vida ativo, e tiver um envelhecimento com hábitos saudáveis. World Health Organization (2011). Um estilo de vida ativo pode ser pequenas mudanças na rotina ou criação de estratégias para se atingir o nível de atividade física recomendado pela OMS.

A mudança negativa da força muscular já demonstrou em estudos anteriores que aumentar o tempo de internação independente da causa de internação, e aqueles pacientes que caminhavam durante a internação, foram mais propícios a receber alta mais em menos dias de internados quando comparados com os que não faziam nada. Shadmi E e  Zisberg, A (2011).

A força de membros inferiores é também uma das responsáveis pelo aumento de quedas em idosos, principalmente em idosos inativos. Aikawa Adriana (2012), Dias Roberta (2010) e Álvares Liege (2010).

Idosos que não tem força muscular suficiente para realizar caminhadas, estão sujeitos a desenvolver outras alterações como por exemplos às psicológicas, devido a privação em ambientes externos e exclusão social. Minghelli Beatriz (2010). Idosos que tinham uma vida mais ativa, mais social e passam a experimentar a solidão principalmente por entes queridos, tem mais chance de desenvolver a depressão, sendo esta a quinta maior causa de mortes em idosos. de Melo Neu (2010) e Sousa-Muñoz et al (2013).

Quando se vive livre na comunidade ou de forma independente na sociedade, essas mudanças de comportamento podem ser mais fáceis de ser cumpridas, porém quando se vive em instituições de acesso restrito é necessário seguir regras específicas seguindo a cultura da instituição, tornando a mudança de comportamento mais comprometida por limitação de espaço físico e também por as instituições não terem uma visão mais ampla de que manter um morador o tempo todo ocioso sentando e até mesmo privando-os de determinadas tarefas, estão condenando-os ao sedentarismo, ou seja, privando-os de ter uma saúde física favorável.

Porém o que poucos sabem é que adotar um estilo de vida ativo não necessita de muito custo, nem para a instituição nem para o próprio individuo que estar ali muitas vezes sendo custeado pelo estado ou pela própria instituição. de Souza Freire (2012). As adoções de comportamento saudáveis, leva em consideração alguns fatores que são; desde o incentivo por parte das pessoas que convivem com este idoso até mesmo na mudança da rotina diária deste individuo. Gobbi Sebastião (2012). Levando em consideração que essas pessoas moram em uma instituição, pode-se criar estratégia de mudanças de hábitos saudáveis como, por exemplo, leva-los a realizar as refeições na cozinha ao invés de leva-las até a cama, criar horários para realizar caminhadas matinais, a cada 30 minutos sentado, ficar 5 minutos em pé, como preconiza o Programa Agita Paulo, com o objetivo de combater o sedentarismo por meio de ações específicas para os idosos, reconhecido em 2002 pela OMS como importante modelo de promoção da saúde. Matsudo Sandra (2012). Todas essas estratégias entrariam na promoção de saúde por intermédio da atividade física.

 

Conclusão

Adultos moradores de instituição de longa permanência para idosos que passam a maior parte do dia em comportamentos considerados sedentário apresentaram piores resultados na força muscular, sendo a força um importante componente responsável pela aptidão física e saúde física e funcional. Portanto dentro de instituições com esse público é importante adotar medidas de incentivo no sentido de evitar tais comportamentos.

Referências

Andrade, Erinaldo Luiz, Matsudo, Sandra Mahecha Marcela, and Matsudo Victor Keihan Rodrigues. “Performance neuromotora em mulheres ativas.” Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde 1.2 (2012): 5-14.

Álvares, Liege Mata, Lima, Rosângela da Costa and Da Silva, Ricardo Azevedo. Ocorrência de quedas em idosos residentes em instituições de longa permanência em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil Falls by elderly people living in long-term care institutions in Pelotas, Rio Grande do Sul State.” Cad. Saúde Pública 26.1 (2010): 31-40.

Aikawa, Adriana Correia, Braccialli, Ligia Maria Presumido, and Padula, Rosimeire Simprini. Efeitos das alterações posturais e de equilíbrio estático nas quedas de idosos institucionalizados. Revista de Ciências Médicas 15.3 (2012).

Benedetti, Tânia R. Bertoldo, et al. O idoso institucionalizado: avaliação da capacidade funcional e aptidão física Institutionalized elderly: functional capacity and physical fitness. Cad. Saúde Pública 26.9 (2010): 1738-1746.

