_______________________________________________________________

HEALTH GAINS WITH THE USE OF NONINVASIVE VENTILATION IN PEOPLE WITH NEUROMUSCULAR DISEASE

BENEFICIOS PARA LA SALUD CON EL USO DE VENTILACIÓN NO INVASIVA EN PERSONAS CON ENFERMEDAD NEUROMUSCULAR

_______________________________________________________________

AUTORES: Alda Fidalgo, Ana Sequeira, Neuza Vieira

RESUMO

Objectivo: Determinar quais os ganhos em saúde, nas pessoas com doença neuromuscular, submetidas a ventilação não invasiva, durante o período de agudização da sua doença.

Metodologia: Efectuada pesquisa no motor de busca EBSCO, e duas bases de dados: CINAHL Plus with Full Text, MEDLINE with Full Text, British Nursing Index). Foram procurados artigos em texto integral (Dezembro/2011), publicados entre 2000/01/01 e 2010/01/31. Foi utilizado o método de PI[C]O e seleccionados 6 artigos do total de 188 encontrados.

Resultados: A utilização de ventilação não invasiva nos doentes neuromusculares permite uma diminuição da hipercapnia, um aumento da saturação periférica de oxigénio e da pressão deste a nível arterial. Ao comparar a utilização de ventilação não invasiva versus ventilação mecânica, numa unidade de cuidados intensivos, obteve-se como resultados a diminuição do tempo de internamento e aumento do conforto dos doentes submetidos a ventilação não invasiva. A ventilação não invasiva associada a técnicas de reeducação funcional respiratória e de In-Exsuflador mecânico diminuem o tempo de internamento/tratamento, aumentando a eficácia a nível da limpeza das vias aéreas superiores permitindo a compliance pulmonar.

Conclusões: Os doentes neuromusculares submetidos a ventilação não invasiva apresentam diversos ganhos em saúde, pode-se verificar a nível hemodinâmico e na melhoria da qualidade de vida no que se refere ao conforto físico e emocional.

Palavras-chave: doença neuromuscular, ventilação não invasiva e ganhos em saúde.

_______________________________________________________________

No âmbito da Pós-Graduação em VNI para enfermeiros, desenvolvida pela FORMASAU escolhemos como modalidade de avaliação a realização de uma revisão sistemática da literatura numa área de interesse próprio na qual houvesse pertinência a nível pessoal, académico e profissional.

Após a reflexão em grupo a temática escolhida foi VNI em doentes neuromusculares, visto que, exercemos funções no serviço de neurologia, no qual contactamos permanente com este tipo de doentes. Ao realizarmos esta revisão sistemática da literatura pretendemos, assim, desenvolver conhecimentos sobre esta problemática.

A temática escolhida para esta pesquisa, teve como pilar central, a prática profissional e/ou experiências de todos os elementos do grupo. Desta forma, contactamos diariamente com doentes que apresentam diferentes patologias neuromusculares e que necessitam ser submetidos a VNI, tendo em conta as necessidades específicas de cada indivíduo.

A nossa experiência remete-nos para doentes internados em fase aguda devido a infecção respiratória. No decorrer do internamento podemos constatar, entre os casos de sucesso, uma melhoria significativa no que se refere à qualidade de vida numa fase de reabilitação pós-agudização da infecção respiratória. Devido ao conjunto de cuidados praticados ao longo do internamento, que se remetem para as intervenções do enfermeiro generalista, do enfermeiro de reabilitação, a utilização de alguns instrumentos médicos e técnicas que permitem a eficácia na limpeza de secreções das vias respiratórias, a utilização de VNI, de forma permanente ou intermitente, com possível recurso a oxigenoterapia, podemos constatar também uma melhoria dos resultados analíticos e clínicos, os quais permite ao doente no momento da alta retomar a sua autonomia. Não podemos também descurar a importância da família no envolvimento de todo o processo da doença, permitindo a interacção dos familiares nos cuidados ao doente durante o internamento, com o objectivo de adquirir um conjunto de conhecimentos para a continuação de prestação de cuidados ao doente em domicílio, tendo sempre em foco o bem-estar deste.

