Jul 30, 2012

ADHERENCE TO THE THERAPEUTIC REGIME, ERRORS IN THE EXECUTION OF INHALATION THERAPY TECHNIQUE

LA ADHERENCIA AL RÉGIMEN TERAPÉUTICO Y LOS ERRORES EN LA APLICACIÓN DE LA TÉCNICA DE TERAPÉUTICA DE INHALACIÓN

AUTORES: Maria do Carmo Oliveira Cordeiro, Duarte Moura Mateus

RESUMO:

Desenho:

Revisão sistemática

Objectivos:

Descrever estudos empíricos de intervenção que conduzam a alteração na adesão á terapêutica e que simultaneamente descrevam os factores que condicionam a adesão ao regime terapêutico no adulto/idoso, identifiquem taxas de adesão e identificar os principais erros na execução da técnica da terapêutica inalatoria em pessoas já com ensino prévio.

 Metodologia:

Realizada revisão sistemática de literatura, e como ponto de partida, formula-mos a pergunta de investigação em formato PICOD. Consulta-mos no motor de busca Google, B-ON e EBSCO nas seguintes bases de dados: CINAHL- Plus with Full Text; SCIELO; MEDLINE – with Full Text; COCHRANE CENTRAL REGISTER OF CONTROLLED TRIALS; COCHRANE DATABASE OF SYSTEMATIC REVIEWS; DATABASE OF ABSTRACTS OF REVIEWS OF EFFECTS; MEDICLANTINA; CIENCIAS DA SAÚDE (PERIODICOS ON LINE).

Resultados:

Seleccionaram-se 10 artigos de uma amostra inicial de 17. Da revisão da literatura, foram encontrados factores que podem contribuir positiva ou negativamente, para adesão: características do regime terapêutico, comportamentos de saúde, efeitos secundários dos medicamentos, suporte social, depressão e função cognitiva a incapacidade física para auto-administrar os medicamentos, limitações económicas e diminuição intencional da dose prescrita. As dificuldades referidas, na administração da terapêutica inalatória, foram coordenação mão/pulmão, complexidade do dispositivo, não expirar de forma lenta antes de realizar a inalação, não suster a respiração após a inalação e não efectuar uma pausa de tempo suficiente antes de uma inalação posterior.

Conclusões:

As intervenções dos profissionais de saúde devem resultar de acções múltiplas e multidisciplinares e não apenas de um tipo de intervenção. Tornam-se necessárias intervenções que serão de âmbito educacional ou comportamental e em que se exige a estes profissionais de saúde se mantenham em constante actualização para um correcto ensino/educação/acompanhamento da pessoa.

Palavras-chave: adesão; medicamentos terapêutica; intervenções; adulto/idoso; inaloterapia; terapêutica inalatória; formação; erros.

ABSTRACT:

Objectives:
To analyse empirical studies of intervention leading to change in medication adherence; describe factors that influence treatment compliance in adults / elderly; identify rates of compliance; and to identify major errors in inhalation technique of therapy in patients who underwent previous teaching.

Methodology:
Systematic review of literature. Format PICOD was used to work the main research question. Several search engines were used: Google, B-ON and the following EBSCO databases: CINAHL- Plus with Full Text; SCIELO; MEDLINE – with Full Text; COCHRANE CENTRAL REGISTER OF CONTROLLED TRIALS; COCHRANE DATABASE OF SYSTEMATIC REVIEWS; DATABASE OF ABSTRACTS OF REVIEWS OF EFFECTS; MEDICLANTINA; CIENCIAS DA SAÚDE (PERIODICOS ON LINE).

Results:
Ten articles were selected out of 17. We found the following factors that can contribute positively or negatively for compliance: treatment regimen characteristics; health behavior; side effects of medications; social support; depression and cognitive function; physical impairment to self-administer medications. The difficulties mentioned in the administration of inhalation therapy, were hand coordination/lung; complexity of the device. Incorrect inhalation therapy is also described: absence of a slow expiration before performing the inhalation will; not hold the breath after inhaling; and not pause long enough before an inhalation later.

Conclusions:
The interventions of health professionals must result from multiple and multidisciplinary actions and not just one type of intervention. The interventions performed by experienced health carriers result in a better therapeutic adherence and reduction of errors in inhalation technique. Health professionals must keep updated for a proper education / education / monitoring of the person.

Keywords: compliance/adherance; drug therapy, interventions, adult / elderly; inhalation therapy, inhalation therapy, training, mistakes

0 – INTRODUÇÃO

Este artigo visa analisar uma problemática com base numa revisão sistemática da literatura.

Como objectivos deste trabalho estabelecemos: medidas de adesão e factores condicionantes á adesão ao regime terapêutico e os principais erros na execução da técnica da terapêutica inalatória após formação ensino.

Para a revisão sistemática de literatura consultámos a base de dados EBSCO, B-ON e Google.

Organizámos o trabalho em cinco tempos, no primeiro tempo faremos um breve enquadramento teórico da temática escolhida, no segundo tempo reserva-se à clarificação da metodologia utilizada, no terceiro tempo procederemos à análise dos artigos, o quarto tempo visa a discussão dos dados obtidos e no último tempo faremos a conclusão do trabalho.

1 – ENQUADRAMENTO TEÓRICO  

No que concerne à adesão terapêutica nos adultos/idosos (adherence or compliance), esta temática tem vindo cada vez mais a ocupar um lugar importante nas preocupações dos técnicos de saúde (entre os quais, dos enfermeiros), pois todos começam a tomar consciência das repercussões da não adesão em termos pessoais, sociais e económicos.

Dos vários estudos realizados sobre o tema, as expressões “cumprimento” (complieance) e “adesão terapêutica” (adherance), têm sido utilizados simultaneamente ao longo do tempo, por vezes, dento de cada estudo. Os estudos sobre a adesão á terapêutica têm vindo a aumentar desde a década de 1950, destacando-se como um dos marcos mais importantes e impulsionadores de muitos trabalhos seguintes o “First International Congresso n Patient Counselling”, com realização em Abril de 1976.

Encontramos frequentemente os dois termos distintos para adesão, compliance e adherence, muitas vezes utilizados indiferentemente, no entanto o primeiro tem uma conotação negativa, na medida em que sugere passividade e submissão da pessoa às prescrições, atribuindo todo o poder a quem prescreve enquanto o segundo sugere uma participação mais activa da pessoa no processo de decisão incorporando os conceitos de concordância, cooperação e parceria entre a pessoa e o prestador de cuidados de saúde (Myers & Midence, 1998; Vermeire & et al., 2001). Assim compliance, coaduna com a perspectiva do aconselhamento por parte dos técnicos de saúde face a um regime terapêutico, em que se preconiza que a pessoa siga todos os conselhos do técnico de saúde, o segundo termo, adherence, emerge daquilo que é consequência de decidir e poder optar de forma informada e responsável.

Existe uma estimativa de que 30 – 50% dos doentes, independentemente da doença, do tratamento e do prognóstico, não aderem ao regime terapêutico (Vermeire & et al., 2001). Um elevado número de estudos apontam para uma taxa de adesão, em pessoas com doenças crónicas, nos países desenvolvidos na ordem dos 50%, sendo a magnitude e impacto da não adesão ainda maior nos países mais pobres (WHO, 2003).

Dos vários estudos consultados, estes referem que as causas da não adesão terapêutica são várias e incluem o tipo de regime terapêutico (complexidade e custo), a envolvência da equipa de saúde e a atitude do doente, assim como as características individuais do mesmo (existência de patologias concomitantes, problemas psiquiátricos, etc.). A adesão terapêutica assume um papel importante nos doentes portadores de doenças crónicas, com enormes repercussões na incidência e prevalência de inúmeras patologias. O problema da adesão ao tratamento é um indicador central de avaliação de qualidade em qualquer sistema de saúde que se queira moderno e eficaz (Bogalho & Carneiro, 2004).

Dos muitos estudos publicados neste âmbito, estes mencionam a existência de elevada prevalência de erros realizados, pelos doentes e profissionais de saúde, no manuseamento dos dispositivos inalatórios e na execução da técnica de inalação (Morais et al, 2001; Sandrini et al, 2001; Sotomayor et al, 2001; Muchão et al, 2008).

Assim, é exigido que o próprio profissional de saúde esteja familiarizado com o uso correcto dos dispositivos inalatórios para poder ensinar e corrigir de forma adequada a técnica inalatória nos doentes com doenças respiratórias, ou seja, para que a terapêutica inalatória seja efectivamente uma terapêutica eficaz, é necessário que todos os profissionais de saúde responsáveis por doentes com patologia respiratória, tenham um conhecimento correcto sobre a terapêutica inalatória em questão e a técnica correcta da administração da mesma (Barreto, 2000).

