Jul 22, 2013

The construction of the Elderly Nursing Core Set

Autores:

Manuel José Lopes – Professor Doutor, Diretor da Escola Superior de Enfermagem de São João de Deus, Universidade de Évora, E-mail: manueljlopes@netcabo.pt;

César Fonseca – Enfermeiro CHLN, Doutorando em Enfermagem Universidade de Lisboa. E-mail: cesar.j.fonseca@gmail.com

RESUMO:

Objetivo: Descrever o processo de construção do Elderly Nursing Core Set.

Métodos: Estudo transversal, descritivo; amostra de conveniência, com 178 pessoas com mais de 65 anos de idade em cuidados de longa duração de um Lar de Idosos e da ECCI da região de Odivelas.

Resultados: Extraídas por via análise fatorial de componentes principais (ACP), seis componentes que explicam 79,87% da variância total, tendo sido as mesmas construídas com um peso superior a .5. As componentes extraídas foram o Autocuidado, a Aprendizagem e Funções Mentais, Comunicação e Relação com Amigos e Cuidadores. Esta ACP, com rotação varimax, resultou numa matriz de adequabilidade muito boa (KMO = .947) e o Teste de Bartle (X2(300) = 11131,28, p<0,001) e o alpha Global foi excelente (.949).

Conclusão: O Elderly Nursing Core Set ainda está em construção, no entanto tem boas características psicométricas, pelo que se aconselha a sua aplicação a pessoas com 65 e mais anos de idade e a reprogramação dos cuidados de enfermagem com base nos dados obtidos.

Descritores: Envelhecimento; Classificação Internacional da Funcionalidade, Incapacidade e Saúde; Necessidades de Cuidados de Saúde.

ABSTRACT:

Objective: To describe the process of construction of the Elderly Nursing Core Set.
Methods: A descriptive cross-sectional, convenience sample of 178 people over 65 years of age on long-term care of a Nursing Home and ECCI of Odivelas.

Results: Extracted by Principal Component Analysis, six components that explain 79.87% of total variance, the same having been built with a weight greater than .5. The components were extracted Self Care, Learning and Mental Functions, Communication and Relationship with Friends and Caregivers. This Principal Component Analysis, with varimax rotation, resulted in a matrix of very good adequacy (KMO = .947) and the Bartle text (X2(300) = 11131,28, p<0,001), and the Global alpha was excellent (.949).

Conclusion: Elderly Nursing Core Set is still under construction, but has good psychometric characteristics, and therefore we suggest its application to persons over 65 years of age and reprogramming of nursing care based on the data obtained.

Keywords: Aging, International Classification of Functioning, Disability and Health, Health Care Needs

Introdução

O envelhecimento demográfico é uma realidade cada vez mais atual(1) a população com idade superior a 65 anos terá exponencialmente maior representatividade demográfica(1-2). A esta população está associada uma percepção social negativa e de incapacidade(3-4), bem como o aumento dos custos e recursos sociais e dos serviços de saúde(3,5). Como explicação para este fenómeno são habitualmente apresentadas um conjunto de razões, das quais destacamos a associação entre o aumento constante da esperança de vida ao nascer* e a diminuição do índice sintético de fecundidade. A esperança de vida ao nascer em nível mundial, passou de 47,7 anos em 1950 para 69,3 em 2010. Em alguns dos países mais envelhecidos (e.g. Portugal) a esperança média de vida atingiu já os 79,8 anos (76,7 para os homens, 82,8 para as mulheres) e o índice sintético de fecundidade 1,37 filhos por mulher(6-7).

Em Portugal em 2011 a proporção de pessoas com 65 anos ou mais era de 19%, sendo que na década anterior era de 16%(8). Os resultados do Censos 2011 indicam que o índice de envelhecimento do país é de 129 (129 idosos por cada 100 jovens)(8). Na última década, o índice de dependência total aumentou de 48 em 2001 para 52 em 2011. O agravamento do índice de dependência total é resultado do acréscimo do índice de dependência de idosos que aumentou cerca de 21pontos na última década(1).