Borges, Grasiely Faccin, Benedetti , Tânia Rosane Bertoldo, and Farias, Sidney Ferreira. Atividade Física Habitual e Capacidade Funcional Percebida de Idosas do Sul do Brasil. Pensar a Prática 14.1 (2011).

Costa, Jimena Ferreira da, Ricardo Wagner, and De Oliveira, Lisangela Cristina. Avaliação do Risco Cardiovascular em idosos residentes em asilos da grande Curitiba-PR. Cadernos das Escolas de Saúde 2.8 (2012).

Cruciani, Fernanda, et al. “Gasto energético estimado de mulheres idosas em aulas de ginástica e durante a caminhada.” Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde 7.3 (2012): 30-38.

Dias, Roberta Bolzani de Miranda, and Wibelinger, Lia Mara. Correlação entre força muscular (torque muscular) de flexores e extensores de joelho e risco de quedas em idosos. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano 7.supl. 1 (2012).

De Oliveira, Eliane Araújo, et al. Capacidade Funcional de Idosas de Instituição de Longa Permanência no Município de João Pessoa, Paraíba, Brasil: Estudo Piloto. Revista Brasileira de Ciências da Saúde 16 (2013): 83-88.

De Melo Neu, Dâmarys Kohlbeck, et al. Indicadores de depressão em idosos institucionalizados. Cogitare Enfermagem 16.3 (2011).

De Oliveira, Ana Carolina Kovaleski. (2013). Efeito do envelhecimento e da prática regular de exercícios físicos sobre componentes neuromusculares em mulheres idosas. (Tese). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Paraná, Curitiba, Brasil.

De Souza Freire, Fátima, De Mendonça, Luiz Henrique, and Costa, Abimael de Jesus Barros. Sustentabilidade econômica das instituições de longa permanência para idosos. Saúde em Debate 36.95 (2012): 533-543.

Gobbi, Sebastião. Atividade física para pessoas idosas e recomendações da Organização Mundial de Saúde de 1996. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde 2.2 (2012): 41-49

Gobbi, Sebastião, et al. Atividade física e saúde no envelhecimento: a experiência do Programa de Atividade Física para a Terceira Idade (PROFIT).Velhices: experiências e desafios nas políticas do envelhecimento ativo(2013): 283.

Lee I-M, Shiroma EJ, Lobelo F, Puska P, Blair SN, Katzmarzyk PT, for the Lancet Physical Activity Series Working Group. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. Lancet 2012; published online July 18. http:// dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(12)61031-9.

Matsudo S, Andrade D, Matsudo V, Aaraújo T, Andrade E, Oliveira L, Braggion G. Nível de atividade física da população do Estado de São Paulo: análise de acordo com o gênero, idade, nível socioeconômico, distribuição geográfica e de conhecimento. Rev. Bras. Cien. Mov. 2002(10):4. 41-50.

Mariano, Eder Rodrigo, et al. “Muscular strength and quality of life in elderly women.” Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia 16.4 (2013): 805-811.

Matsudo, Sandra, et al. Do diagnóstico à ação: a experiência do Programa Agita São Paulo na promoção do estilo de vida ativo. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde 13.3 (2012): 178-184.

Minghelli, Beatriz, et al. “Comparação dos níveis de ansiedade e depressão entre idosos ativos e sedentários.” Revista de Psiquiatria Clínica 40.2 (2013): 71-76.

Oliveira, Paulo Henrique de, and Mattos, Inês Echenique. Prevalência e fatores associados à incapacidade funcional em idosos institucionalizados no município de Cuiabá, Estado de Mato Grosso, Brasil, 2009–2010. Epidemiol Serv Saúde 21.3 (2012): 395-406.

Penha, José Carlos Lopes, Piçarro, Ivan da Cruz, and Turibio Leite de Barros Neto. Evolução da aptidão física e capacidade funcional de mulheres ativas acima de 50 anos de idade de acordo com a idade cronológica, na cidade de Santos. Ciênc. saúde coletiva 17.1 (2012): 245-53.

Pereira FM, Besse M. Fatores associados à independência funcional de idosos residentes em instituição de longa permanência. Acta Fisiátr. 2011;18(2):66-70

Petroski, Elio Carlos. “Efeitos de um programa de atividades físicas na terceira idade.” Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde 2.2 (2012): 34-40.