2 – METODOLOGIA  

Critérios e estratégias de identificação dos estudos

Da pesquisa electrónica e manual de 1990-2010, em língua inglesa francesa, espanhola e portuguesa, nas principais bases de dados disponíveis, foram incluídos 10 estudos. Identificaram-se os participantes adultos/idosos, as intervenções que influenciam a adesão, compararam-se resultados (taxa de adesão, métodos de avaliação de adesão, resultados de saúde e factores de adesão quando possível), erros terapêuticos com os dispositivos inalatórios estudados após formação e definiu-se o tipo de estudo.

Critérios para considerar os estudos para esta revisão (PICOD)

Tipo de Participantes (Participants):

Adultos e Idosos a quem tenha sido prescrita medicação para uma ou varias patologias de qualquer medicamento e de qualquer fórmula, e pessoas com prescrição de terapêutica inalatória.

Tipo de Intervenção (Intervention):

Avaliação da adesão com identificação do método de avaliação, dos factores e das intervenções que de alguma forma contribuam para alteração da adesão, execução da técnica inalatória após formação/ensino.

Tipo de comparação (Comparisons):

Comparação das variáveis dos estudos

Tipo de resultados (Outcomes):

Caracterização dos adultos/idosos; factores de adesão; métodos de avaliação de adesão, taxas de adesão, tipo de intervenção e principais erros na administração da terapêutica inalatória.

Tipos de Estudo (Design):

Estudos controlados e aleatorizados (RCT- Randomized Control Trails), meta-analises de ensaios clínicos, revisões sistemáticas e normas de orientação (guidelines) e outros estudos.

Estratégia de busca para identificar os estudos

Para a revisão sistemática de literatura (realizada entre Dezembro de 2010 e Fevereiro de 2011), consultámos através dos motores de busca GOOGLE (académico – beta; Web; books), B-ON e EBSCO. A revisão sistemática foi restrita ao período de 1990-2010, uma vez que foram identificados revisões sistemáticas de 1991, sobre a temática em estudo. A pesquisa incidiu sobre as seguintes bases de dados:

CINAHL- Plus with Full Text; SCIELO; MEDLINE – with Full Text; COCHRANE CENTRAL REGISTER OF CONTROLLED TRIALS; COCHRANE DATABASE OF SYSTEMATIC REVIEWS; DATABASE OF ABSTRACTS OF REVIEWS OF EFFECTS; MEDICLANTINA; CIENCIAS DA SAÚDE (PERIODICOS ON LINE).

Foi também feita pesquisa nos catálogos das Escolas Superiores de Enfermagem, das Faculdades de Medicina e de Farmácia, Escola Nacional de Saúde Publica, Direcção Geral de Saúde, Instituto Nacional Estatística.

A estratégia da pesquisa nas bases de dados foi: patient adherence, patient compliance, elderly, adult / older people, medication adherence, treatment adherence, interventions nursing. 1. Patient adherence or compliance, 2.Patient and Compliance, 3.Patient and Adherence, 4.Treatment and adherence or compliance medication adherence or compliance, 5.Patient adherence or compliance and interventions nursing, 6.Inhalation therapy, 7. Errors in inhalation, 8. technique of inhalation therapeutic, 9. Metered dose inhalers, 10. technique of inhalation therapy after explanation, 11. Aérosols-doseurs.

Foram identificados vários tipos de artigos: transversais, ensaios clínicos aleatorizados randomized clinical trials – RCT, meta-analises de ensaios clínicos ou revisões sistemáticas e revisões.

Apenas foram considerados os estudos publicados em língua portuguesa, inglesa, espanhola ou francesa.

Das 9140 citações iniciais sem filtro (adherence and medication, inhalation therapy), reduziu-se a 46 artigos, com a aplicação de filtros (adulto, RCT, revisões sistemáticas, metaanalise, transversal e longitudinal e anos 1990-2010). Estes foram analisados através do título e resumo e foram reduzidos a 17; obtidas as publicações completas desses estudos para análise posterior.

Através da aplicação de critérios de validade, importância e aplicabilidade foram incluídos 10 nesta revisão. As fontes utilizadas nesta revisão foram fontes secundarias designadamente revisões sistemáticas e artigos de revisão. Estas fontes consideram como as fontes primárias (artigos e estudos) exclusivamente ensaios aleatorizados controlados e prospectivos, o que fazem sobre eles uma avaliação crítica baseada na estrutura metodológica, seleccionando apenas aquelas, que pela validade e importância para a prática apresenta evidência valida (níveis de evidencia 1 e 3).

Quadro 1- Critérios para a formulação da questão de investigação.

Quadro 2 – Critérios para a inclusão/exclusão de estudos/artigos.

3 – ANÁLISE DOS DADOS   

Segue-se a análise dos artigos que foram selecionados e considerados pertinentes para o estudo em causa.

Quadro 3 – Síntese dos estudos da literatura no âmbito da adesão à medicação e estratégias de intervenção

Quadro 4- Síntese dos estudos da literatura no âmbito da terapêutica inalatória.

4 – DISCUSSÃO

Construíram-se os quadros 3 e 4 com os estudos, para análise final e extracção dos dados: estudo (autores e ano), desenho, participantes, intervenções, métodos de avaliação da adesão, taxa de adesão e factores de adesão, tipos de erros na técnica de inaloterapia dos dispositivos estudados após ensino. Os estudos incluídos nesta analise não permitem fazer meta-analise já que não existe a possibilidade de constituir uma única amostra e fazer a sua analise estatística em conjunto, nomeadamente em termos de definição de adesão, medidas de adesão intervenções, factores de adesão e qual a principal origem dos erros identificados na técnica de administração da terapêutica inalatória.

Da análise do Quadro 3, a maioria dos estudos utiliza mais do que um método de medição de adesão e de intervenção, sendo possível identificar, na sua maioria um aumento de adesão, mas poucos com repercussões nos resultados terapêuticos e de saúde. Os estudos utilizam quase todos, como forma de medir adesão, o auto relato dos doentes e contagem de medicamentos e alguns sistemas electrónicos. O valor da adesão é apresentado em % e varia dos 40-80%.

A grade maioria dos estudos realizados utilizam mais do que um método de medição de adesão e de intervenção, sendo possível identificar, na sua maioria um aumento de adesão, mas poucos com repercussões nos resultados terapêuticos e de saúde (hospitalização e re- hospitalizações, reacções adversas, controlo hipertensão arterial e da glicemia capilar e qualidade de vida) (Haynes,R.B.,2006; Hughes,C.M.,2004; Schlenk,E.A.;Dunbar-Jacob,J; Engberg,S, 2004).

Os estudos utilizam quase todos, como forma de medir adesão, o auto relato dos doentes e contagem de medicamentos. Um deles Cooper, C. et al (2005), apenas utilizou auto-relatos. Foi ainda utilizado, em alguns estudos, o sistema se dispensa electrónica (MEMS- Medication-Events-Monitoring-System), bem como a avaliação da concentração sérica, e o registo de omissões ou registos farmacêuticos, noutros.

Os estudos encontram factores de adesão que podem contribuir positiva ou negativamente, para adesão: características do regime terapêutico, comportamentos de saúde, efeitos secundários dos medicamentos, suporte social depressão e função cognitiva (Schlenk,E.A.; Dunbar-Jacob,J; Engberg,S, 2004). A idade nem sempre e encontrada como factor de adesão. O isolamento e o estado civil, o nível cognitivo défice funcional, maior défice de funcionalidade em AVD (atividade de vida diária) e não ter revisões terapêuticas sistemáticas são factores negativos de adesão ou preditores de não adesão (Cooper, C. et al , 2005).

A não adesão intencional pode ser devida a esquecimentos não intencionais, regimes complexos, grande número de medicamentos que os adultos/idosos tem que tomar, deficit cognitivo, dificuldade em abrir os distribuidores/ embalagens dos medicação e problemas de memória. A não adesão intencional ocorre quando o doente conscientemente toma a decisão de não tomar os medicamentos prescritos, esta deve-se essencialmente a reacções adversas aos medicamentos, falhas de comunicação, poucas instruções ou a crerem que a medicação tem poucos benefícios.

Um estudo de Heneghan C. et al, (2006), avalia taxas de adesão, resultados de saúde e custos correlacionados com intervenções e formas de ajuda diversas que utilizam embalagens de medicamentos de diversas formas e com diferentes memorandos de ajuda (caixas de comprimidos divididas por dia da semana, com diversos compartimentos por dia que apenas comportam comprimidos ou cápsulas que não se alertem fora do blister, dispensadores mensais e calendário para 28 dias). Conclui que nalguns estudos e significativa a diferença nas taxas de adesão e noutros são inconclusivos os resultados.