Importa desenvolver instrumentos que avaliem o estado funcional, como indicador de previsão dos custos e recursos dos cuidados de saúde(5,8-9) e a programação dos cuidados de enfermagem em particular. Para classificar a funcionalidade foi criada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a Classificação Internacional de Funcionalidade (CIF), que foi adotada por Portugal(4) e à qual são reconhecidas diversas vantagens de utilização. Os indicadores de incapacidade, nomeadamente os de limitação de atividade e os de limitação de capacidade funcional, permitem definir posteriormente, necessidades de cuidados de saúde(10-16). Foi com base nesta classificação que empreendemos o desenvolvimento do Elderly Nursing Core Set. Este estudo insere-se num estudo de âmbito mais global de caracter transversal, descritivo, com uma amostra aleatória, estratificada com 931 idosos da Região do Alentejo com um nível de confiança 95%, que permitiu a construção do Core Set dos Idosos, com base na Classificação Internacional da Funcionalidade. O desenvolvimento do Elderly Nursing Core Set que agora se publica, foi desenvolvido no sentido de sistematizar do Core Set dos Idosos, num instrumento mais especifico pra a avaliação das necessidades de cuidados de enfermagem. Neste sentido definimos também o conceito de cuidados de enfermagem às pessoas idosas, como sendo um processo de cuidados levado a cabo pelo enfermeiro, em articulação com a restante equipa, dirigido à pessoa idosa no seu contexto e que tem em consideração a funcionalidade entendida como processo de interação ou relação complexa entre a condição de saúde e os factores contextuais (i.e. factores ambientais e pessoais). O processo de cuidados visa a manutenção da autonomia e/ou a promoção dos processos de readaptação em relação aos défices de auto cuidado e das atividades de participação, considerando as funções e estruturas do corpo e os factores ambientais.

 

METODOLOGIA

O instrumento foi construído com base no Core Set dos Idosos de 53 códigos, através da seguinte pergunta: Quais os códigos do Core Set dos Idosos que avaliam os resultados sensíveis aos cuidados de enfermagem? Foi realizada uma RSL, com o objectivo de identificar os códigos da CIF, sensíveis aos cuidados de enfermagem, descritos internacionalmente e uma técnica de Dephi a 52 enfermeiros (com formação de pelo menos 16H e experiencia na aplicação dos códigos do Core Set dos Idosos), com o objectivo de hierarquizar os códigos da CIF com sensibilidade aos cuidados de enfermagem, descritos no Core Set dos Idosos.

Participantes

Aplicamos este instrumento com 31 códigos a uma amostra constituída por pessoas com mais de 65 anos de idade, acompanhadas em cuidados de longa duração: ECCI de Odivelas (95) e no lar de Idosos do SBSI/SAMS (83), o que totalizou 178 pessoas avaliadas. Na ECCI de Odivelas, esta sub-amostra é constituída por 95 indivíduos de ambos os sexos que utilizam o ECCI de Odivelas, têm idades compreendidas entre os 65 anos e os 97 anos (Minimum = 65; Maximum = 97). Existe uma diferença de 32 anos entre o valor mais elevado e o mais baixo da variável (Range = 32). Em termos médios a idade situa-se nos 80,34, sendo a idade mais frequente (Model) de 78 anos. Nesta sub-amostra a maioria dos inquiridos são do sexo feminino (63,2%) (Mode), correspondendo a 60 indivíduos, sendo que 36,8% indivíduos são do sexo masculino. No Lar de Idosos do SBSI/SAMS, esta sub-amostra é constituída por 83 indivíduos de ambos os sexos que utilizam o lar idosos do SMAS, têm idades compreendidas entre os 65 anos e os 98 anos (Minimum = 65; Maximum = 98). Existe uma diferença de 33 anos entre o valor mais elevado e o mais baixo da variável (Range = 33). Em termos médios a idade situa-se nos 83,53, sendo a idade mais frequente (Model) de 80 anos. Nesta sub-amostra a maioria dos inquiridos são do sexo feminino (73,5%) (Mode), correspondendo a 61 indivíduos, sendo que 26,5% pertencem a indivíduos do sexo masculino.

O Instrumento

O teste que agora se apresenta é composto por 25 itens que têm como objectivo avaliar a funcionalidade e definir necessidades de cuidados de enfermagem, segundo a classificação internacional da funcionalidade a pessoas com 65 e mais anos de idades segundo a CIF. A resposta a cada um dos itens é feita segundo uma escala tipo Likert com 5 pontos (1. NÃO há problema: 0-4%; 2. Problema LIGEIRO: 5-24%; 3. Problema MODERADO: 25-49%; 4. Problema GRAVE: 50-95%; 5. Problema COMPLETO: 96-100%). O instrumento permite a avaliação de 4 fatores: Autocuidado, a Aprendizagem e Funções Mentais, Comunicação e Relação com Amigos e Cuidadores.