O objectivo delineado para a realização desta revisão sistemática da literatura baseia-se nos ganhos em saúde nas pessoas com doença neuromuscular durante o período de agudização da sua doença.

As doenças neuromusculares manifestam-se clinicamente com diminuição da força muscular, alterações sensitivas, dolorosas, dos reflexos osteotendinosos e autonómicos, sintomas e sinais que se podem apresentar de forma aguda, sub-aguda ou crónica e progredir de forma variável a causar diferentes graus de incapacidade, e, em certos casos a morte.

Segundo a Associação Portuguesa de Doentes Neuromusculares:

“estima-se  que em Portugal, país com cerca de 10 milhões de habitantes, e de acordo com dados estatísticos internacionais, existam mais de 5000 doentes afectados, encontrando-se distribuídos por diferentes patologias. Um inquérito realizado em 11 das 13 consultas de Neuropediatria existentes no País, revelou a existência, nos últimos 10 anos, de 659 doentes com doenças neuromusculares em idade pediátrica. Em 599 destes doentes foi identificada uma doença genética.”

Segundo Nuno Germano:

“são vários os estudos que demonstram um aumento da qualidade de vida e sobrevida destes doentes quando submetidos à VNI. A maioria destes estudos foi realizada em indivíduos com esclerose lateral amiotrófica, verificando-se uma melhoria da qualidade de vida por diminuição do grau de dependência, aumento da vitalidade e das funções cognitivas superiores.”

A VNI assume cada vez mais, uma maior relevância tanto nos estudos científicos desenvolvidos, como na prática clínica. O desenvolvimento deste tipo de ventilação surgiu no início da década 80 do século passado, aplicada a doentes com insuficiência respiratória crónica, por doença neuromuscular, sendo a primeira opção para suporte ventilatório nestes doentes.

A VNI através da aplicação de pressão de suporte – pressão expiratória final positiva ou pressão positiva contínua, por meio de mascara nasal ou facial, permite reduzir o trabalho dos músculos respiratórios e a frequência respiratória, optimizar as trocas gasosas por recrutamento de alvéolos hipoventilados (Rahal et al., 2005; Agarwal et al., 2009). Todavia, existem algumas contra-indicações clínicas que condicionam o seu uso, tais como: alteração do estado de consciência, trauma facial, instabilidade hemodinâmica, diminuição do reflexo de deglutição, cirurgia esófago-gástrica recente, evidência de isquémia miocárdica ou presença de arritmias ventriculares (Rahal et al., 2005). É de salientar, porém, que a sofisticação dos equipamentos e máscaras tem tornado os benefícios da VNI visíveis, mesmo em grupos populacionais específicos. Da utilização da VNI também podem advir eventuais complicações, que incluem a perda da integridade cutânea nasal ou facial, distensão abdominal, risco de aspiração de conteúdo gástrico, distúrbios no padrão de sono e conjuntivites (Jvirjevic et al., 2009).

Face ao exposto, a presente revisão sistemática da literatura pretende discriminar quais os ganhos em saúde em doentes neuromusculares submetidos a VNI.

CONCEITOS

Segundo Abreu e Mendes (2009):

“as doenças neuromusculares, são um imenso grupo de doenças, que afectam de forma directa e ou indirecta os vários componentes do Sistema Nervoso Periférico: o nervo periférico (corpo celular, axónio e mielina), a junção neuromuscular e o músculo. Muitas dessas doenças são frequentes, e outras muito raras, podendo afectar qualquer extracto etário ou género.

Segundo o Plano Nacional de Saúde 2011-2016:

“ganhos em saúde expressam a melhoria dos resultados (Nurtbeam D,1998) e traduzem-se por ganhos em anos de vida pela redução de episódios de doença ou encurtamento da sua duração, diminuição da incapacidade temporária ou permanente, pelo aumento da funcionalidade física e psicossocial, e, ainda, pela redução do sofrimento evitável e melhoria da qualidade de vida relacionada ou condicionada pela saúde (MS, 2000)”

Segundo Nuno Germano:

“a VNI  define-se como: um tipo de ventilação em que não existe entubação traqueal. A interface do ventilador com o doente ocorre através de máscara facial, nasal ou por capacete sendo portanto uma ventilação mais confortável e melhor tolerada pelos doentes. Desta forma, torna-se possível ventilar doentes conscientes e forma adequada, sem que seja necessário a depressão do nível de consciência com sedação para uma melhor adaptação ao ventilador.