Quanto aos resultados de saúde, só nalguns estudos se encontram valores significativos. Em relação a custos há poucos dados disponíveis para obter conclusões generalizáveis (Heneghan et al, 2004).

Da análise do Quadro 4, no que diz respeito, ao tipo de dispositivo verificou-se que os mais utilizados são os dispositivos MDI (com mais evidencia), câmara expansora e DPI,Rotahaler®,Turbohaler®, Diskaler®, Diskus® e Aerolizer®.

Os resultados apresentados não demonstram haver uma diferença evidente entre os dispositivos estudados no que diz respeito ao número de erros cometidos pelos utilizadores.

Para Morais et al (2001) o incorrecto uso dos dispositivos inalatórios, deve-se, não só à complexidade de alguns deles, mas também ao número de passos exigidos para a execução da técnica inalatória em alguns dos dispositivos, bem como à exigência de alguns desses passos.

A revisão da literatura documenta alguns dos erros mais frequentes, descritos por autores, durante o procedimento da técnica inalatória, quer por parte dos doentes quer por parte dos profissionais de saúde.

Relativamente aos inaladores pressurizados, Lavorini et al (2009) destacam como erro frequente por parte dos doentes, no que diz respeito aos MDI, a activação do inalador antes da inalação, ou no final da inalação. Os mesmos autores dizem-nos, que também os médicos, enfermeiros usam o MDI incorrectamente. Barreto (2003) aponta como erros comuns na utilização deste tipo de inaladores, o não aquecer a embalagem à temperatura ambiente; a não pré-agitação do inalador; e a não colocação do inalador na posição certa. De igual modo, Machado et al (2008) descrevem-nos no seu livro, como erros frequentes: o esquecer de retirar a tampa do dispositivo; o não agitar o inalador antes da inalação; inalar muito devagar e superficialmente, e o não realizar a pausa inspiratória. Pontes et al (2002), sublinham como erros, relacionados com a coordenação ente a activação do inalador e a inalação: activação do MDI antes ou no final da inspiração; activação do MDI durante a expiração; e activações múltiplas do MDI durante a inalação.

No que concerne aos dispositivos de pó seco (DPI), Lavorini et al (2009) fazem-nos referência a uma recente revisão sistemática que revelou, que 90% dos doentes não usa o seu DPI correctamente.

Morais et al (2001) realizaram um estudo numa população de 80 indivíduos, com média de idade entre os 45 anos, sem anterior contacto com inaladores. O estudo teve como objectivo investigar, o grau de dificuldade exigido na execução da técnica inalatória dos vários inaladores existentes em Portugal (do estudo fizeram parte 6 inaladores: MDI, DPI, Rotahaler, Turbohaler, Diskus, Diskhaler e Aerolizer). Numa primeira fase deste estudo, foram efectuadas instruções da técnica inalatória de todos os inaladores incluídos. Após a instrução sobre o inalador, os participantes disponham de 3 tentativas para executarem correctamente a técnica de cada um dos inaladores. Por último, e após as manobras inalatórias com os 6 inaladores, os participantes escolhiam qual deles é que tinha sido mais fácil de manusear e em caso de terem de efectuar terapêutica inalatória, qual deles escolheriam e qual deles rejeitariam. Neste estudo verificou-se uma grande diferença no manuseamento dos vários inaladores, o Turbohaler® foi considerado como o mais fácil de ser manuseado. Ao contrário do MDI que foi considerado o mais difícil, observando-se maior dificuldade na realização da técnica inalatória, 38 (47,5%) dos participantes não a conseguiram efectuar nas 3 tentativas dadas, só 2 (2,5%) dos participantes conseguiram inalar de forma correcta na 1ª tentativa. No que concerne aos erros, verificou-se, que o agitar inicial do inalador e principalmente a fase de coordenação mão-pulmão, foram os passos que mais contribuíram para o insucesso da técnica inalatória com o MDI.

Noutro estudo, da mesma natureza realizado por Sandrinii et al (2001) numa amostra que nunca tinham realizado terapêutica inalatória, foi ministrado ensino teórico – prático ao doente pelo Pneumologista no dia em que era prescrita a terapêutica inalatória, regressando o doente à consulta dez dias depois, para reavaliação da técnica inalatória. Registaram-se como erros mais frequentes: a introdução do dispositivo dentro da boca (28 doentes; 68%); inspirarem antes de accionar o jacto (7 doentes, 15%); inspiração rápida (5 doentes, 11%); inspiração pelo nariz em 4 doentes (9%). Contudo, os resultados deste estudo mostraram ainda que, após o ensino sobre a técnica inalatória, 48,4% dos doentes realizaram a técnica correcta, 16,2% usaram de forma totalmente errada o inalador, 19,3% apresentaram técnica pouco errada e 16,2% apresentavam um erro intermédio.

No estudo de Muchão et al (2008) foram avaliados os conhecimentos teórico-práticos dos Profissionais de Saúde na utilização do inalador pressurizado, numa amostra de conveniência de 146 profissionais (30 médicos residentes ou Estagiários de pediatria, 23 médicos assistentes, 29 fisioterapeutas, 33 enfermeiras e 31 auxiliares de enfermagem). Concluíram neste estudo, que o conhecimento sobre os inaladores pressurizados entre os profissionais de saúde é bastante insatisfatório, principalmente entre os enfermeiros e auxiliares de enfermagem, directamente envolvidos na aplicação prática destes inaladores.

Autores como Sotomayor et al (2001), Muchão et al (2008) referem que o ensino e a implementação de sessões educativas diminuem a percentagem de erros na execução da técnica inalatória, melhorando o desempenho dos doentes e dos Profissionais de Saúde.

Julgamos poder concluir que os resultados destes estudos, confirmam a importância de educar, reeducar e voltar a educar o doente. Os profissionais de Saúde devem demonstrar o correcto uso dos dispositivos prescrito ao doente, e solicitar ao doente a demonstração do seu uso.
5 – CONCLUSÃO

Na população adulta/idosa não há adesão total, apresentando os estudos valores de média de adesão de 50%, dependendo da definição de adesão e dos métodos de avaliação.

Os métodos mais utilizados para avaliar a adesão são os auto-relatos e a contagem de medicamentos (um bom método de avaliação de adesão no contexto de investigação e não no da pratica diária). São quase sempre referenciados factores relacionados com o doente, com a medicação e económicos. A maior limitação desta revisão é que a analise maioritariamente realizada a partir de revisões sistemáticas e não a partir de RCT. Estes tem uma evidencia ciência de nível superior as revisões sistemáticas. Assim os resultados analisados e considerados não atingem o nível mais elevado de evidência científica.

Os factores de adesão encontrados são múltiplos. Os estudos apresentados identificam alguns com significado estatístico mas outros devido ao tamanho da amostra e desenho do estudo não podem ser associados a adesão ou não adesão com elevada relevância. São quase sempre referenciados factores relacionados com o doente, com a medicação e económicos.

As intervenções devem resultar das acções múltiplas e multidisciplinares e não apenas de um tipo de intervenção. São utilizadas estratégias educacionais e comportamentais.

No que diz respeito à técnica inalatória dos diferentes tipos de dispositivos estudados, não existe informação que permita identificar as objectivas e reais dificuldades sentidas em contexto prático na utilização destes dispositivos inalatórios. A formação deverá ser realizada em cursos de especialização na área, com maior número de “horas”, integrando uma componente teórica e componente prática com treino e avaliação de competências adquiridas. No entanto também sabemos que, os conhecimentos adquiridos se vão “deteriorando” com o tempo e caindo no esquecimento, pelo fica a sugestão de dar continuidade a este trabalho, programando sessões de formação de actualização de conhecimentos práticos e teóricos mais frequentes sobre terapêutica inalatória.

6 – BIBLIOGRAFIA

1)BANNING, M. (2004). Enhancing older people’s concordance with taking their medication. British J. Nursing; 2004, June 10, 13 (11): 669-674, [6 page (s) (article)].

2)BARRETO, Celeste [et al] (2000). Normas de Terapêutica Inalatória. In: Revista Portuguesa de Pneumologia. Lisboa. Separata, Volume VI, nº5. (Setembro/Outubro) p.395-434. Disponível em: http://www.sppneumologia.pt/publicacoes/?imc=50n&fmo=pa&publicacao=22&edicao=401

3)BARRETO, Celeste (2003). Terapêutica inalatória. In: GOMES, Mª João; SOTTO_MAYOR Renato. Tratado de pneumologia, 1ª ed. Lisboa: Sociedade portuguesa de Pneumologia. Secção V. Capítulo 142.5, p.1829-1836. ISBN 972-733-139-4.