No processo de selecção dos itens a considerar na escala, foi feito com base na CIF, recorrendo-se à orientação dos códigos que avaliam pessoas com 65 e mais anos de idade e relatados internacionalmente, através de técnica de consenso, onde seleccionamos 31 itens de avaliação, dos quais apenas consideramos 25 neste instrumento, com comunalidades superiores a .5 (tabela 1).

Tabela 1- Comunalidades

 

Initial

Extraction

23. Conversação (d350) 1,000 ,913
21. Comunicar e receber mensagens orais (d310) 1,000 ,898
22. Falar (d330) 1,000 ,896
11. Funções da atenção (b140) 1,000 ,895
32. Vestir-se (d540) 1,000 ,892
10. Funções da orientação (b114) 1,000 ,892
32. Vestir-se (d540) 1,000 ,892
30. Cuidar de partes do corpo d520 1,000 ,884
30. Cuidar de partes do corpo d520 1,000 ,884
13. Funções emocionais (b152) 1,000 ,879
33. Comer d550 1,000 ,877
29. Lavar-se (d510) 1,000 ,862
29. Lavar-se (d510) 1,000 ,862
34. Beber (d560) 1,000 ,858
24. Mudar a posição básica do corpo (d410) 1,000 ,830
25. Manter a posição do corpo (d415) 1,000 ,801
20. Realizar a rotina diária (d230) 1,000 ,795
26. Utilização da mão e do braço (d445) 1,000 ,764
9.Funções da consciência (b110) 1,000 ,754
28. Deslocar-se utilizando algum tipo de equipamento (d465) 1,000 ,735
31. Cuidados relacionados com os processos de excreção (d530) 1,000 ,713
12. Funções da memória (b144) 1,000 ,710
27. Andar (d450) 1,000 ,686
35. Relacionamentos familiares (d760) 1,000 ,632
14. Funções cognitivas de nível superior (b164) 1,000 ,608

Procedimentos

Foram observados todas as pessoas acompanhadas com 65 e mais anos de idade, num período temporal de 60 dias, no segundo semestre de 2012 da ECCI de Odivelas, lar de Idosos do SBSI/SAMS, o que totalizou 178. A coleta de dados foi realizada por enfermeiros tendo como recurso a técnica de entrevista estruturada com base no Elderly Nursing Core Set. Previamente, todos esses profissionais foram sujeitos a formação presencial sobre avaliação da funcionalidade com base na CIF. Foi-lhes ainda fornecido um manual de utilização do Elderly Nursing Core Set e disponibilizados os contactos de um dos investigadores para esclarecimento de eventuais dúvidas. As pessoas foram convocadas pelos profissionais de saúde para efeitos de específicos de avaliação da funcionalidade. Em alguns casos a coleta de dados foi feita no domicílio das pessoas quando de uma visita domiciliária. O tempo médio de aplicação do questionário foi de 20 minutos. A coleta de dados decorreu entre Agosto de 2012 e Dezembro de 2012. Desenvolveram-se os necessários procedimentos éticos, nomeadamente a sujeição do estudo à Comissão de Ética para as Ciências da Saúde da Universidade de Évora e a obtenção do consentimento informado por parte de todos os participantes no estudo. O tratamento de dados foi realizado com recurso ao SPSS®, fazendo-se uso da Análise fatorial de componentes principais.

RESULTADOS

Neste estudo procurou-se analisar as características psicométricas do Elderly Nursing Core Set, pelo que foi calculado o total para cada um dos factores constituintes da escala original. Calculou-se também um total global que reflecte a soma de todos os 25 itens. Na Tabela 2 apresentamos os itens que constituem esta escala.

Tabela 2 – Itens que constituem o Core Set dos Idosos

Realizar a rotina diária (d230)
Mudar a posição básica do corpo (d410)
Manter a posição do corpo (d415)
Utilização da mão e do braço (d445)
Andar (d450)
Deslocar-se utilizando algum tipo de equipamento (d465)
Lavar-se (d510)
Cuidar de partes do corpo d520
Cuidados relacionados com os processos de excreção (d530)
Vestir-se (d540)
Comer d550
Beber (d560)
Funções da consciência (b110)
Funções da orientação (b114)
Funções da atenção (b140)
Funções da memória (b144)
Funções emocionais (b152)
Funções cognitivas de nível superior (b164)
Comunicar e receber mensagens orais (d310)
Falar (d330)
Conversação (d350)
Relacionamentos familiares (d760)
Amigos (e320)
Prestadores de cuidados pessoais e assistentes pessoais (e340)
Profissionais de saúde (e355)

Tomando em consideração a estrutura factorial encontrada com base na inclusão dos 25 itens com melhor saturação nos seis factores extraídos, foram reanalisadas as características psicométricas ao nível da sensibilidade e da consistência interna.