Ribeiro, Luciana Helena Martins, and Neri, Anita Liberalesso. Exercícios físicos, força muscular e atividades de vida diária em mulheres idosas Physical exercise, muscle strength and the day-to-day activities of elderly women. Ciênc. saúde coletiva 17.8 (2012): 2169-2180.

Santana Pereira, Déborah, and Guerra, Laluska. Análise do Nível De Atividade Física nos Asilos e Instituições de Apoio aos Idosos na Cidade de Juazeiro do Norte/CE. Conexões-Ciência e Tecnologia4.2 (2010): 9-16.

Sousa-Muñoz, Rilva Lopes de, et al. Association between depressive symptomatology and hospital death in elderly. Jornal Brasileiro de Psiquiatria 62.3 (2013): 177-182.

Silva Junior, J. P., L. J. Silva, and Gerson Ferrari. Estabilidade das variáveis de aptidão física e capacidade funcional de mulheres fisicamente ativas de 50 a 89 anos. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 13.1 (2011): 08-14.

Shadmi, E. and Zisberg, A. Walking around the ward during hospitalization reduces the length of geriatric patients’ stay in internal wards. Archives of Internal Medicine. In press 2011.

World Health Organization – OMS.  Global Strategy on Diet, Physical Activity and Health. 2011.

Zago, Anderson Saranz, et al. “Efeito de um programa geral de atividade física de intensidade moderada sobre os níveis de resistência de força em pessoas da terceira idade.” Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde5.3 (2012): 42-51.

Read More

Editorial: A GERONTOPSICOMOTRICIDADE COMO PRÁXIS TERAPÊUTICA DE MEDIAÇÃO CORPORAL

Mar 3, 2015

A pessoa idosa está sujeita a uma diminuição progressiva das capacidades gnosopráxicas, da capacidade em reagir a situações emocionais ou físicas, e dos processos mnésicos ou atencionais. O desenvolvimento psicossomático que o ser humano adquire ao longo dos primeiros anos de vida sofre uma involução com o avançar da idade. Desta forma, o idoso pode expressar lentidão psicomotora, perda de força, fadiga, aumento do tempo de reação, problemas práxicos, problemas espaçotemporais, problemas de marcha, fobia da queda, dificuldades de comunicação em grupo, abulia, problemas de regulação emocional, angústias, ou desvalorização da imagem corporal.

Com o envelhecimento acontecem várias metamorfoses sobre as quais os profissionais de saúde devem ter um olhar atento. Do ponto de vista psicomotor esta escuta deve centrar-se sobre a forma como o idoso investe, sente, e vive o seu próprio corpo, tanto na dimensão real como imaginária. O corpo de qualquer sujeito constitui um espaço corporal, que permite situar o sujeito em relação ao envolvimento, e o envolvimento em relação ao sujeito. Esta dicotomia entre espaço interno e externo cuja fronteira é a pele, torna-se fundamental na estruturação da identidade corporal e do sentimento de si. No entanto, o idoso tem afetada e comprometida a sua identidade, na medida em que esta se operacionaliza a partir de um corpo real fragilizado. Este corpo que traduz um espaço vazio e o luto inerente às respetivas faltas no corpo, provoca insegurança e consequentemente reativa as angústias arcaicas associadas às perdas no corpo (angústia da queda, da separação, da fragmentação, da liquefação, … da morte).

As alterações corporais que vão acontecendo ao longo do tempo, influenciam negativamente a organização da personalidade e as relações que o idoso estabelece com os outros e o mundo. No entanto, a consciência de envelhecer aparece num curto espaço de tempo, como que de um dia para o outro, através de um espelhamento que é precedido por um acontecimento traumático, como por exemplo vivenciar uma queda, um luto, ou uma doença.

Desta forma, a pessoa reconhece-se como idosa e assume essa identidade exteriorizando comportamentos associados à dor, revolta, resignação, submissão, ou autorecriminação. Podemos então dizer que a vida psíquica e a vida somática estão sujeitas a formas diferentes e particulares de (dis)funcionalidade, mas que existe uma interdependência funcional entre elas, o que fundamenta a importância da prática psicomotora para as pessoas idosas, ou seja da gerontopsicomotricidade.

Se o termo (gerontopsico)motricidade envolve a importância do corpo e do movimento como mediadores da própria intervenção através de técnicas de estimulação sensorial e de relaxação, do toque terapêutico, da expressão artística e emocional, ou dinâmicas de grupo que permitem trabalhar, para além das estruturas gnoso-práxicas, o envelope corporal que constitui os fundamentos da identidade e reconstrução egóica do sujeito idoso.

