_______________________________________________________________

Therapeutically needs of children with OSA and their families and de nurse’s role in the institution and maintenance of NIV

_______________________________________________________________

AUTORES: Ana Lopes, Maria Mendes

RESUMO

Objectivo: Identificar quais as necessidades terapêuticas da criança com SAOS e sua família e o papel do enfermeiro na instituição e manutenção da VNI.

Metodologia: Efectuada pesquisa no motor de busca EBSCO, e duas bases de dados: CINAHL Plus with Full Text, MEDLINE with Full Text, British Nursing Index. Foram procurados artigos em texto integral (Dezembro/2011), publicados entre 2000 e 2010. Foi utilizado o método PI[C]O e seleccionados 8 artigos do total de 29 encontrados.

Resultados: As necessidades terapêuticas da criança com SAOS são várias, desde a utilização de farmacoterapia, a perda de peso, tratamento cirúrgico, como a adenoamigdalectomia e utilização da VNI. A intervenção a nível comportamental de sensibilização para o tratamento, realizada por enfermeiros é uma componente determinante para a manutenção e sucesso da VNI.

Conclusões: Tendo em conta a questão PICO que formulamos e com base na etiologia da SAOS é possível afirmar que existem várias abordagens terapêuticas no tratamento da SAOS na criança. A abordagem farmacológica da SAOS através do uso de corticoides nasais e leucotriénos modificados foi desenvolvida recentemente mas sem demonstrar resultados eficazes. Por outro lado a perda de peso em crianças obesas com SAOS tem-se mostrado útil, mas de difícil adesão por parte das crianças e família. A principal opção de tratamento da SAOS na criança é adenoamigdalectomia, contudo quando esta se revela pouco eficaz ou quando esta cirurgia é contra-indicada, a instituição da VNI tem-se revelado uma opção segura e eficaz ao permitir uma melhoria da qualidade de vida da criança e família. Estudos recentes evidenciam o papel do enfermeiro na capacitação das crianças e pais, tornando-os mais autónomos e competentes na utilização da VNI. Esta capacitação passa essencialmente por estratégias de coping, como a exposição gradual dos materiais utilizados na VNI, misturando-os com os brinquedos da criança e inclui-los nas suas brincadeiras preferidas, permitir o uso apenas da mascara durante o dia e se possível a dormir. O enfermeiro desempenha também, um papel crucial na prevenção das complicações inerentes ao uso da VNI, ensinando aos pais forma de as aliviar e prevenir.

Implicação na prática profissional: Face ao exposto, a utilização da VNI como tratamento da SAOS na criança tem-se mostrado eficaz. Contudo, a pouca oferta existente em termos de interfaces adequados às crianças torna ainda mais importante o papel da enfermagem na educação e treino das crianças/pais para uma correcta adaptação e manutenção do tratamento. Sugerimos futuros estudos que relacionem mais em pormenor a importância da intervenção da enfermagem no sucesso da utilização da VNI na criança com SAOS.

Palavras-chave: Criança com SAOS; Ventilação Não Invasiva; Papel do enfermeiro

_______________________________________________________________

Abstract

Purpose: Identify the therapeutic needs of children with OSAS and their family and the role of the nurse in the adaptation and follow up of NIV.

Methodology: Research in EBSCO search engine and two data sources: CINA plus with Full Text, MEDLINE with Full Text, British Nursin Index.Full text articles were researched (December/2011), that were published between 2000 and 2010. PI[C]O methodology was used and 8 articles were selected from 29 found.

Results: There are multiple therapeutic needs in the child with OSAS, starting with the use of drugs, weight loss, surgical treatment, like adenoamigdalectomy, and use of NIV. Behavioral approach to increase treatment compliance performed by nurses it is a essential component for the maintenance and success of NIV.

Conclusion: Considering the PICO question and the etiology of OSAS it is possible to affirm that that are many therapeutic options for the pediatric population. The pharmacological approach that was recently developed and have not shown effective results, includes the use of nasal steroids and modified leukotrienes. The weight loss approach in obese children has been useful, but shows low compliance from the children and family. The main treatment option for OSAS in children is adenotonsillectomy, however when this method is less effective or this surgery is a contraindication, the use of NIV has been demonstrated to be a safe and efficient treatment option, as it allows an improvement in the child and family quality of life. Recent studies emphasize the role of the nurse in the process of empowerment, on both children and parents, making them more independent and competent in the use of NIV. This process of empowerment includes coping strategies, like the gradual presentation of the different equipment used in NIV, mixing them with the child’s toys and incorporating them in their favorite play games, as well as allow the use of the mask only during the daytime and if possible in the naptimes. The nurse also has a crucial role in the prevention of possible NIV complications, teaching the parents how to prevent and relief them.