4)BUGALHO, A., & CARNEIRO, A. V. (2004). Intervenções para aumentar a adesão terapêutica em patologias crónicas. Lisboa: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, 116pp.

5)HAYNES, K. (2005). Designing written medication instructions. Effective ways to help older adults self-medicate. J Gerontological Nursing. 2005, May; 31(5):5-10.

6)HENEGHAN, C. J.; GLASZIOU,P.; PERERA, R. (2006). Reminder packaging for improving adherence to self-administered long-term medications. Cochrane Database of Systematic Reviews 2006. The Cochrane Library; Volume (1). Art. No.: CD005025. DOI: 10.1002/14651858.CD005025.pub2.

7)HIGGINS, N; REGAN, C. (2004). A systematic review of the effectiveness of interventions to help older people adhere to medication regimes. Age and Ageing. 2004, March 8,  33 (3): 224-229. doi:10.1093/ageing/afh072. Disponível em: http://ageing.oxfordjournals.org/

8)LAVORINI, Frederico [et al] (2009). Inhaler choise and inhalation tecnique: Key factors for asthma control. In: Primary Care Respiratory Journal (2009); 18 (4): 241-242. Disponível em: http://www.thepcrj.org. Também disponível em: http://www.thepcrj.org/journ/vol18/18_4_241_242.pdf

9)MACHADO, Rodrigues Maria da Glória (2008). Bases da Fisioterapia Respiratória: Terapia Intensiva e Reabilitação. Capítulo 18: Terapêutica Inalatória. Editora Guanabara Koogan S.A., Rio de Janeiro. ISBN:978-85-277-1365-8.

10)MORAIS, António [et al] (2001). Estudo comparativo do manuseamento dos vários dispositivos de inalação utilizados em Portugal. In: Revista Portuguesa de Pneumologia. Volume VII, Nº1 (Janeiro/Fevereiro) p.9-24. Disponível também em: www.sppneumologia.pt/publicacoes/?imc=50n&edicao=41&publicacao=22&fmo=pa 

11)MUCHÃO [et al] (2008). Avaliação dos conhecimentos sobre o uso de inaladores dosimetrados entre profissionais de saúde de um hospital pediátrico; Jornal Brasileiro de Pneumologia, São Paulo, volume 34, Edição 1. Janeiro. ISBN 1806-9312, ISSN 1806-3713. Tambem disponível em: https://vpn.esel.pt/http/0/www.jornaldepneumologia.com.br/PDF/2008_34_1_3_portugues.pdf

12)MYERS, L. B., & MIDENCE, K. (1998). Adherence to treatment in medical conditions: Taylor & Francis Books. 517p. ID – OP: OL9731268M; ISBN10: 9057022648; ISBN13: 9789057022647.

13)PETERSON, A. M.; TAKIYA,L; FINLEY, R. (2003). Meta-analysis of trials of interventions to improve medication adherence. American Journal Helath-System Pharmacy. Apr.; 60:657-665.

14)PONTES DA MATA [et al] (2002). Agonistas dos receptores β2.In: Curso Interactivo de Pneumologia: Capítulo III. Dispositivos e técnicas de inalação. Volume 10. 2002 Permanyer Portugal. Lisboa. Astrazenecap.31-37; ISBN:972-733-118-1.  Disponível em: www.sppneumologia.pt/download.php?path=pdfs…CIP…Agonistas

15)SOTOMAYOR [et  al] (2001). Evaluación de las técnicas  y errores en el uso de los inhaladodres de dosis medida en el paciente adulto. [Rev. Méd.Chile], 2001, Vol.129, nº4, Santiago, Abril, pp. 413-20. ISSN 0034-9887. Também disponível em: http://www.scielo.cl/scielo.php?pid=S003498872001000400010&script=sci_arttext

16)TAVEIRA, Natália [et al] (2000). Terapêutica inalatória. In: Curso Interactivo de Pneumologia, Volume 8. Permanyer Portugal. Lisboa. Astrazeneca. 89p. ISBN: 972-733-072-X. Disponível em: www.sppneumologia.pt/download.php?path=pdfs&filename=CIP_2000_8_1_Terapeutica_Inalatoria_CI.pdf

17)TAVEIRA, Natália [et al] (2007). Terapêutica inalatória em Pneumologia: In: GOMES, Mª João; SOTTO-MAYOR Renato. Tratado de pneumologia. Lisboa. Capítulo 28/Secção E. p. 341-346.

18)VERMEIRE, E., HEARNSHAW, H., VANROYEN, P., & DENEKENS, J. (2001). Patient adherence to treatment: three decades of research – A comprehensive review. Journal of Clinical Pharmacy and Therapeutics, (2001), 26 (5), 331-342. Disponível em: http://www.mloz.be/files/medias/review%20patient%20adherence.pdf

19)World Health Organization  (WHO) (2003). Adherence to long-term therapies: Evidence for action, Genebra, OMS, 2003, 198 pp. ISBN 92-4-154599-2. /ou (Connor J; Essential Drugs Monitor, 2005 (34): 33 (journal article – brief item, pictorial) ISSN: 1015-0919 CINAHL AN: 2009249781) Database: CINAHL Plus with Full Text.

EBSCO:

20)BANNING M: (2004). Enhancing older people’s concordance with taking their medication; British Journal of Nursing (BJN), Jun 10-23; 13 (11): 669-74 (journal article – research, systematic review, tables/charts); ISSN: 0966-0461 PMID: 15218434

21)CINAHL AN: 2004162751.  (Database: CINAHL Plus with Full Text)

HAYNES,R.B. [et al] (2005) – Interventions to enhance medication adherence: The Cochrane Library. Volume (1); 2006; Cochrane Database Of Systematic Reviews (Online) [Cochrane Database Syst Rev], ISSN: 1469-493X, 2005 Oct 19; (4); Cochrane AN: CD000011; PMID: 16235271. (Database: MEDLINE with Full Text)

22)HAYNES,R.B. [et al] (2005) . Interventions for enhancing medication adherence (review). (The Cochrane Library 2008, Issue 2); Volume (1). Também disponível em:http://www.sefap.it/servizi_letteraturacardio_200807/CD000011.pdf ou www.sefap.it/servizi_letteraturacardio_200807/CD000011.pdf

23)SCHLENK E. A; DUNBAR-Jacob, J., ENGBERG, S. (2004). Medication non-adherence among older adults: a review of strategies and interventions for improvement.; Journal of Gerontological Nursing, 2004, Jul; 30 (7): 33-43 (journal article – pictorial, review, tables/charts); ISSN: 0098-9134; PMID: 15287325; CINAHL AN: 2004180041. (Database: CINAHL Plus with Full Text)

B-ON

24)COOPER, C. [et al] (2005). The AdHOC study of older adults’s adherence to medication in 11 Countries. The American journal of geriatric psychiatry. [1064-7481], Dec; 13 (12):1067-1076; ISSN: 1064-7481 147573959, IDN: 988QA, PID: 0108823238, AN: OOO233614500006. (Database: pub-med.gov). Também disponível em:

http://discovery.ucl.ac.uk/355/1/ajgpunmarkedchanges.pdf  (28pp.)

 25)HUGHES, C. M. (2004). Medication non-adherence in the elderly: how big is the problem? Review Drugs & Aging, 2004; 21(12):793-811; ISSN 1170229X; ISBN: 1170-229X; PMID: 15382959. (PubMed.gov – indexed for MEDLINE)

26)MUCHÃO [et al] (2008). Evaluation of the knowledge of health professionals at a pediatric hospital regarding the use of metered-dose inhalers; Journal Brasileiro Pneumologia. Volume: 34, Issue: 1, Date: 2008 Jan, Pages: 4-12. ISBN 1806-9312; ISSN: 1806-3756; IDN: S1806-37132008000100003;  18278370; PMID: 18278370. (Database: pub-med.gov)

 GOOGLE

27)LIRSAC, B. BRAUNSTEIN, G. (1991). Evaluation randomisée de deux méthodes d’apprentissage de l’utilisation des aérosols-doseurs = A randomised assessment of two methods of using aerosols; Revue des Maladies Respiratoires; Masson; Source: Paris 1991; vol. 8, Nº 6; 559-565 (bibl: 19 ref.); PMID: 1685595; ISSN: 0761-8425; CODEN: RMREEY. Também disponível em: http://www.refdoc.fr/Detailnotice?cpsidt=5310650&traduire=en

 28)MORAIS, António [et al] (2001). Estudo comparativo do manuseamento dos vários dispositivos de inalação utilizados em Portugal. In: Revista Portuguesa de Pneumologia. Volume VII Nº1 (Janeiro/Fevereiro) p.9-24.