O termo(geronto)psico(motricidade) está associado ao objetivo global da intervenção, que envolve (i) em termos reeducativos a melhoria do equilíbrio, da regulação do movimento, da memória e outras capacidades cognitivas; e (ii) em termos terapêuticos objetiva a aquisição de processos que permite ao idoso renarcisar o seu corpo, ajudando-o a ultrapassar o luto de uma determina imagem de si próprio, e ter a possibilidade de desenvolver uma nova identificação especular.

O terapeuta, o psicomotricista deve permitir que o idoso construa uma imagem corporal, que contrarie ou minimize a existência real de um corpo fragilizado que sofreu perdas sucessivas, de forma a adquirir uma continuidade na razão da sua existência. Desta forma substituirá o sofrimento, o medo ou a angústia pelo prazer em viver.

No meu entender, a gerontopsicomotricidade apresenta quatro características específicas que a delimita como práxis terapêutica de mediação corporal. A primeira é a grande diversidade de patologias em que o psicomotricista pode
intervir como terapeuta. Estas podem envolver as (i) patologias somáticas que influenciam as
funções relacionais associadas à sensorialidade, locomoção e comunicação, os (ii) problemas psiquiátricos, como a deterioração mental, a demência senil, a depressão, a psicose, a neurose, ou (iii) os problemas neurológicos como a doença de Parkinson, a epilepsia, o acidente vascular cerebral.

A segunda característica centra-se num objetivo específico desta intervenção, que tem como propósito aprimorar o corpo envelhecido, de forma a ajudar a pessoa idosa a adquirir novas percepções e representações do seu corpo real e imaginário. Desta forma o idoso vivencia e ressente a sua unidade corporal, o seu envelope corporal, o seu continente psíquico, e consequentemente (re)valoriza a sua imagem corporal. A estratégia inerente à consecução deste objetivo passa por não considerarmos o corpo do sujeito como meio p r i v i l e g i a d o de intervenção, mas, e fundamentalmente, considerarmos que existe um sujeito que possui um corpo em relação.

A terceira característica está centrada na especificidade da relação psicomotricista/idoso, que envolve o estabelecimento de uma ressonância tónico-emocional empática, onde o psicomotricista desempenha a função de continente corporal de forma a colmatar as fragilidades do Eu-pele do idoso. Coloca-se a tónica no encontro entre terapeuta e idoso, na utilização da linguagem corporal, no corpo a corpo, no infra-verbal e no verbal. É com base nesta relação e respetivos processos transferenciais que se vai construir toda a relação terapêutica.

A quarta e última característica, de âmbito mais conceptual, reflete a importância de entendermos que por detrás de um problema físico e dos seus sintomas pode esconder-se um fenómeno psicológico. Por exemplo, as alterações no equilíbrio ou na marcha são muitas vezes a expressão de fenómenos ansiosos, depressivos, ou neuróticos, cuja origem é sempre uma falha narcísica que altera a imagem do corpo. Portanto, não devemos cair na tentação de centrarmos as causas dos comportamentos observados apenas em síndromes neurológicos ou disfunções neuromotoras e, assim, realizarmos uma intervenção motora por repetição funcional do défice.

Para terminar, gostaria de referir que o conjunto destas características e especificidades permitem diferenciar a gerontopsicomotricidade de qualquer outra intervenção que utilize o corpo e o movimento como mediadores. Gostaria também de reforçar que o foco de qualquer terapia de mediação corporal não está no corpo isolado ou na prática de exercício, mas no corpo em relação, numa motricidade em relação, e neste caso especifico no idoso que habita o seu corpo em relação. Quando falamos de relação estamos a referirnos à empatia estabelecida entre o sujeito
cuidador e o sujeito cuidado, entre o psicomotricista e o idoso. A transferência que o idoso projeta no psicomotricista, e a contratransferência e respetiva resposta realizada por este, acima denominada de ressonância tónico-emocional empática, é fundamental para se criarem as condições n e c e s s á r i a s p a r a a r e n a r c i s a ç ã o e reestruturação egóica da pessoa idosa. Estas serão as características fundamentais que caracterizam a intervenção gerontopsicomotora como terapia de mediação corporal.

Jorge Fernandes

Professor Auxiliar no Departamento de Desporto e Saúde da Universidade de Évora, Coordenador do Curso de Reabilitação Psicomotora

Read More
EnglishFrenchPortuguese