Professional practice: Considering this matter, the use of NIV as a treatment for OSAS in children has been effective. However the reduced variety of masks existent in the market for the pediatrics makes the role of the nurse even more important in the education and training od children and parents in order to have a correct adaptation and maintenance of the treatment. We suggest, that in the future, studies correlate, with more details, the importance of nursing intervention in the successful use of NIV in the child with OSAS.

Keywords: Child with OSAS; Non Invasive Ventilation; Nurse role

_______________________________________________________________

INTRODUÇÃO

A síndrome de apneia obstrutiva do sono é uma condição comum na infância, sendo a sua prevalência de 2% e pode resultar em severas complicações se não for tratada correctamente (American Academy of Pediatrics, 2002).

Compreende-se portanto a pertinência da presente temática uma vez que a SAOS tem sido uma patologia emergente e um problema de saúde pública nos últimos anos, pelas suas consequências para a saúde das crianças, podendo resultar em atraso no desenvolvimento, deficit de atenção, problemas comportamentais/hiperactividade, fraca performance académica, doenças cardiopulmonares e enurese (Chan & Edman & Koltal, 2004).

Ocorre em crianças de todas as idades, desde neonatais a adolescentes. Contudo é mais comum na idade pré-escolar e acontece igualmente no sexo masculino e feminino (American Academy of Pediatrics, 2002). É relevante ainda o facto de ser maior o risco de desenvolver SAOS em indivíduos de raça negra e asiáticos do que em indivíduos caucasianos (Timothy & Murphy, 2009).

A SAOS na criança é de etiologia multifatorial, uma vez que resulta da combinação de características estruturais e de controlo neuromotor das vias aéreas superiores durante o sono. Os factores de risco identificados são: hipertrofia das amígdalas e adenóides, obesidade, deformidades cranio-faciais, doenças neuromusculares (Peeke & Hershberger & Marriner, 2006), espinha bífida e síndromes como a Síndrome de Down (Robison & Waters, 2008).

Entre os critérios de diagnóstico salientam-se o ressonar, pelo menos três vezes por semana, distúrbios do sono, sonolência diurna, dificuldades de aprendizagem e concentração, hiperactividade, comportamento agressivo, enurese. Assim, além da anamnese e do exame físico, a polissonografia constitui o principal e mais importante exame complementar de diagnóstico da SAOS, não podendo esta ser confirmada sem a sua realização (Timothy & Murphy, 2009).

Uma vez diagnosticada a SAOS na criança existem várias opções de tratamento, sendo que a ventilação não invasiva (VNI) é a escolha de eleição quando todas as outras não apresentam resultados eficazes e onde o papel do enfermeiro é determinante ao seu sucesso (Palombini et al 2004).

Face ao exposto a SAOS na criança é uma problemática complexa e pouco documentada, que se não for correctamente diagnosticada e tratada tem um importante impacto na qualidade de vida da criança e da sua família, razão pela qual optámos pela realização desta pesquisa.

Assim sendo, a presente revisão sistemática de literatura pretende identificar quais as necessidades terapêuticas da criança com SAOS e sua família e o papel do enfermeiro na instituição e manutenção da VNI.

CONCEITOS

Síndrome Apneia Obstrutiva do Sono: distúrbio respiratório durante o sono, caracterizado por uma obstrução parcial prolongada ou total intermitente da via aérea superior que interrompe a ventilação normal e altera os padrões do sono (Peeke et al. 2006).

Ventilação não invasiva: A assistência ventilatória pode ser entendida como a manutenção da oxigenação e/ou da ventilação dos pacientes de maneira artificial até que estes estejam capacitados a reassumi-las. Ventilação com pressão positiva não invasiva (VNI) fornece suporte ventilatório sem a necessidade de uma abordagem das vias aéreas invasivo (Burns, Adhikari, Keenan & Meade, 2010).