http://www.sppneumologia.pt/publicacoes/?imc=50n&edicao=41&publicacao=22&fmo=pa

 29)SANDRINI, ALESSANDRA [et al] (2001). Aprendizado do uso do inalador dosimetrado após explicação por pneumologista. J. Pneumologia [online]. São Paulo ; – jan-fev de 2001, vol.27, n.1, pp. 7-10. Disponível em: www.scielo.br/pdf/jpneu/v27n1/9248.pdf

 SCIELO

30)SANDRINI, ALESSANDRA [et al] (2001). Aprendizado do uso do inalador dosimetrado após explicação por pneumologista. J. Pneumologia [online]. São Paulo ; – jan-fev de 2001, vol.27, n.1, pp. 7-10. ISSN 0102-3586. doi: 10.1590/S0102-35862001000100003. Também disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jpneu/v27n1/9248.pdf

Read More

Snoezelen com idosos

Dec 25, 2011

Artigo Original

Snoezelen com idosos: Estimulação sensorial para melhor qualidade de vida

Snoezelen with old people: Sensory stimulation for better quality of life

Snoezelen con personas mayores: La estimulación sensorial para una mejor calidad de vida

Autores: Martins, Maria Amélia Nabais (Doutoranda em Psicologia Cognitiva, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, Lar Santa Beatriz da Silva)
Corresponding author: ameliacsp@gmail.com

RESUMO
Com a presente Recensão pretendemos expôr a experiência com anciãos que se apresentou no livro: Snoezelen com idosos, estimulação para uma melhor qualidade de vida da nossa autoria.
A palavra Snoezelen provém do Holandês Snuffelen – cheirar e Doezelen – tornar-se leve, relaxar. Tradicionalmente, na Holanda, onde nasceu, nos anos 60, o Snoezelen foi aplicado numa sala especial com um equipamento que oferecia múltiplos estímulos, envolvendo todos os sentidos, tanto para estimular como para relaxar.
Antes de implementar o Projecto de Snoezelen no Lar Santa Beatriz da Silva, procurámos Formação e Bibliografia que nos orientasse neste caminho. Em Portugal tivemos acesso a Bibliografia, artigos e sites relacionando o Snoezelen com a deficiência ou especificamente com Alzheimer. Fizemos uma pesquisa na Internet, e acedemos a muitos artigos em língua inglesa e alemã sobre esta temática.
Os efeitos do Snoezelen em Lares de Idosos não são bem conhecidos (Chung et al., 2002 cit in AA.VV, 2004). E o nosso trabalho apenas reflecte avaliação qualitativa descritiva e não quantitativa.
Pela sala de Snoezelen, desde Setembro de 2005 já passaram cerca de 80 idosos acompanhados por 5 cuidadores. Nem todos viveram a experiência sensorial com finalidade terapêutica. Para alguns, o Snoezelen foi e é uma actividade sem objectivos de reabilitação ou cura, no entanto, pela nossa observação e acompanhamento percebemos algumas palavras e expressões faciais que revelaram “outras curas”, como o prazer e o bem estar. Há uma relação personalizada que se estabelece pelo facto de as sessões decorrerem com um, dois ou três utentes e um terapeuta, sempre numa dimensão de humanitude, favorecendo as relações entre doente e cuidador.
Mesmo que o desenvolvimento tecnológico seja também uma realidade no Snoezelen, a mais valia continua a ser a atenção dos cuidadores à pessoa doente que prevalece sobre a eficiência técnica.
Sabemos que o desenvolvimento de cada criança e as experiências que vivência determinam o stock de conhecimento sobre o qual é construído o seu futuro. Toda a criança tem direito a experimentar por si mesma a descoberta dos seus limites e potencialidades. O comprometimento de um ou mais canais sensoriais, determina na criança a dificuldade em recuperar informações sobre o seu ambiente externo e interno. Imaginemos agora um adulto idoso com multi-déficits: o seu contexto de participação social limitado, a total dependência de outros para as acções simples de higiene e cuidados diários, os estereótipos, as dificuldades de relacionamento, de expressar as
suas emoções… Pensando nas suas necessidades, projectamos um ambiente multissensorial – um ambiente em que a terapêutica caminha aliada ao lazer, relaxamento e a experiências sensoriais agradáveis.
O principal objectivo nesta abordagem multissensorial é acompanhar a pessoa no crescimento da aceitação da sua nova condição, na manutenção das suas capacidades e na reabilitação, criando um contexto de calma e tranquilidade, motivador e desafiador, onde não existem exigências, expectativas, mas um lugar sagrado, longe de todos os espaços comuns e recolhido onde todos os sentidos e experiências proporcionadas só para si mesmo, o seu tempo, as suas limitações, os seus sentimentos… Porque cada humano é único e irrepetível, e mais do que incapacidades e deficiências, tem talentos e potencialidades que devem ser melhorados e reforçados, para aumentar e permitir uma vida com mais qualidade (cf. Montobbio & Lepri, 2000).
O modelo de base em que assenta o projecto “Snoezelen com idosos” é o da qualidade de vida para idosos dependentes, que suporta a visão de que podemos optimizar recursos e potencialidades até ao final das nossas vidas.
A necessidade de escrever sobre o Snoezelen com idosos, partiu das constantes questões que nos colocam outras Instituições e outros técnicos que tal como nós se questionam o que fazer com pessoas com elevado grau de dependência, sem qualquer tipo de actividade estimulante. Como proporcionar estímulos, qualidade de vida, como
envolvê-los na construção do seu Plano Individual?
Respostas? Apenas a experiência do Snoezelen nos tem ajudado a sonhar novos horizontes capazes de serem um caminho para a resposta necessária.
Reflectiremos ao longo do nosso texto de que este documento é simples resumo, algum enquadramento teórico que sustenta a nossa intervenção no Lar. Não houve pretensão de sermos exaustivos, apenas partilhar a centelha que ilumina a nossa acção com as pessoas mais idosas.
Queremos mostrar as vivências dentro dum “espaço multissensorial” dedicado ao cuidado dos idosos com déficits cognitivos, comportamentais ou físico-funcionais. Pela estimulação dos sentidos podemos limitar o estado de desconforto físico e dor, aliviar a tensão emocional e agressividade, reduzir o medo que vem do desconhecido e, ao mesmo tempo, tornar a pessoa participante na descoberta de um mundo de luzes, sons, cheiros, sentimentos, emoções… adequado a todas as idades.
O design do nosso trabalho assenta num background teórico que reúne fundamentos das teorias da actividade, da ruptura (teorias bio-psico-físicas), algumas notas de neuropsicologia, que nos norteiam na compreensão do processo de envelhecimento. O desenvolvimento de todo o projecto a que nos propusemos, desde o início, tem uma característica especial, é evolutivo; à medida que vamos conhecendo melhor os benefícios conhecemos melhor os pacientes e nesta espiral vamos avançando com a certeza de que a cada dia, algo de novo vamos descobrindo no efeitos do Snoezelen.

Descritores
Descritores Inglês: aging; sensory stimulation; snoezelen
Descritores Espanhol: envejecimiento; estimulación sensorial, snoezelen
Descritores Português: envelhecimento; estimulação sensorial, snoezelen

ESTUDO DE CASO

Identificando e medindo de forma controlada forças e fraquezas no funcionamento dos idosos, o Snoezelen ajuda a estabelecer as bases para um melhor conhecimento das sequelas que um AVC deixa, por exemplo, ajuda a revelar
alterações cerebrais suspeitadas e permite complementar a fisioterapia na reabilitação e manutenção.
Vejamos o seguinte caso:

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

Nome: M.,
Idade: 83 anos,
Estado civil: solteira
Doente de 83 anos, com antecedentes pessoais de nefrectomia esquerda desde 2007, hipertensão arterial e cardiopatia hipertensiva. Seguida em consulta de Memória/neurologia. Foi hospitalizada com traumatismo craniano na região occipital consequência de uma queda, disartria e diminuição da força muscular à direita. Hemiparesia direita, paresia facial tipo central homolateral e disartria. Realizou TC crânio-encefálica que mostrou hematoma
tálamo-lenticular à esquerda, sem sinais de hidrocefalia ou hipertensão intracraniana. Diagnóstico final: AVC hemorrágico do hemisfério esquerdo (hemorragia intracerebral) (21 de Dezembro de 2009).

Durante o período do internamento hospitalar registou-se melhoria significativa de disartria mas mantiveram-se os restantes défices.

As sequelas foram leves ao nível das afasias, mas não tão leves em termos de apraxia ideomotora e astereognosia (incapacidade de reconhecimento de objectos pelo tacto).