Análise de Fidelidade

A fidelidade da escala foi determinada pelo método alpha de Cronbach. Foi calculada a consistência interna para a globalidade da escala e, seguidamente para cada um dos factores constituintes da escala. O alpha Global (para os 25 itens) foi de .949, demonstrando uma excelente consistência interna. Foram também calculados os alphas para os quatro factores extraídos da ACP, sendo o Fator 1 – Autocuidado aquele que apresenta um alpha mais elevado (α = . 971) demonstrando uma excelente consistência interna. Os Fatores 2 e 3 (α =.932 e α = . 950, respetivamente) apresentam uma excelente interna, enquanto que o Fator 4 demonstra uma consistência questionável (α = .610). Contudo e em relação a este último aspeto, a grande generalidade dos autores estatísticos (e.g. George & Mallery, 2003) concordam que o valor de .6 é consensual, sendo o mesmo apontado como o valor mínimo aceitável. Na Tabela 3 seguinte encontram-se os alphas para cada factor.

Tabela 3 – Coeficientes alpha para a escala e por factor

Fator

N.º Itens

Alpha obtido

Global

25

.949

Fator 1 – Auto cuidado

12

.971

Fator 2 – Aprendizagem e Funções Mentais

6

.932

Fator 3 – Comunicação

4

.950

Fator 4 – Relação com Amigos e Cuidadores

3

.610

Análise de Validade

Com o objectivo de averiguar a validade de construto da escala, submetemos os nossos dados a uma análise factorial, pelo método das componentes principais com rotação varimax. A estrutura relacional dos itens do Core Set dos Idosos (aspetos funcionais) foram submetidos a uma análise fatorial de componente principais (ACP)[1] (Tabela 5). Desta análise extraíram-se quatro componentes (também designadas por dimensões), segundo o critério de Kaiser para uma dimensão de 427 indivíduos, uma vez que a seleção das componentes foi feita tendo em conta o valor próprio superior à unidade, isto é, cada valor próprio quantifica a parte da variância (do total das variáveis) que é explicada por cada uma das componentes. Contudo, segundo o critério do Scree Test (analise do Scree Plot), poder-se-ia extrair 5 componentes, uma vez que poderemos extrair componentes até ao ponto em que a linha (curva) do gráfico tende a ficar paralela ao eixo horizontal.

As quatro componentes extraídas explicam 80,25% da variância total, tendo sido as mesmas construídas com um peso superior a .5. No pressuposto de que, quanto maior a percentagem de variância explicada maior a diferenciação; estas quatro componentes têm associado um grau de importância decrescente relativamente aos aspetos funcionais dos idosos.

Tabela 5 – Aspetos funcionais dos Idosos – Via Análise fatorial de componentes

principais

 

INDICADORES

COMPONENTES

 

Autocuidado

Aprendizagem e Funções Mentais

Comunicação

Relação com Amigos e Cuidadores

30. Cuidar de partes do corpo d520

,874

,211

,154

,083

29. Lavar-se (d510)

,871

,198

,263

,106

 
32. Vestir-se (d540)

,855

,230

,221

,028

 
28. Deslocar-se utilizando algum tipo de equipamento (d465)

,828

,157

,193

,096

 
27. Andar (d450)

,781

,195

,187

,088

 
25. Manter a posição do corpo (d415)

,779

,240

,296

,146

 
20. Realizar a rotina diária (d230)

,769

,142

,374

,163

 
24. Mudar a posição básica do corpo (d410)

,754

,126

,361

,122

 
31. Cuidados relacionados com os processos de excreção (d530)

,701

,264

,402

,066

 
34. Beber (d560)

,640

,168

,502

,127

 
26. Utilização da mão e do braço (d445)

,654

,270

,491

-,014

 
33. Comer d550

,592

,255

,433

,017

 
13. Funções emocionais (b152)

,163

,917

,285

,039

10. Funções da orientação (b114)

,217

,915

,312

-,019

 
11. Funções da atenção (b140)

,243

,915

,282

,008

 
12. Funções da memória (b144)

,185

,853

,164

,048

 
9.Funções da consciência (b110)