Papel do enfermeiro: tendo em conta a própria definição de enfermagem e cuidado de enfermagem, definimos papel do enfermeiro como aquele onde se intervém em cada pessoa ao longo do seu ciclo vital de forma a previr a doença e promover os processos de readaptação após a doença, procura-se a satisfação das necessidades humanas fundamentais e a máxima independência na realização das actividades da vida diária, procurando-se a adaptação funcional aos défices e a adaptação a múltiplos factores frequentemente através de processos de aprendizagem do cliente. Na gestão dos recursos de saúde, os enfermeiros promovem, paralelamente, a aprendizagem sobre a forma de aumentar o repertório dos recursos pessoais, familiares e comunitários para lidar com os desafios de saúde. Daqui pode-se depreender que a promoção dos projectos de saúde levada a cabo pelo enfermeiro é desenvolvida tendo em consideração a dimensão individual, grupal e comunitária em que cada pessoa se inscreve (Estatuto da Ordem dos Enfermeiros, 2009).

METODOLOGIA

Para delimitar o campo de hipóteses inerentes à problemática da SAOS na criança e para responder ao objectivo delineado, elaborou-se a seguinte questão de partida, que atende aos critérios do formato PI(C)O (Melny e Fineout-Overholt, 2005): Em relação à criança com SAOS e sua família (Population) quais as necessidades terapêuticas e o papel do Enfermeiro (Outcome)  na instituição e manutenção da VNI (Intervention).

Desta forma, ao definir o objecto alvo de estudo foi realizada uma pesquisa em base de dados electrónica, na EBSCO em geral e, em particular na CINAHL Plus with Full Text, MEDLINE with Full Text, British Nursing Index. As palavras-chave orientadoras utilizadas foram previamente validadas pelos descritores da United States of National Liberary of National Institutes of Health, com a respectiva orientação: [(“Positive Pressure Ventilation” OR “Continuous Positive Airway Pressure” OR “noninvasive ventilation”)  AND (“children” OR “Child Care” OR “Young Children”) AND (“Sleep Apnea, Obstructive, Sleep”)], as palavras foram procuradas em texto integral Outubro/2010, retrospectivamente até 2000, resultando 29 artigos no total. Guyatt e Rennie (2002), consideram que as revisões sistemáticas da literatura devem considerar a evidência dos últimos 5 anos, no entanto consideramos o período temporal de 10 anos pelo facto da maior abrangência face ao conhecimento existente sobre a matéria em análise.

Para avaliáramos os níveis de evidência utilizamos seis níveis de evidência: Nível I: revisões sistemáticas (meta análises/ linhas de orientação para a prática clínica com base em revisões sistemáticas), Nível II: estudo experimental, Nível III: estudos quasi experimentais, Nível IV: estudos não experimentais, Nível V: estudo qualitativo/ revisões sistemáticas da literatura sem meta análise, Nível VI: opiniões de autoridades respeitadas/ painéis de consenso (Capezuti, 2008; Guyatt, e Rennie, 2002).

Como critérios de inclusão privilegiaram-se os artigos com cerne na problemática da criança com SAOS vs VNI, com recurso a metodologia qualitativa e/ou qualitativa ou revisão sistemática da literatura, que clarificassem as necessidades terapêuticas da SAOS, nomeadamente a utilização da VNI e o papel do enfermeiro na sua instituição e manutenção. Nos critérios de exclusão inseriram-se todos os artigos com metodologia pouco clara, repetidos nas duas bases de dados e todos aqueles sem co-relação com o objecto de estudo. O percurso metodológico levado a cabo encontra-se exemplificado na figura 1.

Figura 1: Processo de pesquisa e selecção da revisão sistemática de literatura.

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

Quadro 1: Artigos incluídos

 

DISCUSSÃO DE RESULTADOS

 Como resultado da análise dos artigos mencionados é possível afirmar que existem várias abordagens terapêuticas para criança com SAOS.

Timothy D & Murphy MD (2009) e Robinson & Waters (2008) referem a utilização de fármacos como corticoides nasais e leucotrineos modificados no tratamento da SAOS, este último salienta ainda um estudo onde a utilização de corticoides melhora os parâmetros da polissonografia (PSG) na SAOS mas não é eficaz na melhoria dos sintomas; os leucotrinenos desempenham uma função importante na redução do tamanho das amígdalas e adenóides e consequentemente os parâmetros da PSG.