Dado necessitar de atenção permanente e apoio integral na realização das suas actividades de vida diária e ainda de fisioterapia foi integrada no Lar a 08/01/2010.

Resultados da Avaliação de Autonomia Funcional à data da integração:
1 – Vê de forma adequada com ou sem óculos.
1 – Ouve correctamente com ou sem prótese auditiva.
1 – Reconhece todos os sabores.
1 – Reconhece os cheiros.
4 – Sem sensibilidade táctil (lado direito).
2 – Esquece factos recentes como nomes, encontros, mas lembra-se de factos importantes.
2 – Por vezes desorienta-se no tempo e no espaço.
2 – Lento a apreender as explicações ou os pedidos.
3 – avalia mal as situações e não toma decisões sensatas necessita fortemente da nossa opinião.
2 – Perturbações de comportamento menores (humor variável) que necessitam uma vigilância ocasional.
4 – Deve ser levantado e deitado.
4 – Não anda.
4 – Incapaz de utilizar escadas.
4 – Necessita que um terceiro empurre a cadeira de rodas.
2 – Tem um defeito de linguagem mas tem êxito a exprimir o seu pensamento.
2 – Responde ao telefone mas não compõe alguns números memorizados.
1 – Interessa-se pela sua aparência.
4 – Deve ser transportado em ambulância.
4 – Deve ser lavado por um terceiro porque não participa activamente na sua higiene.
4 – Deve ser vestido por um terceiro.
3 – Necessita de uma ajuda parcial: devem cortar-se ou picar previamente os seus alimentos.
2 – Toma os seus medicamentos se forem preparados previamente.
4 – Incapaz de utilizar os lavabos, a cadeira elevada, etc..
2 – Incontinência vesical ocasional; um terceiro deve frequentemente lembrá-lo de ir ao WC.
2 – Incontinência fecal ocasional.

Resultados da Avaliação de Autonomia Funcional (ver fig. 1)no final de Maio de 2010, ainda que as alterações/evolução não aparente ser muito significativa, há maior autonomia porque passou a alimentar-se sozinha, sem necessitar nenhum tipo de ajuda, assim como pela recuperação da mobilidade do braço direito pode deslocar-se sozinha com a a cadeira de rodas. Na higiene participa, lavando a cara, os dentes e colabora com a cuidadora.
1 – Vê de forma adequada com ou sem óculos.
1 – Ouve correctamente com ou sem prótese auditiva.
1 – Reconhece todos os sabores.
1 – Reconhece os cheiros.
1 – Sensibilidade no tacto, térmica, vibratória e dor.
2 – Esquece factos recentes como nomes, encontros, mas lembra-se de factos importantes.
2 – Por vezes desorienta-se no tempo e no espaço.
2 – Lento a apreender as explicações ou os pedidos.
3 – Avalia mal as situações e não toma decisões sensatas necessita fortemente da nossa opinião.
2 – Perturbações de comportamento menores (humor variável) que necessitam uma vigilância ocasional.
4 – Deve ser levantado e deitado.
4 – Não anda.
4 – Incapaz de utilizar escadas.
3 – Circula unicamente dentro com cadeira de rodas mas tem pontualmente necessidade de ajuda.
2 – Tem um defeito de linguagem mas tem êxito a exprimir o seu pensamento.
2 – Responde ao telefone mas não compõe alguns números memorizados.
1 – Interessa-se pela sua aparência.
4 – Deve ser transportado em ambulância.
3 – Necessidade de ajuda para lavar-se (higiene diária) mas participa activamente.
4 – Deve ser vestido por um terceiro.
1 – Come sozinho.
2 – Toma os seus medicamentos se forem preparados previamente.
4 – Incapaz de utilizar os lavabos, a cadeira elevada, etc..
1 – Micção normal.
1 – Esclarecimento normal.

Uma das principais queixas apresentadas pela paciente, a par da hemiplegia direita (impossibilitando o uso do membro superior e inferior direitos), é ao nível da memória e, para avaliar, expusemo-la ao teste de reconhecimento de figuras. Fora do ambiente Snoezelen, só após a indicação escrita (por parte do paciente) é que foi capaz de se lembrar dos elementos (após o 5.º mês de fisioterapia é que pode escrever com a própria mão direita). No ambiente Snoezelen, após os momentos iniciais de relaxamento e passado o 30.º segundo de visualização dos objectos foi capaz de se lembrar de todos (após o 3º mês de intervenção no Snoezelen). Ver Fig. 2 – Teste de Memória – reconhecimento de figuras e Tabela 1 – no início da Intervenção e após o 3º mês de Intervenção.

O desempenho da paciente em tarefa de identificação e memorização dos objectos desenhados (5 vezes em dias diferentes em duas fases distintas) sendo que O – corresponde a evocação correcta e X – evocação errada. De ressaltar que não se lembrou do pente porque não identificou o mesmo no desenho.

No entanto, observamos que no dia-a-dia há determinados aspectos da organização do mesmo que não são memorizados como, por exemplo, a hora da fisioterapia. Perguntando sempre “a que horas é?” Ou ainda esquecendo que, nas quartas-feiras não tem sessão de fisioterapia (mas sim de snoezelen – Duas sessões em média por semana às quartas feiras e aos sábados das 12h às 12h40m) e manifesta ansiedade porque ainda não foi à sessão.

A avaliação e a intervenção ao nível do Snoezelen resgatam a integralidade na atenção à saúde e não se restringem tanto à cura, mas sim, à optimização do funcionamento global e ao conforto do paciente, ainda que temporariamente, pois sabe-se presente no tempo e no espaço.

A exploração da capacidade de coordenação do acto motor manual utilizando todos os membros do lado direito só acontecia inicialmente por ordem/indicação e ajuda total; a pouco e pouco foi desenvolvendo a capacidade de sozinha explorar os limites e por vezes aconteceu que não foi capaz de os avaliar. A capacidade de organização ópticoespacial está satisfatoriamente mantida, sendo que para realizar tarefas mais complexas demonstra maior preocupação para não cometer erros e insiste no pedido de auxílio para a realizar com perfeição. A capacidade de cópia e desenho livre de estímulos estavam comprometidos, mas ao fim de 4 meses pode começar a executar estas tarefas, pois a hemiplegia à direita impedia a realização de determinadas tarefas.

De forma global, a percepção de estímulos acústicos e a execução motora de grupos rítmicos encontram-se normalizados. Todavia, alguns erros cometidos parecem não se dever a défices sensoriais ou perceptivos sensoriais ou perceptivos centrais, antes sim motivados pelo padrão de impulsividade e ansiedade que caracteriza a doente.

A exploração das sensações cutâneas distais superiores revela mais uma vez o que já sabemos sobre a hemiplegia (neste caso à direita). Mas a persistência terapêutica (3 meses) com as fibras ópticas e as texturas foi, sem dúvida, um impulso para a aquisição de novas sensações e a recuperação das zonas em causa. Precisou muitas vezes do auxílio da visão para o
reconhecimento.

As funções visuais não se encontram comprometidas pois a doente reconhece objectos apresentados e desenhados em diferentes escalas, graus de complexidade. Revela alguns erros em tarefas mais
complexas de organização visuoespacial, mas após a detecção do erro ou com relativa ajuda consegue realizar a tarefa como, por exemplo, na execução por cópia da figura complexa de Rey ou do teste do
Relógio (que por si só são testes que em parceria com toda a avaliação revelam outros tipos de funções comprometidas ou não) e o jogo dos cubos (ver Fig 3 – Teste do relógio e figura complexa de Rey,
ambos elaborados a partir de cópia). As imagens são reveladoras da evolução, mesmo que não coloquemos aqui nenhuma imagem anterior, podemos afirmar que no início da intervenção, a paciente não
poderia elaborar nenhuma cópia, por causa da mão estar afectada pela hemiplegia.

A audição fonémica, avaliada através de tarefas de repetição verbal e escrita, encontra-se normalizada após 4 meses de intervenção. Denota-se apenas alguma dificuldade de atenção. Foi diagnosticada disatria, mas não muito severa. A repetição constante das indicações das tarefas, a manutenção de conversas informais, o expressar verbalmente do que vivenciava no Snoezelen levou à quase total superação deste distúrbio neurológico assim como a paralesia facial tipo central homolateral foi-se desvanecendo com o tempo e exercitação.

Por vezes, na repetição de alguma palavra com fonética mais elaborada mostra ainda relutância em repetir como, por exemplo,preponderância, otorrinolaringologista, etc.. Mas de um modo geral articula bem as palavras, séries de palavras e frases… Sempre que se engana dá conta do mesmo e tenta sempre com sucesso corrigir. O seu desempenho ao nível da leitura mantém-se intacto. O mesmo tem sido uma alavanca para manter também o desempenho na oralidade.

