O envelhecimento começa a incomodar.

Muito sorrateiramente, sem grandes títulos mediáticos e sem protagonismo dos mais importantes líderes de opinião, vamos sendo surpreendidos com algumas capas de jornais e algumas intervenções públicas dos mais variados sectores. Agora numa abordagem séria e não na velha abordagem modelo telejornal com as desgraças, os crimes e o sangue de pessoas idosas.

Recentemente o diário Económico ocupava um terço da primeira página anunciando uma entrevista de Maria João Valente Rosa, demografa e diretora da Pordata. “Não faz qualquer sentido aumentar a idade da reforma” era o título principal mas sugeria que a informação não era apenas sobre números, uma das áreas que a questão do envelhecimento mais desenvolve e que raramente contribuem para qualquer reflexão pragmática sobre o assunto. Há dezenas de anos que conhecemos os números sobre o fenómeno do envelhecimento e nada mudou.

O incomodativo é que toda a gente fala de coisas óbvias da concordância de todos. É um fenómeno extraordinário: quando se trata de envelhecimento as opiniões são unânimes, todos reconhecem as dificuldades se não intervirmos, se não alterarmos modelos, de não revolucionarmos os nossos comportamentos e atitudes, se não mudarmos as soluções, se não inovarmos, etc. Todos são da mesma opinião. Mas ninguém, mesmo ninguém tem coragem de apresentar novas soluções, utilizar uma nova linguagem. Toda a gente tem dificuldades em emitir o que realmente pensa que deve ser alterado por que isso é chocante e politicamente incorreto.

Um exemplo: todos reconhecemos que um filho que agride durante anos um pai não deve ter direito a herança, pelo menos da parte do pai. Alguém assume estre assunto como uma batalha frontal de justiça elementar? Todos reconhecemos que se podem trocar cuidados de instituições pelo valor de bens pessoais. Alguém confronta as instituições sociais pelo facto de ficarem com bens de pessoas que ficam dependentes dessas instituições? Todos concordam que os lares não podem ser normalizados para um único critério: idade da pessoa, estando esse critério ligado a dependência, carência social e doença. Quem altera a legislação de oferta e cuidados a pessoas idosas? Todos entendem que o dinheiro dos nossos impostos deve ser controlado e não servir para financiar da mesma forma entidades que prestam bons cuidados e entidades que prestam maus cuidados. Mas quem, assume a fiscalização rigorosa de instituições sociais que apregoam a caridade e o assistencialismo? Todos concordam com a desadequação e negligência das práticas dos serviços de segurança social, permitindo a existência de maus cuidados, maus tratos em famílias e passando ao lado das situações mais criticas que se passam no país. Mas existe algum técnico penalizado por ter errado uma observação, vezes sem conta, do ponto de vista social? Todos conhecem os lares ilegais mas alguém se preocupa em saber quem são os médicos e os enfermeiros e as assistentes sociais que ai prestam serviço e são coniventes com essas situações?

Os exemplos são imensos e completamente visíveis.

Portugal nesta, como noutras áreas continua a viver uma vida que não tem nada a ver com a realidade. Os investigadores e académicos na área do envelhecimento continuam a desenvolver os seus profundos estudos sobre a deterioração cognitiva, a importância da vida ativa, as causas e consequências do Alzheimer. Completamente de costas voltadas para as agressões aos idosos e a falta de condições das respostas para implementarem qualquer um dos seus estudos ou utilizarem no trabalho de tereno qualquer uma das suas conclusões. Os que trabalham no terreno perdem a vida e a motivação a resolverem questões conjunturais de recursos humanos, de acontecimentos críticos particulares, de relações institucionais hierárquicas.

Algumas perguntas: como queremos que os cuidados e os serviços destinados a pessoas idosas sejam garantidamente razoáveis se qualquer pessoa, desde que tenha o registo criminal limpo, pode ser dono, presidente, provedor, coordenador, gerente, desses serviços? Como queremos que a situação mude se a legislação se mantem igual há mais de cinquenta anos quando se refere a cuidados e serviços a pessoas idosas? Como pretendemos contribuir para o nosso envelhecimento mais digno se os acontecimentos diários nesta área são, para nós, invisíveis?

Maria João Valente Rosa fala da necessidade de “organizar a sociedade de outra maneira”. Todos concordamos. Mas de que maneira?

Eu também digo: É preciso envelhecer melhor. Mas como?

Esperamos há anos que a investigação, o conhecimento nos venha ensinar algo que não descobrimos por nós próprios como aliás acontece noutras áreas. Mas o conhecimento no fenómeno do envelhecimento e da transformação que o mesmo está a implicar na sociedade não é preocupação dos investigadores. Nada de novo surgiu nos últimos anos que não tenha a ver com as necessidades eu os próprios idosos vão descobrindo, exigindo resposta para elas. Por que estão a construir automóveis inteligentes que limpam os vidros quando começa a chover e abrem as luzes quando escurece automaticamente? Porque a investigação assim o determinou, aconselhando isso há anos atrás ou porque são os velhos que cada vez compram mais carros e conduzem mais anos, mesmo com as suas capacidades diminuídas?

São os baby Bommers mais uma vez que estão a fazer a revolução, a criar condições para eles próprios envelhecerem melhor. Não é nenhum cientista, não é nenhum investigador. Porquê? Porque aparentemente a investigação e a ciência ainda não deu conta da necessidade que existe de trabalhar na área do envelhecimento. O único trabalho científico que se desenvolve nesta área continua a ter a ver com a doença e a incapacidade e nunca com a felicidade e a qualidade de vida.

admin
EnglishFrenchPortuguese