METODOLOGIA

De modo a delimitar um vasto campo de hipóteses inerentes à problemática da VNI nos doentes neuromusculares, e a responder ao objectivo delineado, elaborou-se a seguinte questão de partida, que atende aos critérios do formato PICO (Melny e Fineout-Overholt, 2005): Em relação às pessoas com doença neuromuscular, submetidas a ventilação não invasiva (Population), quais os ganhos em saúde (Outcome), durante o período de agudização da sua doença (Intervention)?

Após se definir o objecto alvo de estudo, e para uma maior compreensão deste fenómeno foi efectuada uma pesquisa em base de dados electrónica. Na EBSCO em geral, e em particular na CINAHL Plus with Full Text; MEDLINE with Full Text e British Nursing Index. As palavras-chave orientadoras utilizadas foram previamente validadas pelos descritores da United States of National Liberary of National Institutes of Health, com a respectiva orientação: [(“Positive Pressure Ventilation OR Continuous Positive Airway Pressure OR noninvasive ventilation) AND (Neuromuscular Diseases OR  Neuromuscular Diseases complications) AND (nursing intervention OR nursing OR nurse”)], as palavras foram procuradas em texto integral (Dezembro/2011), retrospectivamente até 2000, resultando 188 artigos no total.

Guyatt e Rennie (2002), consideram que as revisões sistemáticas da literatura devem considerar a evidência dos últimos 5 anos, no entanto consideramos o período temporal de 10 anos pelo facto da maior abrangência face ao conhecimento existente sobre a matéria em análise. Para avaliarmos os níveis de evidência utilizamos seis níveis de evidência: Nível I: revisões sistemáticas (meta análises/ linhas de orientação para a prática clínica com base em revisões sistemáticas), Nível II: estudo experimental, Nível III: estudos quasi experimentais, Nível IV: estudos não experimentais, Nível V: estudo qualitativo/ revisões sistemáticas da literatura sem meta análise, Nível VI: opiniões de autoridades respeitadas/ painéis de consenso (Capezuti, 2008; Guyatt, e Rennie, 2002).

Como critérios de inclusão privilegiaram-se os artigos com cerne na problemática da VNI em doentes neuromusculares, com recurso a metodologia qualitativa e/ou quantitativa ou revisão sistemática da literatura, que clarificassem quais os ganhos em saúde nos doentes neuromusculares submetidos a VNI. Nos critérios de exclusão inseriram-se todos os artigos com metodologia pouco clara, repetidos nas duas bases de dados, com data anterior a 2001 e todos aqueles sem co-relação com o objecto de estudo. O percurso metodológico levado a cabo encontra-se exemplificado na figura 1.

Figura 2

Por conseguinte, para tornar perceptível e transparente a metodologia utilizada explicita-se a listagem dos 6 artigos filtrados, que constituíram o substrato para a elaboração da discussão e respectivas conclusões (Quadro 1).

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

Quad.1

 

DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

Os resultados da análise dos artigos anteriormente referenciados, permitem-nos verificar que o uso de VNI possibilita aos doentes neuromusculares diversos ganhos em saúde, melhorando a qualidade de vida destes. Deste modo, os ganhos em saúde foram destacados em seis artigos (Chatwin e Simonds, 2009; Hoit et al, 2003; Tzeng e Bach, 2000; Nugent et al, 2002; Gonzalez et al, 2002; Vianello et al, 2000).

Tzeng e Bach (2000), referem que os doentes, em domicilio, submetidos ao protocolo, o qual consiste em, fornecer aos doentes um oximetro de pulso e executar técnicas de tosse assistidas quer manualmente quer mecanicamente, principalmente quando SaO2 inferiores a 95% durante as infecções respiratórias, reduziram significativamente o número de internamentos por ano e por dias do ano do que os doentes sem protocolo. As taxas de internamento também diminuíram devido á utilização do método da tosse assistida, no domicílio, esta ideia é também apoiada por Chatwin e Simonds (2009), que no seu estudo sobre a utilização de cinesioterapia e in-exsulfador mecânico, a doentes neuromusculares, em meio hospitalar, verifica que estes métodos se revelam muito eficazes na limpeza das vias aéreas superiores, de salientar que o tratamento com o uso do in-exsuflador mecânico tem uma duração menor.