Quanto ao cálculo aritmético mantém a capacidade ao nível de operações simples de somar, no cálculo em subtracção ou multiplicação simples e complexo revela elevada dificuldade, que aumenta ao nível
da abstracção.

Ao nível das funções mnésicas, a memória remota e memória procedimental estão globalmente preservadas. Revela boa capacidade de memória na realização dos exercícios, mas manifesta muitos esquecimentos ao nível das rotinas diárias. Poder-se-á entender na medida em que a re-evocação de histórias e de imagem-palavra está normalizado e o facto de se sentir a ser avaliada faz com que a atenção (embora por vezes falte) esteja mais preservada.

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO

Após a avaliação, o programa de fisioterapia e Snoezelen com a doente foi estruturado tendo em consideração as dificuldades apresentadas pela mesma e pelo relatório médico (ver Tabela 2 – Esquematização do processo de intervenção)

O processo de reabilitação em AVC deve ser contínuo e activo. Deve promover a maximização de toda e qualquer oportunidade de retorno ao níveis de funcionalidade precedentes e ao estilo de vida o mais activo possível e produtivo (AA.VV, 1997).

Dada a multiplicidade de sequelas decorrentes do AVC, todo o trabalho de recuperação implica necessariamente a coordenação de esforços de vários profissionais e várias intervenções terapêuticas sem fim no tempo porque após a possível recuperação há que necessariamente proceder à manutenção e retardamento de maiores níveis de dependência.

O processo caracterizou-se por duas etapas: primária e secundária. A primária, enquanto resultado dos processos neurofisiológicos de recuperação como a diminuição do edema, não ocorrência de hemorragias, reabsorção de toxinas (responsabilidade hospitalar e do acompanhamento da enfermagem), e a secundária, como resultado de estratégias de aprendizagem, reorganização e manutenção (cf. Maia, Correia & Leite,
2009). Um dos pressupostos transversais à intervenção com o Snoezelen nesta idosa, vítima de AVC, independentemente da zona afectada, consistiu na intervenção centrada na estimulação sensorial, na estimulação do sistema proprioceptivo. Esta intervenção iniciou-se imediatamente à entrada da idosa no Lar dado que a mesma já se encontrava num estado responsivo. A estimulação conferida à utente foi intensiva de forma adequada às suas necessidades e não apenas um reensinar das capacidades perdidas.

Habitualmente as sessões de Snoezelen têm um enfoque particularmente sensitivo e por vezes cognitivo, iniciando-se através da orientação espacial, na utilização dos sentidos e na estimulação do sistema
proprioceptivo.

A idosa foi apoiada a restabelecer níveis de coordenação visuoespacial através da orientação comandada das cores dos tubos de água com bolhas (causa-efeito). Foi ainda orientada a concretizar actividades
como sair sozinha da cadeira de rodas e deitar-se na cama de água (após a 15.ª sessão de fisioterapia), no sentido de restabelecer níveis de coordenação muscular para concretizar pequenas actividades como levantar as pernas até um ângulo de 80º (em posição deitada), em ordem ao treinamento de actividades da vida diária.

Em tarefas de estereognosia (exploração de objectos com a mão direita sem auxílio da visão), o desempenho inicialmente deficitário, não só a nível do reconhecimento como discriminação de intensidades de estimulação somatosensorial (não distinção de toques fortes e leves, nos membros do lado direito), ao fim de 15 sessões a diferença é abissal, reconheceu quase todos os objectos, texturas e locais de toque sem auxílio da visão o que permitiu também passar para algumas actividades no âmbito da ergoterapia.

No processo de estimulação sensorial e neuropsicológica procuramos adequar os estímulos às dificuldades da doente, falando calmamente e repetindo os exercícios no sentido de um treinamento mais sistemático e persistente. Esta calma é imprescindível pois a lentificação dos processos de assimilação e processamento da informação, mesmo que não esteja muito afectado, está lentificado, daí a persistência no treino da execução dos mesmos exercícios e de modo especial referimos novamente as fibras ópticas e as texturas ao som dos concertos para piano de Mozart (Mozart: Les 23 concertos piano).

A estimulação proporcionada à idosa foi intensiva, mas com consciência plena que foi de acordo com as suas necessidades e sobretudo potencialidades e reensinamento das capacidades perdidas. Algumas precauções foram tomadas como, por exemplo, a adaptação do comportamento à idade real (mesmo que por vezes a mesma tenha assumido um comportamento infantilizado), não utilizando nunca voz agressiva nem
barulhenta e, para além de tudo isto, valorizando e reforçando sempre os sucessos e não valorizando os desempenhos erráticos. Os níveis de saturação e cansaço na abordagem inicial às tarefas foram altos e aquando de tarefas em que a dificuldade de resposta era maior chegou a apresentar respostas emocionais desadequadas, ainda que compreensíveis.

Em suma, tanto do ponto de vista da avaliação como da intervenção, verificámos ao nível qualitativo que o Snoezelen foi um auxílio precioso no processo de reabilitação e manutenção das faculdades existentes (ver Tabela 3 – Dieta Sensorial e Observações).

O caminho de 5 meses foi de busca, de presença, de acompanhamento, de “estar”… um caminho que queríamos compreender eideticamente (eidos, do grego – essência) o evento Snoezelen na vida dos idosos (e desta paciente em particular). Tomando cada um dos excertos dos registos transcritos nas diferentes unidades e no quadro anterior, atrevemo-nos a dizer que o Snoezelen contribui e muito para uma melhor qualidade de vida dos idosos do Lar Santa Beatriz da Silva.

O tema abordado, desde a sua génese, teve apenas como único desafio passar para o papel tudo o que se foi aprendendo sobre Snoezelen e suas implicações na vida dos idosos da nossa Instituição.

As teorias abordadas neste caminho fazem parte de um grupo de “grandes teorias”, as quais procuram explicar, de forma geral, a relação entre pessoas idosas, envelhecimento e sociedade. Os estudos e
as pesquisas demonstram que estas teorias ficam, em muitos casos, generalistas demais, levando a formas de explicação pouco precisas. Por isso, as todas as gerações de teorias sociológicas seriam necessárias para um conhecimento maior e mais aprofundado do fenómeno do envelhecimento. Mas o conhecimento das teorias aqui apresentadas continua a ser a nossa referência, pela sua simplicidade.

Apresentar a nossa vivência no ambiente Snoezelen assim como a descrição do breve e simples estudo caso foi uma dura e longa jornada. Difícil por ser a primeira tentativa de passar para o papel a “nossa
vida”.

Os objectivos do Snoezelen no Lar Santa Beatriz da Silva são:
· Estimular os sentidos e contacto com materiais diversos;
· Promover um sentido de pertença através da participação activa das pessoas envolvidas nas sessões de Snoezelen;
· Incentivar a participação activa dos agentes e usuários;
· Estimular a criatividade e a curiosidade sobre os estímulos;
· Promover a participação dos familiares e colaboradores;
· Proporcionar relaxamento e estimulação sensorial;
· Compartilhar a metodologia com outras Instituições;
· Criar “alianças de qualidade de vida” entre todos os participantes: usuários, familiares, profissionais e compartilhar ferramentas terapêuticas;
· Considerar o Snoezelen não uma terapia mas uma ocasião de relaxamento e de experiências de prazer que põe em acção todos os sentidos;
· Ver no quotidiano de cada dia na instituição tudo o que é multissensorial como ocasião de crescimento e descoberta pessoal e que encoraja o pensamento criativo mesmo em pessoas com graves deficits.

Os resultados esperados não se prendem com quantificações ou certezas científicas absolutas da dimensão terapêutica mas percebemos que no limite do sofrimento humano, o terapeuta eleva-se numa atitude onde o seu corpo e a sua mente e da pessoa cuidada, convergem para uma dinâmica com harmonia, organização e respeito. Há reciprocidade e o mais pequeno detalhe é valorizado, de modo que quanto mais vulnerável e dependente é a pessoa doente, mais delicado, fino e leve é o gesto, o olhar, o movimento, a voz e o contacto do cuidador (cf. Simões, Rodrigues & Salgueiro, 2008). Neste ambiente acontece o resultado esperado num Lar de idosos, o resultado de melhor qualidade de vida.

Parafraseando Karl Popper podemos dizer que o Snoezelen é a rede que lançamos para captar a realidade dos idosos em Lar e melhorá-la.

Chegados ao fim da caminhada que porposta, cientes dos limites científicos e da ausência de certezas absolutas, mas certos de que foi aberto um caminho de investigação mais séria sobre a influência do Snoezelen para maior qualidade de vida em idosos grande dependentes.