Peeke et al (2006) referem que a perda de peso em crianças obesas com SAOS, constitui uma abordagem terapêutica ao seu tratamento, mas é de difícil adesão tanto para a criança como para a família, uma vez que implica alterações profundas no estilo de vida.

A adenoamigdalectomia é a principal opção no tratamento da criança com SAOS, opinião partilhada pelos autores Robinson & Waters (2008), Timothy D & Murphy MD (2009), Peeke K., Hershberger M. e Marriner J. (2006), e American Academy of Pediatrics, Section on Pediatric Pulmonology, Subcommittee on Obstrutive Sleep Apnea Syndrome (2002), a sua remoção por hipertrofia, resolve grande parte das situações.

Todos os autores referidos na apresentação de resultados são unânimes em defender a VNI como opção terapêutica segura e eficaz no tratamento da SAOS na criança.

Para facilitar a adaptação da criança ao interface, segundo Timothy D. e Murphy MD. (2009) é necessário permitir a sua utilização durante o dia e se possível durante o sono, por sua vez Sinha D. e Guilleminault C.(2010) sugerem a colocação da mascara entre os brinquedos da criança para que esta brinque com ela de modo a promover a adesão ao tratamento. Segundo Robinson & Waters (2008) a utilização da VNI na criança constitui um desafio devido à falta de interfaces adequados às crianças e ao facto do treino/ensino ser mais prolongado que no adulto para uma melhor adaptação.

Peeke et al (2006) referem vários efeitos secundários resultantes do uso da VNI, tais como: irritação da pele, mucosa nasal seca, distensão abdominal, enxaqueca, hipoplasia da face. É neste sentido que o enfermeiro através de intervenções como posicionamento durante o sono, administração de sprays nasais ou humidificadores através da máscara e escolha e ajuste do interface mais adequado pode aliviar e prevenir muitas destas complicações e capacitar criança e pais para uma manutenção eficaz da VNI no domicílio.

A intervenção a nível comportamental de sensibilização para o tratamento defendido pela American Academy of Pediatrics, Section on Pediatric Pulmonology, Subcommittee on Obstrutive Sleep Apnea Syndrome (2002) e Slifer K. et al (2007) é uma componente determinante para a manutenção e sucesso da VNI. Este último descreve algumas intervenções na criança, nomeadamente: exposição gradual dos materiais utilizados na VNI utilizando as brincadeiras preferidas da criança, providenciar distracção com outras actividades enquanto a criança está a ser submetida a situações desconfortáveis e aos pais/cuidadores treiná-los para reconhecerem e ultrapassarem as barreiras ao tratamento. Tibballs James et al (2009) defendem que este tipo de estratégias de coping utilizados por enfermeiros como forma de ensinar e motivar os pais torna-os rapidamente competentes na utilização e manutenção da VNI, diminuindo o impacto no desenvolvimento da criança e da vida familiar, tornando-os mais independentes das instituições, prevenindo possíveis infecções nosocomiais e redução de custos associados aos cuidados de saúde.

Quadro 2: Síntese da discussão de resultados.

 

CONCLUSÃO

Como resultado da pesquisa efectuada nas bases de dados constatamos que os critérios de busca facultaram-nos pouco material relativamente à última parte da pergunta PICO, ou seja, o papel do enfermeiro na instituição e manutenção da VNI. Dos achados verificamos que a maioria dos artigos centra-se mais no tratamento cirúrgico da SAOS na criança, na utilização da VNI como técnica eficaz no tratamento e menos nas intervenções de enfermagem necessárias para uma boa adaptação e manutenção da VNI.

Tendo em conta a questão PICO que formulamos e com base na etiologia da SAOS é possível afirmar que existem várias abordagens terapêuticas no tratamento da SAOS na criança. A abordagem farmacológica da SAOS através do uso de corticoides nasais e leucotriénos modificados foi desenvolvida recentemente mas sem demonstrar resultados eficazes. Por outro lado a perda de peso em crianças obesas com SAOS tem-se mostrado útil, mas de difícil adesão por parte das crianças e família. A principal opção de tratamento da SAOS na criança é adenoamigdalectomia, contudo quando esta se revela pouco eficaz ou quando esta cirurgia é contra-indicada, a instituição da VNI tem-se revelado uma opção segura e eficaz ao permitir uma melhoria da qualidade de vida da criança e família.