 Segundo Vianello et al (2000), numa UCI, observou – se que a nível da mortalidade, falência do tratamento e o número de internamento, foi menor nos doentes submetidos a VNI, comparativamente aos doentes com VM. Ainda citando o mesmo autor, verifica-se que ao comparar doentes submetidos a VNI com doentes submetidos a VM, a primeira é preferível visto que, melhora o conforto do doente, previne a lesão traqueal, preserva os mecanismo de defesa das vias aéreas, permite ao doente falar e alimentar – se através da utilização de um interface nasal, contribuindo desta para uma melhor qualidade de vida. Hoit et al (2003), sustenta também a ideia, do autor anterior, no que se refere á melhoria de qualidade de vida, realizando um estudo no qual destacou a capacidade de comunicação, nomeadamente, a comunicação verbal, nos doentes neuromusculares submetidos a VNI, verificando que com a alteração de apenas um ou dois parâmetros ventilatórios há a melhoria da capacidade da fala destes doentes. Desta forma, há uma redução na pausa obrigatória, a quantidade de discurso produzido aumenta em cada respiração e existe uma melhoria na percepção do discurso.

Como mencionado anteriormente, a VNI revela ganhos em saúde, nos doentes neuromusculares, nomeadamente, a nível hemodinâmico. No artigo elaborado por Nugent et al (2002), revela que a nível de valores gasómetricos, estes melhoraram significativamente nos doentes com distrofia miotica, após a instituição de VNI. Numa primeira abordagem, constatou-se que a média dos valores de PaCO2 diminui de 64.3mmhg para 53.8 mmhg, e a média dos valores de PaO2 aumentou 53.0 mmhg para 65.3 mmhg. Na reavaliação, verificou-se que a melhoria dos valores gasómetricos se mantivera (PaCO2 = 52.4 mmhg / PaO2 = 59.0 mmhg). O mesmo autor refere ainda que, os valores de capnografia e de saturação nocturna numa primeira fase do tratamento melhoram significativamente, sendo que os valores de capnografia diminuíram de 59.3 mmhg para 41.4 mmhg, e os valores de saturação nocturna aumentaram de 80.5% para 90.3%. Na reavaliação a capnografia manteve-se a 43.7 mmhg e a saturação nocturna manteve-se nos 90.4%.

No sentido de optimizar o equilíbrio hemodinâmico dos doentes neuromusculares submetidos a VNI, o autor Gonzalez et al (2002), demonstra através do seu artigo a importância das fugas de ar, desta forma, é possível analisar que as fugas de ar contribuem 8% para a variação da PaCO2. Assim, concluiu-se que o volume de fuga é maior no grupo com hipercapnia. O mesmo autor, verificou também que ao aplicar um apoio de mento no grupo de doentes submetidos a ventilação não invasiva com hipercapnia persistente, houve uma redução no volume de fuga com a normalização da PaCO2.

CONCLUSÃO

Após a análise sistemática dos artigos seleccionados, podemos concluir que os doentes neuromusculares submetidos a VNI apresentam diversos ganhos em saúde, nomeadamente, quer a nível hemodinâmico, quer na melhoria da qualidade de vida no que se refere ao conforto físico e emocional:

  • A utilização de In-Exsuflador mecânico e/ou reeducação funcional respiratória permite uma eficaz limpeza das vias aéreas, permitindo a compliance pulmonar;
  • O tratamento que inclui a utilização do In-Exsuflador mecânico tem um menor tempo de duração;
  • A capacidade de falar dos doentes neuromusculares submetidos a VNI de longa duração melhora com a alteração de um ou dois parâmetros ventilatórios, nomeadamente o tempo inspiratório e o PEEP;
  • Os valores de PaCO2 diminuiu e a PaO2 aumentou, a SaO2 mantém-se mais controlada e dentro de valores normais e os níveis de CO2 diminuíram, após a utilização de VNI;
  • O uso de VNI no domicílio, permite uma sobrevivência prolongada e uma melhoria gasómetrica;
  • No período de agudização, o uso de VNI em conjunto com cinesioterapia e In-Exsuflador mecânico, reduzem o número de internamentos;
  • O apoio de mento em doentes submetidos a VNI contribui para a normalização da PaCO2 devido há diminuição do volume de fuga;
  • Diminui o tempo de internamento e a mortalidade em UCI;
  • Possibilita ao doente um maior conforto, previne a lesão traqueal, preserva o mecanismo de defesa das vias aéreas, e permite ao doente falar e alimentar-se.