,289

,815

,337

,017

 
14. Funções cognitivas de nível superior (b164)

,125

,759

,086

,061

 
22. Falar (d330)

,333

,379

,870

,030

 
23. Conversação (d350)

,345

,403

,869

,052

 
21. Comunicar e receber mensagens orais (d310)

35. Relacionamentos familiares (d760)

,354

,213

,428

,246

,846

,777

,080

,140

38. Prestadores de cuidados pessoais e assistentes pessoais (e340)

-,085

,063

,021

,818

 
39. Profissionais de saúde (e355)

,195

-,092

,098

,761

 
37. Amigos (e320)

,334

,129

,077

,662

 
 

Total

8,207

5,548

4,899

2,166

 

% Variância explicada

29,422

22,193

19,598

8,664

 

“Extraction Method: Principal Component Analysis.

 Rotation Method: Varimax with Kaiser Normalization.”

a. Rotation converged in 6 iterations.

 

DISCUSSÃO

A primeira componente está genericamente associada a fatores que englobam aspetos funcionais relacionados com os cuidados pessoais, pelo que tomou a designação de “Autocuidado”, a qual explica uma maior percentagem de variância total 29,42%). Tendo-se observado um valor de KMO = .944 a recomendação face à análise fatorial é muito boa. O teste de esfericidade de Bartlett’s apresenta um p<.001pelo que rejeitamos a hipótese nula e concluímos que as variáveis estão correlacionadas significativamente. Observamos que os 12 indicadores que compõem esta componente apresentam uma excelente consistência interna, medição feita através do Alfa de Cronbach (α=.971). No Elderly Core Set, esta componente é constituída por doze indicadores com escala tipo Likert com 5 pontos (1. NÃO há problema: 0-4%; 2. Problema LIGEIRO: 5-24%; 3. Problema MODERADO: 25-49%; 4. Problema GRAVE: 50-95%; 5. Problema COMPLETO: 96-100%), composto pelas seguintes questões: Lavar-se (d510); Vestir-se (d540); Cuidar de partes do corpo d520; Deslocar-se utilizando algum tipo de equipamento (d465); Andar (d450); Realizar a rotina diária (d230); Manter a posição do corpo (d415); Mudar a posição básica do corpo (d410); Cuidados relacionados com os processos de excreção (d530); Utilização da mão e do braço (d445); Beber (d560); Comer d550.

A segunda componente é constituída por elementos associados à orientação, à atenção, à memória e à consciência, motivo pelo qual tomou a designação de “Aprendizagem e Funções Mentais”, a qual explica 22,19% da variância total (no global, as duas componentes explicam 51,61% da variância total). Tendo-se observado um valor de KMO = .932 a recomendação face à análise fatorial é boa. De igual forma o teste de esfericidade de Bartlett’s apresenta um p<.001 pelo que rejeitamos a hipótese nula e concluímos que as variáveis estão correlacionadas significativamente. Observamos que os 6 indicadores que compõem esta componente apresentam uma boa consistência interna (α=.932). No Elderly Core Set, esta componente é constituída por seis indicadores com escala tipo Likert com 5 pontos (1. NÃO há problema: 0-4%; 2. Problema LIGEIRO: 5-24%; 3. Problema MODERADO: 25-49%; 4. Problema GRAVE: 50-95%; 5. Problema COMPLETO: 96-100%), composto pelas seguintes questões: Funções emocionais (b152); Funções da orientação (b114); Funções da atenção (b140); Funções da memória (b144); Funções da consciência (b110); Funções cognitivas de nível superior (b164).

A terceira componente está genericamente associada a fatores de diálogo, no que diz respeito ao falar, ao conversar, pelo que ficou condensada com a designação “Comunicação”, explicando aproximadamente 19,59% da variância total (no global, as três componentes explicam 71,21% da variância total). Tendo-se observado um valor de KMO = .850 a recomendação face à análise fatorial é boa. Por outro lado, o teste de esfericidade de Bartlett’s apresenta um p<.001 pelo que rejeitamos a hipótese nula e concluímos que as variáveis estão correlacionadas significativamente. Observamos que também os 4 indicadores que compõem esta componente apresentam uma excelente consistência interna (α=.950). No Elderly Core Set, esta componente é constituída por seis indicadores com escala tipo Likert com 5 pontos (1. NÃO há problema: 0-4%; 2. Problema LIGEIRO: 5-24%; 3. Problema MODERADO: 25-49%; 4. Problema GRAVE: 50-95%; 5. Problema COMPLETO: 96-100%), composto pelas seguintes questões: Falar (d330); Conversação (d350); Comunicar e receber mensagens orais (d310); Relacionamentos familiares (d760).