“ Cheguei ao fim do fio da continuidade”
(Almada Negreiros)

REFERÊNCIAS

AA.VV. (1997). Rehabilitation. Stroke, 28, 1522-1526.
AA.VV. (2004). The implementation of Snoezelen in psychogeriatric care: an evaluation through the eyes of caregivers in International Journal of Nursing Studies 41. pp. 397–409
Maia, L., Correia, C. & Leite, R. (2009). Avaliação e Intervenção neuropsicológica. Lisboa: Lidel.
Montobbio, E. & Lepri, C. (2000). Chi sarei se potessi essere.. Pisa: Ed. Del Cerro.
Simões, M., Rodrigues, M. & Salgueiro, N. (2008) O significado da filosofia da humanitude, no contexto dos cuidados de enfermagem à pessoa dependente e vulnerável. Revista Referência II Série nº 7. Ministério da Saúde. Lisboa pp 97-10

TABELAS



FIGURAS

CHAVES DE LEITURA E INTERPRETAÇÃO DA FICHA

FUNÇÕES SENSORIAIS
VER
1. Vê de forma adequada com ou sem óculos.
2. Problemas de visão mas conseguem fazer as suas actividades.
3. Não vê o contorno dos objectos, precisa ser guiado.
4. Cego.

ENTENDER – OUVIR
1. Ouve correctamente com ou sem prótese auditiva.
2. Ouve mas só se falar bem alto.
3. Não entende se não for bem alto e acompanhado de gestos.
4. Surdo.

GOSTO
1. Reconhece todos os sabores.
2. Não diferencia sabores.
3. Não reconhece sabores.
4. Falta de paladar.

SENTIR – CHEIRO
1. Reconhece os cheiros.
2. Não reconhece os maus cheiros.
3. Não reconhece os cheiros.
4. Sem cheiro.

TOQUE
1. Sensibilidade no tacto, térmica, vibratória e dor.
2. Dificuldade de reconhecer os objectos sem ajuda da vista.
3. Diminuição da sensibilidade à dor e térmica.
4. Sem sensibilidade táctil.

FUNÇÕES MENTAIS
MEMÓRIA
1. Memória normal.
2. Esquece factos recentes como nomes, encontros, mas lembra-se de factos importantes.
3. Esquece aspectos da vida corrente (apagar ou acender a luz, pentear-se, etc..).
4. Quase amnésico.

ORIENTAÇÃO
1. Bem orientado no tempo e no espaço.
2. Por vezes desorienta-se no tempo e no espaço.
3. É orientado somente no espaço habitual, no imediato e com pessoas familiares.
4. Desorientação completa.

COMPREENSÃO
1. Compreende bem.
2. Lento a apreender as explicações ou os pedidos.
3. Compreende apenas parcialmente após explicações repetidas.
4. Não compreende o que se passa em redor.

JULGAMENTO
1. Avalia as situações e toma decisões sensatas.
2. Avalia as situações mas necessita conselhos para tomar decisões.
3. Avalia mal as situações e não toma decisões sensatas necessita fortemente da nossa opinião.
4. Não avalia as situações e devem-se tomar as decisões no seu lugar.

COMPORTAMENTO
1. Adequado.
2. Perturbações de comportamento menores (humor variável) que necessitam uma vigilância ocasional.
3. Perturbações do comportamento que necessitam uma vigilância mais intensiva (agressividade para com ele ou os outros).
4. Perigosos, tenta ferir os outros ou ferir-se.

MOBILIDADE
LEVANTAR-SE
1. Levanta-se e deita-se sozinho.
2. Levanta-se e deita-se sozinho mas deve ser estimulado ou supervisionado ou guiado.
3. Necessidade de ajuda para se levantar e deitar.
4. Deve ser levantado e deitado.

CAMINHAR NO INTERIOR
1. Desloca-se com ou sem ajudas técnicas.
2. Desloca-se mas deve ser guiado, estimulado ou supervisionado porque não é diligente na sua segurança.
3. Necessita da ajuda de terceiro.
4. Não anda.

UTILIZAR ESCADAS INTERIORES
1. Sobe e desce escadas únicas.
2. Sobe e desce escadas mas deve ser guiado, estimulado ou supervisionado ou sobe e desce escadas de maneira não segura.
3. Sobe ou desce escadas com a ajuda de uma bengala.
4. Incapaz de utilizar escadas.

CAMINHAR NO EXTERIOR
1. Desloca-se com ou sem ajudas técnicas.
2. Desloca-se mas deve ser guiado, estimulado ou supervisionado porque não é diligente na sua segurança.
3. Necessita da ajuda de terceiro.
4. Não anda.

INSTALAR PRÓTESE
1. Instalação única da sua prótese.
2. Necessidade que se verifica na instalação da sua prótese.
3. Ajuda parcial necessária.
4. A prótese deve ser instalada por um terceiro.

DESLOCAR-SE EM CADEIRA DE RODAS
1. Circula mesmo fora.
2. Circula dentro.
3. Circula unicamente dentro mas tem pontualmente necessidade de ajuda.
4. Necessita que um terceiro empurre a cadeira.

COMUNICAÇÃO – FALAR
1. Fala normalmente.
2. Tem um defeito de linguagem mas tem êxito a exprimir o seu pensamento.
3. Tem defeito de linguagem mas pode comunicar certas necessidades primárias, ou responder a perguntas por sim ou não.
4. Incapaz de comunicar verbalmente

UTILIZAR O TELEFONE
1. Serve-se do telefone.
2. Responde ao telefone mas não compõe alguns números memorizados.
3. Comunica ao telefone mas não compõe número.
4. Incapaz de utilizar o telefone.

TRATAR da SUA IMAGEM
1. Interessa-se pela sua aparência.
2. Necessidade de estimulação para tratar da sua aparência.
3. Necessidade de ajuda.
4. Não se interessa pela sua aparência.

UTILIZAR os MEIOS de TRANSPORTE
1. Utiliza algum meio de transporte (automóvel, táxi, autocarros).
2. Deve ser acompanhado para utilizar um meio de transporte.
3. Utiliza apenas o automóvel ou um veículo adaptado à condição a ser acompanhado e ajudado para subir e descer.
4. Deve ser transportado em ambulância.

ACTOS DA VIDA QUOTIDIANA – AVD’S
LAVAR-SE
1. Lava-se sozinho.
2. Lava-se sozinho mas deve ser estimulado; ou necessita de vigilância; ou que se lhe prepare o necessário; ou tem necessidade de ajuda para um banho completo (semanal).
3. Necessidade de ajuda para lavar-se (higiene diária) mas participa activamente.
4. Deve ser lavado por um terceiro porque não participa activamente na sua higiene.

VESTIR-SE
1. Veste-se sozinho.
2. Veste-se sozinho mas deve ser estimulado ou tem necessidade de vigilância para se vestir ou deve-se tirar-lhe a sua roupa e apresentar-lhe ou deve-se fazer apenas certos toques finais (botões).
3. Necessita a ajuda para vestir-se.
4. Deve ser vestido por um terceiro.

ALIMENTAR-SE
1. Come sozinho.
2. Come sozinho mas deve ser estimulado.
3. Necessita de uma ajuda parcial: deve-se cortar ou picar o seu alimento previamente.
4. Deve ser alimentado inteiramente por um terceiro.

TOMAR OS SEUS MEDICAMENTOS
1. Toma sozinho os seus medicamentos de maneira adequada.
2. Toma os seus medicamentos se forem preparados previamente.
3. Há necessidade de vigilância para assegurar-se de que toma convenientemente os seus medicamentos.
4. Deve-se fazer tomar os seus medicamentos.

UTlLlZAR OS LAVABOS
1. Utiliza só os lavabos.
2. Necessita uma vigilância aquando da utilização dos lavabos.
3. A necessidade da ajuda de um terceiro para ir aos lavabos ou utilizar a cadeira elevada, urinol ou a bacia.
4. Incapaz de utilizar os lavabos, a cadeira elevada, etc..

CONTINÊNCIA VESICAL
1. Micção normal.
2. Incontinência ocasional; ou um terceiro deve frequentemente lembrá-lo de ir ao WC.
3. Incontinência urinária frequente; ou necessita de sonda.
4. Incontinência urinária total.

CONTINÊNCIA ANAL
1. Esclarecimento normal.
2. Incontinência fecal ocasional.
3. Incontinência frequente ou ajuda de colostomia.
4. Incontinência fecal total e habitual.

Adaptado e traduzido de Éditique: Dr Lucien Mias – 1993 – Adapté des grilles SMAF et IAD (Cf. http://papidoc.chic-cm.fr/12evalcafim.html acedido a 20/01/2009)


Read More
EnglishFrenchPortuguese