Como profissionais de saúde consideramos que VNI aplicada aos doentes neuromusculares possibilita vários benefícios e ganhos em saúde, diminuindo o número de internamentos e o tempo de hospitalização destes, diminuindo assim, os custos associados aos cuidados de saúde com estes doentes.

Desta forma, consideramos que esta é uma temática que necessita de mais estudos e trabalhos de investigação, pois como foi dito anteriormente apesar de empiricamente se observarem resultados a nível clínico e hemodinâmico, não existem estudos que comprovem estes resultados cientificamente.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

  •  Agarwal, R.; Handa, A.; Aggarwal, A.; Gupta, D. & Behera, D. (2009). Outcomes of noninvasive ventilation in acute hypoxemic respiratory failure in a respiratory intensive care unit in north India. Respiratory Care, 54(12), 1679-1687. Retrieved from MEDLINE with Full Text database

  • Abreu, P; Mendes, M. A. – Doenças Neuromusculares – Neurologia clínica: Compreender as doenças neurológicas; Porto, Edições Universidade Fernando Pessoa; p. 469-470

  • Germano, N. (2008) – Ventilação Não Invasiva. In: Marcelino, P. – Manual de Ventilação Médica no Adulto – Abordagem ao doente critico, Loures, Lusociência, 2008. P. 239-256.

  •  Gonzalez, J., Sharshar, T., Hart, N., Chadda, K., Raphaël, J., & Lofaso, F. (2003). Air leaks during mechanical ventilation as a cause of persistent hypercapnia in neuromuscular disorders. Intensive Care Medicine, 29(4), 596-602.

  •  Guyatt G.H., Rennie D. (2002) – Users’ Guides to the Medical Literature: A Manual for Evidence-based clinical practice. Chicago: American Medical Association.

  •  http://www.apn.pt, Associação de doentes neuromusculares, acedido em 02/01/2012.

  • Hoit, J., Banzett, R., Lohmeier, H., Hixon, T., & Brown, R. (2003). Clinical ventilator adjustments that improve speech. Chest, 124(4), 1512-1521.

  • Jurjević, M.; Matić, I.; Sakić-Zdravcević, K.; Sakić, S.; Danić, D. & Buković, D. (2009). Mechanical ventilation in chronic obstructive pulmonary disease patients, noninvasive vs. invasive method (randomized prospective study). Collegium Antropologicum, 33(3), 791-797. Retrieved from MEDLINE with Full Text database.

  • Miske, L., Hickey, E., Kolb, S., Weiner, D., & Panitch, H. (2004). Use of the mechanical in-exsufflator in pediatric patients with neuromuscular disease and impaired cough. Chest, 125(4), 1406-1412.

  • Nugent, A., Smith, I., & Shneerson, J. (2002). Domicilliary-assisted ventilation in patients with myotonic dystrophy. Chest, 121(2), 459-464.

  • Portugal, Alto Comissariado da Saúde (2011) – Plano Nacional de Saúde 2011-2016, Lisboa, ACS.

  • Rahal, L.; Garrido, A.; Cruz, R. (2005). Ventilação não invasiva: quando utilizar? Assoc Med Bras. 51(5); 241-55;

  • Tzeng, A., & Bach, J. (2000). Prevention of pulmonary morbidity for patients with neuromuscular disease. Chest, 118(5), 1390-1396.

  • Vianello, A., Bevilacqua, M., Arcaro, G., Gallan, F., & Serra, E. (2000). Non-invasive ventilatory approach to treatment of acute respiratory failure in neuromuscular disorders. A comparison with endotracheal intubation. Intensive Care Medicine, 26(4), 384-390.

admin
EnglishFrenchPortuguese