A quarta componente está associada a aspetos relacionados com os prestadores de cuidados pessoais e amigos, pelo que tomou a designação “Relação com amigos e cuidadores”, explicando 8,66% da variância total (no global, as quatro componentes explicam 79,87% da variância total). Tendo-se observado um valor de KMO = .610 a recomendação face à análise fatorial é razoável. Também o teste de esfericidade de Bartlett’s apresenta um p<.001 pelo que rejeitamos a hipótese nula e concluímos que as variáveis estão correlacionadas significativamente. Observamos que os 3 indicadores que compõem esta componente apresentam uma consistência interna questionável (α=.624), contudo alguns teóricos sociais referem que o alfa de Cronbach .6 é considerado como aceitável. No Elderly Core Set, esta componente é constituída por seis indicadores com escala tipo Likert com 5 pontos (1. NÃO há problema: 0-4%; 2. Problema LIGEIRO: 5-24%; 3. Problema MODERADO: 25-49%; 4. Problema GRAVE: 50-95%; 5. Problema COMPLETO: 96-100%), composto pelas seguintes questões: Prestadores de cuidados pessoais e assistentes pessoais (e340); Profissionais de saúde (e355); Amigos (e320).

Por forma a complementarmos a análise feita anteriormente e analisando a matriz das correlações, a qual mede a associação linear entre as variáveis através do Coeficiente de Pearson e considerando que as correlações significativas ao nível de significância de 5% devem ter uma probabilidade inferior a .05/300 = .000166[2], pode-se então referir que praticamente todas as variáveis pertencentes às dimensões extraídas da ACP, com exceção da variável “prestadores de cuidados pessoais e assistentes pessoais” apresentam relações significativas (p<.001) sendo que as variáveis que fazem parte da dimensão de autocuidado apresentam entre si associações fortes a muito fortes, uma vez que estão patentes coeficientes que variam entre .7 a .9; as variáveis que constituem a dimensão referente à aprendizagem e funções mentais bem como à comunicação, apresentam entre si associações moderadas a muito forte, com coeficientes entre .5 a .9. Verificamos também que as variáveis que constituem a dimensão referente à relação com amigos e cuidadores, apresenta correlações fracas com todas as restantes variáveis. Situação esta que vem reforçar a fraca relação entre os indicadores, referida anteriormente. É possível, de igual forma, detetar-se uma associação muito forte entre algumas variáveis pertencentes a outras dimensões, como é o caso de “Beber” com “Conversação” (r=.819; p<.001); “Beber” com “Falar” (r=.811; p<.001); “Comer” com “Falar” (r=.800; p<.001).

Toda esta análise reforça a consistência interna e ao mesmo tempo relacional entre as variáveis que compõem os constructos.

CONCLUSÃO

Esta análise vem demonstrar-nos que os aspetos ligados aos autocuidados ganham maior destaque, sendo aqueles que mais se evidenciam nas funcionalidades dos idosos, em contrapartida os aspetos menos valorizados passam pelas relações com os amigos e com os cuidadores.

Pode concluir-se que o instrumento Elderly Nursing Core Set tem boas características psicométricas, no que diz respeito fiabilidade e validade interna, pelo que se sustenta a ideia de se continuar a desenvolver este instrumento, com a aplicação a pessoas com 65 e mais anos de idade, como forma de definir necessidades de cuidados de enfermagem em termos mundiais.