Estudos recentes evidenciam o papel do enfermeiro na capacitação das crianças e pais, tornando-os mais autónomos e competentes na utilização da VNI. Esta capacitação passa essencialmente por estratégias de coping, como a exposição gradual dos materiais utilizados na VNI, misturando-os com os brinquedos da criança e inclui-los nas suas brincadeiras preferidas, permitir o uso apenas da mascara durante o dia e se possível a dormir. A adaptação aos materiais por parte das crianças deixa os pais mais confiantes, independentes e motivados para a continuidade do tratamento. O enfermeiro desempenha também, um papel crucial na prevenção das complicações inerentes ao uso da VNI, ensinando aos pais forma de as aliviar e prevenir.

 IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA PROFISSIONAL

Face ao exposto, a utilização da VNI como tratamento da SAOS na criança tem-se mostrado eficaz. Contudo, a pouca oferta existente em termos de interfaces adequados às crianças torna ainda mais importante o papel da enfermagem na educação e treino das crianças/pais para uma correcta adaptação e manutenção do tratamento.

Sugerimos futuros estudos que relacionam mais em pormenor a importância da intervenção da enfermagem no sucesso da utilização da VNI na criança com SAOS.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Burns KEA, Adhikari NKJ, Keenan SP, Meade MO (2010). Noninvasive positive pressure ventilation as a weaning strategy for intubated adults with respiratory failure (Review). The Cochrane Collaboration. Published by John Wiley & Sons, Ltd., 2010. Publicado em The Cochrane Library 2010, Issue 8. Acedido em 23 de Dezembro de 2011 em: http://www.thecochranelibrary.com

Capezuti, E. [et al] (2008)- Evidence-based geriatric nursing protocols for best practice. 3º ed. New York:  Springer Publishing Company.

Chan, J., Edman, J., & Koltai, P. (2004). Obstructive sleep apnea in children. American Family Physician, 69(5), 1147-1154.

Clinical practice guideline: diagnosis and management of childhood obstructive sleep apnea syndrome. (2002). Pediatrics, 109(4), 704-712.

Guyatt G.H., Rennie D. (2002) – Users’ Guides to the Medical Literature: A Manual for Evidence-based clinical practice. Chicago: American Medical Association.

 Lei n.º 111/2009. ESTATUTO DA ORDEM DO ENFERMEIROS. 16 de Setembro de 2009. 72-78.

Melnyk, B.; Fineout-Overholt, E. (2005) – Outcomes and implementation strategies from the first U.S. Evidence-based leadership. 2(3), p113-121.

 Murphy, T. (2009). Improving outcomes for children with OSA. RT: The Journal For Respiratory Care Practitioners, 22(3), 38-40.

Palombini, L., Pelayo, R., & Guilleminault, C. (2004). Efficacy of automated continuous positive airway pressure in children with sleep-related breathing disorders in an attended setting. Pediatrics, 113(5), e412-7.

Peeke, K., Hershberger, M., & Marriner, J. (2006). Updates & kidbits. Obstructive sleep apnea syndrome in children. Pediatric Nursing, 32(5), 489-494.

Robinson, P., & Waters, K. (2008). Are children just small adults? The differences between paediatric and adult sleep medicine. Internal Medicine Journal, 38(9), 719-731.

Sinha, D., & Guilleminault, C. (2010). Sleep disordered breathing in children. The Indian Journal Of Medical Research, 131311-320.

Slifer, K., Kruglak, D., Benore, E., Bellipanni, K., Falk, L., Halbower, A., & … Beck, M. (2007). Behavioral training for increasing preschool children’s adherence with positive airway pressure: a preliminary study. Behavioral Sleep Medicine, 5(2), 147-175.

Tibballs, J., Henning, R., Robertson, C., Massie, J., Hochmann, M., Carter, B., & … Bryan, D. (2010). A home respiratory support programme for children by parents and layperson carers. Journal Of Paediatrics And Child Health, 46(1-2), 57-62.

admin
EnglishFrenchPortuguese