BIBLIOGRAFIA

  1. United Nations, Department of Economic and Social Affairs, Population Division. Population Ageing and Development 2009
  2. United Nations, Department of Economic and Social Affairs, Population Division (UN) (2011). Total population (both sexes combined) by major area, region and country, annually for 1950-2100 (thousands), Estimates, 1950-2010. World Population Prospects: The 2010 Revision, CD-ROM Edition.
  3. Doran D, Harrison M, Laschinger H, Hirdes J, Rukholm E, Cranley L, et al. Relation between nursing interventions and outcome achievement in acute care settings. Research In Nursing & Health. 2006; 29(1): 61-70.
  4. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) (2004). Lisboa. Direcção-Geral da Saúde. Tradução de: Organização Mundial da Saúde (resolução WHA54.21)
    1. Sidani S. Effects of patient-centered care on patient outcomes: an evaluation. Research & Theory For Nursing Practice. 2008; 22(1): 24-37
    2. Griffiths P. Effectiveness of intermediate care delivered in nurse-led units. British Journal Of Community Nursing . 2006; 11(5): 205-208.
    3. Griffiths P, Harris R, Richardson G, Hallett N, Heard S, Wilson-Barnett J. Substitution of a nursing-led inpatient unit for acute services: randomized controlled trial of outcomes and cost of nursing-led intermediate care. Age & Ageing . 2001; 30(6): 483-488.
    4. Steiner A, Walsh B, Pickering R, Wiles R, Ward J, Brooking J. Therapeutic nursing or unblocking beds? A randomised controlled trial of a post-acute intermediate care unit… including commentary by Torgerson DJ with author response. BMJ: British Medical Journal (International Edition). 2001; 322(7284): 453-460.
    5. von Krogh G, Dale C, Naden D. A framework for integrating NANDA, NIC, and NOC terminology in electronic patient records. Journal Of Nursing Scholarship. 2005; 37(3): 275-281.
    6. Schein C, Gagnon A, Chan L, Morin I, Grondines J. The association between specific nurse case management interventions and elder health. Journal Of The American Geriatrics Society. 2005; 53(4): 597-602.
    7. Ouslander J, Griffiths P, McConnell E, Riolo L, Kutner M, Schnelle J. Functional incidental training: a randomized, controlled, crossover trial in Veterans Affairs nursing homes. Journal Of The American Geriatrics Society. 2005; 53(7): 1091-1100.
    8. Chang E, Hancock K, Hickman L, Glasson J, Davidson P. Outcomes of acutely ill older hospitalized patients following implementation of tailored models of care: a repeated measures (pre- and post-intervention) design. International Journal Of Nursing Studies. 2007; 44(7): 1079-1092.
    9. Krichbaum K. GAPN postacute care coordination improves hip fracture outcomes… Gerontologic Advance Practice Nurse. Western Journal Of Nursing Research. 2007; 29(5): 523-544.
    10. Poochikian-Sarkissian S, Wennberg R, Sidani S. Examining the relationship between patient-centred care and outcomes on a neuroscience unit: a pilot project. Canadian Journal Of Neuroscience Nursing . 2008; 30(2): 14-19.
    11. Fealy G, McCarron M, O’Neill D, McCallion P, Clarke M, Cullen A, et al. Effectiveness of gerontologically informed nursing assessment and referral interventions for older persons attending the emergency department: systematic review. Journal Of Advanced Nursing . 2009,; 65(5): 934-945.
    12. Poslawsky I, Schuurmans M, Lindeman E, Hafsteinsdóttir T. A systematic review of nursing rehabilitation of stroke patients with aphasia. Journal Of Clinical Nursing . 2010; 19(1-2): 17-32.



* O número médio de anos que um recém-nascido pode esperar viver, se submetido ao longo de sua vida às condições atuais de mortalidade (Eurostat).

O número médio de filhos que nasceriam vivos de uma mulher durante a sua vida se ela passasse pelos seus anos férteis, mantidas constantes as taxas observadas na referida data (INE – metainformação).

[1] Técnica de redução de dados que procura, a partir de um conjunto inicial de variáveis (correlacionadas entre si), identificar um conjunto menor de variáveis hipotéticas (não correlacionadas entre si) sem que tal acarrete perdas de informação. Esta ACP, com rotação varimax, resultou numa matriz de adequabilidade muito boa (KMO = .947) e o Teste de Bartlett (X2(300) = 11131,28, p<0,001), mostrando-nos que a matriz das correlações não é uma matriz de identidade, uma vez que a significância é < 5%. Assim e tendo em conta a análise de ambos os testes, concluímos que estamos em condições adequadas para a prossecução da análise fatorial.

[2] As vinte e cinco variáveis geram 300 correlações [(25 x 25) – 25] / 2, onde 25 x 25 dá o número de elementos da matriz das correlações, à que se reduzem os 25 elementos da diagonal (variâncias), dividindo o total anterior por 2, visto a matriz ser simétrica.

Read More
EnglishFrenchPortuguese